Os países que não exigem visto

Quando nós escolhemos um destino para viagem, uma das primeiras coisas que nos perguntamos é se existe a necessidade de visto para a entrada no país. Alguns casos são clássicos: Estados Unidos, Canadá, Austrália, Japão e outros exigem visto de entrada para brasileiros, dando uma dor de cabeça um pouquinho maior na hora do planejamento para viagem.

Mas o importante é que existem muitos países que não exigem visto para brasileiros. A exigência chega ser a presença do passaporte com uma validade de pelo menos 6 meses (para evitar maiores dores de cabeça). Não vamos esquecer também da passagem de volta e do seguro-saúde!

Enfim, segue a lista dos países que não exigem visto para brasileiros (divididos por categorias), e o tempo permitido para fazer turismo. Essa lista é baseada de acordo com dados do Itamaraty.

Membros plenos do Mercosul:
Argentina: dispensa de visto. É possível entrar no país com passaporte ou com a carteira de identidade em bom estado.
Paraguai: dispensa de visto. É possível entrar no país com passaporte ou com a carteira de identidade em bom estado.
Uruguai:  dispensa de visto por 90 dias. É possível entrar no país com passaporte ou com a carteira de identidade em bom estado.
Venezuela: dispensa de visto. É possível entrar no país com passaporte ou com a carteira de identidade em bom estado.

Países da América do Sul associados ou observadores do Mercosul:
Bolívia:  dispensa de visto por 90 dias. É possível entrar no país com passaporte ou com a carteira de identidade em bom estado.
Chile:  dispensa de visto por 90 dias. É possível entrar no país com passaporte ou com a carteira de identidade em bom estado.
Colômbia:  dispensa de visto. É possível entrar no país com passaporte ou com a carteira de identidade em bom estado.
Equador: dispensa de visto.
Peru: dispensa de visto. Requere vacina para febre amarela.

América Central, Caribe e Guianas:
Belize: dispensa de visto.
Costa Rica: dispensa de visto por 90 dias.
Dominica: dispensa de visto.
El Salvador: dispensa de visto por 90 dias.
Guatemala: dispensa de visto por 90 dias.
Guiana: dispensa de visto por 90 dias.
Haiti: dispensa de visto por 90 dias. Requere vacina para febre amarela.
Honduras: dispensa de visto por 90 dias.
México: dispensa de visto por 90 dias.
Nicarágua: dispensa de visto.
Panamá: dispensa de visto por 90 dias.
República Dominicana: dispensa de visto por 90 dias.
Suriname: dispensa de visto por 90 dias.
Trinidad e Tobago: dispensa de visto por 90 dias.

Países europeus que fazem parte da zona Schengen:
Alemanha: dispensa de visto por 90 dias.
Áustria: dispensa de visto por 90 dias.
Bélgica: dispensa de visto por 90 dias.
Croácia: dispensa de visto por 90 dias.
Dinamarca: dispensa de visto por 90 dias.
Eslováquia: dispensa de visto por 90 dias.
Eslovênia: dispensa de visto por 90 dias.
Espanha: dispensa de visto por 90 dias.
Estônia: dispensa de visto por 90 dias.
Finlândia: dispensa de visto por 90 dias.
França: dispensa de visto por 90 dias.
Grécia: dispensa de visto por 90 dias. Requer vacina para febre amarela.
Holanda: dispensa de visto por 90 dias.
Hungria: dispensa de visto por 90 dias.
Islândia: dispensa de visto por 90 dias.
Itália: dispensa de visto por 90 dias.
Letônia: dispensa de visto por 90 dias.
Liechtenstein: dispensa de visto por 90 dias.
Lituânia: dispensa de visto por 180 dias.
Luxemburgo: dispensa de visto por 90 dias.
Malta: dispensa de visto por 90 dias.
Noruega: dispensa de visto por 90 dias.
Polônia: dispensa de visto por 90 dias.
Portugal: dispensa de visto por 90 dias.
República Tcheca: dispensa de visto por 90 dias.
Suécia: dispensa de visto por 90 dias.

Países europeus que não fazem parte da zona Schengen:
Albânia: dispensa de visto por 90 dias.
Andorra: dispensa de visto por 90 dias.
Belarus: dispensa de visto por 90 dias.
Bulgária:  dispensa de visto por 90 dias.
Chipre:  dispensa de visto por 90 dias.
Irlanda: dispensa de visto por 90 dias.
Moldávia:  dispensa de visto por 90 dias.
Reino Unido: dispensa de visto por 90 dias.
Romênia: dispensa de visto por 90 dias.
Rússia: dispensa de visto por 90 dias.
Sérvia: dispensa de visto por 90 dias.
Suíça: dispensa de visto por 90 dias.
Turquia: dispensa de visto por 90 dias.
Ucrânia: dispensa de visto por 90 dias.

África:
África do Sul: dispensa de visto por 90 dias.
Angola: dispensa de visto por 90 dias. Requere vacina contra a febre amarela.
Argélia: dispensa de visto por 90 dias.
Benin: dispensa de visto por 90 dias.
Cabo Verde:  dispensa de visto por 90 dias.
Camarões:  dispensa de visto por 90 dias. Requere vacina contra febre amarela.
Congo: dispensa de visto por 90 dias.
Costa do Marfim: dispensa de visto por 90 dias.
Gabão: dispensa de visto.
Guiné Bissau: dispensa de visto por 90 dias.
Marrocos: dispensa de visto por 90 dias.
Moçambique: dispensa de visto por 90 dias. Requer vacina contra febre amarela.
Namíbia: dispensa de visto por 90 dias.
São Tomé e Príncipe: dispensa de visto por 90 dias.
Seychelles: dispensa de visto por 30 dias.
Senegal: dispensa de visto por 90 dias.
Tunísia: dispensa de visto por 90 dias.

Ásia:
Armênia:  dispensa de visto por 1 ano.
China:  dispensa de visto por 30 dias.
Coreia do Sul: dispensa de visto por 90 dias.
Filipinas: dispensa de visto por 59 dias.
Israel: dispensa de visto.
Malásia: dispensa de visto por 90 dias. Requer vacina contra febre amarela.
Palestina: dispensa de visto por 90 dias através de entrada via Israel. Visto necessário quando se entra via Jordânia.
Tailândia: dispensa de visto por 90 dias.
Timor Leste: dispensa de visto.

Oceania:
Fiji: dispensa de visto. Requere preenchimento de formulário no aeroporto.
Micronésia: dispensa de visto. Requere preenchimento de formulário no aeroporto.
Nova Zelândia: dispensa de visto por 90 dias.
Tuvalu: dispensa de visto.

Também seguem países que podem conceder vistos no aeroporto.
Azerbaijão: concedido no aeroporto.
Bangladesh:  concedido no aeroporto.
Burundi: vistos podem ser concedidos no aeroporto.
Camboja: vistos são concedidos no aeroporto mediante apresentação de formulário eletrônico.
Catar:  concedido no aeroporto.
Cazaquistão: vistos podem ser concedidos no aeroporto.
Cingapura: concedido no aeroporto.
Egito: concedido no aeroporto.
Etiópia: concedido no aeroporto.
Laos: concedido no aeroporto por até 90 dias.
Ilhas Maurício: concedido no aeroporto.
Nepal: concedido no aeroporto. Necessária a apresentação de duas fotos.
Omã:  concedido no aeroporto.
Serra Leoa:  concedido no aeroporto.
Tajiquistão:  concedido no aeroporto.
Turcomenistão:  concedido no aeroporto.

Pedaços do mundo

Cada povo possui suas próprias características e cultura, e uma das formas onde percebemos essas peculiaridades é através da culinária local. Afinal de contas, viajar por si só já é uma oportunidade de conhecer coisas novas – e a comida é um desses meios! :)

E falando em culinária local, não é preciso gastar uma fortuna em restaurantes para conhecer o que o povo daquela cidade gosta de comer. Às vezes encontramos pérolas em barraquinhas bem simples, ou em fast foods especializados da região. Mas enfim, seguem algumas dicas para aproveitar todo e qualquer tipo de comida!

Pesquise sobre a culinária local, assim você já vai se ambientando com as possíveis comidas que você vai encontrar durante a sua viagem.

Caso exista algum tipo de restrição alimentar, considere bastante o que você vai comer. Mas se essa restrição for irrelevante (especialmente quando tratamos de saúde), abra sua mente para novas possibilidades.

Barraquinhas na rua com várias pessoas é um bom sinal! Se jogue nela!

Mas se você tiver oportunidade, saia para comer num bom restaurante pelo menos uma vez. Garanto que a experiência será inesquecível.

Deixe as calorias para lá, afinal de contas, se você é um daqueles viajantes “level hard”, as andanças pelas cidades vão te ajudar a manter o peso :)

Não deixe a higiene te levar. Às vezes nos preocupamos demais com a qualidade da comida e deixamos de aproveitar coisas. Já percebeu que o Fish and Chips é dado numa folha de jornal?

Mas se a situação for muito tensa, e as condições sanitárias serem extremamente precárias, a saúde vem em primeiro lugar, obviamente.

Se a cidade possui um grande mercado, essa é uma visita que vale a pena.

Procure saber de questões culturais antes de viajar para algum país. Afinal de contas, o choque cultural também existe na mesa.

E é claro que eu pessoalmente tenho as minhas preferências na “cozinha do mundo”! Vou fugir um pouco dos estereótipos como Paella, Sushi, Pizza, Tacos e afins, e vou apresentar 5 coisas que eu adoro, mas acho difícil, ou até mesmo impossível de se encontrar para vender aqui no Brasil.

– Kürstoscalács (Hungria): Ele é um pãozinho caramelizado ao fogo que tem forma de cano, e pode receber uma espécie de “cobertura” de coco, canela, baunilha e outros sabores.

Comi esse Kürstocalács inteiro em uma tarde.

Comi esse Kürstocalács inteiro em uma tarde.

– Blinis (Rússia): Blinis não são panquecas nem crepes! Eles em geral são mais finos e são feitos com uma massa mais leve. Eles sempre são comidos com geleias que são típicas das regiões onde eles são feitos.

Mesa com blinis e biscoitos russos.

Mesa com blinis e biscoitos russos.

– Bratwürst (Alemanha): Esse é o famoso “pão com salsichão” alemão. Não importa se eu cozinho aqui no Brasil, o gosto nunca será o mesmo da Alemanha.

Nhami!

Nhami!

– Cordeiro (Colômbia): A carne de carneiro é diferente da de cordeiro, e é bem difícil de achá-la assada na brasa aqui pelo Brasil. Mesmo assim, o ar na Colômbia é diferente… o gosto sai diferente também!

Nhami!

Nhac!

– Pirulin (Venezuela): Eu classificaria o Pirulin como algum tipo de droga viciante. Ele é simplesmente a coisa mais DELICIOSA do mundo! Você come um e não consegue mais parar! Infelizmente ele só é vendido na Venezuela e faz 7 anos que eu não vou pra lá. :( Para aqueles que (infelizmente) não o conhecem, o Pirulin é um daqueles canudinhos crocantes que colocamos no sorvete recheado com Nutella. Saudades e amor eternos! :’)

Hoje só restou a lata, que guarda algumas pulseiras.

Hoje só restou a lata, que guarda algumas pulseiras.

 

O azul do Danúbio

Ah, o Danúbio! Esse rio majestoso coroa a Europa Central com sua beleza e dá um toque especial para as diversas cidades no seu caminho. Ele possui mais ou menos 2800 km de extensão e corta 10 países na Europa: começando na pitoresca Floresta Negra na Alemanha, ainda passa pela Áustria, Eslováquia, Hungria, Croácia, Sérvia, Ucrânia, Bulgária, Moldávia e deságua na Romênia para o Mar Negro.

Desses 10 países, ele passa pelas capitais de 4 deles: Viena (Áustria), Bratislava (Eslováquia), Budapeste (Hungria) e Belgrado (Sérvia), e posso dizer que em 3 dessas cidades que já passei (todas menos Belgrado), o Danúbio é a cereja do bolo para a beleza dessas cidades!

Vista do Danúbio em Bratislava

Vista do Danúbio em Bratislava

O rio Danúbio também é uma rota comercial muito importante, servindo de integração entre esses 10 países através de transporte de passageiros, navios com carga e no escoamento da produção para o comércio internacional através do Mar Negro (existe uma conexão do Mar Negro com o Mediterrâneo através do Estreito de Bósforo, em Istambul).

Quando se fala no Danúbio, logo pensamos no Danúbio Azul. Como contei aqui no post sobre as curiosidades da Hungria, essa valsa foi escrita logo após uma viagem pelo Danúbio feita por Strauss na altura de Budapeste, onde afirmou que “o azul do Danúbio se encontrava com o azul do céu”.

Mas o Danúbio não é todo tempo azul. Durante o inverno, devido à neve, chuvas e outras tormentas no rio, a cor chega a ficar barrenta, mas nada que tira a sua beleza! Nesse momento me lembrei das aulas de Geografia do terceiro ano que apresentava as três colorações dos rios da Amazônia: águas escuras, águas barrentas e águas verdes, risos.

Vista do Danúbio da orla do meu hotel em Viena

Vista do Danúbio da orla do meu hotel em Viena

Quando eu estava em Budapeste, uma das coisas que mais me dava prazer em fazer era ficar sentada ali na margem do Danúbio, seja próximo ao Parlamento, seja em Margitsziget. Combinando o “Duna” com o famoso céu azul e a alegria das pessoas dava uma sensação incrível de tranquilidade.

Em Viena, tive uma vista em tanto! Acabei ficando no Hilton Vienna Danube, que é o único hotel em Viena que fica às margens do “Donau”. Meu quarto era logo no primeiro andar e eu tinha uma vista excelente. Parecia que o rio entraria no meu quarto a qualquer momento. Falando um pouquinho mais do hotel, eu o achei excelente! Atendimento muito bom, quartos amplos e bons serviços de bar e restaurante.

Por falar em enchentes, esse ano Budapeste sofreu a maior cheia da história! Foi de se inundar as margens até chegar basicamente aos pés do Parlamento Húngaro! Foi muito curioso ver toda essa repercussão lá, já que essa cheia aconteceu logo após a minha chegada no Brasil, mas convenhamos, eu sou do Norte e essa cheia não foi nada comparada à do ano passado por aqui. ;)

O Danúbio, ao acender das luzes

O Danúbio, ao acender das luzes em Budapeste

Existem vários tipos de cruzeiros que partem de uma cidade a outra pelo Danúbio. O google mostra muitas empresas que fazem esse tipo de percurso, mas particularmente não conheço nenhuma para indicar. Mas quem tem tempo, procura uma viagem calma e quem está disposto a apreciar a vista, viagens em barcos de Budapeste a Bratislava e até Viena se possível (ou vice-versa) são bem recomendáveis. Para Belgrado o serviço deve ser reduzido, pois a Sérvia ainda exige visto de muitas nacionalidades (incluindo brasileiros).

Do ponto de vista de qualquer capital, ou das grandes cidades cortadas pelo Danúbio, posso dizer que o rio dá uma outra cara, como uma rejuvenescida. Certamente a vista do Duna, Donau, Dunaj, Dunav ou qualquer outra maneira de se dizer “Danúbio” nos países que o cortam, ajudam a incrementar a vista, e embelezar a memória.