Algumas comidinhas russas

Olá, internet! Hoje eu vim falar sobre um tópico importantíssimo e indispensável, especialmente para uma pessoa como eu. Me desafiei a postar um texto por dia sobre a Rússia durante essa semana (copa is coming), então quero tocar num assunto delicado chamado… comida!

Eu amo/sou comida, e um dos meus hobbies favoritos ao visitar lugares novos é justamente os pratos típicos dos lugares que eu vou. Na Rossiya não foi diferente e procurei provar de tudo um pouco, mas é complicado.

É complicado pois ao mesmo tempo em que somos bombardeados por sabores incríveis, as pessoas que eram próximas a mim quase não comiam comidas típicas. Cansei de comer sushi, lasanha, e outras comidas que são bem cosmopolitas. Isso foi ruim? Acho que nem tanto.

Dentre os pratos típicos que provei, foco especial para o pelmeni, que eu já escrevi sobre aqui. O Pelmeni é uma espécie de massa recheada com alguns tipos de carne, especialmente porco, mas já vi de outros sabores, como de cereja (ISSO MESMO). Ele se assemelha muito a um capeletti, mas o que diferenciava de alguma outra massa era de vez em quando ele era servido como uma sopa! Era bem gostoso, e foi de longe o prato típico que mais comi.

Você pode gostar também: Comidas russas – Pelmeni

P1000600

Pelmeni de cereja. Não era bom. Sério.

Os blinis também são um prato típico bem conhecido, e inclusive já o vi muitas vezes aqui no Brasil. Eles são panquecas, mas feitas de um modo diferente, e elas ficam mais grossas. Mesmo com a espessura, a massa não é pesada, e eu comia vários bem rápido, haha. Você pode comer os blinis com uma diversidade de recheios, mas eu costumava comer junto com geleias.

DSC_0588

Blinis (eles são mais grossos do que parecem)

O borsht é provavelmente uma das comidas russas mais comentadas, e é simplesmente… uma sopa! Normalmente ela é de betteraba e tem uma cor meio rosada, mas já vi meus amigos chamando sopas de outros sabores de borsht também. Normalmente o borsht é meio cremoso e é acompanhado de sour cream. (Não tirei foto de nenhum borsht, aaaa)

Existem muitas outras comidinhas típicas da Rússia, e também posso destacar algumas mais, como o strogonoff (esse nome já diz que a origem é russa), o caviar (é interessante provar pelo menos uma vez), e tem um suco de frutas silvestres que só tomei lá e que infelizmente não descobri o nome (aaaaaaaa – era muito bom)

Mas claro que os russos não comem só comida russa, assim como os brasileiros não comem só feijoada. Como disse lá no início do texto, eu via tantos restaurantes de comida japonesa que de vez em quando eu me perguntava onde eu estava! As cidades são cheias de pizzarias e outras comidas italianas, assim como carne! Já como eu era uma espécie de estagiária, não podia ir sempre em restaurantes caros, né? De vez em sempre eu ia em diferentes fast foods, e confesso que não me decepcionava.

Mesmo em cidades pequenas (a que eu morei tinha mais ou menos 800 000 habitantes), a abundância de restaurantes e lanches era imensa. Era difícil comer nos mesmos lugares, haha.

Aquela aguinha russa

Simples assim. Mas a “aguinha” que eu falo não é a água de fato, e sim a tradicionalíssima vodka (para ser vodka mesmo, tem que ser russa!!). Eu fiz essa analogia devido ao significado ao pé da letra da palavra vodka, que realmente significa “aguinha” (voda significa água, e vodka seria um diminutivo da palavra).

Mas enfim, a vodka é uma bebida destilada produzida a partir de água, trigo e centeio com origens no leste europeu, mas altamente considerada na Rússia como bebida nacional. E quando eu falo que a vodka é a bebida nacional russa, eu realmente digo que ela é bem mais do que isso, chegando a ser um dos símbolos nacionais mais conhecidos de lá! Afinal de contas, quando se fala na Rússia, muitos pensam logo em vodka, certo?!

Meus amigos russos gostam de tomar a vodka bem gelada, e tomar sem nenhuma outra bebida misturada. Vodka para eles é simplesmente pura, esqueça o energético e alguns cocktails. No inverno, é muito comum ver gente que além de beber muita vodka, gostam de fumar também. Dizem eles que essa mistura “esquenta” o corpo. Mas fato mesmo é que a vodka pura é consumida em países de clima um pouquinho mais gelado realmente.

A questão é que eu fui pra Rússia e não consegui sequer tomar um shot de vodka. Eu sou fraca para bebidas e não conseguia tomar a vodka simplesmente pura, como eles costumam fazer por lá. Porém, minha consciência está limpa, sabendo que pelo menos eu tentei virar um shot. :)

E ali em cima eu falei que vodka de verdade tem que ser russa! Na verdade, quando você sabe que a bebida foi destilada e engarrafada na Rússia, a certeza é que a bebida é de qualidade!

Sobre preços, obviamente existem bebidas de todos os gostos (isso não posso comentar, infelizmente) e bolsos! Boas vodkas são encontradas em mercadinhos, supermercados e em lojas especializadas em bebidas. Em Moscou, perto do meu hostel na Tsvetsnoy Bulvar existia uma loja muito boa que vendia umas vodkas bem exclusivas. Um amigo comprou várias para levar pra casa, e depois me arrependi de não ter comprado para revender por aqui. :(

E para finalizar, uma curiosidade é que a cerveja na Rússia não é nada gostosa. Eles servem a cerveja a temperatura ambiente, o que deixa o gosto aguado, nada bom.

Mas enfim, se você bebe e quer aproveitar ao máximo da Rússia, ir até o supermercado e comprar algumas vodkas não é uma má ideia.

Airport review: Aeroport Sheremetyevo (SVO)

O aeroporto de Sheremetyevo é um dos três principais de Moscou junto com os aeroportos Domodedovo e Vnukovo, sendo dos três, o mais conhecido. Durante a época soviética até os meados dos anos 2000, o SVO era o aeroporto mais movimentado da Rússia, mas após grandes reformas e adaptações feitas em Domodedovo, a maior parte das operações passou para o aeroporto ao sul de Moscou.

Mesmo assim cheguei e saí de Moscou via Sheremetyevo. Na ida, eu peguei um A321 da Aeroflot que havia partido de Amsterdam no início da tarde, e que chegou na capital russa no início da noite. Um voo tranquilo, sem atrasos, mas com aeromoças bem mal humoradas que quase nem falavam russo.

A volta foi igualmente organizada, mas dessa vez iria num Boeing 737 da Turkish em direção a Istambul. Na época, a Turkish ainda operava em SVO, mas já estava de mudança certa para operar no aeroporto Vnukovo apenas uns dois meses depois.

De qualquer maneira, venho dar dicas sobre o aeroporto de Sheremetyevo! O número de brasileiros que chegam à Rússia é crescente, e eu mesma pretendo voltar logo para lá. :)

Aeroporto Sheremetyevo

Aeroporto Sheremetyevo

Conexão direta com o Brasil? 

Já teve. A Aeroflot teve por um tempo um voo GRU-SVO com escala na Tunísia, mas parou após um tempo. Sempre existem boatos que indicam que alguma companhia voltará a pedir esse trajeto, mas até agora nada é oficial.

Como ir até o centro? 

Sair de Sheremetyevo com direção ao centro de Moscou é super fácil via Aeroexpress, que é uma rede de trens que sai dos três maiores aeroportos de Moscou em direção a três estações de metrô da cidade. No caso do Sheremetyevo, a viagem até o centro dura uns 40 minutos, a uma taxa de 320 rublos (cerca de 30 reais) e tem como destino a estação de metrô Belorussky.

Alimentação: 

o terminal do Aeroexpress (coladinho ao terminal F do Sheremetyevo) é cheio de opções de alimentação, diferentemente do próprio aeroporto em si. A área de embarque do aeroporto ainda estava meio pobre, por estar em reforma. Só havia um restaurante que estava funcionando, e de comida natural ainda.

Wifi: 

O Wifi é grátis e sem limite de tempo em Sheremetyevo! A qualidade é muito boa também, não deixando nada a desejar para qualquer serviço pago!

Tomadas: 

Antes da área de embarque, elas eram poucas e extremamente disputadas! É bom rodar um pouco para achar uma tomada alternativa. Depois de imigração e check in, é mais fácil de achar tomadas livres.

Duty Free: 

O Duty Free do Sheremetyevo é muito bom! Ele é amplo e cheio de artigos a preços justos.

Dormir no aeroporto: 

Como o meu voo saía lá pelas 6 da manhã, eu não teria tempo útil de sair de madrugada para pegar o Aeroexpress e chegar no aeroporto. Preferi ir pra lá de noite e tentar dormir ali mesmo. Existem muitas pessoas que passam pela mesma situação, mas nenhum tipo de cama é disponibilizada. Ali é super tranquilo e com wifi, o tempo passa mais rápido. Acabei nem dormindo, mas estava na companhia de um amigo e acabei conversando pela noite toda.

Check in e imigração: 

Assim que cheguei lá pela meia noite, o check in da Turkish já estava aberto, e não tinha ninguém na fila. Pelo horário que entramos na imigração e raio-x (umas 4 da manhã), haviam poucas pessoas ainda. Os oficiais da imigração foram super cordiais e até deram alguns sorrisos!

E durante o inverno? 

Quando o avião decolou, estava nevando forte. Aparentemente o único “desconforto” foi o fato da decolagem ser adiada por uns 5 minutos devido ao defrost da aeronave. Esse procedimento é normal em temperaturas baixas e quando é o primeiro voo do dia da aeronave.

Falar esses detalhes de Sheremetyevo só me fizeram lembrar dos meus dias na Rússia! Essa nostalgia tocou meu coração! Será que planejo uma nova viagem para a Rússia, hein?!

Acompanhe também:

Airport Review: Orlando Int’l Airport (MCO)
Airport Review: Aeroporto di Milano – Malpensa (MXP)
Airport Review: Flughafen München (MUC)
Airport Review: Flughafen Frankfurt am Main (FRA)
Airport Review: Paris Charles de Gaulle – Roissy (CDG)
Airport Review: Miami Int’l Airport (MIA)
Airport Review: San Francisco Int’l Airport (SFO)
Airport Review: Aeropuerto Internacional de Tocumen (PTY)
Airport Review: Chhtrapati Shivaji Int’l Airport (BOM)
Airport Review: Flughafen Wien (VIE)
Airport Review: Budapest Liszt Ferenc – Ferihegy (BUD)
Airport Review: Istanbul Atatürk (IST)
Airport Review: Aeroporto da Portela (LIS)

Airport Review: Aeropuerto El Dorado (BOG)
Airport Review: Chicago O’Hare Int’l Airport (ORD)
Airport Review: Ministro Pistarini  – Ezeiza (EZE)