Airport review: Aeroport Sheremetyevo (SVO)

O aeroporto de Sheremetyevo é um dos três principais de Moscou junto com os aeroportos Domodedovo e Vnukovo, sendo dos três, o mais conhecido. Durante a época soviética até os meados dos anos 2000, o SVO era o aeroporto mais movimentado da Rússia, mas após grandes reformas e adaptações feitas em Domodedovo, a maior parte das operações passou para o aeroporto ao sul de Moscou.

Mesmo assim cheguei e saí de Moscou via Sheremetyevo. Na ida, eu peguei um A321 da Aeroflot que havia partido de Amsterdam no início da tarde, e que chegou na capital russa no início da noite. Um voo tranquilo, sem atrasos, mas com aeromoças bem mal humoradas que quase nem falavam russo.

A volta foi igualmente organizada, mas dessa vez iria num Boeing 737 da Turkish em direção a Istambul. Na época, a Turkish ainda operava em SVO, mas já estava de mudança certa para operar no aeroporto Vnukovo apenas uns dois meses depois.

De qualquer maneira, venho dar dicas sobre o aeroporto de Sheremetyevo! O número de brasileiros que chegam à Rússia é crescente, e eu mesma pretendo voltar logo para lá. :)

Aeroporto Sheremetyevo

Aeroporto Sheremetyevo

Conexão direta com o Brasil? 

Já teve. A Aeroflot teve por um tempo um voo GRU-SVO com escala na Tunísia, mas parou após um tempo. Sempre existem boatos que indicam que alguma companhia voltará a pedir esse trajeto, mas até agora nada é oficial.

Como ir até o centro? 

Sair de Sheremetyevo com direção ao centro de Moscou é super fácil via Aeroexpress, que é uma rede de trens que sai dos três maiores aeroportos de Moscou em direção a três estações de metrô da cidade. No caso do Sheremetyevo, a viagem até o centro dura uns 40 minutos, a uma taxa de 320 rublos (cerca de 30 reais) e tem como destino a estação de metrô Belorussky.

Alimentação: 

o terminal do Aeroexpress (coladinho ao terminal F do Sheremetyevo) é cheio de opções de alimentação, diferentemente do próprio aeroporto em si. A área de embarque do aeroporto ainda estava meio pobre, por estar em reforma. Só havia um restaurante que estava funcionando, e de comida natural ainda.

Wifi: 

O Wifi é grátis e sem limite de tempo em Sheremetyevo! A qualidade é muito boa também, não deixando nada a desejar para qualquer serviço pago!

Tomadas: 

Antes da área de embarque, elas eram poucas e extremamente disputadas! É bom rodar um pouco para achar uma tomada alternativa. Depois de imigração e check in, é mais fácil de achar tomadas livres.

Duty Free: 

O Duty Free do Sheremetyevo é muito bom! Ele é amplo e cheio de artigos a preços justos.

Dormir no aeroporto: 

Como o meu voo saía lá pelas 6 da manhã, eu não teria tempo útil de sair de madrugada para pegar o Aeroexpress e chegar no aeroporto. Preferi ir pra lá de noite e tentar dormir ali mesmo. Existem muitas pessoas que passam pela mesma situação, mas nenhum tipo de cama é disponibilizada. Ali é super tranquilo e com wifi, o tempo passa mais rápido. Acabei nem dormindo, mas estava na companhia de um amigo e acabei conversando pela noite toda.

Check in e imigração: 

Assim que cheguei lá pela meia noite, o check in da Turkish já estava aberto, e não tinha ninguém na fila. Pelo horário que entramos na imigração e raio-x (umas 4 da manhã), haviam poucas pessoas ainda. Os oficiais da imigração foram super cordiais e até deram alguns sorrisos!

E durante o inverno? 

Quando o avião decolou, estava nevando forte. Aparentemente o único “desconforto” foi o fato da decolagem ser adiada por uns 5 minutos devido ao defrost da aeronave. Esse procedimento é normal em temperaturas baixas e quando é o primeiro voo do dia da aeronave.

Falar esses detalhes de Sheremetyevo só me fizeram lembrar dos meus dias na Rússia! Essa nostalgia tocou meu coração! Será que planejo uma nova viagem para a Rússia, hein?!

Acompanhe também:

Airport Review: Orlando Int’l Airport (MCO)
Airport Review: Aeroporto di Milano – Malpensa (MXP)
Airport Review: Flughafen München (MUC)
Airport Review: Flughafen Frankfurt am Main (FRA)
Airport Review: Paris Charles de Gaulle – Roissy (CDG)
Airport Review: Miami Int’l Airport (MIA)
Airport Review: San Francisco Int’l Airport (SFO)
Airport Review: Aeropuerto Internacional de Tocumen (PTY)
Airport Review: Chhtrapati Shivaji Int’l Airport (BOM)
Airport Review: Flughafen Wien (VIE)
Airport Review: Budapest Liszt Ferenc – Ferihegy (BUD)
Airport Review: Istanbul Atatürk (IST)
Airport Review: Aeroporto da Portela (LIS)

Airport Review: Aeropuerto El Dorado (BOG)
Airport Review: Chicago O’Hare Int’l Airport (ORD)
Airport Review: Ministro Pistarini  – Ezeiza (EZE)

Airport review: Aeroporto di Milano – Malpensa (MXP)

O aeroporto de Malpensa em Milão junto com o aeroporto de Fiumicino em Roma são os hubs centrais para se chegar à Itália de avião. Hoje especialmente vim falar de Malpensa, dando algumas dicas úteis para quem pretende passar por lá.

Terminal 1 em Malpensa

Terminal 1 em Malpensa

Conexão direta com o Brasil? 

A LATAM oferece um voo direto de Guarulhos para Milão, e vice versa diariamente num A330. O voo de ida dura cerca de 11h30, e a volta, um pouco mais de 12h. O atendimento em solo é bom e não tenho nenhuma reclamação sobre o serviço em geral. O voo sai de São Paulo próximo à meia-noite e chega em Milão durante a tarde, pelas 15h. Na volta, o voo sai de Milão também à noite, próximo das 22h e chega em Guarulhos pouco antes das 6 da manhã.

Transporte para o centro: 

Existem 3 maneiras de ir ao centro de Milão. O aeroporto de Malpensa fica bem longe do centro da cidade (na verdade, o aeroporto se encontra num enclave no território de 7 comunas), o que deixa o transporte por táxi bem caro (cerca de uns 80 euros até o centro). As outras duas maneiras de chegar em Milão são por ônibus e pelo Malpensa Express.

Qual o sistema que escolhi afinal? 

Escolhi o Malpensa Express devido à praticidade do sistema, pois estava carregando muitas malas. O terminal onde se compram os tickets fica dentro do aeroporto, e é preciso apenas descer uma escada rolante, validar a passagem e entrar no trem. Existem dois destinos principais que o Malpensa Express leva: a estação central de Milão e a estação Milano Cadorna.
Acabei indo até Milano Cadorna, que havia uma baldiação com a linha vermelha do metrô. A estação mais próxima do meu hotel era a Duomo, e chegamos lá rapidamente.

Duty free: 

Encontrei em Malpensa um dos melhores duty frees que já vi. Existe uma enorme variedade de perfumes, bolsas, chocolates, souvenirs, doces, bebidas e sim, muitas (!!!) massas e temperos italianos à venda! Fora isso, existem outras lojas de estilistas italianos com produtos bem baratos.

Alimentação: 

Existe uma boa variedade de restaurantes e fast food por lá. Não é desculpa para ninguém ficar com fome! ;)

Imigração: 

A princípio ela é super tranquila, até demais. O oficial de imigração apenas pediu nossos passaportes e carimbou, sem fazer nenhuma pergunta. Pegamos as nossas malas, e na saída, uma série de policiais (estavam com um distintivo, semelhante à da Polícia Federal aqui no Brasil) abordavam todas as pessoas. Um deles me abordou e perguntou quanto tempo eu iria ficar na Itália. Eu respondi em inglês que iria ficar por lá até o natal, e que depois iria até a Alemanha. Ele me deixou passar sem problemas.

Wifi: 

O aeroporto oferece 3o minutos de wifi grátis por dia. Para isso, é necessário fazer um cadastro rápido e o acesso é facilmente liberado.

Atendimento especial: 

Na volta, havia machucado meu pé num acidente e só conseguia andar com a ajuda de muletas. Recebi todo o apoio da TAM (que inclusive chegou a me oferecer uma cadeira de rodas, mas recusei) e do aeroporto para passar pelo raio-x e imigração. Na hora do embarque, tive prioridade e fui a primeira a entrar no avião, além de receber um atendimento todo especial pelos comissários de bordo da TAM. Ganharam pontos comigo. De maneira geral, o aeroporto de Malpensa tem um ok para mobilidade especial.

Tomadas: 

Não é difícil de se encontrarem tomadas no terminal.

Qual a diferença entre o terminal 1 e o 2? 

O terminal 1 é aquele que atende à quase todas as companhias aéreas, incluindo destinos dentro da Itália, UE e resto do mundo. O terminal 2 atende apenas operadoras low-cost, atendendo especialmente a EasyJet. Existe um shuttle que liga os dois terminais, com a duração de viagem estimada em uns 15 minutos entre terminais.

O aeroporto de Malpensa não é um hub aéreo como Frankfurt, Londres ou até mesmo Istambul. Mesmo assim, a viagem passando por lá certamente será tranquila e sem grandes problemas.

Acompanhe também:

Airport Review: Orlando Int’l Airport (MCO)
Airport Review: Flughafen München (MUC)
Airport Review: Flughafen Frankfurt am Main (FRA)
Airport Review: Paris Charles de Gaulle – Roissy (CDG)
Airport Review: Miami Int’l Airport (MIA)
Airport Review: San Francisco Int’l Airport (SFO)
Airport Review: Aeropuerto Internacional de Tocumen (PTY)
Airport Review: Aeropuerto El Dorado (BOG)
Airport Review: Chhtrapati Shivaji Int’l Airport (BOM)
Airport Review: Flughafen Wien (VIE)
Airport Review: Aeroport Sheremetyevo (SVO)
Airport Review: Budapest Liszt Ferenc – Ferihegy (BUD)

Airport Review: Istanbul Atatürk (IST)
Airport Review: Aeroporto da Portela (LIS)

Airport Review: Chicago O’Hare Int’l Airport (ORD)
Airport Review: Ministro Pistarini  – Ezeiza (EZE)