Atravessando o Atlântico

Apesar de adorar conhecer lugares, eu não gosto nem um pouco de voar. Eu sinto medo em turbulências, manobras para subir, descer, decolagens… E apesar de saber que todos esses procedimentos são comuns, eu fico sempre alerta caso algo possa acontecer de errado.

Um dos meus maiores medos é justamente atravessar o Oceano Atlântico. Só de olhar pro computador de bordo fica claro que, após a saída do Brasil, o pedaço de terra mais próximo é em Cabo Verde, a algumas horas de distância. Sempre fui destemida, mas comecei a sentir medo de voar após sofrer uma turbulência muito forte na região da Linha do Equador, no meio do Atlântico.

Estávamos em 11 mil metros, e o avião, em cerca de uma hora de fortes turbulências despencou quase 7 mil metros. Na noite anterior, em Paris, tinha assistido à previsão do tempo, e a meteorologista tinha avisado que havia um furacão em formação no Atlântico. Na mesma hora, senti medo pois sabia que eu ia passar por ali no dia seguinte.

Pra ajudar a situação, uma moça que estava viajando perto de nós comentou após ver o computador de bordo: “Foi perto desse lugar que aquele outro avião da Air France caiu”. Estávamos a bordo de uma aeronave da Air France, e cerca de dois meses antes, vários voos da companhia estavam sendo desviados, ou cancelados. Era ameaça de bomba, perigo de despressurização… aquela sensação de queda livre não ajudou nem um pouco.

Esse relato pode parecer medonho para aqueles que possam sentir medo como eu, mas  uma coisa eu garanto: se eu não caí com um furacão, eu não caio mais! :)

Tem pessoas que pensam que 12 horas é muito tempo para se passar confinado a apenas um só ambiente. Pensando bem, 12 horas é metade de um dia, e tem duração maior que um dia de trabalho full-time. Para pessoas extremamente ocupadas, e durante todas essas horas, podemos resolver muitos assuntos.

Para os voos saindo do Brasil, existe uma vantagem. A maioria deles sai durante a noite, proporcionando, teoricamente, uma noite de sono aos viajantes. Claro que dormir no avião não é igual a dormir na sua cama, mas hoje, as companhias aéreas se mostram cada vez mais dispostas a proporcionar conforto aos passageiros. Em viagens transatlânticas, é comum que os passageiros recebam um kit com cobertor, travesseiros, fones de ouvido e um computador de bordo com diversas multimídias. Outras companhias oferecem mais coisas, como tapa-ouvidos, tapa-olhos, lenços umedecidos, e escova, e pasta de dente. Claro que o travesseiro não é o mais confortável, mas o cobertor, por exemplo, já ajuda muito.

Vários voos dispõem atualmente de uma grande seção multimídia. Não só artistas desconhecidos como também muitas músicas e filmes clássicos podem estar à disposição.

Algumas companhias também oferecem opções para escolha no cardápio. Outras, como por exemplo a Air France/KLM, oferece picolés da Haagen Dazs duas vezes durante o voo. Eles não falam para os passageiros, então fica a dica de sempre estar atento, e perguntar dos comissários.

Também é válido levar um livro, palavras cruzadas e afins para se deliciar durante o voo. Esses tipos de passatempo gastam muito tempo, sem percebermos.

Mas se você gosta, e consegue dormir dentro de um avião, prepare-se! Tem muito voo pela frente, e muito tempo livre para se gastar!

 

Anúncios