Camilla Responde

Hello again, world! Infelizmente eu estou com pouco assunto e tempo pra desenvolver temas por aqui. :( Motivo? Vários! Alta do dólar/euro, trabalho, fim da faculdade, outras despesas importantes e algumas outras coisinhas.

Porém eu sempre fico de olho na movimentação por aqui (hehe), e fico muito satisfeita com os feedbacks positivos que eu recebo, número de visualizações por dia e também observo as dúvidas dos leitores. Já que eu não vou viajar por um tempo, – e passar um ano sabático aqui em Manaus city mesmo – esse post é especial para tirar algumas dúvidas que chegam até mim!

Conversor de moedas:

É bem comum de chegar aqui e me deparar com dúvidas de leitores como: “Quantos reais valem 100 rublos?” ou “Quantos pesos equivalem a 1 real?”. Essas perguntas não tem respostas fixas justamente pelo nosso câmbio e não posso afirmar algo que muda diariamente.

Porém temos ferramentas que nos ajudam a ter uma ideia de quanto cada moeda valerá em reais ou vice versa através do Conversor de Moedas do Banco Central, que é o aplicativo que eu uso quando tenho alguma dúvida de valor de alguma moeda.

Ali é só escolher qualquer moeda e comparar com o real. Por exemplo, quando eu morei na Rússia, 1 real valia cerca de 17 rublos. De acordo com o conversor de moedas hoje (08/08), 1 real tá valendo 18 rublos, ou seja, a diferença não está muito grande, haha. :)

Levar moeda brasileira pra trocar no exterior:

Ainda sobre moedas e afins, eu vejo muitas dúvidas sobre “Onde que posso trocar reais por forints?” “Posso levar real e trocar pela moeda X no exterior?”.

No caso, é melhor aceitar um conselho: se você pretende viajar para o exterior, escolha bem a moeda que você vai levar. Quando eu vejo a realidade das casas de câmbio aqui em Manaus, basicamente elas possuem dólar e euro para troca somente. Quando se viaja para os Estados Unidos ou para a Europa, a vida fica super fácil, e não tenha dúvidas que dólar e euro são as moedas para se levar nestas viagens, respectivamente.

Porém se você for ao Japão, para a Índia, África do Sul, ou qualquer outro lugar com outra moeda, fique à vontade para escolher a sua moeda de troca por lá, seja dólar ou euro. Talvez pela cotação de hoje, onde o dólar está valendo R$ 3,51 e o euro R$ 3,85, levar euro talvez tenha um pouco mais de vantagem, pelo fato de que o euro geralmente vale bem mais nas casas de câmbio no exterior do que o dólar. Porém a diferença acaba sendo pouca na conversão entre essas duas moedas e uma terceira moeda no país que você vai converter .

E para complementar o tópico: não confie em levar real para o exterior. Raramente casas de câmbio aceitarão o real como moeda, e para evitar riscos, opte pelo dólar ou euro. O mesmo acontece para o contrário: são raríssimas as casas de câmbio (aqui em Manaus não tem nenhuma) que troque rublo por reais, por exemplo.

Reclame aqui:

Sempre me chegam dúvidas de pessoas que gostariam de reclamar do serviço de companhias aéreas, principalmente. Existem algumas que chegam no meu feed, mas tem uma empresa em particular (que não vou revelar o nome, hehe) que eu sempre vejo gente reclamando, seja por email, termos de busca ou afins.

Mas enfim, contar relatos pela internet de suas experiências (sejam positivas ou negativas) é super relevante para outras pessoas que utilizam o google, blogs, trip advisor e outras ferramentas para buscar o melhor custo-benefício, mas nunca se esqueça de buscar seus direitos, quando necessário, através do Procon.

Existe uma resolução da ANAC feita após o apagão aéreo que dá alguns direitos aos passageiros no caso de atrasos ou cancelamentos.

Se existe um atraso com duração superior a uma hora, é dever da companhia aérea oferecer ao passageiro alguma forma de comunicação.

Se o atraso for superior a duas horas, a companhia aérea deverá oferecer alimentação ao passageiro.

Já se o atraso for superior a quatro horas, a companhia deverá oferecer transporte e acomodação ao passageiro, e se houver cancelamento, até o reembolso é uma das opções.

 

Espero que essas três respostas tenham sido relevantes! E não se esqueça, se for viajar, continue pesquisando!

Dinheiro na Rússia

Priviet! Hoje vim falar sobre um detalhe muito importante para quem vai passar alguns dias na mãe Rússia, que é o câmbio. Dúvidas sobre como trocar dinheiro, quanto levar e outros pequenos detalhes são sempre frequentes para todos aqueles que me pedem dicas para viagem.

Primeiro, é necessário saber que a moeda vigente na Rússia é o rublo russo, e não RUBRO, plmdds. Na época que eu viajei, 1 real equivalia a 17 rublos. Hoje em dia, de acordo com o conversor do Bacen, real equivale a cerca de 13 rublos, ou seja, o rublo “se tornou mais forte”.

Enfim, vou esquecer a macroeconomia por um momento, mas fica meio óbvio para todos os viajantes, que com uma taxa de câmbio dessa proporção, já é possível notar que as notas do rublo tem valores “altos”. Existem moedas de 50 kopeeks (centavos), 1 rublo, 2 rublos, 5 rublos e 10 rublos.

Em notas, existem notas de 5, 10, 50, 100, 500, 1000 e 5000 rublos. A de 5 rublos aos poucos está entrando em desuso, então fica a dica.

Notas do rublo.

Notas do rublo.

E qual a melhor maneira de levar dinheiro pra Rússia? Escrevi esse post explicando as melhores maneiras de se levar dinheiro pro exterior, com prós e contras pra cada. Mas a melhor dica de todas é: diversifique! Leve papel moeda, cartão de crédito, débito, VTM, Western Union… melhor prevenir do que remediar!

Caso você pense em levar papel moeda, casas de câmbio que trocam rublos ainda são raras no Brasil, então o recomendável é que você troque uma terceira moeda (o euro seria mais recomendável), e troque uma pequena quantidade de dinheiro, como uns 50 euros no aeroporto, seja na conexão aérea ou já na Rússia. É obrigatório ter uma pequena quantidade de rublos ao sair do aeroporto para questões como transporte e primeiras despesas.

Eu friso a importância do papel moeda na Rússia pois muitos lugares ainda não aceitam cartão de crédito ou tecnologia semelhante. Mesmo em Moscou, uma cidade rica e cosmopolita, alguns lugares só aceitam dinheiro vivo. Então o recomendável mesmo é andar com dinheiro na Rússia.

Os melhores lugares para fazer essa troca de dinheiro do euro/dólar para o rublo são em casas de câmbio e em bancos. Mesmo com a dificuldade na comunicação, ainda é possível fazer essas trocas cambiais com segurança e com nenhum contratempo nos bancos. Também existem casas de câmbio, mas geralmente elas ficam em becos e não parecem nada confiáveis. Uma delas era tão bizarra que fiquei com medo de entrar sozinha.

Um ponto de atenção que posso dar também é que em alguns bancos, eles não aceitam notas amassadas, com resquícios de água, ou velhas. Fica a dica em levar notas bem novinhas.

Também já ouvi falar de uma praça em Moscou que trocam reais por rublos. Nunca fui até lá, mas não pense duas vezes: não confie em trocar reais diretamente por lá!

Aproveite sua viagem pra Rússia tranquilamente! E também prepare-se para gastar bastante em Moscou!

A intercambista vai às compras

Quando pensamos em paraísos de compras no exterior, muitos imaginam os outlets dos Estados Unidos, as Galeries Lafayette em Paris, ou até mesmo as famosas grifes italianas. Devemos colocar a Rússia como destino para fazer compras?!

Temos altos e baixos para considerar. Um ponto positivo e negativo ao mesmo tempo são as crescentes classe média e oligarca russa, fazendo de Moscou e outras cidades russas grandes centros de compras com as mais variadas marcas presentes. Só que mesmo com uma variada gama de lojas ocidentais, os preços não se tornam tão acessíveis.

É verdade que eu já peguei promoções muito boas! Comprei botas pra neve de qualidade por cerca de 35 reais, algo que eu jamais acharia aqui no Brasil, ou pelo menos aqui em Manaus.

Em Moscou existem shoppings dos mais variados gostos e preços. O mais caro – e mais famoso shopping – é o GUM, localizado na Praça Vermelha. Louis Vuitton, Dior, Armani e vários jaguares pelo corredor já indicam a suntuosidade do lugar.

Ali perto existe também outro shopping, que gostei muito aliás chamado Okhodny Ryad, chamado “O subterrâneo”. Ele fica bem ao lado do Jardim de Alexandre e tem tanto lojas de marca caras quanto acessíveis.

Um outro shopping igualmente bom é o Europeysky Shopping Centre, localizado próximo à estação Kievskaya. Um shopping grande, se não me engano de 5 andares, e com lojas como Victoria’s Secret, GAP, Apple e outras. Vale ressaltar também a quantidade de restaurantes temáticos, como de comida japonesa ou indiana.

Outra coisa a que os turistas devem prestar atenção é com o uso do cartão de crédito. Em Saratov isso foi um problema, já que a cidade, por ser pequena e não ter uma infraestrutura cosmopolita, tinha poucos estabelecimentos que aceitavam cartão de crédito. Em Moscou isso continuou a acontecer. A minha mala tinha quebrado, e fui comprar uma nova no Shopping Europeysky, e a determinada loja que eu ia comprar a minha mala não aceitava cartão de crédito. Lá fui eu sacar 6600 rublos (380 reais) para comprar minha tão necessária mala. Outros restaurantes e estabelecimentos que eu fui também não aceitavam cartão.

Quem gosta de visitar feiras e afins, sugiro o Mercado Izmailovo, onde se pode encontrar de tudo, desde artesanato até quinquilharias da época soviética.

Valem ressaltar as inúmeras lojas em Moscou que oferecem jóias e artigos de luxo caríssimos que encontrei pelo caminho. Lojas dignas de compras para os mega ricos.