120 anos de Teatro Amazonas

Olá leitores, como estão?! Ando meio ausente nesses últimos dias, mas sempre estou em busca de novas pautas e assuntos para discutir aqui. Acabei percebendo que eu foquei tanto nas minhas experiências de intercâmbio e acabei deixando de falar sobre a minha casa, Manaus, a Paris dos Trópicos!

Tem tantas coisas para falar sobre Manaus que eu poderia deixar um blog exclusivo sobre a terrinha, mas aproveitando a deixa vou falar hoje sobre o nosso símbolo máximo, o lindo Teatro Amazonas!

SPOILER: Esse post será completíssimo e vou abordar sobre história, curiosidades, como é o teatro por dentro, e se a visita guiada vale a pena.

Já visitei o teatro em inúmeras oportunidades, tanto como turista, espectadora e artista. Sim, isso mesmo! Já tive o privilégio de me apresentar no palco do Teatro Amazonas, numa noite que foi simplesmente inesquecível!

p1140456

Entenda a história

O Teatro Amazonas é um grande motivo de orgulho para todos aqui, e ele faz parte de um contexto histórico admirável. Sua inauguração ocorreu em 31 de dezembro de 1896, numa época extremamente próspera para a capital do Amazonas.

Entre o final do século XIX o o início do século XX, Manaus enriqueceu rapidamente devido ao ciclo da borracha. Com o início da industrialização e da indústria automotiva no mundo, a demanda por borracha aumentou significativamente. O látex (seiva que dá origem à borracha) extraído da seringueira amazônica era o de melhor qualidade para a vulcanização, o que fez com que os olhos de grandes industriais se voltassem para a Amazônia.

Com isso, proprietários de terras e feitorias que se especializavam na extração do látex, assim como outros intermediadores e comerciantes da área enriqueceram muito rápido (às custas da exploração dos seringueiros). Essa população abastada demandava uma série de serviços, e um dos pedidos foi a construção de um teatro.

Se passaram 15 anos entre a apresentação do projeto e a inauguração do Teatro Amazonas, durante o governo de Eduardo Ribeiro. Vale ressaltar que durante este mandato, vários prédios importantes em Manaus foram construídos sob forte influência europeia, como a Alfândega, o Palácio de Justiça, o Reservatório do Mocó e outros. Essa época é conhecida como “Belle Époque”.

Café dentro do TA

Café dentro do TA

O teatro

O teatro é imensamente luxuoso e cheio de detalhes em várias partes. Começando pela plateia, em forma de ferradura, olhamos para cima. Vemos de cara um lustre maravilhoso que parece ser o centro de um desenho. Se prestarmos atenção direito, notamos que parece que estamos vendo a base da Torre Eiffel. Ao redor dela, representação de 4 artes: Dansa (dança), Música, Tragédia e Ópera.

Lustre + Torre Eiffel + Artes

Lustre + Torre Eiffel + Artes

Em vários cantos do teatro vemos a apresentação do número 1896, o ano da inauguração do local. Atualmente a plateia é composta de uma série de confortáveis cadeiras de veludo, e considerando também frisas e camarotes, o teatro comporta 700 pessoas.

"Anno 1896"

“Anno 1896”

Ao redor da plateia, vemos várias máscaras ornamentadas com nomes de compositores como Verdi, Mozart, Wagner, dentre outros. Em todo lugar que você olha, percebemos muitos tons dourados e vermelhos, deixando o ambiente com uma forte personalidade.

p1140483

O palco de madeira é muito próximo ao público, e logo verificamos os dois camarotes ao seu lado. Como na maioria dos teatros do mundo, esses lugares eram os mais disputados pelas pessoas da alta sociedade manauara, pelo fato de que ali, era o melhor lugar para serem vistos. Por contrapartida, esses eram os piores lugares para assistir às apresentações.

p1140499

Subindo as escadas, temos acesso ao segundo e ao terceiro piso. Logo percebemos o piso, feito de madeira, contrastando tábuas claras e escuras, para representar a dualidade do Encontro das Águas. No segundo piso se encontra o Salão Nobre do Teatro Amazonas, local onde as pessoas se reuniam nos intervalos e após as apresentações.

Corredores do TA. Dizem que existem fantasmas no local.

Corredores do TA. Dizem que existem fantasmas no local.

O salão nobre é tão decorado quanto a plateia. Dois espelhos, posicionados nas laterais do local dão a impressão de vista infinita. Sempre me encantei com eles desde criança! O teto maravilhosamente pintado com os anjos encanta o lugar. Se você fixa o olhar no anjo principal, a sensação que dá é que ela te segue por onde você vá.

Teto do Salão Nobre

Teto do Salão Nobre

As laterais do salão nobre também possuem pinturas que remetem a temas regionais. Onças, floresta e uma série de outras características da Amazônia são retratadas numa bela e honrosa mistura de clacissismo europeu e realidade amazônica.

Floresta

Floresta

Existe uma varanda anexada ao salão nobre. De lá, temos vista privilegiada do Largo de São Sebastião, da igreja que leva o mesmo nome e outros prédios adjacentes. Antigamente, quando não haviam muitos prédios em Manaus, uma boa parte do Rio Negro era vista dali. Hoje não dá para ver mais nada.

Também são abertos ao público a visita a uma sala dos figurinos, e outra com instrumentos musicais e outros equipamentos utilizados antigamente. Uma escultura de Lego representando o teatro também se encontra no primeiro piso.

Figurinos utilizados no fim do século XIX

Figurinos utilizados no fim do século XIX

Visitas guiadas

Acabei fazendo a visita guiada em inglês, já que era a disponível na hora que cheguei. Como sou daqui, a entrada é franca, mas para demais brasileiros e estrangeiros, o ingresso custa R$20. A visita guiada dura cerca de 40 minutos, mas é possível fazer visitas livres também.

Como sou entusiasta da história do Amazonas e já estudei muitas coisas sobre o teatro, a visita guiada não me trouxe informações novas. Porém para uma pessoa que não conhece muito sobre a história do estado nem do teatro, ouvir a explicação do guia parece ser interessantíssimo.

Três andares

Três andares

Porém senti falta de conteúdo. Uma coisa que adoro fazer é visitar todo tipo de museu e teatro nos lugares que vou, e todos seguem um padrão específico. A impressão que tive foi que nosso guia nos orientou mais para tirar fotos do que para explicar curiosidades e fatos sobre o teatro, que são muitos, em quantidade bem maior do que foi explanado. Espero que isso varie de guia para guia.

Algo que me incomodou (não sei se é a crise que o Estado, mantenedor do Teatro, está passando), foi a falta do ar condicionado. Ele existe sim, mas ele não foi ligado durante a visita. Já estou acostumada com o calor daqui, mas tinha um senhorzinho gringo que estava todo suado, deu pena dele.

A visita guiada vale a pena? Sim, com certeza! O Teatro é a nossa pérola e merece ser visto por todos os que passam por Manaus – a visita é tranquila e não compromete demais passeios.

p1140493

Outras apresentações no Teatro Amazonas

Sempre existem várias coisas acontecendo no Teatro Amazonas. Entre abril e maio (a data varia a cada ano), acontece o Festival Amazonas de Ópera, onde todos os dias, diversas apresentações acontecem tanto no TA como em outros lugares na cidade.

Antigamente o festival era maior, mas promete voltar a crescer. Ano passado eu assisti uma ópera durante esse festival chamada “Adriana Lecovreur” e foi excelente! Teatro lotado, atores fantásticos e tudo muito bem organizado.

Palco

Palco

Outras atrações como shows, apresentações de dança e outras manifestações culturais acontecem no Teatro. Normalmente todo domingo tem apresentações, mas é bom consultar a bilheteria do local para mais informações. Acredito que não aconteceu ano passado, mas outros dois festivais também acontecem no Teatro e ao seu redor, que são o Festival de Teatro e o de Cinema. Já fui a ambos e o público amazonense adora!

O Teatro Amazonas é aberto ao público, de segunda a sábado as 9 às 17h. Para mais informações, acesse o site da Secretaria de Cultura do Estado.

Espero que tenham gostado do post! Para tirar qualquer dúvida sobre Manaus, meu email está localizado na aba “contato”. Até mais!

Curiosidades e fatos sobre Manaus

Olá todo mundo! Hoje eu vou compartilhar com vocês algumas coisas sobre a minha querida cidade de Manaus e também sobre a linda Amazônia que nos rodeia. Não é sempre que as informações sobre a nossa região são apresentadas para o resto do país, ajudando a aumentar o clima exótico e cheio de mistérios que rodeiam nosso pequeno pedaço de mundo, então espero matar um pouco da curiosidade de vocês! :)

  • A região onde se encontra Manaus, assim como a maior parte da Amazônia se localizava no lado espanhol do Tratado de Tordesilhas. Durante a União Ibérica os portugueses começaram a estabelecer uma série de fortificações ao longo dos rios da bacia amazônica para fortalecer sua posição, o que foi ratificado pelo Tratado de Madri de 1750 com o estabelecimento de novas fronteiras.
  • A maior parte dessas fortificações originaram cidades pelo estado, como por exemplo Tabatinga, Tefé e até mesmo Manaus, na época chamada de vila da Barra do Rio Negro.
  • Hoje em dia não existem mais ruínas do que foi um dia o forte da Barra do Rio Negro. Historiadores estimam o lugar aproximado, porém nada foi encontrado.
  • Manaus não foi a primeira capital do Amazonas. O título pertenceu à cidade de Barcelos até 1808.
  • O nome “Manaus” originou-se a partir de uma tribo indígena que morava nos arredores da cidade e eram chamados de “Manaós”.20140928_164643
  • A cidade de Manaus passou a ser muito rica e próspera a partir da década de 1870 devido ao comércio da borracha, que começou a ter grande importância nas incipientes indústrias após a descoberta do processo de vulcanização. O látex extraído da seringueira brasileira tinha uma qualidade muito maior que as africanas, até então as líderes do mercado.
  • Com a riqueza da borracha, temos em Manaus a “Belle Époque”, época onde uma série de prédios clássicos foram construídos, como o Teatro Amazonas, o Palácio da Justiça, a Alfândega, a Igreja da Matriz, dentre outros.
  • Os prédios da Alfândega e o Teatro Amazonas foram pré-moldados na Europa e foram só montados aqui. A cúpula verde e amarela do teatro foi comprada posteriormente na Europa, onde foi vista numa exposição.
  • Manaus foi a primeira cidade do Brasil a ter energia elétrica pública, sendo Buenos Aires a pioneira da América Latina. Algumas pessoas oferecem esse título à cidade de Campos, no Rio de Janeiro, porém lá a energia provinha de combustível e não de transformadores como em Manaus. A tecnologia para o estabelecimento de redes de energia elétrica por aqui veio dos ingleses, que tinham muita influência econômica na região.
  • Os ingleses também construíram o porto flutuante da cidade, também conhecido como “Rodway”. Esse tipo de tecnologia foi pioneira no mundo inteiro.P1030892
  • As pessoas de Manaus eram tão ricas na época da borracha que as mulheres mandavam lavar sua roupa em Paris pois acreditavam que as águas escuras do rio Negro poderiam manchar os tecidos.
  • Falando em Paris, durante a época da borracha Manaus era conhecida como “Paris dos trópicos”, título mantido carinhosamente até hoje.
  • Por volta de 1910 a economia da borracha declinou drasticamente. O motivo foi que na década de 1870 sementes da seringueira foram contrabandeadas por um aventureiro inglês e a coroa britânica as plantou na Malásia, num sistema de cultura muito mais eficiente que acabou quebrando os seringalistas amazonenses assim que as árvores amadureceram. Esse foi considerado um dos primeiros casos de biopirataria do mundo e o ladrão foi nomeado lorde. Um tanto injusto, não?
  • A economia do Amazonas ficou estagnada até a década de 60, quando a Zona Franca de Manaus foi instalada. Até hoje o Pólo Industrial tem importância vital na economia do estado e representa uma boa fatia da produção industrial do Brasil.
  • A UFAM (Universidade Federal do Amazonas) foi fundada em 1909, e é considerada a universidade mais antiga do Brasil!

    Teatro Amazonas

  • Na sua fundação, a universidade era espalhada por vários prédios pelo centro da cidade, e nos anos 1970, o campus foi transferido para uma área verde próxima ao Distrito Industrial, onde se mantém até hoje. O campus da UFAM é considerado uma das maiores áreas verdes urbanas do Brasil.
  • Manaus é conhecida por ser uma cidade muito quente! A temperatura registrada mais baixa de toda a história foi de 12,1 graus em 1989 e a maior de 39 graus ano passado, com a sensação térmica passando dos 40 e poucos graus.
  • Pela localização, Manaus de vez em quando sente tremores de terra quando ocorrem terremotos nos Andes. Neste ano sentimos mais um desses reflexos devido a um terremoto no Peru próximo a fronteira com o Acre.
  • Em 2011 foi inaugurada a ponte Rio Negro, que liga Manaus ao município de Iranduba, localizado na outra margem do rio. Os dados são impressionantes: maior ponte estaiada do país e também a maior ponte fluvial do Brasil, com 3,6 km de extensão. O preço também foi impressionante: mais de 1 bilhão de reais.

    Manaus vista de longe

    Manaus vista do rio Negro

  • Ultimamente a ponte está no escuro. O motivo é que os fios de cobre que a iluminam foram roubados. Educação é difícil, hein?
  • Existe uma grande falha geológica nas proximidades da Ponte Rio Negro. Por bastante tempo não acreditei, mas meu pai que é geólogo confirmou isso, e que a descoberta se deu durante as construções da ponte.
  • O nosso lindo Teatro Amazonas por muitos anos foi de cor azul claro. Após uma restauração nos anos 90, ele foi pintado novamente de rosa, que era a cor original.
  • Na frente do Teatro Amazonas, encontra-se o Largo de São Sebastião, sempre com várias atividades culturais. Numa reforma nos anos 2000, uma série de esferas de borracha foram encontradas abaixo do largo: elas foram guardadas lá no caso de alguma crise econômica ou escassez da borracha.
  • Manaus é uma das cidades onde mais se consome peixe per capita no Brasil. Não é por menos, os peixes daqui são deliciosos e únicos no mundo inteiro, devido aos rios da Amazônia. Tem uma frase que diz: “quem come jaraqui não sai mais daqui”.

    Ponte Rio Negro

    Ponte Rio Negro

  • Falando nisso, existem pouquíssimos peixes (e animais em geral) no rio Negro. O motivo é simples, pois o rio Negro possui águas muito ácidas e com pouco oxigênio.
  • Mesmo com um grande “rio mar” na nossa frente, existem bairros na periferia de Manaus que não tem água. Em alguns casos, os habitantes dessas localidades só conseguem ter água na torneira durante à madrugada, devido ao baixo uso e melhor pressão vindas das áreas centrais da cidade.
  • A praia da Ponta Negra hoje em dia é artificial e fica aberta o ano todo. Antes, só havia praia durante o período da seca.
  • Muitas pessoas tomam banho na praia da Ponta Negra, mas a maioria dos manauaras não fazem isso por saberem que a qualidade da água ali não é das melhores. Além da Ponta Negra, existem muitas praias nos arredores da cidade que merecem ser visitadas como a praia da Lua, a praia do Tupé, a praia do Japonês e a praia Dourada.
  • Um dos passatempos favoritos do manauara aos fins de semana é ir aos flutuantes! Além de tomar banho de rio e praticar atividades como SUP (modinha entre os manauaras desde meados de 2013), os flutuantes servem boa comida, bebidas e alguns tem música ao vivo.P1130710
  • Uma das atrações mais buscadas pelos turistas é o “Encontro das Águas”, onde as águas do rio Negro e do rio Solimões se encontram. As águas nunca se misturam por diferenças de velocidade, temperatura e pH. A partir do encontro, o grande rio fica conhecido como “Amazonas”.
  • A impressão que eu tenho é que Manaus é mais reconhecida internacionalmente do que dentro do Brasil, em relação a turismo. Manaus sempre figura nas listas de destinos dentro do Brasil a se conhecer em listas internacionais.
  • Manaus possui o maior jardim botânico do mundo, o MUSA, localizada na reserva Adolpho Ducke, no bairro de Santa Etelvina. Lá, existe uma torre de observação gigantesca no meio da reserva, que ultimamente virou um destino turístico requisitado.
  • Manaus sozinha abriga 60% da população do Amazonas. Além da capital, a cidade de Parintins é a única a possuir mais de 100 mil habitantes no estado.
  • O estado do Amazonas também possui alguns fatos interessantes! É o maior estado do Brasil, possui o maior arquipélago fluvial do mundo (Mariuá, com mais de 700 ilhas) e nele também se localiza o Pico da Neblina, ponto mais alto do país com 2994 metros.