A importância de salvar fotos

O último post que escrevi foi no dia 5 de setembro de 2017. Quanto tempo! Primeiramente tenho que dizer que tem vezes que eu não consigo dar sequência às coisas. Às vezes posto muitas fotos e depois paro. Publico textos seguidos aqui e depois paro. Começo a academia e depois paro. Começo a cuidar da minha saúde e depois paro.

Depois. Sempre confio no depois. Depois eu termino. Mas tem vezes que depois eu não termino e depois paro. Foi isso que aconteceu com Minas Gerais.

Dos lugares no Brasil que eu mais queria conhecer, Minas Gerais encabeçava minha lista! Amo história, construções coloniais, e claro, um pouco de vida cosmopolita. Achei Belo Horizonte organizadíssima, com ótimos restaurantes, pessoas bonitas e educadas. O interior é lindo demais e eu tenho muitas pautas para postar aqui. Mas depois.

Eu absolutamente não tenho nada que reclamar da minha semana mineira. Reencontrei alguns amigos que fiz quando morava em Budapeste, visitei a faculdade onde meu avô estudou, e claro, conheci muitas coisas que vi nos livros de história.

Mas depois… cheguei na minha casa e demorei para salvar as fotos que tirei. Levei a minha câmera e o meu celular. Selfies e fotos onde eu aparecia de corpo inteiro nos lugares ficaram todas no celular. A câmera, como quase sempre, ficou com as fotos dos detalhes, dos prédios e de situações inusitadas, ou seja, não apareci em nenhuma fotografia.

Confiei na tecnologia e um belo dia desliguei meu celular para economizar bateria (o bichinho já não está nas melhores condições). Quando o liguei de novo, tudo havia desaparecido! Contatos, aplicativos e as FOTOS. Tudo que estava no cartão de memória misteriosamente sumiu! Só porque eu desliguei o celular!

Muitos momentos desapareceram, não só da viagem como outros! Para uma pessoa que gosta de conservar momentos e memórias como eu, perder isso foi como levar um tapa na cara, um soco no estômago! Isso me afetou tanto que eu perdi a empolgação de postar, tanto aqui, quanto no Instagram. Se eu já perco sequência de postagem normalmente, imagina com uma situação dessas!

O “prêmio de consolação” foi saber que as fotos da câmera ainda estavam lá, mas elas não provam que eu estive em Minas Gerais porque… eu não apareço nelas. Tirando umas 5 fotos que postei no meu Instagram pessoal e as histórias, não tenho mais nenhum registro do meu rosto em terrinhas mineiras.

Temos sempre que aprender algo com nossos erros, não? Eu recentemente voltei de uma viagem longa e maravilhosa para Bogotá! Eu iria visitar a terrinha há uns dois anos, e tive que cancelar a viagem abruptamente uma semana antes. Dessa vez correu tudo bem, e tenho muito conteúdo novo pra escrever, mas o mais importante foi que eu consegui salvar as fotos dessa viagem em lugares seguros, e mesmo que o meu telefone surte e apague tudo de novo, elas não se perderão!

Essa viagem me deu fôlego novo pra escrever, e quero muito poder compartilhar ao máximo tudo que vi e apreendi (fora as outras coisas que queria escrever sobre outros lugares e situações).

É isto. Obrigada por chegarem até aqui! :) <3

 

 

Anúncios

O mais novo desafio (que já tem alguns meses)

Olá, internet! Faz um pouco mais de 4 meses que não posto nada aqui, e o motivo para isso é tempo. Pautas sempre são muitas, mas estava com pouco tempo livre para postar e para acompanhar a maioria dos blogs que sigo. O motivo disso é muito simples: realizei um sonho antigo e comecei a fazer o curso que sempre desejei, mas que os caminhos da vida sempre me desviaram. Estou estudando Arquitetura e Urbanismo! :)

Vou escrever esse post com muito carinho, espero que gostem, mesmo não sendo sobre viagens! Criei uma categoria chamada “Arquitetura e Urbanismo”, vou escrever algumas coisinhas sobre o tema, mas o blog vai continuar se chamando Camilla pelo Mundo! :)

Então, há exatamente 1 ano e 3 dias eu me tornei economista, e tenho muito orgulho disso! Adoro estudar economia, e esse é um dos cursos que abrem a sua mente e te ajudam a compreender o mundo. Sempre existe uma resposta pra tudo, o campo de atuação é bem amplo, mas eu vivia com uma sensação de que eu estava fazendo algo errado: mas eu sentia isso desde os 17 anos, então para mim, parecia ser um sentimento normal.

Um breve resumo da minha vida acadêmica: no segundo ano do ensino médio, eu queria muito estudar Arquitetura, mas esse curso só existia em faculdades particulares aqui na cidade. Minha família foi sempre bem preconceituosa (não vejo palavra mais semelhante para demonstrar esse sentimento) em relação a faculdades particulares, então a minha opção era estudar na pública e pronto. Como não havia escolha, eu decidi que iria prestar faculdade para Engenharia Civil. Até então eu amava matemática e achava que não teria maiores problemas.

No terceiro ano do ensino médio o professor de matemática era ruim, e do nada eu deixei de ser uma aluna nota 10 e passei a ser mediana, mesmo que esforçada. Fiquei apavorada com a minha queda de rendimento e desisti dessa vontade de fazer Engenharia. No meio do ano iria acontecer o vestibular na Estadual e eu escolhi o curso por eliminação, e foi dessa maneira que eu me inscrevi para Odontologia. Acabei passando e fiz avanço de série (a pior semana da minha vida), fui aprovada, e comecei a faculdade enquanto meus amigos ainda estavam no colégio. Esse é um dos maiores arrependimentos da minha vida.

No final desse mesmo ano, eu também passei para Odonto, só que na Federal. Hoje também considero um erro, pois eu já estava cursando a mesma faculdade na Estadual, então perdi meus pontos de graça. Nunca me vi sendo dentista, e me sentia muito triste na faculdade. Tomei coragem e acabei desistindo do curso, e voltei a estudar.

O novo ano começou e era o primeiro onde o Enem iria servir para selecionar os alunos para entrar na faculdade, e outra notícia me deixou bem animada: o curso de Arquitetura iria começar na Federal ainda naquele ano!! Fiz o Enem, sinto que não estudei o bastante, mas mesmo assim consegui uma boa nota.

Antes o Sisu era diferente, já que todas as chamadas tinham sua própria seleção, e me inscrevi. Como era o primeiro ano tanto do Sisu quanto da Arquitetura, ninguém estava acostumado com o sistema. O site era difícil de acessar, as pessoas não sabiam o que esperar, mas me inscrevi pra Arquitetura! No primeiro dia, estava em terceiro lugar. No segundo, eu caí bastante mas ainda estava dentro do número de vagas. No terceiro (o último), eu já não estava na lista.

Fiquei arrasada, mas ainda tinham duas outras chamadas do Sisu! Será que eu colocaria Arquitetura de novo? E se eu não passasse? Iria deixar meus pais desapontados por não estudar na Federal?

Nesse meio tempo entre primeira e segunda chamada do Sisu, o meu pai foi numa faculdade particular que até então tinha o melhor curso de Arquitetura e Urbanismo da cidade, ele pegou umas informações e ficou decidido que eu me matricularia lá caso eu não passasse.

Então, na segunda chamada do Sisu, me bateu medo. Eu não acreditava em mim, sempre pensava que os outros eram muito melhores, e decidi optar por um curso que me agradava, e que eu teria condições de passar. Foi aí que escolhi Economia, pelos motivos que citei acima. Eu sabia que iria passar, e acabei passando mesmo. O primeiro ano foi de empolgação, e mesmo gostando de estudar sobre o assunto, eu sentia que estava carregando um fardo. A alegria diminuiu e terminei a faculdade como se fosse uma obrigação, tanto que o meu sentimento não era de alegria por ter concluído um curso tão importante, e sim de alívio.

Vários pontos de interrogação surgiram na minha cabeça, pois os planos que existiam no início do curso foram destruídos. Eu achava que queria realizar certas coisas, e depois descobri que não, eu tinha desprezo por estes planos. Essas ideias se resumem em duas palavras: concurso público.

Cresci com a minha mãe me falando sobre os concursos, a estabilidade e blá blá blá. Eu juro que tentei dar uma chance para esses estudos, mas não deu. Não gosto de estudar os assuntos sobre Direito e não suporto a ideia de trabalhar para qualquer ente federado. Quando tive certeza disso, já estava com o diploma na mão, com a videoaula ligada e todas as minhas perspectivas para o futuro no chão.

Eu juro que tentei! Passei 6 meses trancafiada num quarto estudando noite e dia, e mesmo assim não fui bem para o concurso que estava estudando com tanto afinco. Eu me sentia um lixo, pois eu não conversava com ninguém, não conhecia ninguém, não estava tendo resultados e estava vendo que eu estava deixando de viver minha vida pra ficar estudando para alguma coisa de um assunto que eu odiava para ganhar um salário que para mim, não compensava esse esforço. Mesmo sabendo que esse é um esforço de longo prazo, sabe-se lá quando eu iria passar! Se em 6 meses eu não aguentei, imagina dois, três anos de estudo!

Antes disso, me inscrevi pro Enem de novo. A justificativa era passar pra Direito, pois isso me auxiliaria nos estudos para concursos, mas eu sentia que se eu passasse, eu já chegaria derrotada, pois eu não suportava a ideia de fazer faculdade de Direito. A minha mãe me pressionou tanto a seguir a carreira dela que ela conseguiu fazer o contrário.

Me surpreendi com a minha nota! Acho que inclusive foi melhor que a tentativa anterior, e de novo, sem estudar para isso. Por sorte minha (não a da minha mãe), a nota de corte para Direito estava mais alta do que a minha melhor nota, e deixei o destino cuidar disso, pois escolhi Arquitetura como primeira opção no Sisu!

Novamente o destino seguiu o ritmo: nos primeiros dias eu estava dentro… no final, eu estava fora! Fiquei triste de novo e deixei Design como a segunda opção. Eu era a segunda colocada em Design (ou seja, estava quase passada) e iria tentar a sorte na lista de espera pra Arquitetura. Nota: antes eu nem sabia da existência da lista de espera, talvez se eu fosse um pouco mais paciente, eu teria passado para Arquitetura ao invés de Economia.

Aí que veio a melhor notícia do ano até agora! Numa segunda feira de manhã saiu o resultado do Sisu. Eu já estava direcionando o meu olhar para a opção de Design, para confirmar minha aprovação, mas aí eu li a seguinte frase: Parabéns! Você foi aprovada na primeira opção!!

A nota de Design havia sido descartada e eu estava finalmente realizando o meu sonho! Eu fiquei tão feliz que chorei muito! A pessoa que ficou mais feliz com isso foi a minha avó, que teve a melhor reação!

O fardo que eu sentia quando eu estudava Odonto e Economia não existia mais! Nunca me senti tão leve e tão feliz na minha vida! Agora a minha única preocupação é a idade, pois eu vou me formar muito mais velha que meus colegas. Mas a idade é só um número, certo?!

Pois é, desde o início do ano, estou ocupadíssima fazendo as maquetes, plantas baixas e outras coisinhas da faculdade! Voltando ao início do texto, é esse o motivo de estar tão sem tempo! A faculdade de Arquitetura é uma das que consomem mais tempo e dinheiro, por causa dos trabalhos manuais, mas isso é outro tema.

E também esse é o primeiro texto de muitos a serem lançados até o fim do mês. As minhas férias da faculdade estão começando (infelizmente sem viajar né?) e terei um tempinho para escrever algumas coisas que meus dedos estão implorando!

Espero que esse seja o primeiro post de muitos da categoria “Arquitetura e Urbanismo”, e se você leu esse texto até agora, espero que tenha gostado! Aguarde que em breve escreverei mais coisas! :)

O relato sobre a minha visita à Colonia del Sacramento

Olá pessoal! Quem me acompanha por aqui já sabe que eu estou fazendo relatos sobre os destinos da minha última viagem, onde conheci Montevidéu, Colonia del Sacramento e Buenos Aires. Não é segredo para ninguém que me encantei especificamente com o Uruguai, e realizei um pequeno sonho da minha vida ao conhecer a Colonia del Sacramento.

Para deixar o relato bem completo, dividi o post em algumas partes. Para concluir o raciocínio sobre Colonia del Sacramento, hoje vou contar pra vocês o relato da visita. Espero que gostem! :)

Acompanhe também: De Montevidéu a Colonia del Sacramento de ônibus

Detalhes das casas

Detalhes das casas

Então, saímos de Tres Cruces no ônibus das 9:30, e apesar do mapa indicar que a viagem entre Montevidéu e Colonia dura um pouco mais de 2h, a viagem chegou próximo de 3h devido as paradas que o ônibus faz no caminho. Até então tudo bem, pois tínhamos um pouco de folga, mas não queríamos abusar.

Chegamos em Colonia aproximadamente 12:30 e a nossa intenção era procurar um lugar para guardar as malas. Não existem muitos guarda-volumes disponíveis na região, e acabamos encontrando um bem em frente à rodoviária e a estação hidroviária, numa loja especializada em artigos para viagens. Pagamos 10 reais por duas malas e sem limite de tempo. Menos mal que eles aceitavam real, daí não gastaríamos mais nossos preciosos pesos só para guardar as malas!

Lá nessa loja onde deixamos as nossas malas, perguntei se eles tinham algum mapa de Colonia. O que eu tinha era o Google Maps: já tinha marcado com estrela os principais lugares da cidade, mas não queria ficar gastando a bateria do meu celular à toa. Gentilmente ele me deu um mapa e me explicou onde ficavam algumas das principais atrações da cidade. Agradeci e fui conhecer Colonia!

Farol da Colonia del Sacramento

Farol da Colonia del Sacramento

Acompanhe também: 8 fotos imperdíveis para tirar na Colonia del Sacramento

Saímos dali e fomos em direção à Av. General Flores, que é a principal da cidade. Pela maior parte de sua extensão, tinha muitas lojas, restaurantes, pessoas vestidas como gauchos tomando mate sentados nos bancos espalhados pela rua.

Tinham tantos restaurantes pelo caminho, e a maioria vendia adivinha o quê: carne! O cheirinho era bem gostoso, e ao mesmo tempo que a cidade aparenta ser (e é) turística, o clima era muito de cidade de interior.

Caminhamos, caminhamos e caminhamos, sempre em linha reta, até chegarmos na “fronteira” entre as partes nova e velha de Colonia. Confesso que não sabia nem pra onde olhar, já que estava muito feliz e emocionada de estar ali!

Fronteira

Fronteira

Saímos da Gen. Flores e entramos na rua Vasconcellos, em direção à Basílica del Santíssimo Sacramento. Igrejinha linda no centro de uma cidadezinha de aparência colonial é bem linda, já imaginem! Na frente da igreja tem uma pracinha e ficamos lá um pouco.

Depois nos dirigimos até o Farol: até hoje existem ruínas do que um dia foi um antigo convento português que foi demolido pelos espanhois. Dá para subir no topo do farol, mas devido ao nosso tempo reduzido, ficamos no chão.

Após o Farol, fomos em direção à orla de Colonia, onde tirei algumas fotos clichês com o rio como background, haha. Terminamos de andar pela orla, sempre apreciando a bela paisagem do río de la Plata e voltamos até o centro histórico de Colonia, que é bem pequeno.

Mapa da Colonia del Sacramento nos azulejos

Mapa da Colonia del Sacramento nos azulejos

Caminhamos pelas ruas que ainda não tínhamos entrado e achamos tudo lindo! Ruas de paralelepípedos, azulejos portugueses, e uma sensação de volta ao passado, tudo fantástico!

Para terminar o dia, nos sentamos no Pier de Colonia, sentindo o vento fresco no rosto e aproveitando a linda vista do río de la Plata. Alguns minutos depois, começamos a caminhada em direção ao guarda volumes e em seguida, ao terminal hidroviário, onde iríamos diretamente para Buenos Aires.

Acompanhe também: Atravessando o Río de la Plata

Esse trajeto durou aproximadamente duas horas, mas com certeza vale a pena pernoitar em Colonia. Fizemos assim com a intenção de ganhar um dia a mais em Buenos Aires, mas no final acabou não valendo a pena.

Deveria ter sido ótimo passar a tarde inteira aproveitando o centro histórico de Colonia, e ficamos com aquela sensação de que fizemos tudo correndo. Nem comer direito nós conseguimos!

A experiência faz o homem, então seria interessante aproveitar um dia inteiro em Colonia sem sombra de dúvida. A cidade é linda e encantadora, além fazer parte de um período importante na história do nosso Brasil. Já pensou se Colonia tivesse ficado definitivamente do lado português?

p1140326

 

O relato sobre a Torre Eiffel e eu sozinha

Olá a todos! Hoje vou falar sobre a Torre Eiffel que é, provavelmente a estrutura mais famosa do mundo. Por ser um monumento super mega famoso, uma infinidade de blogs e sites já falou sobre ela, mas depois de mais de 4 anos de blog, achei que eu deveria falar sobre também!

Especificamente, esse post tem um caráter bem pessoal, e vou contar de maneira rápida como foi minha ida até lá em 2012, sozinha e desimpedida na forma de um relato. Depois separei algumas curiosidades sobre a Torre Eiffel. Espero que gostem!

Torre Eiffel, no verão

Torre Eiffel, no verão

O contexto da viagem

Em fevereiro de 2012, eu estava sentada na cozinha do hostel em Moscou fazendo pesquisas de passagens na internet, com o intuito de encontrar um lugar para passar uma semana livre. Eu tinha a Europa inteira à minha disposição, mas como era a minha primeira viagem 100% sozinha, eu ainda tinha muito medo de me jogar.

Mesmo em Moscou eu não estava sozinha. Os meus amigos que me acompanharam no intercâmbio ficaram ao meu lado o tempo todo, então decidimos passar uma semana livre com todos juntos na capital russa.

Fora isso, ainda tinha outra semana livre, onde eu poderia ir para qualquer lugar. A princípio, eu iria viajar com um amigo para Praga e depois Paris, que era onde saía o nosso voo de volta para casa. Só que durante essa semana de folga em Moscou nós brigamos e não queria mais viajar com ele.

Tive sorte, pois até já tinha comprado a passagem para Praga, mas o cartão não autorizou a compra. Ele foi sozinho e eu tinha que escolher outro lugar. Pensei bastante até que enfim consegui falar com uma amiga que morava em Londres na época. Até hoje quero conhecer o Reino Unido e perguntei se ela estaria lá, mas justamente no dia seguinte à nossa conversa ela pegaria o voo de volta para o Brasil.

Então aceitei a sugestão da minha mãe e decidi comprar a passagem para Paris mesmo, e eu já conhecia a cidade, mas não de maneira profunda. Como eu estaria completamente sozinha, achamos que seria melhor ir para um ambiente mais “familiar”, para que no futuro eu pudesse ir para lugares novos por conta própria. Também ajudava o fato de que o meu voo de volta para o Brasil seria via Charles de Gaulle, então eu não precisaria comprar outra passagem. Naquela mesma noite, compramos as passagens pra Paris com conexão em Istambul.

Acompanhe também: Airport review: Istanbul Atatürk (IST)

A tarde que fui para a Torre Eiffel

Em um dos dias que estive em Paris, decidi caminhar tranquilamente pelo Champ de Mars e imediações, já que da outra vez eu não tive tempo para fazer isso. Para tanto, desci na estação Bir-Hakeim, que fica na linha 6 do metrô.

Embaixo

Embaixo

Diferentemente de muitos outros locais em Paris, a saída da estação de Bir-Hakeim não fica ~~exatamente~~ na entrada da Torre Eiffel. Saindo do metrô, existiam algumas plaquinhas com setas indicando a direção para chegar até a torre, o que não é difícil. Na verdade, simplesmente seguindo a margem do Sena e vendo a torre gigante bem na sua frente dá pra ter uma noção de onde fica.

Acompanhe também: Passear por Paris com a ajuda do metrô

Direção!

Direção!

Enfim, cheguei em baixo da torre e a minha intenção era subir mas desisti ao ver o tamanho da fila. Na verdade, já imaginava que a fila para subir na Torre seria imensa, mas desanimei totalmente quando vi ao vivo. Pensei: pra quê subir se vou gastar muito tempo na fila e ficar lá só um pouquinho e descer? O meu dinheiro estava contadinho também, então decidi economizar, haha.

Numa viagem futura a Paris aí sim vou fazer questão de subir. Hoje em dia possuo uma câmera muito melhor, o que vai me render muitas fotos excelentes!

Champ de Mars

Champ de Mars

Então fiquei no chão, apreciando o Champ de Mars (Campo de Marte), que é um a área verde de 42 hectares que fica entre a Torre Eiffel e a École Militaire. Estava com alguns biscoitos na bolsa e sentei num banquinho e fiquei apreciando a paisagem: as pessoas indo e vindo e a Torre Eiffel magnífica ao meu lado.

Quando me entediei fui ao laguinho que fica ali ao lado e me encantei com os patos que lá estavam. É impressionante como no centro de uma grande cidade os animais conseguem viver em harmonia.

Patinhos

Patinhos

Caminhei e explorei o Campo de Marte, mas estava muito incomodada por estar sozinha. Era ruim ter que passar o dia sem ninguém para conversar, para compartilhar meus sentimentos naquele lugar maravilhoso. Enquanto eu via os casais e as famílias unidas, me dava um aperto no coração por não ter ninguém para aproveitar esses dias comigo.

De qualquer maneira, foi ótimo passar esse tempinho ali. Não subi, não enfrentei fila, mas fiquei admirando cada detalhe da Tour Eiffel lá de baixo.

École Militaire

École Militaire

Concluindo, segui meu caminho e fui em direção à École Militaire. Antes de chegar lá, fui conhecer o Mur pour la paix, que é uma escultura de vidro que teve como inspiração o Muro das Lamentações de Jerusalém. Ali possuem várias mensagens sobre paz em diversos idiomas.

Scuplture

Scuplture

Meu próximo destino seria os Inválidos, já que eu queria ver onde o Napoleão estava enterrado.

Para terminar, alguns fatos e curiosidades sobre a Torre Eiffel

Acredito que a maioria das pessoas que tem o mínimo de informação sobre cultura conhecem ao menos a silhueta da Torre Eiffel, mas ela é mais que um monumento qualquer. Só para dar um gostinho, vou citar algumas curiosidades sobre a Tour:

  • A Torre Eiffel originalmente seria a porta de entrada da Exposição Mundial de 1889. Atualmente conhecida como Expo, a feira sempre acontece em cidades diferentes pelo mundo, com o intuito de apresentar novas tecnologias para o público em geral.
  • Por causa desse objetivo específico (participação na Expo), a torre seria desmontada com o fim do evento. Felizmente isso não aconteceu.
  • Quando foi construída, a Torre Eiffel era a estrutura mais alta do mundo construída pelo homem.
  • Ela possui 324 metros de altura e pesa mais de 7000 toneladas.
  • Mesmo não sendo mais a mais alta estrutura do mundo, ela ainda continua sendo o prédio mais alto de Paris!
  • Seu nome é uma homenagem ao engenheiro principal da obra, o Gustave Eiffel.

Espero que tenham gostado! Amanhã tem mais um post novo! Um abraço!

Tour

Tour

Passagens compradas: Bogotá, meu amor

Olá viajantes, como estão?! É verdade que faz um tempo que não venho por aqui, mas tenho alguns motivos. Dólar alto, fim da faculdade, reforma no apartamento e outras “prioridades” que aparecem no caminho e que obviamente exigem dinheiro. Enfim, viajar não foi um fator principal esse ano, mas claro, quanto mais o tempo passa, mais saudosa eu fico das minhas aventuras por aí.

Enfim, eu tenho um dinheiro guardado e fiquei pensando por um tempo o destino final. Alguma joia, eletrônicos, e qualquer quinquilharia que me desse uma grande vontade de comprar. Pensei (obviamente) em viajar, mas sempre ficava desapontada com valores de hospedagem e outros gastos necessários, como seguro e afins, e aos poucos desistia dos planos mirabolantes de usar sabiamente essa grana.

Sabe aquela linha de raciocínio que diz que tudo que você planeja com antecedência não dá certo e que tudo que vem de inesperado dá mais que certo? Pois bem, hoje estava despretensiosamente no site da TAM, e vi trechos MAO-BOG e BOG-MAO por 12 mil pontos cada!

Para mim, que moro no Norte, sou acostumada com passagens caras indo pra qualquer canto, e recentemente cogitei comprar uma passagem MAO-BSB-MAO por 35 mil pontos, achei essa oportunidade incrível! Logo pedi permissão pra comprar essa passagem pra Colômbia e… pronto!

Mas por quê a Colômbia?!

Primeiro: Minha família é de lá e faz 5 anos que eu não os vejo.

Segundo: Hospedagem grátis, hihihi.

Terceiro: O clima é bem agradável, bem diferente do calor/chuva/fumaça que temos por aqui.

Quarto: A Colômbia possui pontos turísticos diferentes, e que possuem muita história

Quinto: O Peso Colombiano (COP) não se valorizou tanto frente ao real.

Sexto: Saudades enormes da comida de lá! <3 <3 <3

Poderia listar muitos outros motivos, pois a Colômbia é um país de contrastes e de muitas diferenças! Infelizmente o turista médio brasileiro ainda não descobriu os encantos da minha segunda casa, mas é provável que aos poucos a Colômbia se torne um lugar mais atrativo para os brasileiros, e creio que isso acontecerá na mesma medida em que o turismo no local, que aos poucos vai se desenvolvendo, cresça.

Ah, vale ressaltar que a princípio eu iria viajar sozinha, pois não queria depender de nada além do meu próprio dinheiro e de minha vontade. Mas aí eu comprei essa passagem e minha mãe e meus avós já querem ir junto também. Sem querer hoje eu dei um estopim pra uma coisa que todos estávamos esperando… :D :D

Seguem alguns posts sobre a Colômbia, e espero que algum dia vocês conheçam esse lindo país que leva o nome do primeiro europeu (oficialmente) a tocar em solo latinoamericano:

A “chévere” Colômbia

Colômbia: Questions and Answers

Algumas razões para visitar a Colômbia

A batalha do pântano

A feijoada de Boyacá

No topo do mundo

Neste lugar escolhido

Lá do topo da montanha

Vai um tinto aí?

E daqui a dez anos?

Bucolismo colombiano

 

From Manaus with love

Olá! Pra quem não me conhece, eu sou a Camilla, tenho 24 anos, estou me formando em Ciências Econômicas e sou uma pessoa apaixonada por cultura em geral. “Cultura” é um termo muito abrangente que inclui uma diversidade de coisas, seja fotografia, literatura, gastronomia, e no meu caso também, aprender um pouquinho mais de nuances que representam diversos lugares do mundo.

Este é um relato pessoal de uma pessoa do Norte do Brasil que sente muito orgulho de ser manauara! Segue a leitura.

Pra começar, eu criei uma paixão pela geografia desde pequenininha. Quando eu tinha uns 5 ou 6 anos, acabei descobrindo um pequeno e antigo atlas na minha casa e me fascinei com a cartografia. Linhas que desenhavam fronteiras, pontinhos que indicavam a localização das cidades, e eu andava grudada com esse atlas pra cima e pra baixo.

Logo eu comecei a aprender algumas coisas. Aos poucos eu já havia decorado todos os países e suas capitais, a copa de 1998 me ajudou a conhecer as primeiras bandeiras, e com o passar dos anos fui nutrindo a minha curiosidade e conhecimento sobre o assunto.

Mas enfim, o que me fascinava na geografia era a diferença. Tantos lugares na Terra diferentes entre si! Montanhas, neve, praias, desertos e todo tipo de diversidade que eu via em fotos e vídeos que acabavam enchendo os meus olhos. Aos poucos eu comecei a abrir os olhos para as belezas do mundo e não prestando tanta atenção na minha região.

O tempo passou e eu comecei a olhar tudo que remetia à Amazônia como… trivial. “Só floresta, legal mas nada demais”, eu pensava. Durante a minha adolescência às vezes eu ficava intrigada em saber que ainda existiam áreas verdes em Manaus, e na minha cabeça, essas áreas seriam muito melhor aproveitadas caso alguém construísse algo no lugar.

Por exemplo, antes eu morava numa casa que tinha um terreno baldio ao lado. “Baldio” por que não tinha nada construído – somente existiam lindas e grandes árvores que juntas pareciam formar uma caverna, e a minha maior vontade era entrar e brincar naquela caverna. Mesmo achando a área bonita, eu pensava que uma casa, como as outras da vizinhança, ficaria bem melhor naquele terreno gigante, e algo que me assustou muito há vários anos foi ter visto um ladrão que havia assaltado a casa de trás, ter pulado o muro e fugido através desse terreno. Quem sabe algum outro ladrão não se escondia ali? (Na época, eu achava que era alguém que tinha fugido de casa, mal sabia a inocente).

Mas enfim, eu passei no vestibular e comecei a frequentar a UFAM, faculdade que fica “no meio do mato”. Todo dia passando por aquela estrada que dá acesso à universidade e achando tudo tão comum… tão verde… tantas árvores… Óbvio que eu ficava muito intrigada ao saber que a minha universidade ficava no meio de uma área verde. Qual outra universidade também tem essa característica? :)

E então eu resolvi ter uma experiência diferente. Eu, aos 19 anos estava sentindo que estava muito na minha zona de conforto. Nunca tinha passado por desafios, nunca sofri longe da minha família, sempre tive tudo que quis na hora que eu queria… típico de uma pessoa mimada. E decidi mudar de vida! Mas para isso eu precisava de um choque de realidade e fui morar por dois meses na Rússia.

Sabe o atlas que me acompanhava quando eu era pequena? Ele era tão antigo que ainda mostrava o mapa da União Soviética. Eu ficava fascinada com o tamanho (sim) daquele país, e vendo que existiam outros países menores que compunham sua integridade territorial. Eu realizei um sonho chegando em Moscou, e naquele mesmo dia fui na Praça Vermelha, lugar onde tantos fatos decisivos para a história da humanidade aconteceram.

Logo depois, à meia noite, peguei um trem em direção ao interior, onde eu iria morar. Eu estava amando a sensação de liberdade e independência, e ao mesmo tempo dando o primeiro passo para mudar de vida.

Daí eu tive o wow moment mais incrível da minha vida! Eu saí da cabine do trem e fiquei no corredor, observando o movimento. Eu havia ido no inverno e ao redor da linha férrea uma série de árvores mortas estavam compondo o ambiente. E só.

Eu olhei para aquele clima cinza, a neve deixando os galhos das árvores com uma aparência tenebrosa, e nenhum sinal de vida ali… eu comecei a chorar! Nesse momento eu percebi que eu nasci e cresci na região mais linda do planeta e foi preciso ir pro outro lado do mundo para notar isso! Eu me senti a pessoa mais estúpida. Como eu nunca tinha parado para observar a beleza e singularidade da Amazônia?

Aos poucos isso foi se desenrolando. Quando as pessoas na Rússia me perguntavam de onde eu era, ninguém acreditava! Para os estrangeiros, e especialmente aquelas pessoas do interior russo que não tem planos de sair da cidade e descobrir algo diferente, ver uma pessoa de Manaus ali era quase como se ver um extraterrestre.

Dois meses se passaram e quando retornei ao Brasil, eu comecei a reparar pequenas coisas na nossa cidade e no nosso jeito de ser que nos tornavam diferentes de outros brasileiros.

Primeiramente tenho que falar da nossa culinária (ai, como eu adoro comida! haha). Temperos únicos (tucupi <3), frutas nativas daqui, a nossa grande variedades peixes, x-caboquinho (sim, sou louca de x-caboquinho, e com banana ainda, haha).

Também não escondo de ninguém que eu amo história! E acho uma pena que a história da Amazônia não seja tão difundida a nível nacional. Desde as expedições de Orellana, Pinzón e Vespúcio, a economia das drogas do sertão, toda a história envolvendo a província do Maranhão e Grão-Pará, e claro, o ciclo da borracha e a importância que o pólo industrial possui a nível nacional.

Poucas pessoas sabem que Manaus foi uma das primeiras cidades a receber energia elétrica no Brasil (segundo relatos, somente atrás do Rio de Janeiro). Ainda mais, registros históricos indicam que as mulheres mandavam lavar a roupa em Paris por acharem que as águas escuras do Rio Negro pudessem manchar suas roupas.

Eu também rotineiramente pela internet acabo achando coisas interessantes. Não sei se o fator ~Copa do Mundo~ ajudou, mas em algumas listas da gringa, Manaus aparece como uma das cidades mais reconhecidas pelos estrangeiros (top 3!). Leia-se: ao pensar em cidades no Brasil, geralmente se pensam em São Paulo e Rio de Janeiro, e em seguida Manaus! :)

E o que mais faz esses estrangeiros e pessoas daqui do Brasil mesmo a reconhecer a nossa cidade? Clima quente (ultimamente bem quente), comida gostosa, pessoas convidativas, monumentos históricos, conforto e modernidade e obviamente o fato de nós estarmos cercados pela floresta icônica que faz a nossa região ser a mais bonita do planeta!! (Desculpa a modéstia, mas é verdade :))

Falando na Amazônia, uma vez há muitos anos estava chegando em Manaus com um jovem japonês do meu lado. Ele não falou uma palavra, mas estava lendo um livro bem antigo, daqueles que você lê na vertical, e não na horizontal. No approach já, quase aterrisando em Manaus, eu olho pro lado e vejo a cara de espanto+fascinação que esse rapaz fez. Era tanta floresta que acho que nem ele acreditaria ver do alto.

Na verdade, é bem legal ver o pouso nos aviões chegando aqui em Manaus. Se você sentar do lado direito, provavelmente você terá uma linda visão do Rio Negro, um pedaço de floresta, a cidade, e agora a vista da Ponte Rio Negro. Fica a dica!

Apesar das nuances de metrópole, é comum de ver lindos pássaros voando durante o dia por aqui. Na minha faculdade eu já vi algumas preguiças. Na verdade, eu já vi preguiças em várias partes da cidade, haha. Quando eu estava na Hungria, saiu uma notícia de que um jacaré tinha sido visto nas proximidades da praia da Ponta Negra num lindo domingo de sol (risos).

Aqui no meu condomínio existem muitas árvores frutíferas. Tanto coisas mais regionais como abiu e pitomba como também outras espécies como manga, acerola, jambo e azeitona! Mesmo assim ainda é comum de ver áreas verdes por aqui na cidade (e eu pensando há alguns anos atrás que essas áreas poderiam dar lugar a altos e pomposos prédios…).

Mas claro, a minha cidade é linda mas possui sérios problemas. O sistema de transporte público deixa muito a desejar, trânsito caótico (distrito, 17h mandou um beijo), a violência infelizmente está numa crescente, e também vejo as coisas aqui muito caras.

Mesmo assim eu sinto o maior orgulho de ter nascido e crescido aqui! O amadurecimento chegou a mim com muita reflexão, e quando percebi a singularidade de Manaus, me senti uma pessoa extremamente privilegiada de conhecer essa região e posso chegar batendo no peito dizendo: “Eu sou daqui!”.

Pra terminar, eu queria dizer que não é toda cidade do Brasil que você pode viajar para o Caribe de estrada. Também é possível de tomar banho de cachoeira a uma hora de carro. Dar comida para os botos no meio do rio, talvez? Ver o encontro das águas lá de longe? Passar um fim de semana numa tribo indígena? Tá que essas últimas aventuras que citei não são exatamente em Manaus city, porém são algumas atrações que ajudam a fazer da minha cidade um destino turístico único para quem busca algo diferente.

Eu sou daqui e sinto o maior orgulho disso! Vem forte que eu sou do Norte! ;)

P1030904

 

P1030892

20140622_175614

20141123_131522

20140928_164643

1 ano de alegria

Budapeste vista da Citadella

Budapeste vista da Citadella

Hoje é dia 12 de abril de 2014 (22:35 da noite). Esse texto sairá de uma vez só, sem revisões, estética nem nada. Simplesmente vou colocar pra fora todos os sentimentos que me vêm à mente devido a esta data especial.

Nesse exato momento há um ano atrás (considerando jetlags) eu estava no aeroporto de Fortaleza super estressada pelo fato de que o meu voo para Lisboa havia atrasado. Por consequência, eu estava tomando um belíssimo chá de cadeira no aeroporto. A sorte? Havia um wi-fi, já que o meu 3G estava horroroso ali.

Fui bem viajante. Estava com uma sapatilha bem confortável, calças jeans nem tão apertadas, uma blusa de algodão da Betty Boop, uma mochila nas costas e uma bolsa no ombro.

Em Fortaleza eu havia comido um pão de queijo com coca-cola. Para mim, uma alimentação tranquila, que eu comeria tranquilamente sem passar mal ou coisa assim. Mas chegou uma hora em que eu estava com fome de novo, e o único cheiro que me vinha era o de café. Confissão do dia: eu odeio café e fiquei enjoada.

Pior ainda, eu estava morta de sono e essas cadeiras de aeroporto não são cômodas pra quem quer dormir. Nem deitar dava.

Esse estresse estava misturado com o medo de avião (eu tenho, acreditem!), e a ansiedade. Ao contrário da maioria das ansiedades que eu sinto, eu estava bem mais insegura. Será que alguém iria me buscar no aeroporto? Será que essas seis semanas seriam complicadas ao ponto de me fazer arrepender dessa decisão? Será que não era melhor eu ter ficado em casa? Onde que eu vou morar?

Isso que eu já me considerava uma pessoa “experiente” em termos de viagens… Um ano e meio antes quando eu fui pra Rússia eu não estava assim não. Felizmente, o meu coração estaria me preparando para uma incrível experiência!

Embarquei e sentei. A impressão que tive foi que o tempo voou! Simplesmente o avião decolou, eu jantei, dormi e já estávamos descendo em Lisboa. Geralmente eu me sinto presa numa eternidade que não passa dentro do avião… isso em viagens de 12 horas, e ali eu ficaria no voo por “apenas” 7.

Cheguei em Lisboa, passei pela imigração, comi alguma coisa e esperei o voo para o destino final. Eu estava muito, mas muito nervosa!

Era no “vai ou racha”. Entrei no avião e sabia que ali era pra valer. Segurei a respiração. Tentei dormir e não conseguia. Comecei a ver o mar abaixo de mim e não sabia onde eu estava. Deveríamos passar pelo mar? O mar virou terra de novo. A terra virou montanha. Estávamos nos Alpes. Isso significaria que eu estava perto de chegar, ou pelo menos uma boa distância já tinha sido percorrida.

Enquanto isso, o almoço foi servido e eu não consegui comer. Tomei um suco e comi o arroz, e outras coisas que eu achava que eu iria aguentar no estômago. Retiraram o jantar. Tentei dormir pra ver se o tempo passava.

Parecia que aquele voo de 3 horas estava durando mais do que o de 7 que eu tinha acabado de fazer. Então os Alpes acabaram. Embaixo de nós só havia planície. Eu sabia que estávamos chegando.

Do nada, eu vi um fio d’água brilhando com o pôr-do-sol. Percebi que eu via uma cidade ao redor desse rio. E pouco a pouco eu tive a certeza de que aquela forma da cidade e daquele rio era Budapeste! Fiquei extremamente feliz! Segunda confissão de hoje: cheguei ao ponto de chorar.

Desci do avião e fiquei esperando minhas malas. Confissão número 3: estava funcionando no automático, já que eu não sabia o que iria acontecer. Simplesmente deveria estar preparada para tudo!

A maior alegria foi quando eu vi o Zsolt carregando uma plaquinha com o meu nome! Alguém tinha lembrado de mim! Aquela pessoa que eu mandava vários emails para lembrar que eu estava chegando apareceu! Confissão número quatro: eu relaxei completamente ao vê-lo.

Tive o melhor buddy do mundo! Sem mais delongas, ele foi um amor comigo, do início ao fim. Sempre muito atencioso e gentil, ele me mostrou o melhor lado da Hungria, e desde o início ele se mostrou bem solícito em me ajudar. Eu acho que eu fui a única trainee que foi levada de carro ao redor do Danúbio durante o pôr-do-sol e o acender das luzes. Essa lembrança fica pra sempre!

Ele me levou pra casa e a princípio eu fiquei com medo. A vizinhança numa primeira vista parecia assustadora. Eu teria de atravessar um parque, e estava frio e escuro.

Do nada vem uma garota na nossa direção e era a Rekha, a minha roomate que participaria do projeto comigo. Ela foi um amor comigo desde o início também! Ela me mostrou a casa, me ofereceu o computador dela (já que era sábado e o wifi para mim seria liberado apenas na segunda) e já foi me chamando pra sair, mas eu não estava me sentindo bem.

Eu só queria tomar um banho e dormir. Não consegui dormir. Tomei um dramin e não adiantou. E digo que não adiantou nada, que eu não consegui fechar o olho e ainda vomitei tudo que eu havia comido nas últimas 24 horas.

Acordei horrível. Segundo a Rekha, havia pão na cozinha e umas sopas que ela havia buscado na escola. Só que o pão já estava mofado e a sopa estava fora da geladeira, e provavelmente já estava estragada. Não sei o que que ela estava comendo naquela casa.

O Zsolt voltou no dia seguinte e me ajudou a comprar o chip de celular e o passe de ônibus mensal. Depois ele me deixou em Margitsziget e depois é só história. Conheci muita gente boa naquele dia, que ficou na memória como um dos melhores dias ever. Me sentia dentro de um filme! O céu estava azul, a grama verde, o piquenique estava gostoso e as pessoas eram incríveis. Depois fui curtir o melhor pôr-do-sol da minha vida lá no Castelo de Buda.

Uau!

Agora depois de tudo o que eu escrevi (23:11) eu vou ler o post “Primavera em Budapeste“, escrito no dia 20 de abril do ano passado. Sim, eu não atualizei o blog com tanta frequência quando eu estava na Hungria, e convenhamos, eu tinha muitas coisas para fazer lá. :)

Uma outra coisa curiosa desse post é que ainda são 12 de abril por aqui, mas ele vai ficar com a data de 13 de abril, devido ao fato de que o horário que eu seleciono é de acordo com o GMT 0, e não com o GMT -4 de onde eu moro. De qualquer maneira, dia 13 de abril foi o dia de fato em que eu cheguei na Hungria.

Eu vou comparar o que eu escrevi agora com esse post do ano passado e verificar o quanto eu mudei em relação ao que se passou durante esse tempo. Uma coisa é certa: Essa foi a experiência mais preciosa da minha vida! Voltaria para trás e faria a mesma coisa de novo. E de novo. E de novo…

Budapeste.

Budapeste.