Influência póstuma. Até quando?

Um dos fatos mais curiosos sobre a Rússia de hoje é o fato de ainda existirem inúmeras demonstrações de saudade e apoio à União Soviética. Leia-se: esses movimentos ainda existem, porém uma pequena parte da população a apoia de fato!

E uma dessas demonstrações curiosas, especialmente para os olhos de uma pessoa “ocidental” é a presença de várias estátuas do líder da Revolução Russa em pontos importantes de várias cidades russas. Mas não é só em estátuas que a figura do Lênin é retratada. Muitas avenidas e outros lugares possuem uma representação direta ao líder comunista.

O que acontece é que os mais velhos sentem uma espécie de “saudade” da União Soviética, pois em certos pontos, ela ainda “funcionava” em meados dos anos 1960 e 1970. A educação era excelente, a ciência era vanguarda, eles tinham uma boa infraestrutura de vida e o país ainda era uma potência militar e há pouco havia ganhado uma guerra.

Veja acima que não citei questões de perseguição política, repressão e outras coisas que não entram no mérito específico deste post.

Praça Lênin com o próprio Lênin ao fundo.

Praça Lênin com o próprio Lênin ao fundo.

Quando a União Soviética se dissolveu, muitas coisas “pararam” na Rússia modernas. Com a ajuda de uma crise financeira grave e recessão profunda, uma parte da população sofreu bastante. Alguns dizem que o Partido Comunista nunca tinha sido tão forte nesse tempo de recessão (meados de 1998), já que muitos tiveram uma “comprovação” de que o capitalismo não funcionava mesmo.

Daí que vem a força e a admiração por Lênin. Aos olhos de muitos, ele foi um grande herói por ter conseguido acabar com a “hipocrisia” do império e ter dado aos trabalhadores (classes mais baixas) uma força que eles jamais haviam possuído. De fato a memória comunista ainda é muito apreciada, por ser um momento em que eles estavam “no topo do mundo”.

Mas tudo o que sobe, desce. Pouco a pouco, a Rússia está se tornando uma potência mais consolidada e confiável. No famoso grupo BRIC (não, eu não considero a África do Sul um BRIC), a Rússia é o “melhor” país do acrônimo. Dos quatro, ela é a que possui uma inflação mais baixa, a melhor infraestrutura (mesmo que antiga) e possibilidade de abertura com o exterior. Alguns economistas afirmam que em 10 anos, a Rússia estará dividindo o topo da economia mundial com os EUA, a China e a UE (sem considerar crises a partir desse ponto).

E com a constante melhora da economia, a memória de Lênin vai aos poucos se desfazendo. Alguns já consideram enterrar o corpo dele que está em exposição no mausoléu. Outros já consideram mudar os nomes das avenidas e levar as estátuas junto aos “cemitérios”.

Estátua do Lênin no estádio Lujniki

Estátua do Lênin no estádio Lujniki

Tem algumas coisas que merecem seu tempo. Na minha opinião, o tempo dele já passou faz tempo. É hora da Rússia libertar sua “memória” comunista e dar um passo para o futuro.

Anúncios