Voluntariado na escola Kontyfa

Em Budapeste, tive o prazer de realizar um trabalho voluntário na escola Kontyfa, localizada no distrito XV, no bairro de Ujpalota.

Como disse antes, o trabalho voluntário consiste em impactar os alunos através da internacionalização. Nós apresentaríamos pra eles fatos sobre os nossos países, onde eles conheceriam um pouco mais da nossa cultura e curiosidades, e também os dando uma perspectiva de futuro, apresentando que existe um mundo inteiro aí fora. Eu executei esse projeto com uma menina da Austrália, nascida em Singapura, e que viveu em vários países da Ásia. Ou seja, os alunos realmente estavam com duas cidadãs do mundo :)

Mas como assim? Muitos dos alunos da escola não sabem exatamente o que querem, ou não simplesmente acreditam que eles tem um enorme potencial. O distrito XV fica bem nos distritos de Budapeste, e a quadra onde a escola ficava era a última antes da fronteira entre Budapeste e Gödöllo, ou seja, ela lidava com muitos alunos que viviam em situação de risco, considerando os subúrbios como a região mais perigosa da cidade.

Quando cheguei, a professora responsável pelo nosso projeto, a Kriszta, foi logo avisando que era pra eu ter muito cuidado com a vizinhança e os alunos, pois eles viviam nessa tal situação “de risco”. Risco pelo fato dos subúrbios serem a região menos privilegiada de Budapeste, e por muitos desses alunos terem pais desempregados, não se interessarem ~mesmo~ pelos estudos (vi uma aluna do equivalente ao nosso primeiro ano do ensino médio com 23 anos), e até viverem em formação suspeita.

Fiquei logo com medo, mas o que eu vi foi o oposto disso. Todo mundo com um sorriso no rosto, todos prestativos com os professores, e apesar de muitos deles viverem em dificuldades, não demonstravam nada de triste. Mas realmente muitos deles não tem perspectivas de crescimento profissional. Muitos dos que estavam terminando a escola, não queriam fazer faculdade, ou nem sabiam ainda qual profissão seguir.

Eu ia todo dia pra escola com um sorriso no rosto! Sempre muito bem recebida por todos, e sempre sentia muita curiosidade vinda dos alunos sobre mim ou sobre a minha roomate.

Eu trabalhava lá de manhã, mas em nem todos os horários. Como eu fui agora em abril e maio, muitos dos alunos já estavam entrando na reta final do ano letivo (que termina em junho e começa em setembro), eles precisavam de conteúdo, e de fazer as provas finais. Claro que às vezes eu ficava chateada em não poder contribuir mais, mas totalmente compreendia que eles precisavam de conteúdo (risos).

Os professores sempre comentavam comigo que achavam que a escola tinha muitos problemas, por ser uma escola pública (todas na Hungria são), mas a infraestrutura deles, apesar de ser antiga, era muito boa! Eles sempre tinham atividades de recreação para os alunos. Já vi pula pula, touro mecânico, aquela luta com cotonetes gigantes (?!), e até muitas atividades do lado de fora da escola. Por exemplo, em uma semana, os alunos passavam todo o tempo fora da escola, e uma das atividades era ir até o castelo de Buda e servir de guia em inglês para turistas estrangeiros. Ou seja, atividade conjunta de inglês e história. Eles também comemoraram o dia da Terra com uma feira de ciências. Foi bem interessante!

Fora que eles possuíam muita infraestutura acadêmica, com material para datashow, wifi, sala de edição de videos, uma biblioteca completa, sala de ciências e por aí vai.

Eu também morei dentro da escola. Anexo à escola, tinha um apartamento, pequeno mas confortável, que oferecia toda a infraestrutura de conforto. Nós tínhamos uma entrada independente da entrada da escola, mas também tínhamos acesso à parte de dentro da escola. Podíamos entrar na escola em qualquer hora, mas se passássemos de um certo ponto, o alarme ia ser ativado. ^^

Literalmente tivemos casa, comida e roupa lavada! Além de um apartamento bem confortável, almoçávamos todos os dias na escola, e sempre as senhoras da cafeteria nos davam todo tipo de comida. Pães, frutas, leite, manteiga, e também tínhamos umas vasilhas onde podíamos levar o almoço para comer em casa. Elas também nos ajudavam a lavar a roupa na lavanderia, e também nos davam dinheiro para passar o fim de semana!

Apesar de eu morar bem na fronteira de Budapeste, o acesso de ônibus era bem fácil. Só duas linhas de ônibus iam ao centro da cidade, mas eles passam pela parada de ônibus de cinco em cinco minutos. A linha de metrô M4 (eternamente em construção) vai ter seu ponto final duas paradas de ônibus antes da minha. Vai ficar mais fácil de ir pra lá ainda!

Então, eu não tenho como agradecer toda essa experiência incrível que passei na escola Kontyfa! Quando eu voltar a Budapeste, passo lá de certeza.

 

Anúncios

2 comentários sobre “Voluntariado na escola Kontyfa

  1. Betânia Bazzan disse:

    Adorei teu blog Camilla. Pretendo ir pra lá fazer este mesmo projeto.. estou em processo de escolha da vaga e ser aceita pela aiesec de lá. Tomara que dê tudo certo!

Os comentários estão desativados.