Castelo de Bratislava e minhas impressões

Olá, todo mundo! Quando eu morava em Budapeste, escrevi esse post aqui sobre uma viagem bate-e-volta até Bratislava, capital da Eslováquia. Fomos de trem, um grupo de 12 amigos buscando conhecer um local novo num feriado. A viagem foi muito agradável, e contei o relato completo do dia no post.

Um dos lugares que visitamos na capital eslovaca foi o Castelo de Bratislava (Bratislavský Hrad), localizado no alto de uma colina.

Castelo de Bratislava

Castelo de Bratislava

Como chegar até o Castelo de Bratislava?

O castelo não fica ~exatamente~ no centro histórico de Bratislava, mas é bem pertinho. O nosso ponto de referência foi a praça principal da cidade, local com vários restaurantes e bistrôs ao ar livre. Seguindo à direita, encontramos a Catedral de São Martim, uma bonita igreja pelo lado de fora, mas nada demais.

Catedral

Catedral

Daquela posição, já dava para ver que o castelo estava bem perto, mas teríamos que atravessar uma avenida que culmina numa ponte que atravessa o rio Danúbio. Ah, e essa ponte é a que possui o restaurante Ovni, um dos marcos da cidade.

Prestes a iniciar a subida

Prestes a iniciar a subida

Para atravessar a avenida, existe uma passagem subterrânea que leva ao outro lado, cheia de graffiti e pixos, não era um local muito bem cuidado. Saindo de lá, a subida propriamente dita até o Castelo de Bratislava começa na rua Blebavého, que é uma ruelinha de paralelepípedos íngreme.

A subida

Que subida horrorosa! Por muitas vezes pensei em desistir da caminhada, pois parecia que eu não aguentaria mais! Mas todas as vezes eu olhava para o lado e me impressionava com a vista, o que era uma motivação extra para continuar caminhando. Também agradeço as minhas amigas que me motivaram e caminhavam devagar para me ajudar a andar!

Mais escadas até o castelo!

Mais escadas até o castelo!

Chegou uma determinada hora que passamos pelo Portão Leopoldo, que é tipo o marco de entrada do castelo. Ali é íngreme também, e o piso de paralelepípedo não ajudava.

Após a passagem pelo portão, estava crente que eu já estaria chegando no topo do castelo, comecei a me empolgar achando que finalmente a subida estaria chegando ao fim, até que eu vi uma escadaria enorme para chegar até lá em cima! Eu quase entrei em desespero! Seriam mais alguns lances de escada até o destino final – mais uma peça que a vida me pregou!

O castelo e a vista

Sobrevivi e cheguei no topo! Foi difícil, foi sofrido, mas estava lá! Mas a moeda (como sempre) tinha dois lados.

Primeiro, tenho que falar da vista! Só de observar a cidade inteirinha lá de cima já compensou todo o esforço sofrido para chegar até lá. Acho que dava até pra ver a Áustria de lá de cima, já que Bratislava fica bem na fronteira entre a Eslováquia e seu vizinho germânico.

Parte da vista de Bratislava

Parte da vista de Bratislava

O vento que batia era bem gostoso, e todos nós tiramos muitas fotos, de várias maneiras. Todos jovens felizes e empolgados, foi muito bom estarmos todos juntos!

O segundo lado da moeda foi o castelo, justamente o motivo de todo nosso esforço para subir até lá. Honestamente, achei o Castelo de Bratislava nada demais. Todo branco por dentro e por fora, um amigo disse que parecia um convento, e não um castelo.

Foto torta da parte de dentro do castelo

Foto torta da parte de dentro do castelo

Realmente de perto, achei o castelo meio meh, já que ele não possui nem cor, nem arquitetura vibrante. Uma razão para isso deve ser as alterações que o Castelo de Bratislava sofreu durante toda a sua história, devido a guerras e outros tipos de deterioração. É possível que parte de seu estilo original tenha sido mudado com o passar do tempo.

O Castelo pode ser visto de vários ângulos por muitas partes da cidade. Dessa perspectiva, visto de longe, o castelo (na minha opinião) é mais bonito, ajudando a adicionar um toque medieval à paisagem urbana de Bratislava.

Quando nós fomos, estava acontecendo uma exposição fotográfica, grátis. Não entrei pois estava tirando fotos do lado de fora, mas os meus amigos chineses e filipinos entraram rapidamente. Segundo eles, não era nada demais (tanto é que eles saíram bem rápido dali).

Mas então, vale a pena visitar o Castelo de Bratislava?

Sim, vale! A vista da cidade é bem bonita, o que na minha opinião é o que mais encanta dali. O castelo em si, como disse, não me chamou tanta atenção, mas é melhor ir conhecer com seus próprios olhos e tirar suas próprias conclusões.

Bratislava from above

Bratislava from above

O entorno do castelo durante a subida é bem bonitinho e pitoresco (adoro essa palavra), mas fica a dica de ir usando um bom tênis e carregue uma garrafinha de água para se hidratar durante o caminho.

 

 

Bratislava em um dia

Uma grande vantagem de se morar no interior da Europa é a facilidade de locomoção que temos para ir e vir de qualquer país. As redes de trem e ônibus são bem concisas, as estações são fáceis de se localizar, e a infraestrutura nunca se deixa a desejar.

Então, por estar aqui em Budapeste, resolvi tirar proveito da localidade e conhecer tudo que eu puder em apenas 6 semanas! A minha primeira aventura foi pra Bratislava, capital da Eslováquia.

Como eu trabalho durante a semana, eu não posso fazer pinga-pinga entre cidades, muito menos ficar mais que dois dias em um lugar, mas a junção do feriado de Primeiro de Maio e conhecer uma cidadezinha a duas horas de viagem foi bem útil. Logo pensei em Bratislava, uma cidade não tão grande e não tão longe daqui.

Acompanhe também: Castelo de Bratislava e minhas impressões

Comecei a fazer duas coisas, pesquisar sobre o lugar, e sondar os meus amigos pra viajar! Foi bem fácil de convencer meus amigos a viajar, olha que muitos não puderam ir, mas mesmo assim, fechamos um grupo de 12 pessoas super animadas em conhecer tudo que podíamos!

A segunda coisa, a pesquisa sobre Bratislava, foi igualmente fácil, mas meio decepcionante. É facílimo de se encontrar por aí relatos, sejam em português ou em outro idioma sobre pontos bem negativos sobre a cidade. Já tinha ouvido falar que a cidade era pequena, e que um dia era o suficiente, mas ver tantos relatos mostrando apenas o lado negativo da cidade já me deixou meio apreensiva.

Comecei a perguntar de amigos que já tinham ido pra lá. A resposta deles foi quase unânime: “Hum… não há muito o que fazer lá. Não recomendo você passar o dia lá. A cidade é sem graça. O castelo é feio.” Mas mesmo assim, eu ainda não tinha ido pra lá e por que não conhecer? Resolvi partir mesmo assim!

Saí daqui de Ujpalota cedo, umas 8 da manhã, pra dar tempo de chegar na estação de Keleti, comprar as passagens, e entrar no trem tranquilamente. Ao chegar, eu e a Rekha, minha colega de quarto da Austrália já encontramos a Lu, uma chinesa que também iria. Ela indicou o lugar que ela comprou a passagem, e fomos até lá. Em Keleti, existem dois lugares que vendem passagens, uma para destinos na Hungria, e outra, para destinos internacionais. É tudo moderno e arrumadinho lá, e depois de uns 5 minutos já estávamos com as passagens na mão.

Outros que iriam com a gente chegaram bem em cima na hora, uma das pessoas, uma filipina, só conseguiu nos encontrar após alguns minutos com o trem já em movimento. Mesmo com alguns chegando cedo, outros atrasados, todos conseguiram entrar no trem e se encontrar. Os trens internacionais são equipados com primeira e segunda classe. A primeira, além de possuir um maior conforto, também tem auxílio de um vagão-restaurante, mas a segunda classe era bem confortável e moderna. Na segunda classe, haviam cabines com 6 lugares, e como éramos 12 (4 brasileiros, 4 chineses, uma australiana, uma filipina, uma holandesa e uma alemã), ocupamos exatamente duas cabines. Mas de qualquer maneira, o trem é bem moderno e confortável de uma maneira geral.

A viagem entre Budapeste e Bratislava dura duas horas e meia e passa por várias cidades, como Esztergom e Gyor, e é possível apreciar o Danúbio por um bom caminho. Uma coisa me chamou a atenção na paisagem eslovaca, e foi justamente a quantidade de lixo ao longo da linha férrea. Não me causou boa impressão.

Sempre tínhamos dúvidas sobre onde parar. Quando uma cidade maior que as outras começou a despontar, sabíamos que tínhamos que descer ali. A estação de trem era ok no meu ponto de vista. Muita influência daquela arquitetura comunista, tudo muito quadrado, mas a estação era arrumada, e isso que importa. Saindo dali fomos atrás do centro da cidade.

P1010867

Bem vindos à Eslováquia!

Chegar ao centro é bem fácil. Saindo da estação, só seguir direto até ver uma passarela. Seguindo pela passarela, é só seguir as placas aonde indicam a direção de “Zentrum”. Após seguir direto, se vê a Casa Branca eslovaca e uns jardins até bonitinhos.

Casa branca eslovaca

Casa branca eslovaca

Depois de tirar algumas fotos ali na frente, partimos direto, até vermos um portal. Antes disso, dobramos numa rua ao lado e fomos almoçar, pois já era 13h. Voltando ao portal, existe uma escritura interessante ali. A imperadora Maria Teresa foi coroada ali perto em 1741, quando Bratislava ainda se chamava Pressburg.

Entrando na Cidade Velha, existe uma quantidade imensa de pubs, restaurantes, lojas de lembrancinhas e alguns pequenos museus. Achei essa região uma gracinha, cheia de vida e turistas. Em cada esquina de cada ruela que deparávamos sempre encontrávamos algo interessante pra se tirar foto, seja uma estátua, um artista de rua, ou alguma coisa inusitada.

Sem perder tempo, decidimos seguir as placas, subir a colina e chegar no castelo de Bratislava. Claro que qualquer cidade com um castelo no topo de uma colina é interessante, então por que não subir até lá?

Eu já sabia que eu era uma pessoa bem sedentária, mas após subir aquela colina, vou procurar me matricular numa academia imediatamente quando voltar ao Brasil! Como sempre, fiquei por último, ofegante e com meu coração disparado, sonhando em virar uma garrafa de água, mas a cada passo que eu dava e olhava a paisagem, sabia que todo esforço era válido! Com certeza a vista dali foi uma das mais bonitas que já apreciei.

Parte da vista de Bratislava

Parte da vista de Bratislava

Após mais um pouquinho de subida, ali estávamos! O tão esperado castelo. E quando digo esperado, é por que realmente esperávamos algo interessante lá. Nada demais. O castelo é branco, várias janelas e nenhum detalhe. Dentro lembrava mais um convento ou uma escola. Ali tem um museu de entrada franca, mas não tivemos tempo de visitar. Mesmo com a decepção do castelo em si, a vista já fazia toda a subida ter valido a pena.

Descemos, e continuamos nosso passeio pela cidade velha. Fomos até o que se chama de “praça principal”, onde existem vários barzinhos, restaurantes e música ao vivo. Os preços ali eram meio salgados, e como estávamos em um grupo de viajantes, preferimos ir ao supermercado, comprar umas besteiras, sentar na praça e rir um pouco. Mesmo estando em grande número, uns mendigos começaram a nos cercar, e fiquei meio apreensiva. Chegou uma hora que resolvi tomar a iniciativa e chamar pra ir andando.

Foi até uma boa escolha. Paramos em algumas feirinhas de artesanato e compramos as últimas lembrancinhas de Bratislava. Todo mundo tinha suas muambas e decidimos ir andando pra casa.

Nesse momento que confirmei o pecado que todos falam sobre lá. Bratislava, por ser tão pertinho de Budapeste, e principalmente de Viena (apenas meia hora de trem), ela acaba virando um “bairro” destas cidades. No fim do dia, a cidade não tava mais tão alegre assim. Deve ser deprimente você morar num lugar assim, de dia uma festa, e de noite um deserto.

Fomos andando e decidimos parar naquele jardim detrás da casa branca. Foi uma meia hora relaxante, em que decidimos gastar os últimos momentos antes de pegar o trem. Saindo dali, paramos em um mercadinho, onde compramos algumas besteiras pra levar pra casa e pra comer no trem. Fiz uma compra considerável, um saco bem cheio, e deu menos de 2 euros. Baratíssimo!

Jardins

Jardins

Após isso, voltamos para a estação onde o nosso trem pra Budapeste partiria. A volta foi de praxe, cansativa, com direito a todo mundo dormindo na volta. Foi um bom dia, e ao contrário de muitos, fiquei com uma boa impressão de Bratislava. Apesar de ser pequena, a cidade é charmosa e organizada, com um centro bem típico da Europa Central. Se volto lá? Provavelmente não, e o motivo principal é: ainda preciso conhecer muitos outros lugares.