O medo de avião

Vou confessar algo muito importante por aqui: eu adoro viajar! Acho que não tem nenhuma novidade nisso, mas tenho uma contrapartida: eu odeio voar.

E não é o “ódio” de você não suportar ou literalmente não gostar de algo. O meu caso é o ódio de você ter que enfrentar algo extremamente desconfortável pessoalmente, mas saber que é necessário e importante para sair da sua cidade de vez em quando.

P1020306

Sobrevoando algum lugar

 

O meu caso é meio desconcertante. Eu já fiz várias viagens com as mais variadas durações, conexões, e todo tipo de situação, porém eu ainda morro de medo de saber que eu vou ficar a milhares de metros de altitude onde qualquer coisa pode literalmente acontecer.

Toda vez que eu viajo, mais ou menos no dia anterior eu já começo a ficar bastante ansiosa, tensa e nervosa. Eu imagino na minha cabeça todo tipo de situação que possa acontecer comigo e com a aeronave e já começa por aí. Ao entrar no avião, as minhas mãos e pés começam a suar muito, e geralmente eu tenho que apertar a mão de alguém pra pelo menos, me sentir um pouco mais segura.

Mas o meu medo maior é na hora da decolagem e nas manobras que os pilotos fazem para ganhar altitude ou mudar de posição. Nossa, quando o avião vira em alguma manobra, ou quando eu acho que o ângulo de ataque está muito alto na hora da decolagem, eu começo a chorar! Eu choro muito mesmo e não consigo parar, mesmo sabendo inconscientemente que está tudo bem.

O nervosismo e o choro só passam na hora em que o avião se encontra em altitude de cruzeiro, que é quando o avião se estabiliza acima das nuvens e onde o voo é mais tranquilo (e seguro). A tensão volta na hora do pouso, mas confesso que nessa hora eu já estou bem mais tranquila e calma, e só fico de orelha em pé, prestando atenção nos movimentos na aeronave.

Welcome to San Fran!

Welcome to San Fran!

Eu obviamente sei que o avião é o meio de transporte mais rápido e seguro do mundo, e que muitas situações são normais, já que os aviões são projetados para enfrentar inúmeras situações. Situações estas que incluem chuva, neve, altitude, atravessar nuvens densas, gelo nas asas, turbulências, e muitas outras.

Pra piorar a situação, de uns três anos atrás eu comecei a me informar bastante sobre aviação e claro, acidentes aéreos. Para mim, é importante saber os casos de acidentes e o que os motivos que levaram a estes fatos. Também fui atrás de possíveis ameaças para a segurança do avião e toda vez que vejo algo, meu coração dispara de medo.

A maioria dos aviões são projetados para voar com pelo menos uma turbina, em caso de algum tipo de defeito na outra. Esse funcionamento é o suficiente para que o avião volte para algum aeroporto próximo em segurança, e a maioria dos fatos envolvendo turbinas envolvem colisão com pássaros.

Dependendo do porte da turbina, algumas aves batem e não causam tantos problemas, mas geralmente quando estas são atingidas por urubus, que são aves grandes, pode ser que a aeronave tenha problemas. Estava eu em Tefé esta semana, e ao voltar pra casa eu já estava nervosa como sempre. E o pior que bem na hora que o avião estava indo em direção à cabeceira da pista eu avisto quatro urubus voando bem acima da pista!

Eu comecei a chorar ali mesmo! Eles estavam numa altura e posição em que seria fácil que algum destes urubus atingissem a turbina, e a aeronave, um Embraer 195, é relativamente pequena, e com um dano de uma ave destas na turbina seria gigante. Como o aeroporto de Tefé é pequeno, já imaginei como seria se sei lá, acontecesse alguma coisa.

Algumas passagens aéreas e de trem

Algumas passagens aéreas e de trem

Ainda bem mesmo que não aconteceu nada. Porém uma das outras vezes em que me deu bastante medo foi em Moscou. Eu iria em direção a Istambul, e por causa do inverno, estava nevando muito. Eu havia acabado de me despedir da última pessoa que eu havia conhecido na Rússia, que iria decolar para outro destino uns cinco minutos depois de mim. Comecei a chorar no saguão do aeroporto, mas não de medo (ainda), mas de saudade e agradecimento. Ao entrar no avião, vi melhor como estava a pista: Cheia de neve.

Momentos após a entrada no avião, o comandante, com forte sotaque turco estava falando num tom de voz bem preocupado. Ele dizia que havia gelo nas asas e que o avião estava fazendo o defrosting para podermos decolar com segurança. Eu sei que o defrosting é comum, especialmente em regiões um pouco mais frias, porém quando ele não é feito da maneira correta, o gelo nas asas pode causar acidentes. Me lembro de um acidente em particular onde o defrosting mal feito causou problemas e a morte de vários passageiros.

Fora isso, a pista estava coberta de neve, e não duvidaria se ela estivesse com gelo também. Imagina passar por uma pista dessas em velocidades absurdas passando em cima de gelo? As nuvens ali também estavam bem densas por causa da neve, mas surpreendentemente não houve nenhum tipo de turbulência na subida, o que geralmente acontece com nuvens mais carregadas.

Detalhe em turco.

Detalhe em turco.

Fora isso as amadas turbulências! Já passei por cada uma, com gente gritando, copos voando, e até uma criatura sentada na minha frente levantando os braços e se divertindo como se estivesse numa montanha russa. Já atravessei furacão em formação, decolamos numa onda de ventos muito fortes que estavam cancelando voos pelo país, e claro, já vi outros aviões passando bem pertinho do meu, fazendo aquelas faixas no céu, como rastros de passagem.

Também poderia comentar sobre acidentes famosos aqui, já que conheço vários e estranhamente gosto de saber sobre o assunto, mesmo morrendo de medo de voar.

Sobre o medo que eu tenho em si, eu me convenci que eu tenho que buscar a ajuda de um psicólogo. Eu sei que o que eu sinto não é normal da maneira como se intensifica, porém eu sei e continuo confiando nas aeronaves, tripulação e todos os envolvidos na aviação. Mesmo com toda essa consciência positivo, eu não consigo parar de ter medo. E para aqueles que tem medo como eu, só resta uma coisa a ser feita: enfrente esse medo de frente, que conhecer novos lugares é extremamente gratificante, e valerá a pena todo momento de tensão que nós passamos.

Bem no meio do Atlântico

Bem no meio do Atlântico

Anúncios

Na Rússia eu…

Na Rússia eu…

…fiz um anjo de neve no chão fofinho;

…bebi chá pela primeira vez na minha vida;

…presenciei os primeiros momentos da vida de filhotinhos de cabra;

…vi o céu estrelado mais bonito de toda a minha vida;

Limpando cabrinhas recém-nascidas

Limpando cabrinhas recém-nascidas

…não senti frio mesmo com uma temperatura de -30 graus;

…me acostumei a subir 5 andares de escada só para falar com meus amigos;

…escorreguei no gelo e caí de nuca no chão;

…sempre tinha o meu cabelo volumoso, que nem a crista de um leão;

…pela primeira vez peguei um ônibus lotado;

Middle of nowhere

Middle of nowhere

…passei madrugadas em claro jogando Dota, só para socializar;

…dividi uma cabine de trem com três homens que nunca havia visto;

…atolava o meu pé constantemente andando na neve;

…cozinhei o brigadeiro mais gostoso da minha vida;

…e fiz o pior café que pude imaginar;

Pose na neve!

Pose na neve!

…conheci um senhor no ônibus que lutou na guerra do Afeganistão em 1979;

…me perdi quando parei na estação de ônibus errada;

…percebi que ninguém sabia o que era “Doritos”;

…passei um fim de semana num vilarejo no meio do nada;

…descobri que tudo é muito barato;

Matrioskas

Matrioskas

…cozinhei salsicha no microondas, e até que ficou gostoso;

…fiz uma “rosquinha” com a fumaça do vento frio;

…aprendi a fazer sushi, e o apresentei como uma comida brasileira;

…me acostumei com a quantidade de estátuas do Lênin nas praças das cidades;

Alguns dos meus tickets de ônibus

…patinei no gelo, e foi terrível;

…almoçava McDonald’s quase todo dia, e achava uma delícia;

…assisti um jogo da Champions League no estádio, e pedi pra minha mãe tentar me ver na televisão;

…ganhei uma família russa;

…descobri que a neve tem cheiro;

Euzinha, no primeiro dia na Rússia!

Euzinha, no primeiro dia na Rússia!

…subi no telhado de um prédio;

…comi um sanduíche de 30 centímetros, e não sei como;

…assisti um comício do Partido Comunista, e me senti de volta no tempo;

…saí do metrô e emergi no meio de um protesto contra o governo;

…realizei um grande sonho ao conhecer esse lugar incrível.

 

Esse foi um pequeno texto que escrevi no avião, saindo de Moscou. Acabei o encontrando por acaso numa agenda antiga.

1 ano de alegria

Budapeste vista da Citadella

Budapeste vista da Citadella

Hoje é dia 12 de abril de 2014 (22:35 da noite). Esse texto sairá de uma vez só, sem revisões, estética nem nada. Simplesmente vou colocar pra fora todos os sentimentos que me vêm à mente devido a esta data especial.

Nesse exato momento há um ano atrás (considerando jetlags) eu estava no aeroporto de Fortaleza super estressada pelo fato de que o meu voo para Lisboa havia atrasado. Por consequência, eu estava tomando um belíssimo chá de cadeira no aeroporto. A sorte? Havia um wi-fi, já que o meu 3G estava horroroso ali.

Fui bem viajante. Estava com uma sapatilha bem confortável, calças jeans nem tão apertadas, uma blusa de algodão da Betty Boop, uma mochila nas costas e uma bolsa no ombro.

Em Fortaleza eu havia comido um pão de queijo com coca-cola. Para mim, uma alimentação tranquila, que eu comeria tranquilamente sem passar mal ou coisa assim. Mas chegou uma hora em que eu estava com fome de novo, e o único cheiro que me vinha era o de café. Confissão do dia: eu odeio café e fiquei enjoada.

Pior ainda, eu estava morta de sono e essas cadeiras de aeroporto não são cômodas pra quem quer dormir. Nem deitar dava.

Esse estresse estava misturado com o medo de avião (eu tenho, acreditem!), e a ansiedade. Ao contrário da maioria das ansiedades que eu sinto, eu estava bem mais insegura. Será que alguém iria me buscar no aeroporto? Será que essas seis semanas seriam complicadas ao ponto de me fazer arrepender dessa decisão? Será que não era melhor eu ter ficado em casa? Onde que eu vou morar?

Isso que eu já me considerava uma pessoa “experiente” em termos de viagens… Um ano e meio antes quando eu fui pra Rússia eu não estava assim não. Felizmente, o meu coração estaria me preparando para uma incrível experiência!

Embarquei e sentei. A impressão que tive foi que o tempo voou! Simplesmente o avião decolou, eu jantei, dormi e já estávamos descendo em Lisboa. Geralmente eu me sinto presa numa eternidade que não passa dentro do avião… isso em viagens de 12 horas, e ali eu ficaria no voo por “apenas” 7.

Cheguei em Lisboa, passei pela imigração, comi alguma coisa e esperei o voo para o destino final. Eu estava muito, mas muito nervosa!

Era no “vai ou racha”. Entrei no avião e sabia que ali era pra valer. Segurei a respiração. Tentei dormir e não conseguia. Comecei a ver o mar abaixo de mim e não sabia onde eu estava. Deveríamos passar pelo mar? O mar virou terra de novo. A terra virou montanha. Estávamos nos Alpes. Isso significaria que eu estava perto de chegar, ou pelo menos uma boa distância já tinha sido percorrida.

Enquanto isso, o almoço foi servido e eu não consegui comer. Tomei um suco e comi o arroz, e outras coisas que eu achava que eu iria aguentar no estômago. Retiraram o jantar. Tentei dormir pra ver se o tempo passava.

Parecia que aquele voo de 3 horas estava durando mais do que o de 7 que eu tinha acabado de fazer. Então os Alpes acabaram. Embaixo de nós só havia planície. Eu sabia que estávamos chegando.

Do nada, eu vi um fio d’água brilhando com o pôr-do-sol. Percebi que eu via uma cidade ao redor desse rio. E pouco a pouco eu tive a certeza de que aquela forma da cidade e daquele rio era Budapeste! Fiquei extremamente feliz! Segunda confissão de hoje: cheguei ao ponto de chorar.

Desci do avião e fiquei esperando minhas malas. Confissão número 3: estava funcionando no automático, já que eu não sabia o que iria acontecer. Simplesmente deveria estar preparada para tudo!

A maior alegria foi quando eu vi o Zsolt carregando uma plaquinha com o meu nome! Alguém tinha lembrado de mim! Aquela pessoa que eu mandava vários emails para lembrar que eu estava chegando apareceu! Confissão número quatro: eu relaxei completamente ao vê-lo.

Tive o melhor buddy do mundo! Sem mais delongas, ele foi um amor comigo, do início ao fim. Sempre muito atencioso e gentil, ele me mostrou o melhor lado da Hungria, e desde o início ele se mostrou bem solícito em me ajudar. Eu acho que eu fui a única trainee que foi levada de carro ao redor do Danúbio durante o pôr-do-sol e o acender das luzes. Essa lembrança fica pra sempre!

Ele me levou pra casa e a princípio eu fiquei com medo. A vizinhança numa primeira vista parecia assustadora. Eu teria de atravessar um parque, e estava frio e escuro.

Do nada vem uma garota na nossa direção e era a Rekha, a minha roomate que participaria do projeto comigo. Ela foi um amor comigo desde o início também! Ela me mostrou a casa, me ofereceu o computador dela (já que era sábado e o wifi para mim seria liberado apenas na segunda) e já foi me chamando pra sair, mas eu não estava me sentindo bem.

Eu só queria tomar um banho e dormir. Não consegui dormir. Tomei um dramin e não adiantou. E digo que não adiantou nada, que eu não consegui fechar o olho e ainda vomitei tudo que eu havia comido nas últimas 24 horas.

Acordei horrível. Segundo a Rekha, havia pão na cozinha e umas sopas que ela havia buscado na escola. Só que o pão já estava mofado e a sopa estava fora da geladeira, e provavelmente já estava estragada. Não sei o que que ela estava comendo naquela casa.

O Zsolt voltou no dia seguinte e me ajudou a comprar o chip de celular e o passe de ônibus mensal. Depois ele me deixou em Margitsziget e depois é só história. Conheci muita gente boa naquele dia, que ficou na memória como um dos melhores dias ever. Me sentia dentro de um filme! O céu estava azul, a grama verde, o piquenique estava gostoso e as pessoas eram incríveis. Depois fui curtir o melhor pôr-do-sol da minha vida lá no Castelo de Buda.

Uau!

Agora depois de tudo o que eu escrevi (23:11) eu vou ler o post “Primavera em Budapeste“, escrito no dia 20 de abril do ano passado. Sim, eu não atualizei o blog com tanta frequência quando eu estava na Hungria, e convenhamos, eu tinha muitas coisas para fazer lá. :)

Uma outra coisa curiosa desse post é que ainda são 12 de abril por aqui, mas ele vai ficar com a data de 13 de abril, devido ao fato de que o horário que eu seleciono é de acordo com o GMT 0, e não com o GMT -4 de onde eu moro. De qualquer maneira, dia 13 de abril foi o dia de fato em que eu cheguei na Hungria.

Eu vou comparar o que eu escrevi agora com esse post do ano passado e verificar o quanto eu mudei em relação ao que se passou durante esse tempo. Uma coisa é certa: Essa foi a experiência mais preciosa da minha vida! Voltaria para trás e faria a mesma coisa de novo. E de novo. E de novo…

Budapeste.

Budapeste.

Momento depressão: quero voltar pra Rússia!

Então, faz alguns dias que eu me encontro meio pensativa e sentindo muita nostalgia! Geralmente eu sou assim por natureza, mas a TPM combinada a algumas mensagens de amigos no whatsapp fizeram com que essa vontade de voltar pra Rússia fique mais forte!

Mas por que raios eu quero voltar pra Rússia?! Três pequenas razões:

  • A minha passagem por lá me ensinou muito. Desde como agir com as pessoas até formar a minha própria independência.
  • Eu me sinto sincronizada com a personalidade e o modo de vida do povo russo.
  • A Rússia é um lugar com história e cultura extremamente ricas.

Estou determinada a voltar pra lá logo, e se possível ainda esse ano. Estou me programando para viajar em Setembro, e vamos ver se consigo colocar a Rússia nesse itinerário!

Mas o que eu vim compartilhar agora não é um choro de saudades, e sim algumas sensações sentidas em solo russo. Assim que eu voltei pra casa, eu fiz uma relação de diversas coisas que, enfim… Na Rússia eu…

…vi o céu mais estrelado da minha vida.

…aprendi a tomar chá para agradar os outros.

…entendi o que significa “necessidade”, e tive que passar por ela.

…coloquei a expressão “te desafia” em primeiro plano.

…me coloquei na pele de terceiros e entendi os seus motivos para a tomada de decisões.

…senti saudades do Brasil depois de assistir um comercial com imagens do Rio de Janeiro.

…descobri que é possível viver feliz sem ter muito.

…senti na pele o quanto é difícil patinar no gelo.

…e também descobri que a neve e o frio nem são tão traiçoeiros assim.

…vi um comício do Partido Comunista e me senti de volta a 1917.

…comparei o Rio Volga ao Negro e acabei nem me sentindo tão longe de casa assim.

…percebi o quanto a minha região é rica após ver todas aquelas árvores mortas e cheias de neve.

…me senti que nem uma formiguinha no metrô de Moscou.

…fiquei rodeada de 90000 pessoas num jogo de futebol. Não, eu nunca havia ido a um jogo assim.

…senti calor quando a temperatura subiu para -9 graus.

…descobri que pessoas podem ter carinho por você por apenas muito pouco.

…me inspirei para colocar meus sonhos no papel.

…descobri que é possível sim subir na vida.

…coloquei meu corpo ao limite, em todas as situações.

…senti o cheiro da madeira pura quando comprei minha Matrioshka.

…vi as pessoas lutando pelos seus direitos, lutando contra a opressão e tirania.

…descobri um povo maravilhoso que se esconde por debaixo de uma carapuça dura.

…fui confundida com russa várias vezes.

…comecei a usar a maquiagem com mais frequência. Russas usam muita maquiagem!

…jantei num dos melhores restaurantes de Moscou e não paguei muito caro (milagre!).

…descobri que o jeitinho brasileiro é capenga perto do jeitão russo.

…entendi o significado de orgulho.

…aprendi a cozinhar umas comidas maravilhosas.

…ganhei uma segunda família.

…senti muitas saudades.

…aguentei firme todas as adversidades.

…e me apaixonei pelo país!

…conheci pessoas que não tinham sonhos…

…e que após ver uma pessoa que veio de tão longe somente para dar uma nova perspectiva de vida pra eles os fizeram… ter sonhos!

50 sensações possíveis só para quem fez intercâmbio

Existem situações e vivências que são únicas, e cada experiência internacional que vivi me agregou muita coisa. Por isso digo que meus intercâmbios foram únicos e extremamente importantes para o meu crescimento como pessoa. Pensa em fazer algum nos próximos meses ou anos? Se prepare para alguma das melhores sensações da sua vida!

  1. Lidar com pessoas de diversos países será super comum. É tipo uma volta ao mundo sem sair de um só lugar;
  2. Com tanta diversidade cultural, as pessoas começarão a achar seus hábitos rotineiros um tanto estranhos;
  3. Mas não se preocupe, já que pessoas que você conhece há poucas semanas se tornam amigos de infância;
  4. O lema “Viva como se não houvesse amanhã” ganha um significado totalmente diferente;
  5. Se você não sai da sua zona de conforto em casa, certamente o fará durante o seu intercâmbio;

    Como não amar esse dia e essas pessoas?

    Como não amar esse dia e essas pessoas?

  6. Falando em sair da zona do conforto, se perder na cidade, pegar o ônibus errado e até passar vergonha alheia na rua é normal;
  7. E quando você comenta essas experiências com algum outro intercambista, ele(a) vai te contar alguma história bem mais bizarra;
  8. Não gosta de McDonald’s, KFC e qualquer marca de fast food? Não adianta, você sempre irá dar um pulinho por lá para poder economizar dinheiro;
  9. Na verdade, a frescura com a maioria das comidas acaba. O importante é se manter alimentado. Até mesmo um miojo ajuda!;
  10. Falando de comidas, sempre terá alguma comida típica que você vai se apaixonar. Caso ela não seja vendida no Brasil, algum dia você vai tentar pelo menos fazê-la em casa (ou morrer de vontade);

    Lángos doces

    Lángos doces

  11. Mal você chega e todo mundo quer que você poste suas fotos. Assim, todo mundo viaja “junto”;
  12. Além do mais, todo mundo quer conversar no skype com você. Acredite, conversar com alguma pessoa no Brasil é uma das melhores sensações, além de aquecer o coração;
  13. Dá vontade de chorar quando chegamos em um lugar que no fundo, sempre sonhamos em conhecer;
  14. Qualquer pequeno detalhe já é motivo pra tirar foto;
  15. Você vai descobrir que jovens são iguais no mundo todo, e que de alguma maneira, todos falam a mesma língua;

    Brasileiros lindos, em Brastislava

    Brasileiros lindos, em Brastislava

  16. Você sempre conhecerá pessoas diferentes. É tipo virar popular “ao redor do mundo”;
  17. E bote diferença e diversidade nisso. Minha roomate em Budapeste tem nacionalidade australiana, porém é nascida em Singapura, e 100% descendente de indianos. Fora isso, ela também já morou na Indonésia, Índia, Omã e Malásia. Parece que não, mas você vai encontrar muita gente com background diverso no seu intercâmbio;
  18. Apesar de toda essa diversidade dela e da minha (uma mistura de alemães, colombianos, marroquinos, indígenas, portugueses e nem sei mais o quê), conseguimos encontrar semelhanças culturais bem marcantes! Moral da história, apesar das diferenças, o que importa são as semelhanças;
  19. Pequenas coisas, como um tal pôr-do-sol ou uma vista a um céu estrelado se tornarão momentos marcantes durante a sua vida inteira;
  20. Você vai se lembrar para sempre daquela festa que todo mundo estava feliz, aquela celebração cultural única, daquele momento em que seus amigos riram…;

    Ingresso do jogo CSKA Moscou x Real Madri

    Ingresso do jogo CSKA Moscou x Real Madrid

  21. Pois o importante é ter histórias para contar aos seus netos, e você terá muitas delas para compartilhar;
  22. Mas tenha ciência que você também terá histórias ruins. Não vá se iludir que tudo seja um arco-íris;
  23. Qualquer probleminha se torna uma dor de cabeça enorme;
  24. E quando você volta para o Brasil, você ri dessas situações chatas. Afinal, é sempre bom ver tudo pelo lado positivo;
  25. Sentir saudades de casa é inevitável. Tem vezes que a melhor coisa do mundo é lembrar da sua cama, da comida da avó, e especialmente uma piscina quando você pega aquele inverno bem rigoroso;

    Middle of nowhere

    Middle of nowhere

  26. Se você está fora do Brasil durante o carnaval, o réveillon, o sete de setembro ou alguma outra data comemorativa, o coração meio que aperta;
  27. E chega um momento em que comer qualquer coisa que te lembre a comida de casa é a melhor coisa do mundo;
  28. Você não consegue sentir medo, comparado com a sua vida no Brasil;
  29. Mas quando tudo dá errado, a vontade que dá é de sair correndo para o aeroporto;
  30. Mas tem algo que te prende por lá, e o seu coração diz que é necessário tentar;

    Moscou, na semana final

    Moscou, na semana final

  31. Também existem as comparações. Não dá pra deixar de comparar qualquer coisa com o Brasil;
  32. E até que você consegue ter umas ideias sobre o que poderia melhorar na sua cidade de acordo com as coisas que você vê durante o seu intercâmbio;
  33. Independente se o intercâmbio for pra estudar na faculdade, idiomas, trabalhar em empresas ou como voluntário, você vai ter o interesse de fazer um próximo, com alguma atividade diferente;
  34. E dá aquela vontade de viver uma experiência única dentro de sua experiência única. Talvez comprar os ingressos daquele jogo importante, pagar um jantar num restaurante exótico ou viajar para a cidade dos seus sonhos seja a melhor coisa que você já tenha feito;
  35. E quando você volta pra casa, você lembra de todos esses fatos com muito carinho;

    Tem coisas que guardamos com muito carinho!

    Tem coisas que guardamos com muito carinho!

  36. Mas ao mesmo tempo fica aquela sensação de “poderia ter feito mais”;
  37. E quando você esbarra com alguém na rua que vai fazer intercâmbio na mesma cidade que você fez, seus olhos começam a brilhar, e você se voluntaria para dar dicas e afins;
  38. E sempre fica aquele gostinho de quero mais;
  39. Daí você percebe que viajar é a melhor coisa, e que é necessário sempre conhecer algo novo;
  40. E o tempo passa, e aquelas pessoas que você convivia no intercâmbio ainda são muito queridas;

    Vista de Szentendre

    Vista de Szentendre

  41. Daí a frase “Recordar é viver” também ganha um novo sentido;
  42. E dá uma vontade de viajar para todos os países para dar um abraço nos seus amigos;
  43. Então você fica super alegre e comenta como se fosse o maior especialista no assunto quando você vê na mídia alguma coisa deste lugar;
  44. Afinal de contas, por um determinado tempo, você foi um cidadão daquela cidade, e se misturou na multidão como se fosse um americano, inglês, francês, espanhol típico;
  45. Dá uma vontade de documentar o que você faz, seja através de fotos, textos, postagens;

    Felicidade imensa ao ver a neve pela primeira vez! :)

    Felicidade imensa ao ver a neve pela primeira vez! :)

  46. Não se preocupe, que a nostalgia é um sentimento bem comum;
  47. E apesar dos momentos bons, ruins, felizes ou tristes, um consenso geral é de que essa é a melhor experiência da vida;
  48. E que você viveria tudo aquilo de novo;
  49. E o que resta agora é compartilhar;
  50. E estimular os outros a terem uma experiência semelhante.
Por que o importante é ser livre!

Por que o importante é ser livre!

 

 

 

Seja a mudança!

No dia 7 de janeiro de 2012, eu estava indo mudar a minha perspectiva de vida. Consegui uma oportunidade de viajar para a Rússia e me desafiar sendo voluntária numa escola do interior.

Sabe quando a pessoa tem vontade de fazer alguma coisa, mas parece que tudo é difícil? Antes eu nem conseguia ligar para pedir uma pizza, dirigir era impossível e eu tinha medo de tudo. Decidi me dar um tratamento de choque logo de cara.

Trocaria o conforto da minha casa por dormir numa cama de ferro. Sairia do calor amazônico para o frio do inverno siberiano. Teria que me desafiar em uma cidade onde as coisas fluem diferente da minha.

Tudo ia mudar. Alfabeto, comida, amigos, clima e mais… Eu também iria mudar! E ainda bem que foi pra melhor.

Aprendi a não ter medo das coisas. Aprendi que eu poderia fazer tudo que eu quisesse, desde que eu me dedicasse bastante. Aprendi a cultivar amigos, apesar das diferenças. Aprendi que eu não devo guardar mágoas no meu peito. Entendi que é possível mudar o mundo se cada um fizer sua parte, e que a paz é sim uma utopia, mas não poderemos ficar inertes a tudo que acontece ao nosso redor.

Eu vi coisas incríveis durante a minha estadia na mãe Rússia. Conheci a Praça Vermelha, presenciei o ritual do batismo, peguei um frio de -40, e me senti de volta à 1917 quando olhei pro lado e vi um comício do Partido Comunista com todos aqueles operários balançando bandeiras com o martelo e a foice.

Eu estava na Rússia num momento em que os olhos do mundo estavam virados para ela. Eleições presidenciais iriam acontecer na semana que eu saí de lá, e vários protestos aconteceram antes e depois da minha chegada ao país.

Por uma leve coincidência, a Rússia também se encontra aos olhos do mundo agora também.  As olimpíadas de inverno estão prestes a acontecer e um grupo de pessoas querem causar uma tragédia. Volgogrado já sofreu 3 atentados terroristas e a minha linda Saratov está num clima de tensão muito grande. Segundo a minha host, são policiais pra todo lado, revistando bolsas, pedindo pra tirar os casacos e muitos deles portam armas à vista.

Mas não quero falar de tragédias aqui. Quero simplesmente agradecer pela experiência que mudou a minha vida. Obrigada Rússia pelos ensinamentos e por ter me tornado uma pessoa mais completa.

Que cada ano seja melhor que o anterior!

O que eu posso falar de 2013? Desafiante? Muitas responsabilidades? Experiências novas?

2013 foi o ano em que eu aumentei minha “rede global de amigos”. Conheci pessoas de lugares que jamais pensei sequer que teria algum tipo de contato, e descobri tantas coisas incríveis sobre esses lugares que comecei a perceber que eu preciso sair da concha. Descobrir, sentir, pesquisar e viver!

Como não amar esse dia e essas pessoas?

Como não amar esse dia e essas pessoas?

 

Ainda não saí 100% da minha zona de conforto, porém tenho consciência de que a cada ano que passa, fico mais sábia em relação a várias coisas. Aprender com o próximo é uma virtude que se adquire com as diferenças e com o choque do que parece ser ordinário para muitos.

Esse ano me encantei com a Hungria! Vi tantos lugares lindos, pessoas felizes e uma organização interessante. Num país bem pequeno do centro da Europa nem parece que é possível abrigar tanto conhecimento em ciência e tecnologia. Assim como nem parece real a variedade de coisas para se fazer ali.

Apaixonada por essa vista!

Apaixonada por essa vista!

Mesmo não tendo viajado pra Singapura, descobri tanta coisa sobre essa cidade-estado por meio da minha roomate, que o meu maior desejo no momento é comprar uma passagem para lá e me hospedar no Marina Bay Sands, só para poder entrar na piscina de lá (risos). Meu chaveirinho de Singapura tá lá pendurado junto com a chave do meu carro, só para me lembrar dessa vontade todos os dias!

Esse ano descobri uma vontade enorme de conhecer a Ásia (falta dinheiro e tempo, poxa) e sei que vou conhecê-la de alguma maneira! Tenho certeza de que a Ásia é um continente fantástico e que eu já adquiri toda a resiliência que faltava para pelo menos conhecê-la e admirá-la!

2013 foi o ano em que eu mais saí da zona de conforto. Ter que andar bastante para poder chegar numa parada de ônibus, madrugar se for preciso para fazer alguma coisa, dormir de qualquer jeito no trem e na estação pra esperar o tempo passar, e também ter de fazer coisas de casa quando ninguém mais pode fazer isso por você.

Também aprendi muitas coisas. Amigos são fáceis de fazer quando se existe abertura. Se você procurar conhecer a quadra da sua casa, você pode descobrir coisas incríveis. O mundo não sabe realmente o que é a Amazônia. Não precisa ter medo, por que o não você já tem. Também aprendi a me cuidar melhor, ou a sua saúde chama a atenção (risos para a minha volta ao Brasil).

Enquanto isso no Zoológico em Budapeste...

Enquanto isso no Zoológico em Budapeste…

Provei sabores de todo tipo de comida! Pela primeira vez eu comi vegemite na vida (e odiei, eca), e na troca de comidas exóticas, dei um coração de frango para a minha roomate provar e ela também não gostou. Comi vários Gyros e pela minha tristeza, não sei como prepará-los aqui. Também bateu uma saudade do Lángos, mas esse já consegui cozinhar por aqui.

Comprei uma barra de chocolate gigante por 300 HUF. Gastei 100 euros que haviam sobrado só com roupa (e muita, muita muuuuuuuuuuuuuita roupa), e saí da Hungria com a minha mala beirando os 32 kg permitidos da companhia aérea mais 3 bolsas de mão. Comprei um casaco de frio MUITO BOM na Alemanha por 12 euros. Comprei mais souvenirs do que nunca, e deixei eles todos guardados num armário especial para eles. Descobri até que um “amigo” pegou um desses souvenirs de mim e o deu para outra pessoa.

Também me certifiquei em 2013 que o meu futuro não está aqui, e que eu preciso de muita sabedoria para ir atrás dos meus sonhos! Estudar mais, ser mais focada, otimizar o meu tempo. Tomara que essas coisas que estou planejando para 2014 (segredo!!!) se tornem realidade.