7 coisas que você precisa saber antes do seu mochilão na Europa

Tá pensando em fazer um mochilão no Velho Continente? Saiba que a pedida é a certa! Para quem nunca teve experiência em viagens, a estreia em um mochilão é maravilhosa, mas ao mesmo tempo cheia de pequenas dúvidas que podem deixar qualquer um “encucado”. Para isso, resolvi dar uma mãozinha e colocar aqui algumas dicas para quem vai partir nessa aventura!

1. Pesquise bastante!
Pesquisar é preciso! Desde hostels, meios de transporte, localização, wifi, segurança, clima, eventos, coisas para fazer, festas e tudo que envolve lazer e entretenimento. Quando você chega em algum lugar sem alguma noção do que se passa por lá, a chance de algo dar errado aumenta muito. Claro que se você quiser partir “na louca” numa viagem para o desconhecido aumenta a tal da adrenalina, mas como já dizia a minha avó, é melhor prevenir do que remediar. ;)

Sair por aí só com uma mochilinha nas costas e pronto! :)

Sair por aí só com uma mochilinha nas costas e pronto! :)

2. Saiba o que é Zona Schengen e como tirar proveito dela.
A tal da Zona Schengen é um conjunto de países na Europa que fizeram um acordo de livre circulação de pessoas. Isso significa que você não precisa passar na imigração em cada país europeu que faz parte da Zona Schengen. Lembrando que a partir do momento da entrada no primeiro aeroporto da Zona Schengen, você tem direito a 90 dias de turismo até a saída para um país não-Schengen.

@Venice

@Venice

3. Esteja preparado para andar.
Mochilão é mochilão, e isso quer dizer que você vai andar bastante! Às vezes, as melhores coisas são encontradas ao acaso, no meio de uma caminhada. Se você não tem fôlego para andar, pense duas vezes antes de partir no seu mochilão!

@Prague

@Prague

4. Tenha um mapa físico em mãos.
Apps para o celular em viagens são bastante úteis, especialmente quando eles tratam de assuntos relacionados a turismo, dicas e coisas do tipo. Mas para casos de emergência, tenha um bom e velho mapa na sua mão. Existem momentos em que gastar a tão preciosa bateria no celular é desnecessário, já que você o pode utilizar na hora de tirar fotos, fazer check in, comunicar com amigos que podem estar próximos e afins.

Uns mapas que guardei de lembrança.

Uns mapas que guardei de lembrança.

5. Leve sua carteirinha de estudante.
Muitos lugares na Europa aceitam a carteirinha de faculdade para conseguir meia entrada. Por exemplo, a minha carteira está vencida desde Maio de 2012 (em letras maiúsculas e vermelhas) e consegui meia entrada em quase todos os museus que fui, com exceção do Museu Nacional Húngaro, que só aceitava a carteira da ISIC. Fora isso, muitos países dão a meia entrada automática para jovens com menos de 25 anos.

Middle of nowhere

Middle of nowhere

6. Não se esqueça da sua câmera e dos adaptadores.
Na Europa, a tomada é aquela de duas bolinhas, comum no Brasil também. Leve toda a munição de benjamins para carregar seus aparatos eletrônicos!

Companheiros de cabine e de viagem!

Companheiros de cabine e de viagem!

7. Fique de olho na moeda de cada país!
Pesquise quais as moedas dos países que você vai passar! Nem todos os países da Europa usam o euro oficialmente! ;)

Moedas de alguns lugares

Moedas de alguns lugares

 

Zona Schengen: dúvidas e respostas

Depois do meu post O básico da União Europeia, algumas pessoas me procuraram através da fanpage, do Facebook, do email e até pessoalmente para tirar dúvidas sobre a famosa (e até temida) Zona Schengen.

A tal da Zona Schengen é um conjunto de países na Europa que fizeram um acordo de livre circulação de pessoas e mercadorias. Isso significa que é permitida a circulação sem que outro país signatário desse acordo faça uma verificação, como “passar pela imigração” do país.

Então, já fica claro que você não precisa passar na imigração em cada país europeu que faz parte da Zona Schengen. A necessidade de passar pela imigração é apenas no primeiro aeroporto da Zona, podendo ser, por exemplo, em Lisboa, no Porto, em Paris, em Milão, em Frankfurt, em Munique, em Barcelona, em Madrid, em Roma, e em Amsterdam. Listei esses aeroportos pois são estes que tem voos diretos com o Brasil.

Algumas passagens aéreas e de trem

Algumas passagens aéreas e de trem

Lembrando que o Reino Unido e a Turquia não fazem parte da Zona Schengen, então Londres e Istambul não entram nessa lista.

Lembrando que a partir do momento da entrada no primeiro aeroporto da Zona Schengen, você tem direito de ficar até 90 dias entre países do acordo de Schengen. Caso você faça um bate-pronto para um país não signatário e volte, a contagem de dias na zona Schengen zera.

No caso da Europa, é mais fácil falar dos países que não fazem parte desse acordo. Eles são Reino Unido, Croácia, Bósnia, Sérvia, Albânia, Montenegro, Macedônia, Kosovo, Bulgária, Turquia, Chipre, Romênia, Moldávia, Ucrânia, Belarus e Rússia.

Como assim?!
Vamos por um exemplo: Você quer passar 4 meses (120 dias) viajando pelos respectivos países: Portugal, Espanha, França, Alemanha, Polônia, República Tcheca, Eslováquia, Áustria, Hungria, Croácia, Sérvia, Grécia, Turquia, Rússia, Finlândia, Suécia, Noruega, Reino Unido, e volta a Portugal para pegar o voo de volta para o Brasil.

Viagem longa, não? Mas vamos considerar aqui o tempo longo da viagem e a quantidade de países Schengen ou não.

A imigração será feita em Lisboa, e a contagem de 90 dias começa ali. Com o visto de entrada já feito, é possível transitar até a Hungria (de acordo com o nosso roteiro) com esse visto (isso quer dizer, sem passar pela imigração), já que todos os países do caminho são signatários do acordo de Schengen.

Lembrando que no caminho, apenas a Polônia, a República Tcheca e a Hungria não utilizam o Euro como moeda, sendo necessária a troca na casa de câmbio. Porém, como eles fazem parte da União Europeia, os estabelecimentos são obrigados a aceitar o Euro e equivalendo o valor local a uma taxa de conversão. Porém o troco será dado na moeda local.

Supomos que você saia da Hungria em direção a Croácia de trem. Fica a dica que a Croácia está a um passo de entrar para a União Europeia e de utilizar o Euro. No momento, ainda é necessária uma pequena imigração e novo carimbo no passaporte, zerando a contagem de dias na zona Schengen.

Mesmo que a Croácia tire a necessidade de imigração da Zona Schengen virando signatária, a Sérvia ainda não faz parte do acordo. Na verdade, não faz muito tempo, a Sérvia pedia visto de turismo de brasileiros, não sendo permitida a entrada no país somente com passaporte. De qualquer maneira, um novo carimbo será dado e a contagem de dias na zona Schengen continuará zerada.

Supomos que você pegue um voo de Belgrado até Atenas. A Grécia faz parte da União Europeia e da Zona Schengen, então vamos começar a contar mais 90 dias de visto da zona Schengen no seu passaporte.

Depois de alguns dias na Grécia, você pega um outro voo para Istambul e você passa na imigração por lá de novo. Você pega o visto de saída da Grécia e pega o de entrada na Turquia. A contagem de dias na zona Schengen zera de novo.

Após a Turquia, você pega um voo para Moscou. Mais outra imigração (dessa vez a russa), e mais outro carimbo no passaporte. Você aproveita alguns dias na capital e pega um trem em direção a São Petersburgo. Mais alguns dias por lá, e você pega um trem para a Finlândia.

Visto de saída da Rússia e um novo visto de entrada na Finlândia, sendo Schengen de novo. Como não existe esse controle de imigração dentro dos países Schengen, você poderá ir até a Noruega. Supomos que você pegue um voo de Oslo até Londres e um outro visto de saída (da Noruega) e um de entrada (do Reino Unido) serão dados.

Após uns dias em Londres, é preciso pegar um voo para Lisboa, onde você pegará um novo visto de saída e de entrada, até finalmente pegar um visto de saída final antes da volta para o Brasil.

Deu para entender a dinâmica nesse pequeno exemplo? (risos) Espero que tenha ficado bem explicadinho para quem ainda possuía dúvidas sobre o assunto!