A importância de salvar fotos

O último post que escrevi foi no dia 5 de setembro de 2017. Quanto tempo! Primeiramente tenho que dizer que tem vezes que eu não consigo dar sequência às coisas. Às vezes posto muitas fotos e depois paro. Publico textos seguidos aqui e depois paro. Começo a academia e depois paro. Começo a cuidar da minha saúde e depois paro.

Depois. Sempre confio no depois. Depois eu termino. Mas tem vezes que depois eu não termino e depois paro. Foi isso que aconteceu com Minas Gerais.

Dos lugares no Brasil que eu mais queria conhecer, Minas Gerais encabeçava minha lista! Amo história, construções coloniais, e claro, um pouco de vida cosmopolita. Achei Belo Horizonte organizadíssima, com ótimos restaurantes, pessoas bonitas e educadas. O interior é lindo demais e eu tenho muitas pautas para postar aqui. Mas depois.

Eu absolutamente não tenho nada que reclamar da minha semana mineira. Reencontrei alguns amigos que fiz quando morava em Budapeste, visitei a faculdade onde meu avô estudou, e claro, conheci muitas coisas que vi nos livros de história.

Mas depois… cheguei na minha casa e demorei para salvar as fotos que tirei. Levei a minha câmera e o meu celular. Selfies e fotos onde eu aparecia de corpo inteiro nos lugares ficaram todas no celular. A câmera, como quase sempre, ficou com as fotos dos detalhes, dos prédios e de situações inusitadas, ou seja, não apareci em nenhuma fotografia.

Confiei na tecnologia e um belo dia desliguei meu celular para economizar bateria (o bichinho já não está nas melhores condições). Quando o liguei de novo, tudo havia desaparecido! Contatos, aplicativos e as FOTOS. Tudo que estava no cartão de memória misteriosamente sumiu! Só porque eu desliguei o celular!

Muitos momentos desapareceram, não só da viagem como outros! Para uma pessoa que gosta de conservar momentos e memórias como eu, perder isso foi como levar um tapa na cara, um soco no estômago! Isso me afetou tanto que eu perdi a empolgação de postar, tanto aqui, quanto no Instagram. Se eu já perco sequência de postagem normalmente, imagina com uma situação dessas!

O “prêmio de consolação” foi saber que as fotos da câmera ainda estavam lá, mas elas não provam que eu estive em Minas Gerais porque… eu não apareço nelas. Tirando umas 5 fotos que postei no meu Instagram pessoal e as histórias, não tenho mais nenhum registro do meu rosto em terrinhas mineiras.

Temos sempre que aprender algo com nossos erros, não? Eu recentemente voltei de uma viagem longa e maravilhosa para Bogotá! Eu iria visitar a terrinha há uns dois anos, e tive que cancelar a viagem abruptamente uma semana antes. Dessa vez correu tudo bem, e tenho muito conteúdo novo pra escrever, mas o mais importante foi que eu consegui salvar as fotos dessa viagem em lugares seguros, e mesmo que o meu telefone surte e apague tudo de novo, elas não se perderão!

Essa viagem me deu fôlego novo pra escrever, e quero muito poder compartilhar ao máximo tudo que vi e apreendi (fora as outras coisas que queria escrever sobre outros lugares e situações).

É isto. Obrigada por chegarem até aqui! :) <3

 

 

Anúncios

Passagens compradas: Minas Gerais

Oláá internet! Fazia tempo que não tinha nenhum post nessa categoria, mas tô tirando a poeira! Sabe o que isso quer dizer? Que vou ter assunto para postar coisas sobre lugares novos! :)

Apesar de ainda ter umas cartinhas na manga, é chato ter que escrever sempre sobre os mesmos lugares, reciclando fotos, e temendo falar alguma coisa que porventura já tenha escrito antes. Dessa vez vai ser um pouco diferente, pois essas são as primeiras férias no Brasil desde muito tempo!

Sempre quis muito conhecer Minas Gerais! Sou fascinada por história e agora que estudo Arquitetura, tenho a oportunidade de ver com os meus olhos algumas das maiores obras primas arquitetônicas do Brasil!

Também vou aproveitar a chance e rever alguns amigos que fiz quando morei em Budapeste (me segura, fazem 4 anos, aaaaa), e eles serão as primeiras pessoas que irei reencontrar dos meus grupos de amigos do Leste Europeu.

Ainda estou montando o roteiro, mas pretendo conhecer Ouro Preto-Mariana, São João Del Rey-Tiradentes, e claro, um pouco de Belo Horizonte. O tempo é pouco, só uma semaninha, por isso não posso colocar no roteiro cidades como Diamantina e até mesmo Inhotim (que sou louca para conhecer).

Estarei indo em breve! Assim que conseguir, posto mais coisas ;)

 

Criei um instagram!

Olá, internet! Como vão?

Então, depois de mais de 5 anos de Parla, Camilla/Camilla pelo mundo e uma tentativa de página frustrada no Facebook (hehe), essa semana criei o instagram oficial do blog!

O nome é @parlacamilla_ e vou postar coisas que acho interessante sobre viagens e Arquitetura! Hoje publiquei o primeiro post de adivinha onde? Moscou!

 

Logo postarei mais, e não se esqueça! @parlacamilla_

Passagens compradas: Uruguai e Argentina

Nem acredito que depois de mais de um ano eu estou escrevendo um post da categoria “Passagens Compradas”, hahaha. Para falar a verdade, eu escrevi sim. Eu iria viajar para Bogotá, rever minha família e visitar novamente alguns lugares como a Plaza Bolívar, o Hotel del Salto e provavelmente o povoado de Sotaquirá, que foi onde meu avô nasceu. Só que aconteceram algumas situações pessoais, o que me obrigou a cancelar a passagem próximo à data da viagem.

Quando cancelei a passagem, recebi as milhas de volta (12000 ida e volta, para duas pessoas, totalizando 48000 pontos), o que aumentou o meu saldo. Com isso, acabei comprando posteriormente duas passagens para conhecer dois países que ainda não conhecia, o Uruguai e a Argentina! :)

A passagem pra Montevidéu custou 11000 milhas, e a volta por Buenos Aires, 9000. Isso totaliza 40000 pontos para duas pessoas mais as taxas. Ou seja, comparando com as milhas que recebi com a devolução da passagem pra Colômbia, ainda fiquei com um saldo de 8000!

Ou seja, vale a pena comprar passagem de milhas para a Argentina e o Uruguai! Lembrando que eu moro em Manaus, então encontrar passagens de milhas baratas (inclusive para dentro do Brasil) não é fácil. Mas vale ressaltar que ainda temos que pagar as taxas! Para a chegada no Uruguai, o valor foi um pouco menor (R$326,40), mas a volta pela Argentina foi bem cara (R$ 559,12).

Eu voltei pra casa hoje e ainda vou postar uma série de coisas que fiz e/ou percebi nessa viagem, pra aproveitar e tirar a poeira do blog :). Mas basicamente o meu roteiro foi esse, e aos poucos vou fazendo outros posts.

Dia 1: Chegada em MVD às 18h15
Dia 2: Ciudad Vieja, Teatro Solís, Mercado del Puerto e adjacências.
Dia 3: Visita à vinícola.
Dia 4: Bus turístico e o que ficou faltando da Ciudad Vieja (sendo que o planejado era andar pela Rambla e explorar a região de Punta Carretas e Pocitos).
Dia 5: Ida até à Colônia del Sacramento e pegar o Buque até Buenos Aires (chegada no fim da tarde).
Dia 6: El Caminito, Bombonera, Cemitério da Recoleta e Feirinha de artesanato.
Dia 7: Casa Rosada, Museu del Bicentenario, Feirinha de San Telmo, Puerto Madero, Floralis Genérica.
Dia 8: Teatro Colón, Tribunales, El Ateneo, Shopping.
Dia 9: Dia de Compras: Calle Florida e Galerias Pacífico. Packing back.
Dia 10: Saída de EZE às 05:15.

Olhando pro nosso itinerário final, eu mudaria algumas coisas. Acho que vale a pena um pernoite na Colônia del Sacramento e tirar um dia de Buenos Aires (no caso, o último dia, destinado às compras). O motivo eu explicarei quando fizer um post sobre a Calle Florida e as Galerias Pacífico, mas já adianto que não gostei e não recomendo o passeio.

Eu também levaria um pouco mais de dinheiro, pois essa era uma viagem que teria a intenção de ter um cunho um pouco mais gastronômico. Mesmo assim, achei a comida muito cara em ambos os países, o que acabou comprometendo alguns planos! Nisso eu incluo o show de tango, que o mais barato que nos recomendaram era R$170 por pessoa. Eu poderia pensar que esse seria um dos “arrependimentos” que sempre temos uma vez ou outra quando viajamos, porém estou bem de cabeça tranquila. Eu consegui o que queria, que era conhecer a cidade e aprender alguns de seus truques. Numa futura viagem, vou aprofundar algumas experiências, como o próprio Tango e a visita ao Café Tortoni, que tinha filas muito longas ambas as vezes que fui lá.

Para concluir, em Montevidéu eu fiquei hospedada em Pocitos e em Buenos Aires, na Recoleta. Acho que acertamos em relação à localização, pois ambos os bairros eram agradáveis e tinham toda a estrutura que necessitávamos, além da segurança.

Em breve, mais posts! Estava com saudades daqui <3 <3

 

Passeio de barco na Amazônia

Oi gente! Acho que já devo ter comentado isso em posts anteriores, mas 2016 está sendo um ano bem fraquinho em relação a viagens para mim. Não gosto de não ter assunto para comentar aqui, o que me deixa bem triste pois sempre gosto de ficar atualizando tudo que eu passo e aprendo em experiências fora da minha cidade. Mas chega de choro e vamos à luta! Creio que em breve terei novidades para contar, e hoje vou falar sobre o itinerário de um passeio que fiz semana passada.

Então, aqui em Manaus existe uma série de empresas de turismo que fazem um passeio de barco pelos arredores da cidade, mostrando uma “palhinha” do que há de melhor da Amazônia. Com o almoço e água inclusos o passeio ainda oferecia:

  • Ida ao Encontro das Águas;
  • Visita à comunidade do Catalão;
  • Fotos com preguiça, cobra e jacaré;
  • Avistamento da Vitória Régia;
  • Ida no pesque e pague com direito à mergulho no rio;
  • Nado com os botos;
  • Visita à tribo indígena.

O passeio custou R$ 120 e até onde eu sei se encontra na faixa média de preços aplicados pela maioria das empresas do segmento. Geralmente esses passeios ocorrem na sexta, sábado e domingo, e tem uma duração de aproximadamente 7 horas. Acho interessante você não marcar nada no resto do dia, pois esse é um passeio extremamente gratificante, porém cansativo.

Então, saímos do Porto de Manaus localizado próximo à Praça da Matriz às 9 horas da manhã, num lindo sábado ensolarado. Sorte nossa que não choveu, e ainda pegamos uma boa época do ano para navegar. Agora no final de maio e início de junho é que tradicionalmente os rios se encontram mais cheios, e em 2016 o nível do rio não subiu tanto, comparado a outros anos como 2012, onde aconteceu a “cheia histórica” que inclusive alagou várias ruas no Centro da cidade. Entre meados de outubro e novembro o rio se encontra muito baixo, às vezes impedindo a navegação por certos trechos, o que não é tão interessante para o turista.

A primeira parada era o Encontro das Águas, que obviamente tem esse nome por ser o ponto de encontro entre os rios Negro e Solimões. As águas dos dois grandes rios nunca se misturam por diferenças de velocidade, temperatura e pH, o que deixa uma divisão óbvia para todos aqueles que passam por ali.

O rio Negro é o que banha quase toda a orla de Manaus, com águas escuras e ácidas. A nascente deste rio se encontra na Colômbia, e desce pela região noroeste do Amazonas, passando pelos municípios de São Gabriel da Cachoeira, Santa Isabel do Rio Negro e Barcelos (que foi a primeira capital do Amazonas nos anos 1800). Para fins de curiosidade, o rio Negro também abriga os dois maiores arquipélagos fluviais do mundo: Mariuá e Anavilhanas.

Já o rio Solimões nasce no Peru, e aos poucos é alimentado por diversos rios tributários, e também aos poucos vai aumentando de largura e intensidade. De fato, o rio só se chama “Solimões” ao passar da tríplice fronteira Brasil-Peru-Colômbia, na cidade de Tabatinga. Após o Encontro das Águas, o Solimões passa a ser conhecido como rio Amazonas, e assim fica até a foz no Atlântico.

P1130710

P1130706

P1130708

Bem, existem alguns passeios em que é possível mergulhar no Encontro das Águas! Nesse não pudemos, por causa do tempo corrido. (O que pra mim está ótimo, risos)

Bem, em seguida passamos na frente da comunidade do Catalão, que tem todas as suas casas flutuantes! Tanto os “flutuantes” como as “palafitas” são tipos de construções bem presentes nas margens dos rios da Amazônia. Os flutuantes são construídos em cima de uma espécie de tonéis que flutuam na Água, assim a estrutura segue a altura dos rios o ano inteiro. Já as palafitas são construídas um pouco mais altas da terra, mas nem sempre elas são seguras, especialmente no caso de uma cheia muito forte que pode ultrapassar a altura do assoalho das casas.

P1130721

Flutuantes, atrás da vegetação

P1130720

Flutuantes

Palafitas ao longe

Palafitas ao longe

Essas comunidades são muito interessantes e se espalham ao redor dos rios da Amazônia. Seus habitantes geralmente são conhecido como “ribeirinhos” e sobrevivem da própria subsistência.

Enfim, logo após paramos numa pequena casa localizada no flutuante onde a família cria os animais que os turistas tiram foto: geralmente são a preguiça, a cobra e o jacaré. Eu não tive coragem de segurar a cobra e o jacaré, porém matei a curiosidade de saber como é a textura da pele deles!

Sandy e a preguiça

Eu e a preguiça

Para aqueles que acreditam que essa exposição dos animais é crueldade, não se espantem ao saber que essa prática de turistas tirarem foto é bem comum. E sendo daqui e conhecendo a realidade da região, não tem como ver maldade nisso. As famílias cuidam desses animais como se fossem domésticos e recebem comissão das empresas de turismo, o que acaba sendo uma espécie de fonte de renda para as elas.

Enfim, seguimos caminho e chegamos ao flutuante onde almoçaríamos. É bem comum irmos a flutuantes próximos à cidade no fim de semana, porém esse que fomos era mais direcionado ao turismo do que entretenimento, como os mais populares. Nesse flutuante também pudemos ver as Vitórias Régias, provavelmente uma das plantas mais reconhecidas da Amazônia.

P1130760

P1130761

Essas plantas são bem grandes e reza a lenda de que elas aguentam o peso de uma criança pequena. Existem relatos de vitórias-régias encontradas com 2 metros de diâmetro, mas as mais comumente encontradas variam entre 1 e 1,5 metro de diâmetro.

Esse flutuante, assim como vários outros nas proximidades possui uma lojinha com souvenirs indispensáveis para quem vem à Amazônia. Porém acredito que existem locais mais baratos, como na feirinha da Eduardo Ribeiro aos domingos.

P1130739

P1130774

P1130770

Enfim, após o almoço fomos a um pesque e pague onde podíamos “pescar” o Pirarucu! Esse peixe é enorme, às vezes chegando a 2 metros de comprimento. Eu coloquei pescar entre aspas por que esse peixe não se pesca com vara, e sim com rede, devido ao peso e força do bicho! Mesmo assim, às vezes é necessário ter mais de um homem na água para ajudar com a rede.

Decidimos pagar 10 reais por 3 tentativas. Mesmo sabendo que não ia dar certo, foi ótimo sentir a força desse animal! Ele pega a isca com uma força descomunal, tendo que ter muita força nos braços! Vale lembrar que o pirarucu é ameaçado de extinção, e sua pesca só é permitida em viveiros autorizados. Até para levar a carne do peixe para fora de Manaus, por avião é necessária uma burocracia imensa, precisando apresentar nota fiscal e tudo.

No momento que pega a isca

No momento que pega a isca

Ainda dava para mergulhar ali, mas fiquei receosa por que ao meu ver, aquela área parecia ser ideal para os jacarés. Sou medrosa mesmo e admito, hehe.

Então, de lá partimos para nadar com os botos! A viagem seria longa, aproximadamente uma hora pelo rio Negro. Chegando lá, tomei coragem e fui nadar com os lindos!

Eu já tinha tido essa experiência anteriormente em Novo Airão, porém valeria a pena tentar uma segunda vez. Os botos ali eram de cor cinza, também conhecido como boto tucuxi. Eles são muito dóceis, gostam de brincar e de fazer gracinhas com as pessoas. A textura de sua pele lembra a de borracha, e esses minutos com os botos na água foram cheios de “oooohhs” e “ooownnns”.

P1130833

P1130877

Vale lembrar da “lenda do boto”! Dizia que o boto em noite de lua cheia, se transformava em homem e vagava pelas praias dos rios à procura de mulheres para seduzir. Geralmente elas engravidavam e diziam que a criança era filha do boto. Hoje em dia percebemos que era uma desculpa que as meninas davam para os pais para justificar os filhos que nasciam antes do casamento.

Para finalizar, chegamos na tribo indígena. Existem algumas agências de turismo daqui de Manaus que oferecem uma estadia de fim de semana completo em algumas tribos, porém o nosso caso foi apenas uma visita rápida mesmo. Eles se apresentaram, fizeram umas danças típicas e no final nos chamaram para dançar com eles!

Tivemos tempo de comprar algumas lembrancinhas indígenas. Eu comprei uma flauta, daquelas tipo peruanas, e foi meu único investimento em souvenirs por toda a viagem.

A oca principal

A oca principal

P1130887

Amazonas, Brasil!!

Amazonas, Brasil!!

Assim o nosso passeio terminou. O dia foi repleto de paisagens incríveis, sensações inesquecíveis e claro, sentindo o grande prazer de fazer parte disso, de ser amazônida! As minhas amigas de São Paulo que estavam junto comigo procuraram se entregar ao clima e amaram a experiência! Esse tipo de turismo de aventura é essencial para quem quer visitar Manaus, e com certeza é um investimento que vale a pena!

From Manaus with love

Olá! Pra quem não me conhece, eu sou a Camilla, tenho 24 anos, estou me formando em Ciências Econômicas e sou uma pessoa apaixonada por cultura em geral. “Cultura” é um termo muito abrangente que inclui uma diversidade de coisas, seja fotografia, literatura, gastronomia, e no meu caso também, aprender um pouquinho mais de nuances que representam diversos lugares do mundo.

Este é um relato pessoal de uma pessoa do Norte do Brasil que sente muito orgulho de ser manauara! Segue a leitura.

Pra começar, eu criei uma paixão pela geografia desde pequenininha. Quando eu tinha uns 5 ou 6 anos, acabei descobrindo um pequeno e antigo atlas na minha casa e me fascinei com a cartografia. Linhas que desenhavam fronteiras, pontinhos que indicavam a localização das cidades, e eu andava grudada com esse atlas pra cima e pra baixo.

Logo eu comecei a aprender algumas coisas. Aos poucos eu já havia decorado todos os países e suas capitais, a copa de 1998 me ajudou a conhecer as primeiras bandeiras, e com o passar dos anos fui nutrindo a minha curiosidade e conhecimento sobre o assunto.

Mas enfim, o que me fascinava na geografia era a diferença. Tantos lugares na Terra diferentes entre si! Montanhas, neve, praias, desertos e todo tipo de diversidade que eu via em fotos e vídeos que acabavam enchendo os meus olhos. Aos poucos eu comecei a abrir os olhos para as belezas do mundo e não prestando tanta atenção na minha região.

O tempo passou e eu comecei a olhar tudo que remetia à Amazônia como… trivial. “Só floresta… legal… mas nada demais”, eu pensava. Durante a minha adolescência às vezes eu ficava intrigada em saber que ainda existiam áreas verdes em Manaus, e na minha cabeça, essas áreas seriam muito melhor aproveitadas caso alguém construísse algo no lugar.

Por exemplo, antes eu morava numa casa que tinha um terreno baldio ao lado. “Baldio” por que não tinha nada construído – somente existiam lindas e grandes árvores que juntas pareciam formar uma caverna, e a minha maior vontade era entrar e brincar naquela caverna. Mesmo achando a área bonita, eu pensava que uma casa, como as outras da vizinhança, ficaria bem melhor naquele terreno gigante, e algo que me assustou muito há vários anos foi ter visto um ladrão que havia assaltado a casa de trás, ter pulado o muro e fugido através desse terreno. Quem sabe algum outro ladrão não se escondia ali? (Na época, eu achava que era alguém que tinha fugido de casa, mal sabia a inocente).

Mas enfim, eu passei no vestibular e comecei a frequentar a UFAM, faculdade que fica “no meio do mato”. Todo dia passando por aquela estrada que dá acesso à universidade e achando tudo tão comum… tão verde… tantas árvores… Óbvio que eu ficava muito intrigada ao saber que a minha universidade ficava no meio de uma área verde. Qual outra universidade também tem essa característica? :)

E então eu resolvi ter uma experiência diferente. Eu, aos 19 anos estava sentindo que estava muito na minha zona de conforto. Nunca tinha passado por desafios, nunca sofri longe da minha família, sempre tive tudo que quis na hora que eu queria… típico de uma pessoa mimada. E decidi mudar de vida! Mas para isso eu precisava de um choque de realidade e fui morar por dois meses na Rússia.

Sabe o atlas que me acompanhava quando eu era pequena? Ele era tão antigo que ainda mostrava o mapa da União Soviética. Eu ficava fascinada com o tamanho (sim) daquele país, e vendo que existiam outros países menores que compunham sua integridade territorial. Eu realizei um sonho chegando em Moscou, e naquele mesmo dia fui na Praça Vermelha, lugar onde tantos fatos decisivos para a história da humanidade aconteceram.

Logo depois, à meia noite, peguei um trem em direção ao interior, onde eu iria morar. Eu estava amando a sensação de liberdade e independência, e ao mesmo tempo dando o primeiro passo para mudar de vida.

Daí eu tive o wow moment mais incrível da minha vida! Eu saí da cabine do trem e fiquei no corredor, observando o movimento. Eu havia ido no inverno e ao redor da linha férrea uma série de árvores mortas estavam compondo o ambiente. E só.

Eu olhei para aquele clima cinza, a neve deixando os galhos das árvores com uma aparência tenebrosa, e nenhum sinal de vida ali… eu comecei a chorar! Nesse momento eu percebi que eu nasci e cresci na região mais linda do planeta e foi preciso ir pro outro lado do mundo para notar isso! Eu me senti a pessoa mais estúpida. Como eu nunca tinha parado para observar a beleza e singularidade da Amazônia?

Aos poucos isso foi se desenrolando. Quando as pessoas na Rússia me perguntavam de onde eu era, ninguém acreditava! Para os estrangeiros, e especialmente aquelas pessoas do interior russo que não tem planos de sair da cidade e descobrir algo diferente, ver uma pessoa de Manaus ali era quase como se ver um extraterrestre.

Dois meses se passaram e quando retornei ao Brasil, eu comecei a reparar pequenas coisas na nossa cidade e no nosso jeito de ser que nos tornavam diferentes de outros brasileiros.

Primeiramente tenho que falar da nossa culinária (ai, como eu adoro comida! haha). Temperos únicos (tucupi <3), frutas nativas daqui, a nossa grande variedades peixes, x-caboquinho (sim, sou louca de x-caboquinho, e com banana ainda, haha).

Também não escondo de ninguém que eu amo história! E acho uma pena que a história da Amazônia não seja tão difundida a nível nacional. Desde as expedições de Orellana, Pinzón e Vespúcio, a economia das drogas do sertão, toda a história envolvendo a província do Maranhão e Grão-Pará, e claro, o ciclo da borracha e a importância que o pólo industrial possui a nível nacional.

Poucas pessoas sabem que Manaus foi uma das primeiras cidades a receber energia elétrica no Brasil (segundo relatos, somente atrás do Rio de Janeiro). Ainda mais, registros históricos indicam que as mulheres mandavam lavar a roupa em Paris por acharem que as águas escuras do Rio Negro pudessem manchar suas roupas.

Eu também rotineiramente pela internet acabo achando coisas interessantes. Não sei se o fator ~Copa do Mundo~ ajudou, mas em algumas listas da gringa, Manaus aparece como uma das cidades mais reconhecidas pelos estrangeiros (top 3!). Leia-se: ao pensar em cidades no Brasil, geralmente se pensam em São Paulo e Rio de Janeiro, e em seguida Manaus! :)

E o que mais faz esses estrangeiros e pessoas daqui do Brasil mesmo a reconhecer a nossa cidade? Clima quente (ultimamente bem quente), comida gostosa, pessoas convidativas, monumentos históricos, conforto e modernidade e obviamente o fato de nós estarmos cercados pela floresta icônica que faz a nossa região ser a mais bonita do planeta!! (Desculpa a modéstia, mas é verdade :))

Falando na Amazônia, uma vez há muitos anos estava chegando em Manaus com um jovem japonês do meu lado. Ele não falou uma palavra, mas estava lendo um livro bem antigo, daqueles que você lê na vertical, e não na horizontal. No approach já, quase aterrisando em Manaus, eu olho pro lado e vejo a cara de espanto+fascinação que esse rapaz fez. Era tanta floresta que acho que nem ele acreditaria ver do alto.

Na verdade, é bem legal ver o pouso nos aviões chegando aqui em Manaus. Se você sentar do lado direito, provavelmente você terá uma linda visão do Rio Negro, um pedaço de floresta, a cidade, e agora a vista da Ponte Rio Negro. Fica a dica!

Apesar das nuances de metrópole, é comum de ver lindos pássaros voando durante o dia por aqui. Na minha faculdade eu já vi algumas preguiças. Na verdade, eu já vi preguiças em várias partes da cidade, haha. Quando eu estava na Hungria, saiu uma notícia de que um jacaré tinha sido visto nas proximidades da praia da Ponta Negra num lindo domingo de sol (risos).

Aqui no meu condomínio existem muitas árvores frutíferas. Tanto coisas mais regionais como abiu e pitomba como também outras espécies como manga, acerola, jambo e azeitona! Mesmo assim ainda é comum de ver áreas verdes por aqui na cidade (e eu pensando há alguns anos atrás que essas áreas poderiam dar lugar a altos e pomposos prédios…).

Mas claro, a minha cidade é linda mas possui sérios problemas. O sistema de transporte público deixa muito a desejar, trânsito caótico (distrito, 17h mandou um beijo), a violência infelizmente está numa crescente, e também vejo as coisas aqui muito caras.

Mesmo assim eu sinto o maior orgulho de ter nascido e crescido aqui! O amadurecimento chegou a mim com muita reflexão, e quando percebi a singularidade de Manaus, me senti uma pessoa extremamente privilegiada de conhecer essa região e posso chegar batendo no peito dizendo: “Eu sou daqui!”.

Pra terminar, eu queria dizer que não é toda cidade do Brasil que você pode viajar para o Caribe de estrada. Também é possível de tomar banho de cachoeira a uma hora de carro. Dar comida para os botos no meio do rio, talvez? Ver o encontro das águas lá de longe? Passar um fim de semana numa tribo indígena? Tá que essas últimas aventuras que citei não são exatamente em Manaus city, porém são algumas atrações que ajudam a fazer da minha cidade um destino turístico único para quem busca algo diferente.

Eu sou daqui e sinto o maior orgulho disso! Vem forte que eu sou do Norte! ;)

P1030904

 

P1030892

20140622_175614

20141123_131522

20140928_164643

Camilla Responde

Hello again, world! Infelizmente eu estou com pouco assunto e tempo pra desenvolver temas por aqui. :( Motivo? Vários! Alta do dólar/euro, trabalho, fim da faculdade, outras despesas importantes e algumas outras coisinhas.

Porém eu sempre fico de olho na movimentação por aqui (hehe), e fico muito satisfeita com os feedbacks positivos que eu recebo, número de visualizações por dia e também observo as dúvidas dos leitores. Já que eu não vou viajar por um tempo, – e passar um ano sabático aqui em Manaus city mesmo – esse post é especial para tirar algumas dúvidas que chegam até mim!

Conversor de moedas:

É bem comum de chegar aqui e me deparar com dúvidas de leitores como: “Quantos reais valem 100 rublos?” ou “Quantos pesos equivalem a 1 real?”. Essas perguntas não tem respostas fixas justamente pelo nosso câmbio e não posso afirmar algo que muda diariamente.

Porém temos ferramentas que nos ajudam a ter uma ideia de quanto cada moeda valerá em reais ou vice versa através do Conversor de Moedas do Banco Central, que é o aplicativo que eu uso quando tenho alguma dúvida de valor de alguma moeda.

Ali é só escolher qualquer moeda e comparar com o real. Por exemplo, quando eu morei na Rússia, 1 real valia cerca de 17 rublos. De acordo com o conversor de moedas hoje (08/08), 1 real tá valendo 18 rublos, ou seja, a diferença não está muito grande, haha. :)

Levar moeda brasileira pra trocar no exterior:

Ainda sobre moedas e afins, eu vejo muitas dúvidas sobre “Onde que posso trocar reais por forints?” “Posso levar real e trocar pela moeda X no exterior?”.

No caso, é melhor aceitar um conselho: se você pretende viajar para o exterior, escolha bem a moeda que você vai levar. Quando eu vejo a realidade das casas de câmbio aqui em Manaus, basicamente elas possuem dólar e euro para troca somente. Quando se viaja para os Estados Unidos ou para a Europa, a vida fica super fácil, e não tenha dúvidas que dólar e euro são as moedas para se levar nestas viagens, respectivamente.

Porém se você for ao Japão, para a Índia, África do Sul, ou qualquer outro lugar com outra moeda, fique à vontade para escolher a sua moeda de troca por lá, seja dólar ou euro. Talvez pela cotação de hoje, onde o dólar está valendo R$ 3,51 e o euro R$ 3,85, levar euro talvez tenha um pouco mais de vantagem, pelo fato de que o euro geralmente vale bem mais nas casas de câmbio no exterior do que o dólar. Porém a diferença acaba sendo pouca na conversão entre essas duas moedas e uma terceira moeda no país que você vai converter .

E para complementar o tópico: não confie em levar real para o exterior. Raramente casas de câmbio aceitarão o real como moeda, e para evitar riscos, opte pelo dólar ou euro. O mesmo acontece para o contrário: são raríssimas as casas de câmbio (aqui em Manaus não tem nenhuma) que troque rublo por reais, por exemplo.

Reclame aqui:

Sempre me chegam dúvidas de pessoas que gostariam de reclamar do serviço de companhias aéreas, principalmente. Existem algumas que chegam no meu feed, mas tem uma empresa em particular (que não vou revelar o nome, hehe) que eu sempre vejo gente reclamando, seja por email, termos de busca ou afins.

Mas enfim, contar relatos pela internet de suas experiências (sejam positivas ou negativas) é super relevante para outras pessoas que utilizam o google, blogs, trip advisor e outras ferramentas para buscar o melhor custo-benefício, mas nunca se esqueça de buscar seus direitos, quando necessário, através do Procon.

Existe uma resolução da ANAC feita após o apagão aéreo que dá alguns direitos aos passageiros no caso de atrasos ou cancelamentos.

Se existe um atraso com duração superior a uma hora, é dever da companhia aérea oferecer ao passageiro alguma forma de comunicação.

Se o atraso for superior a duas horas, a companhia aérea deverá oferecer alimentação ao passageiro.

Já se o atraso for superior a quatro horas, a companhia deverá oferecer transporte e acomodação ao passageiro, e se houver cancelamento, até o reembolso é uma das opções.

 

Espero que essas três respostas tenham sido relevantes! E não se esqueça, se for viajar, continue pesquisando!

10 mitos que caíram por terra após viagens

~spoiler de post polêmico, haha~

Sabe fofoca, confusão e boato? Pois é, tem muito “disse me disse” na internet e até no boca a boca que aos poucos se tornam pequenas verdades, e conhecimento comum do público. Porém quando você conhece a realidade de alguns lugares, essas “verdades” deixam de ser verdade, e você começa a ver as coisas de forma muito diferente. Mas o pior de tudo é que tem gente que ainda quer desafiar o que não viu contra alguém que já vivenciou.

1. “Franceses não gostam de turistas que falam inglês”.

Acho que esse é um dos mitos mais famosos, e pela minha parte, todas as vezes que fui à França, fui muito bem tratada! Seja falando inglês ou francês, especialmente em Paris os funcionários de lugares que trabalham com público são muito bem orientados a tratar bem o público, devido ao fato de que Paris tem grande parte de sua economia movida por causa do turismo.
O que aconteceu comigo devido ao francês em si, foi o fator surpresa. Das primeiras vezes que fui à França, só me comunicava em inglês devido ao fato de que eu ainda não falava francês. Depois de algum tempo, passei a treinar o idioma em viagens para lá. O que eu percebi depois disso é que muita gente ficava surpresa com o fato de uma turista começar a falar francês por livre e espontânea vontade (e depois que eu dizia que eu sou do Brasil, parece que a surpresa aumentava). Isso de fato, deixava as pessoas mais felizes e satisfeitas, mas não quer dizer que eles tratam mal quem fala inglês.

Menu francês/inglês

Menu francês/inglês

2. “Os russos ainda vivem numa espécie de comunismo moderno”.

Uma coisa que gosto de fazer é ler comentários de posts e notícias. Às vezes, o que o leitor escreve pode até ser mais interessante que o conteúdo da matéria. E me impressiono quando leio comentários nas seções de Política Internacional sobre a Rússia dizendo que lá o Putin aplica o comunismo no país, que as pessoas são miseráveis, que ainda dependem do governo para conseguir suprimentos, blá blá blá…
Primeiro, estamos em 2015 e não em 1985. Segundo, o país, nem sua economia não tem um pingo de comunismo nas veias hoje em dia (fora os antigos saudosos da URSS que lembram o ex-gigante em quase tudo). Terceiro, o país é tão ou mais cosmopolita que o Brasil ou qualquer outra nação de porte semelhante. Bem, estou estudando algumas coisas sobre o país e sua política externa por causa da minha monografia e dá vontade de rir quando leio alguns comentários deste porte.

Uma loja da LV no shopping mais caro do mundo. "Malditos comunistas!".

Uma loja da LV no shopping mais caro do mundo. “Malditos comunistas!”

3. “A Colômbia é um país perigoso por causa do tráfico”.

Infelizmente os fins dos anos 1980 e meados dos anos 1990 foram turbulentos para a Colômbia. O país de fato fez um grande esforço contra a guerra ao tráfico, mas raramente isso influenciava no cotidiano da população em geral. Algumas situações até chegaram a acontecer como atentados, mas isso ficou no passado.
Hoje em dia, a Colômbia é um dos países mais promissores da América Latina, e inclusive “escapando” dos picos da crise que ainda está abalando a economia mundial. Porém a fama de lugar inseguro continuou, e até os dias de hoje muita gente teme a Colômbia por causa da violência derivada do tráfico de drogas.

Essa vista...

Essa vista…

4. “As cidades dos países da cortina de ferro são quadradas”.

Em pleno 2015 eu ainda ouço pessoas falando sobre “cortina de ferro”, que hoje é um termo muito pejorativo. Tá né, mas muitas delas não sabem 1% da beleza e cultura destes países, e os ficam julgando com base em termos históricos ultrapassados e inadequados.
Acontece que parte de algumas cidades tiveram um boom populacional onde alguns bairros tiveram que ser construídos nos anos 1970 e 1980, em plenos dias comunistas.
Essas construções feitas são chamadas de “novostroikis”, e elas são de fato, quadradonas. Mas elas dificilmente são vistas por um turista comum que só conhece os principais lugares das cidades, já que essas construções se encontram nos subúrbios das cidades.
Ah, e essas construções lembram muito as Superquadras de Brasília! Todas elas com um espaço no centro com área verde, bancos, playgrounds e afins.

Vista da parada de ônibus perto de casa, nos subúrbios de Budapeste.

Vista da parada de ônibus perto de casa, nos subúrbios de Budapeste.

5. “Miami é um paraíso de compras.”

Na minha opinião, existem lugares bem melhores que Miami para fazer compras. Nos EUA, os preços se equiparam bastante em basicamente todos os lugares, mas não consigo ter o fascínio que o brasileiro tem por Miami. Honestamente não gosto da cidade, não consigo encontrar muito o que fazer, e ainda acho as praias feias. Honestamente, eu acho Fort Lauderdale bem mais interessante que a própria Miami Beach por exemplo.
Mas assim, nós costumamos nos impressionar com os produtos que são vendidos em Miami por duas coisas: variedade de marcas e câmbio. De fato, uma Louis Vuitton sai muito mais barata em Miami do que em São Paulo, mas isso por causa da nossa carga tributária. Mas não vejo muito interesse em viajar exclusivamente para lá com o intuito de fazer compras. Honestamente eu sou mais o Panamá para esse propósito, por exemplo.

@Miami Beach

@Miami Beach

6. “Brasileiros tem fama ruim no exterior.”

Este é um mito bem comum no que tange viagens e brasileiros. Não sei se isso é um sintoma de “síndrome do vira-lata”, mas sempre ouvi muitos amigos brasileiros falando mal de atitudes de conterrâneos por aí. Confesso que até eu tive esse certo conceito durante um tempo, mas acabei percebendo que nós fazemos coisas… normais!
Não é errado tirar fotos de qualquer coisa diferente que vemos no caminho, de comprar um milhão de coisas no shopping (se temos dinheiro pra isso, por que não!?), de tentar se comunicar de qualquer maneira diferente quando não sabemos o idioma, quando nunca abastecemos o carro por si só e pagamos mico, quando nos perdemos em algum canto… Isso acontece, é normal!
O que não dá, é ser mal educado por aí! E confesso que nunca vi brasileiros fazendo coisas que certamente são falta de educação. Mas sobre isso eu coloco uma nacionalidade que é bem bruta e são mal educados (e às vezes porcos) por aí, que são os indianos. Pelo o que eu já vi, não posso defendê-los.
Ah, e sobre a fama em si, os brasileiros são muito bem vistos no exterior sim! Especialmente no poder aquisitivo (sim, mesmo com essa nossa crise por aqui).

Guaraná Antarctica vendido na Europa

Guaraná Antarctica vendido na Europa

7. “Com 20 euros você faz um rancho de mês na Europa.”

Uma amiga me disse isso semana passada, falando de uma outra pessoa que ela conhecia. Em certos supermercados, é possível de comprar certas coisas com 20 euros, mas não um rancho inteiro. Numa compra num supermercado normal, com 20 euros, eu compraria alguns biscoitos, pães, algumas bebidas, chocolates, snacks e alguns condimentos utilizados para cozinhar. Porém comprar comida para uma pessoa comer um mês inteiro por apenas 20 euros é balela, e das boas.
Primeiro que as carnes em geral tem um preço alto na Europa, com exceção da carne de porco. Segundo que alguns produtos como frutas e verduras podem variar muito seu preço especialmente durante as épocas mais frias. Outra, as contas de supermercado que eu fazia sempre davam acima de 20 euros, também sabendo que nunca me privei de nada, mas ao mesmo tempo, sem ostentar muito.

1 espetinho de morango com chocolate = 95 coroas (ou 11,30 BRL ou 3,50 EUR).

1 espetinho de morango com chocolate = 95 coroas (ou 11,30 BRL ou 3,50 EUR).

8. “Estrangeiros só conhecem o Brasil por causa do futebol.”

Nesse caso não é o “não só”, e sim o “mas também”. A verdade é que o futebol é um dos temas mais lembrados por estrangeiros quando falam do Brasil. Mas isso não quer dizer que os estrangeiros saibam ~só~ sobre futebol no Brasil. Mesmo quando citam futebol, eles lembram de jogadores que fizeram sucesso há um certo tempo, como o Ronaldo, o Kaká e até o Roberto Carlos.
Para complementar, muitos estrangeiros conhecem o carnaval (pq né?), novelas, modelos famosas, havaianas, música (sendo muitas vezes algum hit “do momento”, como o Michel Teló quando eu estava na Rússia), artistas em geral (não só artistas da Globo, mas pintores, escritores e indivíduos mais eruditos), e também figuras históricas. :)

Apresentação da Rússia para os brasileiros!

Apresentação da Rússia para os brasileiros!

9. “Os países do leste europeu são atrasados.”

Não é por que os países do Leste Europeu saíram de uma economia planificada para uma de mercado há somente 25 anos que eles possam se diminuir à vários países com esta economia corrente há mais tempo. Honestamente, muitos países dali tem uma infraestrutura bem melhor que a do próprio Brasil, o “país do futuro”.

Mapa dos transportes urbanos de Praga

Mapa dos transportes urbanos de Praga

10. “Nova York é uma das cidades mais organizadas do mundo.”

Eu já fiz um post aqui listando alguns motivos para não visitar NY. E infelizmente eu continuo achando isso, mesmo tendo adorado alguns setores da cidade, especialmente o que ronda o Central Park. Tirando ali, o resto da cidade é uma muvuca, inclusive em algumas áreas bem turísticas, como a Times Square, a Broadway e a Fifth Avenue.
Quantidades enormes de lixo nas ruas, trânsito caótico, pessoas que não param de surgir de qualquer canto… esperava muito mais dali.

Times Square

Times Square

5 coisas mais sem noção que já comprei viajando

Há alguns dias numa conversa com amigos, eu fiquei lembrando de algumas coisas que aconteceram comigo em algumas viagens. Certas situações envolviam compras! “Que maravilha!”, vocês podem pensar, mas algumas das coisas que comprei foram bem sem noção mesmo, e até poderia dizer “estúpidas”, ou lembram até mesmo situações hilárias! Vou compartilhar algumas dessas coisas com vocês:

 

Moedas de alguns lugares

Moedas de alguns lugares

Chapéu comunista: Na Rússia, além das matrioshkas, muitas lojas de souvenirs vendem o tal chapéu comunista. Ele é daqueles peludinhos, com a foice e o martelo cravados na frente. Acabei comprando um pra mim e hoje ele está aqui no meu quarto, sendo chapéu de uma ursa de pelúcia que eu tenho.
Só que o sem noção foi o fato de comprar este chapéu para usar lá, no dia-a-dia! Eu e meus amigos usamos esse chapéu por lá de vez em quando, e só ao voltar pra cá eu percebi como foi ridículo passear nas ruas de Moscou com esse chapéu. Os moradores mais velhos até que sentem uma certa saudade da URSS pelo fato da grandeza, relevância geopolítica e até pelo funcionamento de instituições, mas estes são minoria. A maioria esquece esse período, assumindo sua importância passada (claro), mas não sentem nenhuma vontade de voltar para o sistema comunista e preferem olhar para a frente. O pior é que em pleno 2015 ainda tem gente – inclusive aqui no Brasil – que acredita que o Comunismo é a chave para a melhoria da sociedade.

Maiô da H&M: Nem vou por foto desse maiô aqui de tão feio que o bichinho é (sad face). Acontece que eu fui pra Hungria pra fazer meu intercâmbio (que por sinal, escrevi bastante desta experiência por aqui) e eu só descobri por lá que os banhos termais eram super famosos e que qualquer pessoa de passagem por Budapeste deveria tomar um banho.
Só que eu jamais pensei que eu iria precisar de biquini ali e acabei não levando nenhum. Eu tinha (!!) que comprar roupa de banho pra ir nos banhos termais! Prontamente fui na H&M (que tinha acabado de lançar uma coleção onde a Beyoncé era a garota-propaganda) e procurei os biquinis. Juro que eu achava que era papo todas aquelas histórias que falavam mal dos biquinis das europeias/americanas, mas de fato eles são feios. O corte de todos os biquinis eram horríveis e o menos pior era o tal maiô roxo. Acabei comprando ele e só o usei uma vez, já aqui no Brasil. Eu me senti como uma porquinha tentando nadar na água. Acabei não indo para os banhos e nunca mais quis usar esse maiô. Depois comecei a acreditar que a coleção de biquinis só ficava bem na Beyoncé mesmo, olha.

Tênis e Crocs: Ainda sobre “coisas que eu comprei, mas não usei direito”, vou falar sobre o meu tênis da Nike e a minha sapatilha amarela da Crocs. Eu não vou pra academia, não pratico esportes e não vou mais pro colégio, então não uso tênis no meu cotidiano. Confesso também que eu não gosto de sapatos fechados, e só uso quando é estritamente necessário. Na primeira vez que fui a Orlando, fui “convencida” a comprar um tênis devido ao fato de andar bastante nos parques. Comprei e fui me divertir.
No terceiro dia de parque, lá no Universal Studios, eu sinto uma dor horrível nos meus pés e assim que chego no carro fui ver o estrago: meus pés estavam com alergia e cheios de bolhas, que eram o que estavam doendo. Eu havia percebido meus pés vermelhos no início do dia, mas fiquei assustada com o que vi. A minha tia ainda me obrigou a ir no Outlet e lá, a minha avó sugeriu que eu comprasse uma Crocs, mais confortável, e eu andaria com meias de algodão. Assim continuei toda a minha viagem linda e maravilhosa por Chicago e New York com as minhas melhores roupas, cabelos impecáveis e… Crocs amarelas! Não sei o que me deu em escolher essa cor tão chamativa. Só sei que esses dois sapatos estão escondidos, em algum lugar do meu armário.

Algodão e acetona: Acho que a minha mãe é compradora compulsiva, e ela cismou que iria sempre fazer as unhas durante a nossa viagem para os Estados Unidos. Pois bem, logo no nosso primeiro dia desta viagem, fomos a um Walgreens e ela logo comprou o material para fazer as unhas.
Logo no dia seguinte ela foi fazer seu serviço de manicure, mas a ideia não durou muito. Até hoje temos essa acetona em casa, e o saquinho (que até que era grande) de algodão ainda tem algumas bolinhas.

Cruzetas (ou cabide de roupa): Um belo dia em algum Wal Mart na Califórnia, minha mãe e eu estávamos dando uma olhadinha nas coisas (qualquer coisa nas prateleiras mesmo), e comparando os preços dos tais produtos com algum semelhante no Brasil. É impressionante que mesmo com a cotação do dólar, muitos produtos tem um valor real por lá muito menor do que por aqui.
Daí vimos as benditas cruzetas, que vinham num pacote de 10 por apenas 1 dólar! Estas cruzetas tinham boa qualidade, e sem hesitar a minha mãe pegou três pacotes e colocou no carrinho. O engraçado foi na hora de guardar essas cruzetas, e notamos que a melhor maneira de guardá-las na mala seria espalhando-as de uma forma bem bagunçada. Fico só imaginando a imagem que saiu no raio-x depois.

 

O medo de avião

Vou confessar algo muito importante por aqui: eu adoro viajar! Acho que não tem nenhuma novidade nisso, mas tenho uma contrapartida: eu odeio voar.

E não é o “ódio” de você não suportar ou literalmente não gostar de algo. O meu caso é o ódio de você ter que enfrentar algo extremamente desconfortável pessoalmente, mas saber que é necessário e importante para sair da sua cidade de vez em quando.

P1020306

Sobrevoando algum lugar

 

O meu caso é meio desconcertante. Eu já fiz várias viagens com as mais variadas durações, conexões, e todo tipo de situação, porém eu ainda morro de medo de saber que eu vou ficar a milhares de metros de altitude onde qualquer coisa pode literalmente acontecer.

Toda vez que eu viajo, mais ou menos no dia anterior eu já começo a ficar bastante ansiosa, tensa e nervosa. Eu imagino na minha cabeça todo tipo de situação que possa acontecer comigo e com a aeronave e já começa por aí. Ao entrar no avião, as minhas mãos e pés começam a suar muito, e geralmente eu tenho que apertar a mão de alguém pra pelo menos, me sentir um pouco mais segura.

Mas o meu medo maior é na hora da decolagem e nas manobras que os pilotos fazem para ganhar altitude ou mudar de posição. Nossa, quando o avião vira em alguma manobra, ou quando eu acho que o ângulo de ataque está muito alto na hora da decolagem, eu começo a chorar! Eu choro muito mesmo e não consigo parar, mesmo sabendo inconscientemente que está tudo bem.

O nervosismo e o choro só passam na hora em que o avião se encontra em altitude de cruzeiro, que é quando o avião se estabiliza acima das nuvens e onde o voo é mais tranquilo (e seguro). A tensão volta na hora do pouso, mas confesso que nessa hora eu já estou bem mais tranquila e calma, e só fico de orelha em pé, prestando atenção nos movimentos na aeronave.

Welcome to San Fran!

Welcome to San Fran!

Eu obviamente sei que o avião é o meio de transporte mais rápido e seguro do mundo, e que muitas situações são normais, já que os aviões são projetados para enfrentar inúmeras situações. Situações estas que incluem chuva, neve, altitude, atravessar nuvens densas, gelo nas asas, turbulências, e muitas outras.

Pra piorar a situação, de uns três anos atrás eu comecei a me informar bastante sobre aviação e claro, acidentes aéreos. Para mim, é importante saber os casos de acidentes e o que os motivos que levaram a estes fatos. Também fui atrás de possíveis ameaças para a segurança do avião e toda vez que vejo algo, meu coração dispara de medo.

A maioria dos aviões são projetados para voar com pelo menos uma turbina, em caso de algum tipo de defeito na outra. Esse funcionamento é o suficiente para que o avião volte para algum aeroporto próximo em segurança, e a maioria dos fatos envolvendo turbinas envolvem colisão com pássaros.

Dependendo do porte da turbina, algumas aves batem e não causam tantos problemas, mas geralmente quando estas são atingidas por urubus, que são aves grandes, pode ser que a aeronave tenha problemas. Estava eu em Tefé esta semana, e ao voltar pra casa eu já estava nervosa como sempre. E o pior que bem na hora que o avião estava indo em direção à cabeceira da pista eu avisto quatro urubus voando bem acima da pista!

Eu comecei a chorar ali mesmo! Eles estavam numa altura e posição em que seria fácil que algum destes urubus atingissem a turbina, e a aeronave, um Embraer 195, é relativamente pequena, e com um dano de uma ave destas na turbina seria gigante. Como o aeroporto de Tefé é pequeno, já imaginei como seria se sei lá, acontecesse alguma coisa.

Algumas passagens aéreas e de trem

Algumas passagens aéreas e de trem

Ainda bem mesmo que não aconteceu nada. Porém uma das outras vezes em que me deu bastante medo foi em Moscou. Eu iria em direção a Istambul, e por causa do inverno, estava nevando muito. Eu havia acabado de me despedir da última pessoa que eu havia conhecido na Rússia, que iria decolar para outro destino uns cinco minutos depois de mim. Comecei a chorar no saguão do aeroporto, mas não de medo (ainda), mas de saudade e agradecimento. Ao entrar no avião, vi melhor como estava a pista: Cheia de neve.

Momentos após a entrada no avião, o comandante, com forte sotaque turco estava falando num tom de voz bem preocupado. Ele dizia que havia gelo nas asas e que o avião estava fazendo o defrosting para podermos decolar com segurança. Eu sei que o defrosting é comum, especialmente em regiões um pouco mais frias, porém quando ele não é feito da maneira correta, o gelo nas asas pode causar acidentes. Me lembro de um acidente em particular onde o defrosting mal feito causou problemas e a morte de vários passageiros.

Fora isso, a pista estava coberta de neve, e não duvidaria se ela estivesse com gelo também. Imagina passar por uma pista dessas em velocidades absurdas passando em cima de gelo? As nuvens ali também estavam bem densas por causa da neve, mas surpreendentemente não houve nenhum tipo de turbulência na subida, o que geralmente acontece com nuvens mais carregadas.

Detalhe em turco.

Detalhe em turco.

Fora isso as amadas turbulências! Já passei por cada uma, com gente gritando, copos voando, e até uma criatura sentada na minha frente levantando os braços e se divertindo como se estivesse numa montanha russa. Já atravessei furacão em formação, decolamos numa onda de ventos muito fortes que estavam cancelando voos pelo país, e claro, já vi outros aviões passando bem pertinho do meu, fazendo aquelas faixas no céu, como rastros de passagem.

Também poderia comentar sobre acidentes famosos aqui, já que conheço vários e estranhamente gosto de saber sobre o assunto, mesmo morrendo de medo de voar.

Sobre o medo que eu tenho em si, eu me convenci que eu tenho que buscar a ajuda de um psicólogo. Eu sei que o que eu sinto não é normal da maneira como se intensifica, porém eu sei e continuo confiando nas aeronaves, tripulação e todos os envolvidos na aviação. Mesmo com toda essa consciência positivo, eu não consigo parar de ter medo. E para aqueles que tem medo como eu, só resta uma coisa a ser feita: enfrente esse medo de frente, que conhecer novos lugares é extremamente gratificante, e valerá a pena todo momento de tensão que nós passamos.

Bem no meio do Atlântico

Bem no meio do Atlântico