Airport review: Flughafen Frankfurt am Main (FRA)

O aeroporto de Frankfurt é um dos principais portões aéreos da Europa, ficando atrás somente do aeroporto de Londres – Heathrow e de Paris – Charles de Gaulle. Na Alemanha ele é o principal hub aéreo da Lufthansa, que é a maior empresa aérea do país, e atualmente ele serve 275 destinos em 111 países!

Pelo tamanho, número de destinos e obviamente número de passageiros, o aeroporto de Frankfurt é bem preparado para o viajante, possui excelente infraestrutura e está constantemente buscando melhorar o atendimento ao cliente – que já possui altíssimo grau de satisfação devido à eficiência alemã.

Aguardando meu vôo no Aeroporto de Frankfurt

Aguardando meu vôo no Aeroporto de Frankfurt

Existe conexão direta com o Brasil?

Sim, e várias cidades no Brasil possuem voos diretos a Frankfurt!
A Lufthansa oferece voos diários partindo de São Paulo – Guarulhos (11h35min) e do Rio de Janeiro – Galeão (11h25min).
A LATAM também oferece voos diários a Frankfurt, saindo apenas de São Paulo – Guarulhos (11h35min)
Já a Condor, empresa alemã conhecida por oferecer voos low cost a destinos no Caribe e nas Américas oferecem voos diretos de Recife, Salvador e Fortaleza. No fim deste ano, a Condor começará a operar voos sazonais para o Rio de Janeiro – Galeão.
Uma outra companhia aérea alemã que de vez em quando oferece voos charters ao Brasil e Caribe é a Air Berlin. Inclusive uma vez eu já vi um desses voos charters aqui em Manaus, porém esses voos são fretados por empresas de turismo da Alemanha que levam passageiros a destinos “exóticos” na alta temporada.

Qual a disponibilidade de restaurantes?

O aeroporto de Frankfurt é gigantesco, possui dois terminais com algumas subdivisões e obviamente possui muitos cafés e restaurantes.
Desde fast foods, comidas mais leves, restaurantes um pouco mais sofisticados e afins, existe uma enorme variedade de comidas por ali.

Existe wi-fi gratuito?

Sim, e por todo o aeroporto. Hoje em dia a maioria dos aeroportos europeus oferece o próprio wi-fi gratuito, e caso queiras ter um acesso mais rápido, eles possuem uma conexão paga através do cartão de crédito.

Como é a conexão para o centro da cidade?

É fácil ir do aeroporto até o Centro. Para isso, é necessário seguir até a saída do terminal 1 em direção à S-bahn, que é a linha de metrô da cidade. Não se esqueça de comprar seu ticket antes numas máquinas próximas a estação (vai que um fiscal resolve aparecer no trem?), e siga de metrô até a estação que fique mais acessível ao seu hotel.

Qual a disposição de tomadas?

Não é difícil de achar tomadas pelo aeroporto. Caso precise carregar algo, pode ficar tranquilo.

Câmbio?

Em Frankfurt, assim como em qualquer outro aeroporto, vale usar a regra de trocar a menor quantidade de dinheiro possível. Provavelmente você já irá sair do Brasil com alguns euros, mas se você vier de algum outro lugar (principalmente europeu) que utilize uma outra moeda, procure as casas de câmbio no centro da cidade, pois elas possuem cotações mais favoráveis aos turistas.

O que mais posso destacar?

Uma característica que vi em poucos aeroportos no mundo é que o Aeroporto de Frankfurt oferece jornais do dia de graça para quem quiser. :) Da última vez que passei por lá, o Bayern de Munique tinha acabado de ganhar a Liga dos Campeões, e os jornais alemães estavam eufóricos! Guardei alguns de souvenir. :)

2013-05-27_08-14-33_195

Acompanhe também:

Airport Review: Orlando Int’l Airport (MCO)
Airport Review: Aeroporto di Milano – Malpensa (MXP)
Airport Review: Flughafen München (MUC)
Airport Review: Paris Charles de Gaulle – Roissy (CDG)
Airport Review: Miami Int’l Airport (MIA)
Airport Review: San Francisco Int’l Airport (SFO)
Airport Review: Aeropuerto Internacional de Tocumen (PTY)
Airport Review: Chhtrapati Shivaji Int’l Airport (BOM)
Airport Review: Flughafen Wien (VIE)
Airport Review: Aeroport Sheremetyevo (SVO)
Airport Review: Budapest Liszt Ferenc – Ferihegy (BUD)

Airport Review: Istanbul Atatürk (IST)
Airport Review: Aeroporto da Portela (LIS)

Airport Review: Chicago O’Hare Int’l Airport (ORD)
Airport Review: Ministro Pistarini  – Ezeiza (EZE)

Anúncios

Airport review: Paris Charles de Gaulle – Roissy (CDG)

Paris tem três aeroportos principais, o Charles de Gaulle (Roissy), Orly e Beauvais. Desses três, o aeroporto de Orly é o mais antigo e continua recebendo uma série de voos de companhias importantes, porém mais de destinos europeus. Já o aeroporto de Beauvais opera poucas companhias low cost, e quase ninguém chega à Paris por lá. Com certeza, a grande maioria dos voos internacionais chega no CDG, e é sobre ele que eu vou falar agora.

P1020306

Quais são as conexões diretas com o Brasil?

Atualmente, somente a LATAM e a Air France operam voos diretos ao CDG. Diariamente, existem voos saindo de São Paulo-Guarulhos e Rio de Janeiro-Galeão de ambas as companhias. Há cerca de um ano, a Air France começou a operar um voo que sai três vezes por semana de Brasília, mas a tendência é que este vire um voo diário.

Uma outra rota muito utilizada por brasileiros que vão a Paris é por Lisboa, pela TAP. Porém os voos da TAP chegam somente em Orly.

Como é feito o transporte para o centro de Paris?

O CDG é relativamente longe de Paris, cerca de 25 km do centro. Para isso, existem três maneiras básicas para ir até a cidade: RER, ônibus e táxi.

Para pegar o RER (que é o trem metropolitano), compre o ticket ou pela internet, ou lá mesmo no aeroporto, em guichês. Ele custa mais ou menos 9 euros e tem três estações no aeroporto, uma em cada terminal. Antes de ir, tenha em mãos o nome da estação de metrô mais próxima do seu hotel, para assim você poder saber em qual estação de RER descer.

Para ônibus, existe o transporte da Air France (que pode ser utilizado por passageiros de qualquer companhia) e o Roissy Bus.

Saindo de CDG, o transporte da Air France tem três linhas: uma que para na Porte Maillot e em Champs Elysées, uma segunda que para na Gare de Lyon e outra na Gare Montparnasse, e outra linha que vai até o aeroporto de Orly.

Usando o Roissy Bus, o trajeto vai até a estação Opera, bem no coração de Paris.

Para pegar táxi, é bem simples. Pegue na saída do aeroporto sempre na companhia autorizada. Na saída do aeroporto umas pessoas ficam te abordando para pegar táxis “clandestinos”. Eu já fui e voltei de táxi de CDG e paguei 40 EUR na ida e 80 EUR (na verdade, 78!) na volta. Admito que o meu voo era de madrugada e não queria ir pegar o RER sozinha no escuro (ah, e eu havia dormido demais em aeroportos naquela viagem específica).

Como é a imigração no CDG?

Em todas as vezes que desci no CDG, nunca tive problemas com imigração. Em uma das vezes, a policial me deixou passar sem perguntar nada quando me ouviu falando francês. Mas de qualquer maneira, vá com a pastinha preparada, com a passagem de volta, seguro saúde, cartão de crédito, e claro, passaporte com validade de pelo menos 3 meses!

Tem wifi no aeroporto?

Hoje em dia é difícil que algum aeroporto de grande porte não tenha wifi. Em CDG o wifi é gratuito mas claro, eles cobram algumas taxas para uma conexão bem mais rápida.

Posso fazer no CDG o procedimento para o Détaxe?

Claro, e deve! Para isso, é só levar o formulário de Détaxe que você recebe na própria loja onde você fez suas compras para os guichês autorizados. Eles vão lhe dar as instruções, e em um outro guichê você já recebe o dinheiro. Mas lembre-se, faça o Détaxe antes de embarcar!

Existem lugares para comer no CDG?

Sim! Existem cafés, barzinhos, fast foods, todos bem diversos entre si. Dá até pra comprar macarons da Ladurée no embarque. :)

É possível dormir no aeroporto?

Sim, é possível. Porém é aquilo, coisa de viajante. :) Outra coisa que deve ser considerada é a falta de movimento nos aeroportos europeus durante a madrugada, já que a maioria dos voos começam a partir das 6 da manhã.

Tem como trocar dinheiro lá?

Sim, mas a dica é trocar o mínimo possível por causa da cotação desfavorável a viajantes nos aeroportos. Também me recordo que só tinha encontrado uma casa de câmbio no terminal 1, e não havia ninguém lá. Uns 20 minutos depois, uma moça apareceu.

Sobre compras e duty free:

Confesso aqui que já vi áreas de duty free melhores. Existe até alguma variedade, mas esperava mais de Paris, especialmente no embarque internacional da Air France, no terminal 2E. Porém, é possível de encontrar boas compras, especialmente os perfumes!

Preparando-se para atender bem o turista desde o princípio, o aeroporto de Paris-CDG é muito bem equipado e muito bem informativo. Para alguma dúvida pontual, existem vários guichês pelo aeroporto, onde os funcionários podem te ajudar com as mais diversas situações. Ah, não se esqueça de pegar um mapa da cidade nos guichês de informações!

Acompanhe também:

Airport Review: Orlando Int’l Airport (MCO)
Airport Review: Aeroporto di Milano – Malpensa (MXP)
Airport Review: Flughafen München (MUC)
Airport Review: Flughafen Frankfurt am Main (FRA)
Airport Review: Miami Int’l Airport (MIA)
Airport Review: San Francisco Int’l Airport (SFO)
Airport Review: Aeropuerto Internacional de Tocumen (PTY)
Airport Review: Chhtrapati Shivaji Int’l Airport (BOM)
Airport Review: Flughafen Wien (VIE)
Airport Review: Aeroport Sheremetyevo (SVO)
Airport Review: Budapest Liszt Ferenc – Ferihegy (BUD)

Airport Review: Istanbul Atatürk (IST)
Airport Review: Aeroporto da Portela (LIS)

Airport Review: Chicago O’Hare Int’l Airport (ORD)
Airport Review: Ministro Pistarini  – Ezeiza (EZE)

Airport review: Miami Int’l Airport (MIA)

O aeroporto de Miami, junto com o aeroporto JFK de New York são os principais hubs de entrada de brasileiros nos Estados Unidos. Devido à localização geográfica, cultura latina, praias e possibilidade de compra, muitos brasileiros acabam indo para lá nas férias. Só que Miami também é um hub aéreo muito importante para quem entra nos Estados Unidos para desembarcar em qualquer outro lugar no país, Caribe e até México.

Mapinha do aeroporto de Miami

Mapinha do aeroporto de Miami

Existe conexão direta com o Brasil?

Sim, e muitas! Miami é um hub aéreo da American Airlines, e existem voos diretos dessa companhia para Belo Horizonte, Curitiba, Manaus, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo, e em dezembro, começarão voos a partir de Campinas. Já a LATAM opera saídas de 7 cidades: Belém, Belo Horizonte, Brasília, Fortaleza, Manaus, Rio de Janeiro e São Paulo. Sempre fui de LATAM e gostei muito dos serviços do voo: atendimento, serviço de bordo e entretenimento. Além do mais, adoro a duração da viagem: pouco mais de 4h30.

Transporte para aluguel de carro?

Em geral nos Estados Unidos, principalmente em Miami, é indispensável ter carro. No desembarque existem ônibus brancos chamados de “Rental Car Shuttle” que levam a um prédio onde se encontram as locadoras de carros. Lá é só contatar sua locadora com a reserva, e buscar seu carro.

O aeroporto oferece wifi?

Sim, oferece e a qualidade é relativamente boa. Além do mais, é grátis e pega em quase todo o terminal!

Qual a disponibilidade de tomadas e cadeiras?
Existe uma boa variedade de ambas, e sempre é possível parar, sentar e carregar algum aparelho.

Dormir no aeroporto é bom?
No aeroporto em si, mais ou menos. Não dá pra deitar e ter uma noite confortável, mas dentro do aeroporto existe um hotel para aqueles que vão ter que passar a noite no local. Não é um hotel tipo cápsula, e o quarto que ficamos era amplo, com TV a cabo e um banheiro grande também. A única ressalva é que o hotel não aceita reservas na hora.

Serviços de alimentação:
Existem fast foods e restaurantes por todo o aeroporto. Mas a dica principal é que a grande maioria deles fecha cedo, já que o aeroporto fecha depois das 22:00, sem pousos nem decolagens. Da última vez, chegamos lá pelas 20:30, guardamos as coisas no hotel, e quando descemos, só tinha o Burger King aberto.

Como é a imigração?

Uma das vezes que fui lá, eu passei cerca de 1h30 em pé na fila, pois esta não andava. E confesso de que todos os lugares que viajei, a imigração lá foi a mais chatinha. Não por ser intimidante, mas pelo fato de haverem várias perguntas a fazer (quanto tempo você vai ficar aqui, qual o hotel, se você estuda, onde você trabalha e qual o setor e assim sucessivamente) e também pelo fato de você ter que tirar uma foto na webcam e passar suas digitais para verificação. Procedimento comum nos Estados Unidos, para minimizar ao máximo ameaças de terrorismo e imigração ilegal. É bom estar com todos os documentos da viagem em mãos (passaporte com visto, passagem de volta, seguro saúde, reserva de carro e hotel, cartão de crédito, crachá do trabalho e afins).

Compras e free shop:

Pelo o que eu me lembre, o free shop de Miami no embarque/desembarque internacional não é tão bom (nem me lembro se tem, honestamente). Mas para embarque domésticos, o terminal que eu estava era cheio de lojas de vários tipos e setores com preços muito bons. Inclusive marcas que brasileiros adoram como Victoria’s Secret, Abercrombie and Fitch, Hollister, GAP and so on.

Como já disse, muitos brasileiros entram nos Estados Unidos via Miami. Não é difícil de se comunicar em português por lá, e o aeroporto por si, é bastante explicativo. Aproveite suas férias, que o aeroporto de Miami , para entradas e conexões, é muito bom.

Acompanhe também:

Airport Review: Orlando Int’l Airport (MCO)
Airport Review: Aeroporto di Milano – Malpensa (MXP)
Airport Review: Flughafen München (MUC)
Airport Review: Flughafen Frankfurt am Main (FRA)
Airport Review: Paris Charles de Gaulle – Roissy (CDG)
Airport Review: San Francisco Int’l Airport (SFO)
Airport Review: Aeropuerto Internacional de Tocumen (PTY)
Airport Review: Chhtrapati Shivaji Int’l Airport (BOM)
Airport Review: Flughafen Wien (VIE)
Airport Review: Aeroport Sheremetyevo (SVO)
Airport Review: Budapest Liszt Ferenc – Ferihegy (BUD)

Airport Review: Istanbul Atatürk (IST)
Airport Review: Aeroporto da Portela (LIS)

Airport Review: Chicago O’Hare Int’l Airport (ORD)
Airport Review: Ministro Pistarini  – Ezeiza (EZE)

Airport review: San Francisco Int’l Airport (SFO)

San Francisco é juntamente com Los Angeles (LAX) e San Diego (SAN) um dos principais hubs domésticos e internacionais não só da Califórnia, mas dos Estados Unidos em si. Esse aeroporto é realmente gigantesco e conveniente para o passageiro, e sem pensar digo que ele é um dos melhores em que já estive.

@SFO

@SFO

Conexão direta com o Brasil?

Infelizmente, não. Porém, ele é super acessível de qualquer grande aeroporto dos Estados Unidos. O lado ruim é a distância de hubs diretos com o Brasil como Miami (6h05) e New York (5h35).

Qual a disponibilidade de restaurantes?

SFO tem vários restaurantes e cafés, tanto na área para conexão quanto na área comum. As opções vão de fast foods, comida mexicana, hambúrgueres, comida japonesa, dentre outros.

Existe conexão wi-fi?

Sim, e de graça! O tempo é ilimitado.

Torneiras, onde as pessoas podem encher suas garrafinhas de água.

Torneiras, onde as pessoas podem encher suas garrafinhas de água.

E qual a disponibilidade de tomadas?

Não demorei a achar tomadas, já que o aeroporto é bem amplo e espaçoso.

Como é a conexão para o centro da cidade?

O site do aeroporto não é claro quanto a isso, já que eles só pedem para pedir informações no balcão de informações. Porém uma espécie de shuttle oficial (e pago) do aeroporto deve ser disponível.

E para alugar carro, como faz?

Nós alugamos carro e foi super tranquilo. Pegamos um monotrilho chamado AirTrain que conecta todo o aeroporto. Siga na linha azul até a última parada, onde se encontra o Rental Car Center, com a presença de diversas locadoras. É só entregar a reserva que as chaves do carro são entregues rapidamente.

Informações sobre o AirTrain

Informações sobre o AirTrain

Dicas de lazer em geral.

O aeroporto SFO tem muitas coisas para fazer, desde exposições de arte, aluguel de DVDs e até um museu da Aviação! Pena que não tive tempo de conhecer.

É fácil de fazer compras?

Sim! SFO possui lojas de diversos backgrounds, como roupas, acessórios, tecnologia, livros e afins.

Welcome to San Fran!

Welcome to San Fran!

Acompanhe também:

Airport Review: Orlando Int’l Airport (MCO)
Airport Review: Aeroporto di Milano – Malpensa (MXP)
Airport Review: Flughafen München (MUC)
Airport Review: Flughafen Frankfurt am Main (FRA)
Airport Review: Paris Charles de Gaulle – Roissy (CDG)
Airport Review: Miami Int’l Airport (MIA)
Airport Review: Aeropuerto Internacional de Tocumen (PTY)
Airport Review: Chhtrapati Shivaji Int’l Airport (BOM)
Airport Review: Flughafen Wien (VIE)
Airport Review: Aeroport Sheremetyevo (SVO)
Airport Review: Budapest Liszt Ferenc – Ferihegy (BUD)

Airport Review: Istanbul Atatürk (IST)
Airport Review: Aeroporto da Portela (LIS)

Airport Review: Chicago O’Hare Int’l Airport (ORD)
Airport Review: Ministro Pistarini  – Ezeiza (EZE)

Airport Review: Chicago O’Hare Int’l Airport (ORD)

Ai, Chicago! Quantas lembranças boas eu tenho de você! Toda vez sem hesitar eu digo que Chicago é a melhor cidade para se visitar nos Estados Unidos, e que para mim tudo foi perfeito ali! Pouco a pouco eu vou escrevendo sobre as minhas experiências na Windy City, mas hoje eu reservo um espaço para o principal aeroporto da cidade, o O’Hare.

Uma das maiores curiosidades deste aeroporto é o fato que o O’Hare é o segundo aeroporto mais movimentado do mundo em termos de movimentos de aeronaves. Até 1998 ele foi o aeroporto mais movimentado do mundo em número de passageiros. Esses dados servem só pra ter uma magnitude do aeroporto e do movimento que ele recebe diariamente.

Existe conexão direta com o Brasil?

Sim! Existe um voo diário pela United Airlines saindo do aeroporto de São Paulo – Guarulhos. Esse voo é operado por um Boeing 777-200, e dura cerca de 10h30. Segundo o site da companhia, o voo sai de GRU às 21:10 e chega em ORD às 05:40.

Transporte para o centro?

Não utilizamos carro em Chicago, e contratamos o serviço de shuttle recomendado do próprio aeroporto. O serviço é feito em pequenas vans que param em diferentes hoteis. A ida foi tranquila, e na volta o shuttle apareceu no horário combinado. Como na época não fui eu quem reservou, não sei de cor os preços, mas em geral o serviço foi bom e a viagem levava cerca de meia hora do aeroporto até o Loop e vice-versa.

Serviços de alimentação:

A área de embarque é gigante, e também pelo movimento, vários restaurantes e lanchonetes se encontram no local, oferecendo variedade para diversos gostos de passageiros. Se não me engano, comi numa Subway (estava com pressa…) por lá.

O aeroporto oferece wi-fi?

Hoje sim, mas aparentemente não em 2011 quando eu fui até lá.

Tomadas?

Não é difícil de encontrar tomadas na área de embarque.

Existem cadeiras disponíveis para todos?

Mesmo com um grande movimento, o aeroporto O’Hare tem áreas de embarque específicas para cada voo, oferecendo bastante espaço e cadeiras disponíveis.

E qual a disponibilidade de banheiros?

Na área de embarque em O’Hare, existem vários toilettes, e todos bem limpinhos.

Sobre raios-x e segurança:

Como todo e qualquer aeroporto nos Estados Unidos, a segurança vem em primeiro lugar. Posso garantir que eles são bem rigorosos quanto a segurança – com toda a razão – e que tudo é verificado e analisado de acordo com o raio-x.

Sobre compras e Duty Free:

Não precisei comprar nada em Chicago e não passei pela zona de Duty Free por ter feito apenas voos domésticos. Porém a variedade de lojas (roupas, acessórios, eletrônicos, livros e afins) era bem variada e confiável.

Esse aeroporto é bastante convidativo! A área de embarque é repleta de bandeiras de muitos países, já dando aquela atmosfera convidativa. Em geral, o O’Hare é bem organizado e um bom aeroporto para embarcar ou fazer conexão.

Acompanhe também:

Airport Review: Orlando Int’l Airport (MCO)
Airport Review: Aeroporto di Milano – Malpensa (MXP)
Airport Review: Flughafen München (MUC)
Airport Review: Flughafen Frankfurt am Main (FRA)
Airport Review: Paris Charles de Gaulle – Roissy (CDG)
Airport Review: Miami Int’l Airport (MIA)
Airport Review: San Francisco Int’l Airport (SFO)
Airport Review: Aeropuerto Internacional de Tocumen (PTY)
Airport Review: Chhtrapati Shivaji Int’l Airport (BOM)
Airport Review: Flughafen Wien (VIE)
Airport Review: Aeroport Sheremetyevo (SVO)
Airport Review: Budapest Liszt Ferenc – Ferihegy (BUD)

Airport Review: Istanbul Atatürk (IST)
Airport Review: Aeroporto da Portela (LIS)

Airport Review: Ministro Pistarini  – Ezeiza (EZE)

 

Airport review: Aeropuerto Internacional de Tocumen (PTY)

O aeroporto de Tocumen, localizado na Cidade do Panamá é cada vez mais utilizado por brasileiros que fazem conexão para diversos países na América Latina e especialmente para os Estados Unidos. De 2006 para cá, o aeroporto sofreu uma reforma e o número de passageiros subiu muito, fazendo também com que a capital do Panamá caísse no gosto de viajantes do Brasil.

Eu acabei de atualizar esse post devido à grande reforma que o aeroporto sofreu em 2012. Espero que aproveitem a estadia no Panamá!

P1020306

Conexão direta para o Brasil?

Sim. A Copa Airlines atualmente oferece 7 voos diários para o Brasil, para Belo Horizonte, Brasília, Manaus, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo, e existem planos de abertura de voos entre ainda em 2015 para Fortaleza e Curitiba. A companhia é boa e os voos são confortáveis, e particularmente não tenho nenhuma observação grave a ser feita.
Geralmente os passageiros que embarcam nesses voos fazem conexões para outros países, especialmente para os Estados Unidos. Para a Europa, Panamá só tem voos diretos para Madrid e Amsterdam.

Vou fazer conexão. Posso conhecer a Cidade do Panamá?

É possível sim. O aeroporto oferece um serviço de shuttle que vai ao centro da cidade, sendo possível de conhecer o básico da Cidade do Panamá por algumas horas. Mas é bom observar que é bom de ter um tempo largo na conexão antes do próximo voo.

Existe disponibilidade de restaurantes?

Sim! Para isso, se dirija até o Food Court localizado num andar acima. Uma boa quantidade de restaurantes e fast food se encontram lá. Da última vez, fui almoçar num restaurante ali que serviu a comida bem rápida e gostosa.

É bom de fazer compras no aeroporto?

Sim!! O duty free do Panamá é muito bom, e a variedade de produtos é muito grande. Perfumes, bebidas, cigarros, óculos de sol, eletrônicos em geral e outros possuem preços bons e certas coisas custam até menos que nos EUA, por exemplo. Também algumas lojas de marca se destacam, como Carolina Herrera, Burberry, Rolex e outras.

Existe wifi disponível?

Sim, e por tempo ilimitado! Para conseguir a conexão, é preciso fazer apenas um rápido cadastro colocando seu nome, seu email e nacionalidade. Andei bastante pelo aeroporto e o sinal sempre foi significativo.

Qual a disponibilidade de banheiros?

Na minha última ida ao Panamá, existiam poucos banheiros funcionando e as filas eram enormes. Após a reforma, o número de banheiros aumentou significativamente, e sempre são bem limpos.

E de cadeiras?

Existem cadeiras para todos no terminal, apesar da rotatividade de voos.

Acompanhe também:

Airport Review: Orlando Int’l Airport (MCO)
Airport Review: Aeroporto di Milano – Malpensa (MXP)
Airport Review: Flughafen München (MUC)
Airport Review: Flughafen Frankfurt am Main (FRA)
Airport Review: Paris Charles de Gaulle – Roissy (CDG)
Airport Review: Miami Int’l Airport (MIA)
Airport Review: San Francisco Int’l Airport (SFO)
Airport Review: Chhtrapati Shivaji Int’l Airport (BOM)
Airport Review: Flughafen Wien (VIE)
Airport Review: Aeroport Sheremetyevo (SVO)
Airport Review: Budapest Liszt Ferenc – Ferihegy (BUD)

Airport Review: Istanbul Atatürk (IST)
Airport Review: Aeroporto da Portela (LIS)

Airport Review: Chicago O’Hare Int’l Airport (ORD)
Airport Review: Ministro Pistarini  – Ezeiza (EZE)

Os países que não exigem visto

Quando nós escolhemos um destino para viagem, uma das primeiras coisas que nos perguntamos é se existe a necessidade de visto para a entrada no país. Alguns casos são clássicos: Estados Unidos, Canadá, Austrália, Japão e outros exigem visto de entrada para brasileiros, dando uma dor de cabeça um pouquinho maior na hora do planejamento para viagem.

Mas o importante é que existem muitos países que não exigem visto para brasileiros. A exigência chega ser a presença do passaporte com uma validade de pelo menos 6 meses (para evitar maiores dores de cabeça). Não vamos esquecer também da passagem de volta e do seguro-saúde!

Enfim, segue a lista dos países que não exigem visto para brasileiros (divididos por categorias), e o tempo permitido para fazer turismo. Essa lista é baseada de acordo com dados do Itamaraty.

Membros plenos do Mercosul:
Argentina: dispensa de visto. É possível entrar no país com passaporte ou com a carteira de identidade em bom estado.
Paraguai: dispensa de visto. É possível entrar no país com passaporte ou com a carteira de identidade em bom estado.
Uruguai:  dispensa de visto por 90 dias. É possível entrar no país com passaporte ou com a carteira de identidade em bom estado.
Venezuela: dispensa de visto. É possível entrar no país com passaporte ou com a carteira de identidade em bom estado.

Países da América do Sul associados ou observadores do Mercosul:
Bolívia:  dispensa de visto por 90 dias. É possível entrar no país com passaporte ou com a carteira de identidade em bom estado.
Chile:  dispensa de visto por 90 dias. É possível entrar no país com passaporte ou com a carteira de identidade em bom estado.
Colômbia:  dispensa de visto. É possível entrar no país com passaporte ou com a carteira de identidade em bom estado.
Equador: dispensa de visto.
Peru: dispensa de visto. Requere vacina para febre amarela.

América Central, Caribe e Guianas:
Belize: dispensa de visto.
Costa Rica: dispensa de visto por 90 dias.
Dominica: dispensa de visto.
El Salvador: dispensa de visto por 90 dias.
Guatemala: dispensa de visto por 90 dias.
Guiana: dispensa de visto por 90 dias.
Haiti: dispensa de visto por 90 dias. Requere vacina para febre amarela.
Honduras: dispensa de visto por 90 dias.
México: dispensa de visto por 90 dias.
Nicarágua: dispensa de visto.
Panamá: dispensa de visto por 90 dias.
República Dominicana: dispensa de visto por 90 dias.
Suriname: dispensa de visto por 90 dias.
Trinidad e Tobago: dispensa de visto por 90 dias.

Países europeus que fazem parte da zona Schengen:
Alemanha: dispensa de visto por 90 dias.
Áustria: dispensa de visto por 90 dias.
Bélgica: dispensa de visto por 90 dias.
Croácia: dispensa de visto por 90 dias.
Dinamarca: dispensa de visto por 90 dias.
Eslováquia: dispensa de visto por 90 dias.
Eslovênia: dispensa de visto por 90 dias.
Espanha: dispensa de visto por 90 dias.
Estônia: dispensa de visto por 90 dias.
Finlândia: dispensa de visto por 90 dias.
França: dispensa de visto por 90 dias.
Grécia: dispensa de visto por 90 dias. Requer vacina para febre amarela.
Holanda: dispensa de visto por 90 dias.
Hungria: dispensa de visto por 90 dias.
Islândia: dispensa de visto por 90 dias.
Itália: dispensa de visto por 90 dias.
Letônia: dispensa de visto por 90 dias.
Liechtenstein: dispensa de visto por 90 dias.
Lituânia: dispensa de visto por 180 dias.
Luxemburgo: dispensa de visto por 90 dias.
Malta: dispensa de visto por 90 dias.
Noruega: dispensa de visto por 90 dias.
Polônia: dispensa de visto por 90 dias.
Portugal: dispensa de visto por 90 dias.
República Tcheca: dispensa de visto por 90 dias.
Suécia: dispensa de visto por 90 dias.

Países europeus que não fazem parte da zona Schengen:
Albânia: dispensa de visto por 90 dias.
Andorra: dispensa de visto por 90 dias.
Belarus: dispensa de visto por 90 dias.
Bulgária:  dispensa de visto por 90 dias.
Chipre:  dispensa de visto por 90 dias.
Irlanda: dispensa de visto por 90 dias.
Moldávia:  dispensa de visto por 90 dias.
Reino Unido: dispensa de visto por 90 dias.
Romênia: dispensa de visto por 90 dias.
Rússia: dispensa de visto por 90 dias.
Sérvia: dispensa de visto por 90 dias.
Suíça: dispensa de visto por 90 dias.
Turquia: dispensa de visto por 90 dias.
Ucrânia: dispensa de visto por 90 dias.

África:
África do Sul: dispensa de visto por 90 dias.
Angola: dispensa de visto por 90 dias. Requere vacina contra a febre amarela.
Argélia: dispensa de visto por 90 dias.
Benin: dispensa de visto por 90 dias.
Cabo Verde:  dispensa de visto por 90 dias.
Camarões:  dispensa de visto por 90 dias. Requere vacina contra febre amarela.
Congo: dispensa de visto por 90 dias.
Costa do Marfim: dispensa de visto por 90 dias.
Gabão: dispensa de visto.
Guiné Bissau: dispensa de visto por 90 dias.
Marrocos: dispensa de visto por 90 dias.
Moçambique: dispensa de visto por 90 dias. Requer vacina contra febre amarela.
Namíbia: dispensa de visto por 90 dias.
São Tomé e Príncipe: dispensa de visto por 90 dias.
Seychelles: dispensa de visto por 30 dias.
Senegal: dispensa de visto por 90 dias.
Tunísia: dispensa de visto por 90 dias.

Ásia:
Armênia:  dispensa de visto por 1 ano.
China:  dispensa de visto por 30 dias.
Coreia do Sul: dispensa de visto por 90 dias.
Filipinas: dispensa de visto por 59 dias.
Israel: dispensa de visto.
Malásia: dispensa de visto por 90 dias. Requer vacina contra febre amarela.
Palestina: dispensa de visto por 90 dias através de entrada via Israel. Visto necessário quando se entra via Jordânia.
Tailândia: dispensa de visto por 90 dias.
Timor Leste: dispensa de visto.

Oceania:
Fiji: dispensa de visto. Requere preenchimento de formulário no aeroporto.
Micronésia: dispensa de visto. Requere preenchimento de formulário no aeroporto.
Nova Zelândia: dispensa de visto por 90 dias.
Tuvalu: dispensa de visto.

Também seguem países que podem conceder vistos no aeroporto.
Azerbaijão: concedido no aeroporto.
Bangladesh:  concedido no aeroporto.
Burundi: vistos podem ser concedidos no aeroporto.
Camboja: vistos são concedidos no aeroporto mediante apresentação de formulário eletrônico.
Catar:  concedido no aeroporto.
Cazaquistão: vistos podem ser concedidos no aeroporto.
Cingapura: concedido no aeroporto.
Egito: concedido no aeroporto.
Etiópia: concedido no aeroporto.
Laos: concedido no aeroporto por até 90 dias.
Ilhas Maurício: concedido no aeroporto.
Nepal: concedido no aeroporto. Necessária a apresentação de duas fotos.
Omã:  concedido no aeroporto.
Serra Leoa:  concedido no aeroporto.
Tajiquistão:  concedido no aeroporto.
Turcomenistão:  concedido no aeroporto.

Airport review: Chhatrapati Shivaji Int’l Airport (BOM)

Esse post é especialíssimo, pois contou com a colaboração do meu amigo (e admirador da Índia) Yuri Torres! Ele me passou algumas perspectivas sobre o Aeroporto Internacional de Mumbai, que merecem ser compartilhadas para outros viajantes!

Qual a melhor opção para chegar até Mumbai?

A: Possivelmente pelo Oriente Médio via Emirates, Qatar e Etihad. Afirmo isso pelo fato de que é uma oportunidade excelente para desfrutar dos serviços dessas companhias (que são excelentes), e também pelo fato de que a Qatar Airways de vez em quando oferece tarifas muito boas para Ásia e Subcontinente Indiano.
Outras companhias com atendimento e preços bons para a Ásia são a Ethiopian e a SAA.

Como é a imigração?

A: Em Mumbai, não existem muitos problemas na hora da imigração. O visto para a Índia é retirado ainda aqui no Brasil pelo correio e é só apresentá-lo na chegada ao país. O que pode ser um ponto de atenção é um certo mal humor dos funcionários do aeroporto em geral, que é um ponto de reclamação em vários reviews pela rede.

Tem Wi-fi?

A: Sim, e é necessário apenas fornecer um número de celular válido para a criação de um login.

Como faz pra trocar dinheiro?

A: Existem casas de câmbio nos lugares estratégicos próximos aos embarques e desembarques internacionais. O site do aeroporto indica 4 casas de câmbio no embarque e 5 no desembarque.

É possível conhecer a cidade em um eventual tempo de conexão?

A: Sim, mmas somente se for uma conexão bem longa, acima de 8 horas, tento em vista que somente 3 horas será no trajeto entre o aeroporto e centro, mais imigração, etc.

Qual a melhor maneira de se deslocar até a cidade?

A: Taxi, é sempre barato. Mas tenha cuidado com as várias pessoas sugerindo taxi no desembarque, eles são bem insistentes e começam a te seguir, o que pode causar alguns transtornos, mas é somente. Sempre utilize os taxis registrados que geralmente tem preços tabelados, procure os balcões ainda no desembarque.

Opiniões sobre Duty Free.

A: O Duty Free de Mumbai é bem forte e oferece vários produtos como perfumes, bebidas, cosméticos, relógios, cigarros e afins. Mas ele não parece ser tão atrativo (em termos de preço) quanto outros aeroportos.

Sobre alimentação.

A: Existem cafés e alguns restaurantes. Foco para o KFC e a Pizza Hut.

Acompanhe também:

Airport Review: Orlando Int’l Airport (MCO)
Airport Review: Aeroporto di Milano – Malpensa (MXP)
Airport Review: Flughafen München (MUC)
Airport Review: Flughafen Frankfurt am Main (FRA)
Airport Review: Paris Charles de Gaulle – Roissy (CDG)
Airport Review: Miami Int’l Airport (MIA)
Airport Review: San Francisco Int’l Airport (SFO)
Airport Review: Aeropuerto Internacional de Tocumen (PTY)
Airport Review: Flughafen Wien (VIE)
Airport Review: Aeroport Sheremetyevo (SVO)
Airport Review: Budapest Liszt Ferenc – Ferihegy (BUD)

Airport Review: Istanbul Atatürk (IST)
Airport Review: Aeroporto da Portela (LIS)

Airport Review: Chicago O’Hare Int’l Airport (ORD)
Airport Review: Ministro Pistarini  – Ezeiza (EZE)

Airport review: Flughafen Wien (VIE)

O aeroporto de Viena foi um dos que mais me surpreendeu, e pelos bons motivos. Localizado um pouco fora da cidade, a uma primeira vista ele não parece grandes coisas, com tons esverdeados, terminal não muito longo e até certo ponto, meio vazio. Passando do check in, o aeroporto ganha uma nova cara: moderno, interessante, e muito agradável para os passageiros.

Conexão direta com o Brasil? 

Não. Talvez a maneira mais fácil de se chegar a Viena por vias aéreas a partir do Brasil seja pela Alemanha, vide Frankfurt ou Munique.

Existe hub aéreo em VIE?

Sim, e esse hub é da Austrian Airlines, uma companhia parceira da Star Alliance e com um excelente background. Não estranharei se daqui a um ou dois anos ela requisite voos para o Brasil.

Conexão direta com a cidade? 

Foco para o City Airport Train (CAT), que leva 16 minutos para fazer a jornada aeroporto-centro e vice-versa. Em Viena, o CAT para em Wien-Mitte, conexão com o metrô M3.

Dicas para alimentação: 

Na entrada do terminal existem alguns cafés e o Mc Donald’s. Porém, após a área de check in, existem diversos outros cafés e lanches, essenciais para quem está buscando alguma conexão rápida.

Como é o Duty Free?

Por incrível que pareça, o Duty Free de Viena foi um dos mais baratos que já vi de modo geral. Diversos produtos tradicionais de Duty Free como bebidas, bolsas, perfumes e afins tem um preço bom. A dica pro Duty Free fica para os chocolates, onde era possível comprar 5 barras grandes de chocolate suíço por cerca de 10 euros.

Tem wifi? 

Sim, e ali foi o melhor wifi que já encontrei em aeroportos! Motivo? Velocidade rápida e sem limite de tempo!

E existem tomadas? 

Sim, e na verdade, existe até uma infraestrutura própria para utilizar laptops e tablets. Essa estrutura lembra a de um pequeno escritório ou de uma mesa de computador.

Dormir no aeroporto? 

Extremamente possível! Acredite: o aeroporto de Viena oferece camas (sim, camas!!) em todas as portas de embarque! Fora uma variedade de poltronas ali.

Qual o diferencial de VIE? 

O aeroporto é uma vitrine de entrada para a cidade. Logo na hora de pegar as bagagens, se vê fotos e partituras de famosos músicos austríacos! Fora que eles tem vários telões em LCD com detalhes interessantes, como poemas, frases, números e estatísticas e afins. Todos com um toque de arte.

Dúvidas? O site do aeroporto de Viena é http://www.viennaairport.com/

 

Acompanhe também:

Airport Review: Orlando Int’l Airport (MCO)
Airport Review: Aeroporto di Milano – Malpensa (MXP)
Airport Review: Flughafen München (MUC)
Airport Review: Flughafen Frankfurt am Main (FRA)
Airport Review: Paris Charles de Gaulle – Roissy (CDG)
Airport Review: Miami Int’l Airport (MIA)
Airport Review: San Francisco Int’l Airport (SFO)
Airport Review: Aeropuerto Internacional de Tocumen (PTY)
Airport Review: Chhtrapati Shivaji Int’l Airport (BOM)
Airport Review: Aeroport Sheremetyevo (SVO)
Airport Review: Budapest Liszt Ferenc – Ferihegy (BUD)

Airport Review: Istanbul Atatürk (IST)
Airport Review: Aeroporto da Portela (LIS)

Airport Review: Chicago O’Hare Int’l Airport (ORD)
Airport Review: Ministro Pistarini  – Ezeiza (EZE)

Airport review: Budapest Liszt Ferenc – Ferihegy (BUD)

Então, hoje eu vim falar da principal entrada para a Hungria, que é o aeroporto de Budapeste. Ele se localiza no sudeste de Peste, meio longe do centro da cidade. Para quem tem interesse de conhecer a Europa Central, Budapeste é uma excelente pedida para a chegada!

Existe conexão direta com o Brasil? 

Não. É necessário viajar para outros hubs europeus, de preferência lugares que possuem saída do Brasil. Fica a dica para a Alemanha, que possui vários voos partindo para BUD.

A Hungria possui uma companhia aérea nacional? 

A Hungria recentemente viveu uma crise aérea bem grande com a falência da Malev em 2012, e parte do aeroporto de Ferihegy se encontra fechada (os terminais utilizados atualmente são o 2A e o 2B). No momento, existe a Wizz Air (a roxa), que é uma low cost húngara com alguns destinos pela Europa. Nunca voei por ela, mas alguns amigos dizem que ela é melhor que outras companhias como Ryanair e Easyjet.

Como é a conexão para o centro? 

Não existe um trem que conecta o aeroporto para o centro, porém já existem planos para fazer uma conexão com Keleti pu. Porém existe a linha 900E que sai do aeroporto em direção a Kobanya-Kispest (linha final do metrô azul). Serviços de táxi também são baratos e valem a pena caso não exista paciência para andar de ônibus.

Como é o duty free? 

Em BUD, o Duty Free é muito bom, e a área de embarque do aeroporto é cheia de lojas de vários tipos. Vale a pena quem tem dinheiro pra gastar. :)

Tem wifi? 

Tem sim! E não é nada de 15 minutos de acesso como em outros lugares. A conexão é grátis e pode durar até duas horas!

E tomadas?

Existe uma quantidade razoável de tomadas na área de transfer.

E cadeiras? 

Mas cadeiras são meio escassas. Fiz check in cedo e mesmo assim tive que sentar no chão para esperar o embarque.

Como é o serviço de restaurantes e alimentação? 

Existem alguns cafés e fast foods no Terminal 2A. Gostei bastante de um café localizado próximo à área de check in, mas lá dentro tem Burger King, KFC e outros restaurantes!

O Check in é complicado? 

Achei desorganizado. Iria começar a minha jornada com a Lufthansa e como de praxe, a companhia alemã exige o check in nas máquinas, mas por algum motivo, só o primeiro trecho foi impresso. Teria que enfrentar a fila para despachar as malas de qualquer maneira, e só na cabeceira consegui imprimir todos os trechos.

Vale a pena trocar dinheiro lá? 

Não mesmo! Ali em Ferihegy foi onde eu vi uma das piores cotações em todas as minhas andanças por aí! Se for necessário, troque o mínimo possível na entrada.

E a opinião em geral? 

BUD é um excelente aeroporto que superou as minhas expectativas! Infelizmente, o aeroporto poderia receber mais gente caso a Malev ainda existisse, mas pouco a pouco Budapeste em geral se prepara para o turismo. Com certeza BUD é uma excelente porta de entrada para a Hungria.

Um momento incrível foi sobrevoar Budapeste próximo ao pouso bem no pôr-do-sol. Tá que não é competência do aeroporto, mas não consigo lembrar de nada sobre BUD sem lembrar daquela vista. :)

Acompanhe também:

Airport Review: Orlando Int’l Airport (MCO)
Airport Review: Aeroporto di Milano – Malpensa (MXP)
Airport Review: Flughafen München (MUC)
Airport Review: Flughafen Frankfurt am Main (FRA)
Airport Review: Paris Charles de Gaulle – Roissy (CDG)
Airport Review: Miami Int’l Airport (MIA)
Airport Review: San Francisco Int’l Airport (SFO)
Airport Review: Aeropuerto Internacional de Tocumen (PTY)
Airport Review: Chhtrapati Shivaji Int’l Airport (BOM)
Airport Review: Flughafen Wien (VIE)
Airport Review: Aeroport Sheremetyevo (SVO)
Airport Review: Istanbul Atatürk (IST)
Airport Review: Aeroporto da Portela (LIS)

Airport Review: Chicago O’Hare Int’l Airport (ORD)
Airport Review: Ministro Pistarini  – Ezeiza (EZE)