Russos são amigáveis sim!

Olá, internet! O tempo passa voando e falta muito pouco pra começar a copa da Rússia! Me lembro direitinho do dia que foi anunciado que este país iria sediar esse evento tão importante para nós brasileiros: eu estava conversando no skype com um amigo que morava em Moscou e trocamos algumas ideias sobre o assunto.

O que ele falou pra mim não é exatamente o tema deste post, mas vim falar sobre outra coisa aqui. Brasil e Rússia são dois países com muitas diferenças: distância geográfica enorme, origem cultural diferente, outro alfabeto, climas variados, e por aí vai.

Então, vou fazer alguns posts onde vou dar um ponto de vista como brasileira que viveu em terras russas pra tentar “desmistificar” algumas impressões que algumas pessoas podem ter dos nossos amigos russos. Hoje especificamente, vou falar sobre uma coisa que sempre me questionaram: as pessoas na Rússia são frias quanto parecem?

Você pode gostar também: FAQ da Rússia. Por que sim

P1000922

Arbat ul. em Moscou

Talvez um dos maiores mitos sobre a Rússia seria a tal “frieza” das pessoas. Se você dá bom dia para qualquer pessoa que cruza seu caminho aqui no Brasil, saiba que as coisas não são tão assim na mãe Rússia. Na verdade, elas podem até parecer assim num certo momento pois muitos acreditam que não é necessário sorrir ou cumprimentar pessoas alheias na rua.

Mas isso é mais uma maneira de defesa que frieza. Como a sociedade viveu enclausurada por muito tempo, as pessoas preferem guardar pra si alguns tipos de comentários, inclusive um bom dia. Antigamente qualquer pessoa podia ser um dedo duro, e o menor dos comentários poderia te colocar em maus lençóis.

Mas obviamente se você já tem algum contato com alguma pessoa, a situação muda. Caso você vá comprar algo no mesmo mercadinho todo dia, se você vai pegar um ônibus com o mesmo cobrador, ou até se você vai com frequência comer em certo lugar, as pessoas já te reconhecem, e podem até se abrir mais.

E quando eles se abrem, você sente um carinho muito especial, principalmente das pessoas mais velhas! Eles são muito amáveis e sempre muito respeitosos (pelo menos os que eu tive contato).

Você pode gostar também: Me conte mais da Mãe Rússia 

P1000979

St Basil’s

Uma vez um senhorzinho puxou assunto comigo e com um amigo no ônibus e ele começou a contar da vida dele. Pelo pouco de russo que compreendemos, esse senhorzinho fez parte do Exército Vermelho e ele lutou no Afeganistão nos anos 80 (ele mostrou uma carteirinha antiga do exército com a foto dele jovem e tudo). Ele até tentou nos ensinar umas palavras em polonês no caminho, haha. Tínhamos nos visto alguma vez na vida? Nunca!

Uma senhorinha que trabalhava na escola que eu iria estagiar (algo como recepcionista, inspetora) foi uma fofa na primeira vez que nos vimos! Ela me abraçou, me deu boas vindas, e que ela estava muito feliz com a minha presença ali! Eu acabei trabalhando em outra escola, mas também com funcionários e estudantes muito acolhedores comigo e com os outros estrangeiros.

Solidariedade também é forte! Uma vez eu perdi minha luva dentro do ônibus, e todos que estavam lá se mobilizaram, me ajudaram e acabaram encontrando a luva debaixo de uma cadeira. Como ela foi parar lá, não sei! (A luva era cara, por isso me desesperei logo, haha)

Não canso de dizer que fui muito feliz no período que passei na Rússia, e sou grata por todas as experiências que vivi lá. Parte disso foi por causa do carinho recebido pelas pessoas que me acompanharam. Nessa semana ainda, escreverei mais pontos que acho que devemos saber sobre os russos!

 

Anúncios

Dúvidas sobre inverno, neve e afins

Fato é que no Brasil não neva muito e acabamos não nos acostumando quando a temperatura cai um pouquinho. Por aqui poucos são aqueles que já sentiram o frio de verdade, inverno puro! Nevascas, temperaturas a vários graus negativos e aquele céu nublado sem graça nos dão uma noção do inverno real.

Para tanto, é sempre bom ter cartas na manga, assim como dicas que nos ajudam a prevenir qualquer eventual problema que o frio extremo possa nos causar! Venho falar alguns mitos e dúvidas que brasileiros do calorão como eu possam ter.

  • A melhor forma de se proteger do frio é colocar vários casacos: um em cima do outro!
    Não! Se esses casacos não forem impermeáveis e se você for pego por qualquer neve que caia do céu, esse montão de casacos (especialmente se forem de algodão) vão se molhar, e você vai sentir muito frio! Essa sensação de roupa molhada no inverno é extremamente perigosa, deixando a pessoa suscetível à pneumonia e outras doenças, cuidado!
  • Não sinto sede no inverno. Preciso beber água mesmo assim?
    Com certeza! De alguma maneira, o frio inibe a sensação de sede mas mesmo assim o corpo precisa de água para movimentar. Se você não se hidratar, existem grandes chances de se ficar doente.
  • Não está quente, por isso não vou levar um protetor solar.
    O protetor é presença obrigatória no inverno! A pele “queima” com o frio extremo, e o uso do protetor solar pode ajudar a evitar maiores queimaduras, especialmente no rosto que é a parte do corpo geralmente mais exposta.
  • Dirigir no inverno é um saco.
    Absolutamente! Se você planeja alugar um carro para rodar na sua viagem durante o inverno, tome muito cuidado. Camadas finas de gelo podem se acumular no asfalto deixando o caminho mais escorregadio. A comprovação está nos sempre constantes relatos de engavetamentos durante essa época do ano. Fora isso, é necessário ter muito cuidado com o carro, porque camadas de neve podem se acumular em cima dele durante a noite, e também é necessário “esquentar” o carro de uma maneira especial antes de sair.
  • As pessoas não tomam banho no inverno.
    Só se a pessoa for bem porca mesmo. Geralmente as pessoas tomam banhos sim, e ao contrário do que muita gente pensa, não se sente nenhum frio na hora do banho. As casas possuem aquecimento (geralmente a vapor) e ninguém passa frio do lado de dentro.
  • O cabelo fica mais bonito no inverno.
    Não encontrei nenhuma explicação científica, mas no meu caso em particular a resposta é um alto SIM! Meu cabelo parecia estar na escova o tempo inteiro, brilhoso e dificilmente ficava oleoso. Voltando pra Amazônia, a umidade deixou meu cabelo oleoso e com frizz de novo. :( (e posso dizer que em nenhum outro lugar o meu cabelo ficou tão bonito!)
  • Inverno dá depressão.
    Algumas pesquisas indicam que sim. Pelos dias serem mais curtos, consequentemente as pessoas veem menos a luz do sol. Existem pesquisas que afirmam que pessoas que passam muito tempo sem ver o sol tem maiores tendências a se tornarem depressivas. Existia até uma cidade na Suécia que tinha um índice tão alto de suicídios, que após algumas medidas como a instalação de luzes especiais em paradas de ônibus por exemplo, fizeram cair bastante essa taxa.

Viajar no inverno é muito bom! A alegria de sair de casa e ver tudo coberto de neve fazia o meu dia. Àqueles que dizem não gostar tanto de frio, recomendo pelo menos ver a neve por uma vez. De qualquer maneira, a sensação descobrir é maior que tudo!

Felicidade imensa ao ver a neve pela primeira vez! :)

Felicidade imensa ao ver a neve pela primeira vez! :)

Frio de verdade. Mesmo!

Hoje acordei com todo tipo de comentário falando sobre o clima maravilhoso que estava vindo da friagem aqui no Amazonas. Até me empolguei pra sentir um vento um pouco mais fresco do lado de fora, mas não. Estava tudo como antes. Sinceramente, não percebi nada de diferente, mesmo ainda de manhã, com um suspirinho na madrugada.

Ontem mesmo quando estava conversando com alguns amigos, me falavam que o clima estava ótimo, e que já dava pra tirar o casaco do armário. Minha resposta: “eu estou suando de calor aqui”.

E realmente, eu sinto muito calor aqui! Eu vivo em uma das regiões mais quentes do mundo, e não tenho como escapar. É bem comum me verem por aí de vestido, short ou saia. Calça jeans? Dificilmente.

Mas eu me acostumei de uma maneira “ruim” há dois meses atrás. Quando eu cheguei em Budapeste agora em abril, a Europa acabara de viver um dos invernos mais rigorosos – e longos – da sua história. Já ouviram falar em White Christmas? O inverno de 2012/2013 teve White Christmas e White Easter. A minha roomate – que chegou uma semana antes de mim – falou que quando ela tinha chegado, ainda havia neve nas ruas. Neve em abril! Realmente é muito raro um inverno durar tanto assim. Ah, e vale lembrar que o parque que ficava na quadra da minha casa estava com todas as árvores mortas, sem folhas.

E de fato, eu senti frio quando cheguei a Budapeste. Levei um casaco mais grosso que comprei na virada do ano em Munique – que ainda nem estava tão fria assim – mas acabei o usando nos dois primeiros dias. Depois, dancei conforme a música e comecei a usar meu guarda roupa Manauara em Budapeste. Usei todos os vestidos, shorts e saias que levei! Me sentia feliz sentindo aquele ventinho fresco. Cheguei em Manaus, e não tive escolha. Tive que continuar usando os mesmos vestidos, saias e shorts, mas eu já tava tão acostumada a ficar de pele exposta no frio que acabo sentindo calor em qualquer lugar.

Mas até que deu pra variar um pouco o guarda-roupa em Budapeste, e realmente, quando a noite caía, a temperatura ia junto. Eu sempre levava um casaquinho fino pra constar, caso eu sentisse muito frio.

E realmente senti muito frio quando estava despreparada. Quando fomos a Praga, a noite estava quente e agradável em Budapeste. Quando chegamos lá, Praga estava fria demais! Só havia levado um casaquinho bem fino, e não aguentava andar muito tempo na rua. O mesmo quando voltamos de Viena. Chegamos em Budapeste, e o clima que havíamos sentido durante todo aquele tempo era completamente diferente! Ventava muito e cheguei a bater o queixo.

Mas isso não é frio de verdade. Quando não se tem as roupas adequadas para enfrentar certos tipos de temperatura, a temperatura cai mesmo. Em Praga eu senti frio, pois havia uma garoa fria junto com vento, e o que eu havia levado era um casaquinho de algodão, que molhava muito rápido. Chegando em Budapeste vinda de Viena, estava de vestido, e estava ventando muito! Então fui pega despreparada nos dois casos. Era primavera, e podia arriscar!

Mas no inverno mesmo, não se pode errar mesmo! Ainda mais quando a primeira vez que você enfrenta um inverno rigoroso é justamente na Rússia em janeiro e fevereiro!

Em invernos, não é recomendável usar 10 casacos de algodão por exemplo. Eles podem molhar com a neve, e o frio será pior. O que é indicado é o uso de um casaco impermeável, daqueles mais grossos, com uma camisa por baixo. Se estiver mais frio, use uma camisa e uma segunda pele.

Calça jeans? Sim, pode usar, mas se tiver uma legging ou alguma outra calça fininha por baixo, melhor.

Tá nevando? Use botas impermeáveis. É bom não se esquecer também de luvas, gorro e cachecol. Não precisa ser nenhum tipo especial. Qualquer tipo serve.

Equipada com todas essas roupas, eu fiquei super tranquila durante meu inverno russo. Com essa minha pequena tropa de roupas, eu pude aguentar um belo dia onde fez -40 graus. Recompensa desse dia? Um lindo céu estrelado. :)

SONY DSC

Tá vendo? Até consegui voar nesse frio. Olha só a altura da neve ao lado. ;)

Mas tem algumas coisas que sofrem em frio intenso. Eu uso muito rímel, e ele congelava após alguns minutos ao ar livre. Só era voltar pra algum lugar fechado – e quente – que eles começavam a derreter, e a maquiagem, borrar!

Meus lábios ressecaram demais também, assim como outras partes do corpo, como tornozelos, mãos e pulsos. A minha garganta também ressecava (ou congelava, não sei) quando eu insistia em respirar pela boca. Sério. Respirar pelo nariz é essencial pra não ter um problema de garganta!

Outra coisa muito boa do frio extremo é a limpeza do ar. Depois de uma certa temperatura, geralmente depois dos -35 graus, muitas partículas de poeira e poluição não conseguem se sustentar no ar, e geralmente elas caem, deixando o ar bem limpo, e o céu, sempre sem nuvens. Já perceberam que quando alguém vê uma imagem de alguma cidade na Rússia no inverno (vi na TV em Moscou, e em Saratov, chegando da estrada), se vê muito as fumaças saindo de toda indústria, carro, ou alguma outra coisa que cause combustão? Então, a fumaça não consegue se dissipar tão facilmente no ar frio, e geralmente, as colunas de fumaça são mais grossas.

P1000704 - Cópia

-29 graus em plena cidade. É complicado.

Falando sobre falta de nuvens, as pessoas associam muito o frio com a neve. A verdade é que os dias que nevam são mais quentes do que os dias que não nevam. Motivo? Um amigo me explicou na Rússia, mas tem uma questão do ponto de fusão do gelo, e da ressublimação (passagem do estado gasoso para o sólido – daí surge a neve).

Falando em neve, com certeza é a melhor coisa do inverno! Isso especialmente para uma pessoa que nasceu e cresceu na quentura. Sim, quando eu vi o meu primeiro monte de neve na minha vida, eu implorei para que o meu amigo tirasse uma foto!

neve

Caboquice x1000. Nunca tinha visto neve na vida. Passando vergonha em plena Praça Vermelha pros ricaços fazendo compra no GUM.

E fazer anjinho de neve? Guerra de bolas de neve? Bonecos de neve? Escrever um milhão de coisas na neve? Quem nunca sonhou em fazer isso pelo menos em sonho? Sim, eu fui feliz, e aproveitei tudo o que eu tinha que fazer na neve!

DSC_0701

Só é feliz quem já fez anjinho de neve!

Manauara não sabe o que é frio de verdade. Nem muita gente sabe, na verdade. Eu sou a primeira a me indignar vendo gente na rua usando aquele casaco cheirando a naftalina no primeiro ventinho. E fico assim não culpando as pessoas que sentem frio fácil, pois muitas delas nasceram, cresceram, e nem saíram da nossa terrinha quente. E fico indignada por que ao contrário de todo mundo sentindo frio, eu fico morrendo de calor.

Mas te garanto uma coisa, depois de -40, qualquer friozinho é fichinha!

Vale a pena viajar no inverno? Cuidados a serem feitos.

Minha resposta é sim. Mas isso vendo desde um ponto de vista pessoal do assunto. Claro que devemos todos já ter em mente o processo do choque cultural antes mesmo de embarcar. Eu já sabia que iria pegar cerca, ou menos de 20 graus negativos no inverno russo, e chegando lá isso não foi um problema. Eu já tinha roupas apropriadas, e tudo o que me restava era esperar, e aguentar o que aconteceria.

O frio, contudo, não foi o meu maior problema. Depois de uma certa temperatura, você se acostuma. Certa vez, uma amiga que morava no Canadá me falou que um dia, a temperatura estava perto dos 3° C, e ela começou a se abanar de calor, e na época, eu tinha achado um absurdo! Na Rússia passei por isso. Já tendo enfrentado uma média de temperaturas entre -15°C com picos de -29° C naquela semana, eu falei para um amigo que aquele dia estava quente, já que só estava fazendo -9°C. Segundos depois, eu me toquei do que eu havia dito e comecei a rir da situação.

A princípio, a minha pele foi o meu maior problema. O frio queimava as minhas bochechas, que ficavam expostas. No fim do dia, eu ficava toda vermelha, parecia que eu usava blush. Nesses casos, o bom e velho protetor solar ajuda a cuidar da pele.

Também comecei a sentir problemas com a respiração. Achava impossível falar e caminhar ao ar livre ao mesmo tempo. Com o passar das semanas, eu notei que eu que era lenta andando, até demais, comparado com as outras pessoas. Eu ficava ofegante logo, e sempre ficava pra trás nas caminhadas. Uma boa dica é o uso de um cachecol na região da boca e nariz. Isso também ajuda com os lábios, que racham, especialmente nos cantos da boca. Fica a dica de sempre estar com um batom, gloss, ou até mesmo manteiga de cacau na bolsa.

Outra atenção a ser tomada é com o gelo nas ruas. A neve não é ruim de se caminhar, pelo contrário, eu sempre preferia caminhar pelo fofinho da neve a correr o risco de levar um tombo onde a neve era mais compacta, ou onde já havia gelo. Farei um post sobre roupas no inverno depois, mas já é válida a dica de levar uma bota impermeável, e com uma certa aderência na sola.

Outra região não tão bem vista quanto o rosto são os tornozelos. Usando bota e meia durante o dia todo, é fácil dessa região ressecar. É bom levar um creme para passar nessa região, ou então passar alguns minutos com o pé dentro da água quente.

E sempre se lembre de se hidratar, afinal de tudo! O inverno “inibe” a sensação de sede, e uma desidratação sempre pode ser fatal.

Então, é hora de aproveitar o inverno, quão frio esteja! Mas é sempre bom tomar cuidado, e aproveitem essa estação linda! :)