O que eu vi do racismo na Rússia

Racismo é uma palavra pesada e difícil de justificar. Infelizmente todos os lugares do mundo não estão livres desta prática, devido ao fato de que certas pessoas não conseguem aceitar gente que é diferente delas. Aprender a lidar com as diferenças é essencial para qualquer convívio pacífico na sociedade, e posso dizer que dependendo do lugar as pessoas conseguem lidar melhor com essas diferenças, e em outros lugares, menos.

Assim quando eu decidi fazer um projeto voluntário na Rússia, muitas perguntas vieram à minha mente. Como eu iria lidar com o inverno, com o jetlag, idioma diferente, atitudes diferentes e após várias pesquisas fiquei com a pulga atrás da orelha sobre o racismo.

Desde aqui, já sabia de um preconceito perante a pessoas da região do cáucaso (na Rússia, caucasiano não necessariamente significa pessoas de pele branca) devido à múltiplas tensões após a guerra da Chechênia e ataques terroristas cometidos por pessoas da região. Um pouco antes de ir pra lá, dois grandes atentados terroristas haviam acontecido em Moscou: uma bomba havia explodido no aeroporto de Moscou (DME) e outra dentro do metrô no horário do rush.

Certamente é de assustar qualquer um, mas procurei nem pensar muito nisso e tentei me inserir na sociedade. Talvez os relatos fossem exagerados, como muitas outras coisas de viagens anteriores que já tinham me repassado, mas não vou mentir dizendo que não vi qualquer tipo de demonstração de preconceito por lá.

Desde a época da União Soviética muitos estudantes africanos ganhavam bolsas de estudo para estudarem nas melhores universidades ali, e esse hábito continua até hoje. Um dia estava na parada de ônibus perto da minha casa e um desses estudantes ficou parado ali esperando a marshrutska (van). Alguns minutos depois passou um Lada velho e um cara bêbado tirou a cabeça pra fora, apontou pro rapaz e gritou: “Hello Nigger! Hahahaha”. Uma atitude simplesmente ridícula.

Muitos jogadores de futebol estrangeiros (não-eslavos) ultimamente estão fazendo sucesso lá na Rússia, inclusive uma grande variedade de brasileiros, e me arrisco a dizer que esses jogadores ajudam a fortalecer tecnicamente o futebol lá na Rússia. Uma vez ou outra ouvimos casos de jogadores que ouviram insultos do campo, ou que foram “recepcionados” com cascas de banana, dentre outras coisas.

Como já falei aqui, fui assistir um jogo da Champions League em Moscou, das oitavas de final da temporada 2011/2012. Assim que chegamos, fomos direto ao lugar marcado e um russo chegou com o Niko, um amigo nosso, e pediu que nós nos retirássemos dali por que ele e outros torcedores estavam se incomodando com a nossa presença. “Nossa”, ele quis dizer a presença do indiano e de outros dois brasileiros sendo um que parecia árabe e outro era negro. Nos afastamos dali.

Na hora da apresentação dos times e da UEFA, o narrador do estádio (um em russo e outro em espanhol) citou que a UEFA era contra o racismo. Após a citação dessa frase em russo, esse mesmo grupo de torcedores começou a imitar macacos. Foi simplesmente ridículo e foi uma ação isolada desse mesmo grupo. Tanto que os outros torcedores ao redor menosprezaram essa atitude.

Sempre que existe uma reação assim, os cartolas querem dar punições aos clubes, como perda de mando de campo, número limitado de ingressos e outras coisas. Vou só dizer algo: isso não adianta! Quem comete essas coisas vai continuar jogando casca de banana no campo e vão continuar a imitar macacos! O certo ao meu ver seria uma apreensão dessas pessoas no momento do ato e serem levados à juízo com penas mais sérias.

Mas sinceramente aplicar leis mais duras contra o racismo não são uma prioridade na Rússia, por um motivo bem maior, que é difícil de se explicar sem muita pesquisa profunda sobre o assunto. O que eu posso afirmar é que a dissolução da União Soviética agravou tensões de uma maneira em que as minorias sofrem até hoje.

E comigo? Posso dizer que não tive pessoalmente nenhuma experiência por ser brasileira ou algo do tipo. Eu sou branquinha e o meu cabelo estava bem claro, usava bastante maquiagem (sim, as russas usam toneladas de maquiagem) e fui confundida com russas várias vezes.

Todos são assim? De jeito nenhum. Os russos são um povo muito humilde e trabalhador. Pessoas com esse tipo de atitude são muito poucas e geralmente não tiveram muita educação formal.

Atitudes? Simplesmente não ligar. Em geral, as cidades são seguras, e os mesmos cuidados com segurança usados em qualquer lugar valem a pena.

Anúncios

Um comentário sobre “O que eu vi do racismo na Rússia

Os comentários estão desativados.