Tour no Parlamento húngaro

Talvez um dos prédios que mais se destaquem no skyline (ou melhor, riverview) de Budapeste seja a sede do Parlamento Húngaro. Esse prédio enorme e imponente é um ponto turístico incrível da capital húngara, e todos aqueles que tenham interesse em história e cultura local, a visita guiada pelo interior é super recomendável (e nem leva muito tempo!).

Apaixonada por essa vista! (Parlamento ao fundo)

Apaixonada por essa vista! (Parlamento ao fundo)

Primeiramente, aí vão alguns dados! O prédio foi finalizado em 1904, após a necessidade da implementação de um parlamento devido ao novo status da Hungria. Para a construção, foram utilizados mais de 40 milhões de tijolos, 40 quilos de ouro e materiais essencialmente húngaros, além do mais, o prédio possui várias obras de arte, e 242 esculturas em suas paredes.

Todos esses números refletem uma pomposidade óbvia do edifício, que é um dos principais focos do acender das luzes da noite na beira do Danúbio. E como grande ponto turístico, visitas guiadas acontecem todos os dias!

Escadarias do Parlamento

Escadarias do Parlamento

Sobre ingressos: Eu e a minha roomate nos interessamos pela visita guiada em inglês das 15 horas. Porém nos atrasamos, e por uma questão de 5 minutos não conseguimos comprar os ingressos para esse horário (mesmo ainda sendo antes das 15 horas). A “sorte” é que existe um tour em espanhol às 16h, e me comprometi a traduzir tudinho pra ela! O ingresso custou 3500 HUF (cerca de 30 reais), e atualmente o ticket booth se encontra momentaneamente no museu de Etnografia, localizado logo atrás do Parlamento.

Aposentos apresentados: O tour passa pelas escadarias, a Cúpula Municipal, a sala de recepção do Presidente e uma das câmaras utilizadas no passado. Foco debaixo da Cúpula, onde guardas protegem a coroa do Rei Estevão I (sim, o da cruz torta).

Informações curiosas: O tour oferece um conhecimento sobre a Hungria e sua história, como número de parlamentares, territórios perdidos pela Hungria, a coroa do Rei Estevão, o cinzeiro dos parlamentares, e a curiosa história do arquiteto projetista do edifício, que ficou cego antes que tudo estivesse concluído.

Câmara utilizada antigamente

Câmara utilizada antigamente

Pode tirar fotos? Sim, porém sem flash. Um ou outro cômodo é possível tirar com flash, mas isso o guia indicará.

Quais os idiomas disponíveis para apresentação: Foco para as visitas em inglês e espanhol. Porém existem guias em Húngaro, Francês, Hebraico, Alemão, Russo e Italiano.

Opinião geral sobre o tour: Pelo valor alto (o mais alto dentre todos os lugares visitados em Budapeste), eu esperava um pouco mais. A visita dura até uns 35 minutos e muitos cômodos não são contemplados. Entendo que existe uma razão de segurança, por esse prédio ser bem visado, mas em termos de informação recebida, ele é bem completo. A guia dava um tempo para tirar fotos (e claro, me transformar em tradutora instantânea).

"Porta cigarros"

“Porta cigarros”

Como chegar? A maneira mais fácil é descer na estação Kossuth Lajos Tér, na linha M2 (vermelha).

 

Sou uma flor na Hungria!

Depois de ter ido pra Rússia, achei que qualquer outro idioma seria mais tranquilo. Afinal de contas,  apesar das diferenças, o alfabeto é diferente, algumas palavras não tem nada a ver com o português e muitas pessoas não falam uma palavra de inglês por lá.

Decidindo ir pra Budapeste, achei que tudo seria mais tranquilo, pois afinal de contas, o húngaro tinha um alfabeto bem semelhante ao nosso, e muitas pessoas por lá falavam inglês, pela cidade ser bem preparada para estudantes e ter até um certo apelo para o turismo.

E realmente foi, já que em quase todos os lugares a comunicação era tranquila, pois diferente da Rússia, muitos falavam inglês. Mas sobre o húngaro em si, eu o resumo em uma palavra: impossível.

Primeiro que o húngaro não é um idioma latino, e sim ele é da casa dos idiomas fino-úgricos, ou seja, o idioma mais parecido do húngaro é o finlandês. Uma professora da escola que trabalhei lá em Budapeste que conhece várias línguas, no entanto, afirma que ela particularmente não vê nenhuma entre esses idiomas. Como eu não sei nada de finlandês, não posso afirmar nada a respeito.

Moral da história: por essa facilidade de comunicação em inglês e essa dificuldade em húngaro, acabei aprendendo bem pouca coisa do idioma, diferente do russo, que consigo até entender quando duas pessoas conversam tranquilamente.

Mesmo assim, é bom saber alguns detalhes sobre a comunicação em húngaro. Uma curiosidade é que ele possui 14 vogais e 27 consoantes! Ui! O alfabeto é o seguinte:

A, Á, B, C, Cs, D, Dz, Dzs, E, É, F, G, Gy, H, I, Í, J, K, L, Ly, M, N, Ny, O, Ó, Ö, Ő, P, Q, R, S, Sz, T, Ty, U, Ú, Ü, Ű, V, W, X, Y, Z, Zs

Foco para:

  • A letra A tem som de “o”
  • A letra C tem som de “ts”
  • A letra S tem som de “sh”
  • A letra Sz tem som de “s”
  • A letra Zs tem som de “j”
  • A letra E tem som de “é”
  • A letra É tem som de “ê”
  • A letra J não tem som (como “i” antes de vogal)
  • A letra O tem som de “ô”
  • A letra Ö é um ô mais longo
  • A letra G tem som de “g” de gato, em qualquer posicionamento (mesmo vindo de i ou e)
Singelo nome da minha parada de ônibus

Singelo nome da minha parada de ônibus

Algumas palavras são interessantes de se conhecer em húngaro. Honestamente não aprendi muitas expressões, mas sabe aquele ditado “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”? Fica uma dica de tentar saber o máximo de expressões possíveis, para uma forma até de educação com o povo húngaro.

  • Szia! – Olá/Tchau (para uma pessoa)
  • Sziestok! – Olá/Tchau (para mais de uma pessoa)
  • Köszonöm – Obrigado(a)
  • Duna – Danúbio
  • Utca – Rua
  • Tér/Tere – Praça (muito útil para quem anda de metrô!)
  • Pályaudvar – estação de trem (via Keleti Pályaudvar, Nyugati Pályaudvar)
  • Híd – Ponte (Margit híd, Lánchid)
  • Nágy – Grande
  • Víz – Água
  • Igen – Sim
  • Nem – Não
  • Desculpa – Bocsánat!

E como sempre, por curiosidade, os números de 1 a 10:

  • 1 – egy
  • 2 – kettő
  • 3 – három
  • 4 – négy
  • 5 – öt
  • 6 – hat
  • 7 – hét
  • 8 – nyolc
  • 9 – kilenc
  • 10- tíz

Uma curiosidade sobre o meu nome é que assim como em russo, na Hungria o meu nome oficialmente não começa com C, e sim com K, sendo Kamilla ao invés de Camilla. E o mais curioso é que Kamilla significa “camomila” em húngaro! Ou seja, eu via meu nome em todos os lugares! Desde em shampoos até em pacotes de papel higiênico, haha. Por isso o título do post, eu sou uma flor em terras húngaras! <3

A emoção foi tanta quando eu vi um produto com o meu nome escrito pela primeira vez certo (sim, considerando que o meu nome inicia com K por lá) que acabei o comprando! Menos mal que não foi um pacote de papel higiênico (como já tive por lá), mas sim um melzinho misturado com Camomila! ;)

Enfim, eu não quis ter dores de cabeça ao tentar aprender húngaro por lá, mas quis no mínimo aprender alguma coisa. Mesmo assim, todo viajante sério deve aprender pelo menos o básico para poder ter uma experiência mais completa!