Pedaços do mundo

Cada povo possui suas próprias características e cultura, e uma das formas onde percebemos essas peculiaridades é através da culinária local. Afinal de contas, viajar por si só já é uma oportunidade de conhecer coisas novas – e a comida é um desses meios! :)

E falando em culinária local, não é preciso gastar uma fortuna em restaurantes para conhecer o que o povo daquela cidade gosta de comer. Às vezes encontramos pérolas em barraquinhas bem simples, ou em fast foods especializados da região. Mas enfim, seguem algumas dicas para aproveitar todo e qualquer tipo de comida!

Pesquise sobre a culinária local, assim você já vai se ambientando com as possíveis comidas que você vai encontrar durante a sua viagem.

Caso exista algum tipo de restrição alimentar, considere bastante o que você vai comer. Mas se essa restrição for irrelevante (especialmente quando tratamos de saúde), abra sua mente para novas possibilidades.

Barraquinhas na rua com várias pessoas é um bom sinal! Se jogue nela!

Mas se você tiver oportunidade, saia para comer num bom restaurante pelo menos uma vez. Garanto que a experiência será inesquecível.

Deixe as calorias para lá, afinal de contas, se você é um daqueles viajantes “level hard”, as andanças pelas cidades vão te ajudar a manter o peso :)

Não deixe a higiene te levar. Às vezes nos preocupamos demais com a qualidade da comida e deixamos de aproveitar coisas. Já percebeu que o Fish and Chips é dado numa folha de jornal?

Mas se a situação for muito tensa, e as condições sanitárias serem extremamente precárias, a saúde vem em primeiro lugar, obviamente.

Se a cidade possui um grande mercado, essa é uma visita que vale a pena.

Procure saber de questões culturais antes de viajar para algum país. Afinal de contas, o choque cultural também existe na mesa.

E é claro que eu pessoalmente tenho as minhas preferências na “cozinha do mundo”! Vou fugir um pouco dos estereótipos como Paella, Sushi, Pizza, Tacos e afins, e vou apresentar 5 coisas que eu adoro, mas acho difícil, ou até mesmo impossível de se encontrar para vender aqui no Brasil.

– Kürstoscalács (Hungria): Ele é um pãozinho caramelizado ao fogo que tem forma de cano, e pode receber uma espécie de “cobertura” de coco, canela, baunilha e outros sabores.

Comi esse Kürstocalács inteiro em uma tarde.

Comi esse Kürstocalács inteiro em uma tarde.

– Blinis (Rússia): Blinis não são panquecas nem crepes! Eles em geral são mais finos e são feitos com uma massa mais leve. Eles sempre são comidos com geleias que são típicas das regiões onde eles são feitos.

Mesa com blinis e biscoitos russos.

Mesa com blinis e biscoitos russos.

– Bratwürst (Alemanha): Esse é o famoso “pão com salsichão” alemão. Não importa se eu cozinho aqui no Brasil, o gosto nunca será o mesmo da Alemanha.

Nhami!

Nhami!

– Cordeiro (Colômbia): A carne de carneiro é diferente da de cordeiro, e é bem difícil de achá-la assada na brasa aqui pelo Brasil. Mesmo assim, o ar na Colômbia é diferente… o gosto sai diferente também!

Nhami!

Nhac!

– Pirulin (Venezuela): Eu classificaria o Pirulin como algum tipo de droga viciante. Ele é simplesmente a coisa mais DELICIOSA do mundo! Você come um e não consegue mais parar! Infelizmente ele só é vendido na Venezuela e faz 7 anos que eu não vou pra lá. :( Para aqueles que (infelizmente) não o conhecem, o Pirulin é um daqueles canudinhos crocantes que colocamos no sorvete recheado com Nutella. Saudades e amor eternos! :’)

Hoje só restou a lata, que guarda algumas pulseiras.

Hoje só restou a lata, que guarda algumas pulseiras.

 

O mergulho nas águas

Entre os dias 18 e 19 de janeiro, um evento muito curioso acontece nas águas da Rússia e de outros países com tradição cristã ortodoxa, como a Ucrânia e a Bulgária. Esse tal evento é o Ritual da Epifania, que consiste em reproduzir o batismo de Jesus no rio Jordão nos rios do leste Europeu.

Ritual com um significado bonito, certo? Para aqueles que já ligaram os pontos (leste europeu, janeiro, inverno, frio…) deu pra perceber que esse ritual tem um quê a mais. O ritual da epifania é feito durante o inverno russo, muitas vezes com temperaturas negativas (-10, -15 graus…). Ou seja, por um motivo religioso, as pessoas mergulham nas águas gélidas do inverno como uma maneira de “lavar os pecados”.

Por coincidência, esse evento acontece de 11 a 12 dias depois do natal ortodoxo, que é comemorado no dia 7 de janeiro. Fiéis se reúnem na beira de rios e de aberturas na neve conhecidas como “iordans” (menção ao rio Jordão) para poder nadar. Adultos e crianças se divertem em passar alguns segundos na água gelada. Eles veem isso como uma maneira de se purificar, e alguns até dizem que isso faz bem pra saúde.

Agora se você pensou que eu vi com meus próprios olhos esse ritual, acertou! Se pensou que eu entrei na água, você está errado! Minha host mother nos levou à beira de um riacho cheio de pessoas prontas para assistir e nadar! Era dia 18 de janeiro à noite e todos os preparativos estavam prontos!

O padre havia benzido a água e os fieis estavam prontos para entrar na água. Nesse riacho a coisa era um pouco mais “light”. Vendo matérias na TV e na internet, vemos que em muitos casos, as pessoas nadam ao ar livre, em rios, e até mesmo no Oceano Pacífico, no caso do Far East russo. Nesse riachinho que fomos, as pessoas nadavam numa parte coberta por uma casinha. Tinha uma fila para quem iria entrar na água e quem iria apenas assistir aos outros.

Não acreditei, mas um amigo brasileiro entrou na água de verdade! Gravaram um vídeo dele pulando na água e saindo (coisa de dois segundos), mas ele conseguiu! Pontos pra ele. Os outros intercambistas não tiveram coragem. Além desse brasileiro, o namorado da minha host mother também entrou na água.

Eu não o vi entrando, mas acompanhei uma família que entrou! Foi incrível ver de pertinho a disposição dessas pessoas nessas condições tão ruins! Eles entraram, passaram uns 10 segundos na água e saíram. O “engraçado” era que todos eles meio que se aqueciam de uma maneira diferente antes e depois do mergulho. De qualquer maneira, foi incrível presenciar de pertinho todo esse ritual tão significativo para esse povo.

Posso dizer também que nós, os estrangeiros, fizemos sucesso! Muitos dos que estavam ali na fila ficaram bem impressionados com a nossa presença!

Veredicto? Adorei presenciar esse ritual. Todos os dias 18 e 19 de janeiro são marcados na minha agenda!

Entrar na cabine e ainda por cima, pegar um pouco de água benta.

Entrar na cabine e ainda por cima, pegar um pouco de água benta.

Abrindo a janela para o mundo!

Acho que viajar é o principal sonho de consumo da maioria das pessoas. E sou, descaradamente uma delas!

Desde a primeira vez que entrei num avião, em dezembro de 1999, um antigo e confortável Varig, sempre senti aquele friozinho na barriga, não por ter medo de altura, turbulência, ou coisas parecidas. Era a vontade de ir no aeroporto, e passar algumas horas dentro de um avião! Lembrando que naquela época viajar era uma coisa diferente, menos cotidiana que o usual. É fácil de ter amigos e conhecidos que passam o fim de semana em um lugar longe só por estar, como se fosse a coisa mais comum do mundo! Ainda sou daquelas clássicas que conta os dias para entrar no avião, planeja cada passo a ser dado, lugares a visitar e afins.

E diferentemente da maioria das pessoas que conheço, sou fascinada por conhecer lugares distantes, e que são diferentes da minha realidade. Sou do Norte, só tinha visto calor e chuva por boa parte da minha vida, e até agora, a viagem mais fora da minha realidade aconteceu em janeiro de 2012, onde decidi passar dois meses no meio do inverno russo.

Claro, existem muitas histórias pra se contar desta, e outras aventuras. Mas posso dizer que tive um dos principais momentos de reflexão da minha vida ali, no meio do nada, dentro de um trem com destino a Saratov, na região do Volga.

Após dormir por muitas horas no meu vagão compartilhado, resolvi olhar a paisagem do lado de fora. Só tinha neve e mais neve! Árvores mortas cobertas de neve, e grandes espaços vazios com simplesmente nada. A primeira coisa que pensei foi: “nossa, que lindo!”. Fiquei alguns segundos sem pensar nada, e depois refleti algo que me marca até agora. Percebi que só via árvores e neve, e achava lindo! Quando eu ouvia os meus amigos estrangeiros falando que, a região que eu morava era linda e única, eu meio que menosprezava. Nascida e crescida no meio da cultura amazônica, eu achava a floresta ao meu redor banal, simples, e que os animais que nela vivem, comuns. Afinal, cresci, de alguma maneira conectada, acostumada a isso. E quando eu também ouvia que a terra deles era “sem graça”, não podia acreditar! Eu pensava impossível que alguém, na América do Norte ou Europa achasse o lugar que viviam sem graça. Olhando para aquelas árvores mortas, eu entendi o porquê. Ninguém tem a beleza da minha região. Lembrei também de um amigo que uma vez me disse: “Pra quer supervalorizar aquilo que nos é externo? Pegue um barco e passe algumas horas longe da civilização. Temos tanta beleza pra oferecer!” Naquele momento, descobri que moro no paraíso.

A partir de então, viajo por cultura! Prefiro ir passar o dia em museus, do que fazer compras. Uma vez, uma amiga me chamou para ir a Orlando fazer compras no Black Friday. Daí falei que queria me focar em uma viagem desejada para o Oriente Médio ou Índia no ano que vem, e que compras em New York ou Chicago poderiam ser melhores. Ela começou a rir, e me deu uma indireta, me chamando de “estranha” por querer viajar pro Oriente Médio e Índia, e não querer ir até Orlando, cidade que ela já foi umas duas vezes só nesse ano, dizendo que eu ia me arrepender de não ir nos parques da Disney. Bem, gosto é gosto! ;)