10 coisas que você precisa saber sobre Las Vegas

“What happens here stays here” é o que eles dizem. Enfim, Las Vegas é uma cidade que é o paraíso do entretenimento em todos os níveis, e o que não faltam são oportunidades de diversão para pessoas de qualquer idade. Mas fugindo um pouco do conceito de “o que fazer em Las Vegas em … dias”, vou te dizer aqui 10 coisas que você precisa saber sobre essa cidade maravilhosa!

  1. Todo hotel/cassino possui um tema diferente 

    Las Vegas é uma cidade cuja grande parte de sua renda vem do turismo, então ali existem uma série de hoteis e cassinos para suprir a demanda, mas qual seu diferencial perante à concorrência que é forte?
    Uma coisa simples e óbvia que as grandes redes de hoteis fazem é a renovação e modernização, o que as ajuda a se manterem no topo. Mas outro atrativo que parece bem mais determinante são os temas! Se hospedar num hotel de tema romano, ou medieval, ou egípcio, que tal? Os hoteis realmente entram no clima do lugar ou cultura que eles representam, então a melhor coisa a se fazer é literalmente “se jogar”. Seja andando de gôndola em “Veneza” ou comendo numa pâtisserie em “Paris”.

    Fachada do cassino "New York, New York"

    Fachada do cassino New York, New York

  2. A entrada nos cassinos é gratuita 

    Mesmo se você não se hospedar em determinado hotel, você é muito mais que bem vindo nos cassinos que eles possuem! Obviamente eles querem que você jogue e gaste seu rico dinheirinho nas mesas de pôker e nas máquinas de apostas dos cassinos.
    Mesmo que você não saiba jogar ou nem goste de gastar dinheiro em jogos de azar (eu, nos dois casos), conhecer os cassinos é uma boa experiência turística, mas é sempre bom ficar de olho: os cassinos são muito espertos e hoje eles possuem uma tecnologia que dificulta muito que as máquinas deem resultados positivos aos apostadores.
    Para entrar em qualquer cassino, é só ir entrando, e nada mais!

    Tem cassino até no aeroporto de Las Vegas!

    Tem cassino até no aeroporto de Las Vegas!

  3. Alguns hoteis não permitem a entrada de crianças 

    Em algumas cidades dos Estados Unidos, certos estabelecimentos proíbem a entrada de crianças: o que é polêmico para muitos, especialmente aqui no Brasil onde essa ideia já começou a chegar. Nesta viagem para a Califórnia e Nevada em especial percebi muitos lugares que tinham essa política.
    Enfim, Las Vegas possui alguns hoteis que nem permitem a estadia de famílias com crianças, e se você se enquadrar nestes casos, recomendo que verifique a política do hotel que você tem em mente.
    Que fique claro que eu estou falando sobre hospedagem e o simples trânsito dentro do hotel, já que só dá para apostar e jogar com 18 anos de idade.

    Fachada do Wynn (que é um que não aceita crianças)

    Fachada do Wynn e do Encore (que descobri que não aceitam crianças)

  4. Las Vegas é um excelente lugar para se fazer compras 

    Observei e comparei Las Vegas com outras cidades dos Estados Unidos que possuem uma tradição maior em compras, como New York, Orlando e Miami. Minha opinião é: Las Vegas é uma ótima opção para quem está interessado em gastar dinheiro com compras!
    Por ser uma cidade turística, é natural achar que shoppings e centros de compras se atraem por Las Vegas. Os maiores cassinos possuem várias lojas no seu interior, e também existem shoppings e outlets no entorno da cidade. Descontos são comuns em muitas lojas, inclusive comprei várias coisas no estilo “compre um produto e ganhe 50% de desconto no segundo”.
    Dentro dos cassinos, os melhores centros de compras se encontram no Venetian/Palazzo, no Bellagio, no Ceasar’s Palace e no Planet Hollywood. Na strip, adorei o shopping Fashion Show, próximo ao Wynn, e talvez os outlets mais famosos sejam os Outlets Premium, em North e South Las Vegas.
    Algumas das lojas desses centros de compras (só pra dar um gostinho) são Prada, Gucci, Louis Vuitton, Michael Kors, Dolce and Gabbana, Ralph Lauren, Jimmy Choo… é pra enlouquecer de vez!

    Shopping Fashion Show (com essa estrutura em cima)

    Shopping Fashion Show (com essa estrutura em cima)

  5. Tudo é motivo para gastar dinheiro 

    Em Las Vegas parece que o dinheiro voa das mãos, tipo nos desenhos animados. É possível de gastar dinheiro com o que literalmente você quiser (fica aqui o esclarecimento), mas qualquer coisinha é motivo de ver seus dólares indo pelo ralo.
    Já citei os cassinos e as compras, mas fora isso existem uma série de shows e atrações que você não pode perder (tipo o Cirque du Soleil, que vou falar mais abaixo). Fora isso, você TEM que entrar na loja do M&M’s! Quatro andares com absolutamente tudo que você imaginar que é derivado de M&M’s, fora aquela parede maravilhosa que vem todos os M&M’s separados por cor. Bem ao lado fica também a loja da Coca-Cola e juro que quase paguei 50 dólares só para tirar uma foto com aquele urso branco que aparece nos comerciais de natal, haha.

    Muita variedade de chocolates na loja do M&M's <3

    Muita variedade de chocolates na loja do M&M’s <3

  6. Se você nunca assistiu a uma apresentação do Cirque du Soleil, faça isso em LV 

    Las Vegas possui 8 apresentações permanentes do Cirque du Soleil, e todos os dias da semana vão existir shows onde você poderá ir! Como eu moro no Norte, nunca veio nenhuma performance do Cirque pra cá, e nunca pensei em me programar para ir em alguma outra cidade do Brasil, então juntei o útil ao agradável e fiz questão de assistir uma apresentação durante as minhas férias.
    Acabei assistindo ao espetáculo “O” e contei a minha experiência nesse post aqui. Simplesmente incrível, vale cada centavo! E vale muito a pena sentar próximo ao palco: você vê todos os detalhes e formas, coisa que acredito que nos últimos lugares, com os ingressos mais baratos, você acaba não tendo essa impressão.

    Dentro do Bellagio, que é o hotel que acontece a apresentação do "O"

    Dentro do Bellagio, que é o hotel que acontece a apresentação do “O”

  7. Entrega de panfletos sobre “serviços” nas ruas 

    Uma coisa que eu achava curiosa e que também me perturbava um pouco é que em locais determinados da strip, uns homens ficam entregando panfletos para a multidão. Muitos desses panfletos eventualmente terminam no chão sujando tudo (o que é obviamente um problema), mas o conteúdo deles era o que chamava a atenção.
    Todos eles ofereciam serviços de “escort”, que é uma maneira bonitinha de dizer prostituição. Curiosamente essas pessoas só entregavam os panfletos para homens, e lá nos panfletos tinha telefone, endereço e outras coisas que indicavam onde encontrar esses serviços.

    High Roller ao fundo

    High Roller ao fundo

  8. A Strip está cheia 24h por dia 

    Diferentemente da grande maioria das cidades do mundo, Las Vegas possui multidões de pessoas em todas as horas do dia! Claro, com shows, nightclubs, bares e outras atrações, a cidade não para nunca!
    As calçadas e ruas estão sempre movimentadas, e se você encontrar algum lugar com menos gente, é bom ficar alerta, pois possivelmente aquele lugar não deve ser seguro.

    Show das fontes, que acontece todas as noites

    Show das fontes, que acontece todas as noites

  9. Mantenha-se 100% hidratado 

    Tá, comecei esse tópico com uma piada, mas a dica de beber muita água durante sua estadia em Las Vegas é muito séria. Se você olhar ao redor, a cidade fica no meio do nada, bem no meio do deserto de Mojave, então já imaginamos que a umidade é bem baixa.
    Confesso que minha pele do rosto e meu cabelo amaram a secura, mas meus tornozelos não, haha. Então além de beber muita água, não se esqueça de passar um hidratante e também o bom e velho protetor solar.

    Fachada do Venetian/Palazzo

    Fachada do Venetian/Palazzo

  10. A Strip é muito engarrafada 

    Basicamente quase tudo que você pode imaginar em Las Vegas se encontra na Strip, e por incrível que pareça, essa larga avenida de 4 vias por sentido fica congestionada quase todo o tempo!
    É muita gente entrando e saindo dos estacionamentos e parando nas calçadas o tempo todo, o que irrita um pouco. Às vezes compensa ir caminhando de um ponto a outro, mas não se engane pois a strip pode parecer curta, só que não é! Com a questão da umidade baixa, é fácil ficar com sede durante caminhadas longas, então é sempre bom ir tomando algo no caminho.

    Fachada do Paris

    Fachada do Paris

Então, espero que vocês tenham gostado! Aproveite a ida à sin city e não se esqueça da primeira frase do post: o que acontece em Las Vegas fica em Las Vegas.

Anúncios

Park review: Magic Kingdom

O Magic Kingdom (ou MK) é sem dúvida o mais icônico de Orlando! Ali, a imagem do castelo da Cinderela se mistura com a própria Disney, e com certeza é o lugar “Where dreams come true” (pelo menos no meu caso, hihi).

De todos os parques da Disney em Orlando, o MK é o mais antigo, e teve como inspiração a Disneylândia, que fica na Califórnia. Fica a dica que algumas atrações são iguais no Magic Kingdom, na Disneylândia e nos outros parques da Disney pelo mundo!

Em Orlando, o MK está dividido em 6 seções, a Main Street USA, Adventureland, Frontierland, Liberty Square, Fantasyland e Tomorrowland. Com pique, é possível sim ver muitas atrações do parque em um só dia, mas também fique atento à época do ano que você vai, e também no tamanho das filas por atração. Querendo ou não, pequenos detalhes podem influenciar na quantidade de atrações que você poderá ver por dia no parque.

Para aqueles que estão nos hoteis da Disney, consulte o concierge para saber qual a melhor maneira de ir até o MK, seja por monotrilho, barco, ou mesmo o ônibus próprio da Disney. Para os hóspedes de outros hoteis, existe um estacionamento amplo, onde é necessário pagar 17 dólares logo na entrada. Depois, é só seguir adiante observando as orientações dos funcionários sobre onde estacionar. Depois de parar, é só esperar um trenzinho que vai te levar à entrada do monotrilho. Não se esqueça de lembrar o setor e fila do estacionamento onde você parou!

Caso você tenha comprado o ingresso online e vai buscar lá, consulte os guichês logo antes da entrada do monotrilho, que logo eles lhe darão os cartões de entrada. Neste cartão se encontram todas as reservas feitas por você: sejam nos fast passes, restaurantes e afins. Após, é só entrar no monotrilho, que ele te levará até a entrada do parque! Ah, cuidado na hora da saída, e observe qual o monotrilho que vai direto ao estacionamento (já que tem outro que te leva para três hoteis Disney: Polynesian, Contemporary e o Grand Floridian).

Aqui, eu vou apresentar as atrações, tentando me manter imparcial, já que gostos mudam. Espero que ajude quem está procurando onde ir no MK! Mas não se esqueça:

– Já chegue ao parque com os fast passes e outras reservas devidamente marcadas (via My Disney Experience);

– E também prepare-se pra andar e ficar em pé em outras filas. Tá que algumas filas não demoram tanto, e dá pra esperar;

– Se possível, leve uma garrafinha para encher nos bebedouros (geralmente próximos aos banheiros), e alguns snacks para ir enganando o estômago no caminho;

– Celular e câmera carregados também, viu!

1. Main Street USA

Com um tema meio que de Anos 1920, a Main Street USA é a “rua de entrada” do Magic Kingdom. Após a entrada do parque, você dará de cara com a Main Street, e no fundo, o Castelo da Cinderela! Basicamente de qualquer ponto ali, dá para tirar uma linda foto com o castelo ao fundo.

Por ser logo no início, ali não existem muitas atrações propriamente ditas, mas dá pra fazer várias coisinhas. Não se esqueça de pegar um mapa (disponível em português também) e um times guide logo depois da entrada.

Desfiles:

– Festival of Fantasy Parade: Este desfile acontece às 3 da tarde, e é bem divertido por causa da presença de vários personagens da Disney, como a Cinderela, Rapunzel, Branca de Neve, Peter Pan, Pluto, Pato Donald, Mickey, Minnie e por aí vai! Bem antes das 3, as pessoas já começam a ficar ali na frente da Main Street guardando lugar, então fique de olho!

– Wishes Nighttime Spetacular: Este é o famoso show que conta com fogos de artifício de todas as formas e cores. É muito bonito e emocionante também (especialmente para uma fã da Disney que nem eu, hihi). Ele acontece todos os dias, geralmente às 10 da noite.

– MK Electrical Parade: Tem vezes que esse desfile acontece duas vezes por dia. Na segunda apresentação, às 23h, é bem interessante, pois não há mais muita gente no parque. Ali, os personagens da Disney também desfilam em carros com iluminação em LED. Bem divertido também.

Atrações:

– Sorcerers of the Magic Kingdom: Confesso que nunca fui nessa atração, que é um joguinho interativo, tipo uma caça ao tesouro. Algumas pessoas me disseram que o jogo pode demorar muito para terminar, e não é tão essencial assim. Porém as crianças adoram!

– WDW Railroad: Esta atração é um trenzinho que passa ao redor do Magic Kingdom. É bem light e pode servir como descanso para aqueles que já rodaram muito o parque, haha.

Meet and greet com personagens:

– Mickey Mouse: Town Square Theater – Backstage Magic with Mickey Mouse.

– Tinker Bell: Town Square Theater – Tinker Bell’s Magical Nook.

– Minnie, Pluto e Marie: Pracinha em frente ao City Hall.

– Branca de Neve: Town Square Theater Porch.

 

2. Adventureland

20150314_130407

Essa parte da Adventureland tem umas atrações diferentes. Em relação a tamanho, ela não é muito grande, porém dá pra fazer bastante coisa por lá. Apesar de ser pequena, as crianças gostam muito, e é um bom espaço para ficar com a família!

Atrações: 

– Piratas do Caribe: Essa atração é bem legal e incrivelmente bem feita! Ela consiste num passeio de barco pelo mundo dos Piratas do Caribe, onde você vê os piratas interagindo de várias maneiras. Apesar de ser na água, não molha.

– The Magic Carpets of Alladin: Ali, você “voa” no tapete mágico, dando voltas, e indo de cima pra baixo. Essa atração tem muito mais a ver com crianças, e para pessoas sem medo de altura (eu tenho medo de altura, risos).

– Jungle Cruise: Esse é um passeiozinho de barco onde o skipper vai interagindo com as pessoas e fazendo piadas. É meio bobinho mas até que é meio divertido.

– Swiss Family Treehouse: É uma casa na árvore com trilhas que tem alguns obstáculos e playground.

Meet and greet com personagens:

Aladim e Jasmine: Em frente ao The Magic Carpets of Alladin.

 

3. Frontierland

P1020581

Essa é a região “velho oeste” do MK. A Frontierland tem mais ou menos o tamanho da Adventureland e provavelmente tem duas das atrações mais concorridas do parque. A região é popular e está sempre cheia, porém vale a pena passar algum tempo lá.

Atrações: 

– Splash Mountain: Ela é um trenzinho/montanha russa que tem uma queda alta e rápida no meio da água. No caminho, ela tenta disfarçar com uns animaizinhos brincando na mina. A terceira queda do caminho é a “pra valer”, e dá muito medo em pessoas que nem eu. Hahaha. Menos mal que ela não molha tanto assim.

– Big Thunder Mountain: Essa é uma das montanhas russas clássicas da Disney. Nunca fui nela, porém dizem que ela é bem tranquila.

– Tom Sawyer Island: Os meninos costumam gostar, porém é uma atração meio bobinha para adultos.

Meet and greet com personagens:

– Woody e Jessie: próximo à Splash Mountain.

 

4. Liberty Hall

20140513_165918

 

Essa é a menor atração do MK, mas ela é bem bonitinha e organizada. Ela lembra alguma pequena cidade da costa Leste dos EUA, bem all american. Como no Tomorrowland, as lojas ali tem coisas interessantes.

 

Atrações: 

– Haunted Mansion: Eu gosto muito dessa atração! É um trenzinho fantasma (parece bobinho, mas enfim), mas é rico em detalhes e é super divertido. Durante a fila, os “fantasmas” interagem com as pessoas. Geralmente tem fila por lá, então garanta o fast pass!

– Liberty Square Riverboat: É simplesmente um passeio num navio a vapor. Sem emoção.

– Hall of Presidents: Nessa atração, bonecos de todos os presidentes dos EUA contam a história do país e enaltecem os americanos. É até curioso, mas se eu fosse americana, acho que eu me interessaria mais por essa atração.

Meet and greet com personagens: 

– Tiana: próximo à loja natalina.

 

5. Tomorrowland

P1030807

Essa é a parte futurista do MK, e é a minha “menos favorita”. Particularmente são as atrações que menos me chamam a atenção, mas vale a pena pelo menos dar uma olhadinha.

Atrações: 

– Buzz Lightyear’s Space Ranger Spin: Este é um trem onde você deverá atirar nos alvos pelo caminho, e é bem divertido! Cuidado com as filas desde já.

– Monsters, Inc. Laugh Floor: Este é um show de stand up comedy apresentado pelo Mike, onde ele interage com o público. Obviamente ele é todo em inglês, e dá pra garantir boas risadas.

– Stitch’s Great Scape: Atração boa para crianças. Nela, o Stitch foge e tem uma “caça” atrás dele. Vá se sobrar tempo.

– Space Mountain: É, montanhas russas não são o meu forte. Porém eu ouço comentários muito bons desta atração, que é toda no escuro, e diz que mexe muito!

– Tomorrowland Speedway: Essa é uma corrida de kart, tipo numa pista de autorama. É divertidinho, mas vá só quando você já tiver ido nas suas atrações preferidas.

Meet and greet com personagens:

– Buzz Lightyear: Próximo ao Buzz Lightyear’s Space Ranger Spin.

 

6. Fantasyland

20140513_173929

Não escondo de ninguém que não cresci, e que a Fantasyland é a minha parte preferida do MK por causa disso, hahaha. As atrações mais clássicas se encontram aqui, e tenho certeza que qualquer um volta a ser criança nas atrações.

Atrações: 

– Seven Dwarfs Mine Train: Essa montanha russa é nova, e juro que inflei o peito e criei coragem de ir pra lá, mas a fila de espera estava em 110 minutos. O fast pass também já tinha esgotado. Fica para a próxima, sabendo dos excelentes comentários que eu ouvi sobre a atração.

– Peter Pan’s Flight: Essa atração é uma gracinha! É como se o Peter Pan estivesse te levando para Neverland, numa espécie de “voo”. Vale a pena!

– It’s a small world: Uma viagem de barquinho onde você verá bonequinhos customizados com fantasias de vários lugares do mundo. Ah, e com uma musiquinha grude que passa o resto do dia na cabeça.

– The Many Adventures of Winnie the Pooh: Outro trenzinho da Disney, e que é uma gracinha! Mas mais uma vez, ela é projetada mais para crianças. Ah, e por incrível que pareça, a fila demora muito ali.

– Mad Tea Party: Atração tradicional da Disney, onde as xícaras giram. Eu era louca pra ir na “xícara maluca” quando eu tinha 5 anos. Hoje, eu não sei se eu conseguiria sair de lá sem ficar enjoada, haha.

– Mickey’s Phillarmagic: É uma atração com um filme 3D com o Mickey, o Donald, a Minnie e cia. É bem fofinho e agradável, e muita gente gosta de ir lá.

– Under the Sea – The Journey of the little Mermaid: Outra atração que abriu na “Nova Fantasyland”. Como eu adoro a Ariel, sempre gosto de ir lá, mas é uma atração “clássica”, sendo um trenzinho que conta a história do filme e ponto.

– Prince Charming Regal Carrousel: Ande num carrossel clássico! Basicamente é isto.

– Dumbo, the Flying Elephant: Tipo o tapete mágico do Aladim. Uma atração que roda, sobe e desce.

Meet and Greet com personagens:

– Ariel: Na Ariel’s Grotto.

– Mérida: Próximo ao castelo da Cinderela, na Floresta Encantada.

– Bela: No Enchanted Tales with Belle.

– Ursinho Pooh e Tigrão: Próximo ao The Many Adventures of Winnie the Pooh.

– Aurora, Branca de Neve, Rapunzel, Tiana, Anna, Elsa, Cinderela: Princess Fairytale Hall (consultar no dia, e são só duas princesas por vez. Quando eu fui, escolhi a fila da Aurora e da Branca de Neve).

– Peter Pan: Próximo ao Peter Pan’s Flight.

 

Então, Disney é Disney! Fica a sugestão de que o Magic Kingdom é um parque voltado mais para crianças, mas não tem como os adultos não se encantarem! As atrações são muito bem feitas, funcionários atenciosos, e claro, todos felizes! Afinal, o MK é o lugar mais feliz da Terra!

P1020598

10 mitos que caíram por terra após viagens

~spoiler de post polêmico, haha~

Sabe fofoca, confusão e boato? Pois é, tem muito “disse me disse” na internet e até no boca a boca que aos poucos se tornam pequenas verdades, e conhecimento comum do público. Porém quando você conhece a realidade de alguns lugares, essas “verdades” deixam de ser verdade, e você começa a ver as coisas de forma muito diferente. Mas o pior de tudo é que tem gente que ainda quer desafiar o que não viu contra alguém que já vivenciou.

1. “Franceses não gostam de turistas que falam inglês”.

Acho que esse é um dos mitos mais famosos, e pela minha parte, todas as vezes que fui à França, fui muito bem tratada! Seja falando inglês ou francês, especialmente em Paris os funcionários de lugares que trabalham com público são muito bem orientados a tratar bem o público, devido ao fato de que Paris tem grande parte de sua economia movida por causa do turismo.
O que aconteceu comigo devido ao francês em si, foi o fator surpresa. Das primeiras vezes que fui à França, só me comunicava em inglês devido ao fato de que eu ainda não falava francês. Depois de algum tempo, passei a treinar o idioma em viagens para lá. O que eu percebi depois disso é que muita gente ficava surpresa com o fato de uma turista começar a falar francês por livre e espontânea vontade (e depois que eu dizia que eu sou do Brasil, parece que a surpresa aumentava). Isso de fato, deixava as pessoas mais felizes e satisfeitas, mas não quer dizer que eles tratam mal quem fala inglês.

Menu francês/inglês

Menu francês/inglês

2. “Os russos ainda vivem numa espécie de comunismo moderno”.

Uma coisa que gosto de fazer é ler comentários de posts e notícias. Às vezes, o que o leitor escreve pode até ser mais interessante que o conteúdo da matéria. E me impressiono quando leio comentários nas seções de Política Internacional sobre a Rússia dizendo que lá o Putin aplica o comunismo no país, que as pessoas são miseráveis, que ainda dependem do governo para conseguir suprimentos, blá blá blá…
Primeiro, estamos em 2015 e não em 1985. Segundo, o país, nem sua economia não tem um pingo de comunismo nas veias hoje em dia (fora os antigos saudosos da URSS que lembram o ex-gigante em quase tudo). Terceiro, o país é tão ou mais cosmopolita que o Brasil ou qualquer outra nação de porte semelhante. Bem, estou estudando algumas coisas sobre o país e sua política externa por causa da minha monografia e dá vontade de rir quando leio alguns comentários deste porte.

Uma loja da LV no shopping mais caro do mundo. "Malditos comunistas!".

Uma loja da LV no shopping mais caro do mundo. “Malditos comunistas!”

3. “A Colômbia é um país perigoso por causa do tráfico”.

Infelizmente os fins dos anos 1980 e meados dos anos 1990 foram turbulentos para a Colômbia. O país de fato fez um grande esforço contra a guerra ao tráfico, mas raramente isso influenciava no cotidiano da população em geral. Algumas situações até chegaram a acontecer como atentados, mas isso ficou no passado.
Hoje em dia, a Colômbia é um dos países mais promissores da América Latina, e inclusive “escapando” dos picos da crise que ainda está abalando a economia mundial. Porém a fama de lugar inseguro continuou, e até os dias de hoje muita gente teme a Colômbia por causa da violência derivada do tráfico de drogas.

Essa vista...

Essa vista…

4. “As cidades dos países da cortina de ferro são quadradas”.

Em pleno 2015 eu ainda ouço pessoas falando sobre “cortina de ferro”, que hoje é um termo muito pejorativo. Tá né, mas muitas delas não sabem 1% da beleza e cultura destes países, e os ficam julgando com base em termos históricos ultrapassados e inadequados.
Acontece que parte de algumas cidades tiveram um boom populacional onde alguns bairros tiveram que ser construídos nos anos 1970 e 1980, em plenos dias comunistas.
Essas construções feitas são chamadas de “novostroikis”, e elas são de fato, quadradonas. Mas elas dificilmente são vistas por um turista comum que só conhece os principais lugares das cidades, já que essas construções se encontram nos subúrbios das cidades.
Ah, e essas construções lembram muito as Superquadras de Brasília! Todas elas com um espaço no centro com área verde, bancos, playgrounds e afins.

Vista da parada de ônibus perto de casa, nos subúrbios de Budapeste.

Vista da parada de ônibus perto de casa, nos subúrbios de Budapeste.

5. “Miami é um paraíso de compras.”

Na minha opinião, existem lugares bem melhores que Miami para fazer compras. Nos EUA, os preços se equiparam bastante em basicamente todos os lugares, mas não consigo ter o fascínio que o brasileiro tem por Miami. Honestamente não gosto da cidade, não consigo encontrar muito o que fazer, e ainda acho as praias feias. Honestamente, eu acho Fort Lauderdale bem mais interessante que a própria Miami Beach por exemplo.
Mas assim, nós costumamos nos impressionar com os produtos que são vendidos em Miami por duas coisas: variedade de marcas e câmbio. De fato, uma Louis Vuitton sai muito mais barata em Miami do que em São Paulo, mas isso por causa da nossa carga tributária. Mas não vejo muito interesse em viajar exclusivamente para lá com o intuito de fazer compras. Honestamente eu sou mais o Panamá para esse propósito, por exemplo.

@Miami Beach

@Miami Beach

6. “Brasileiros tem fama ruim no exterior.”

Este é um mito bem comum no que tange viagens e brasileiros. Não sei se isso é um sintoma de “síndrome do vira-lata”, mas sempre ouvi muitos amigos brasileiros falando mal de atitudes de conterrâneos por aí. Confesso que até eu tive esse certo conceito durante um tempo, mas acabei percebendo que nós fazemos coisas… normais!
Não é errado tirar fotos de qualquer coisa diferente que vemos no caminho, de comprar um milhão de coisas no shopping (se temos dinheiro pra isso, por que não!?), de tentar se comunicar de qualquer maneira diferente quando não sabemos o idioma, quando nunca abastecemos o carro por si só e pagamos mico, quando nos perdemos em algum canto… Isso acontece, é normal!
O que não dá, é ser mal educado por aí! E confesso que nunca vi brasileiros fazendo coisas que certamente são falta de educação. Mas sobre isso eu coloco uma nacionalidade que é bem bruta e são mal educados (e às vezes porcos) por aí, que são os indianos. Pelo o que eu já vi, não posso defendê-los.
Ah, e sobre a fama em si, os brasileiros são muito bem vistos no exterior sim! Especialmente no poder aquisitivo (sim, mesmo com essa nossa crise por aqui).

Guaraná Antarctica vendido na Europa

Guaraná Antarctica vendido na Europa

7. “Com 20 euros você faz um rancho de mês na Europa.”

Uma amiga me disse isso semana passada, falando de uma outra pessoa que ela conhecia. Em certos supermercados, é possível de comprar certas coisas com 20 euros, mas não um rancho inteiro. Numa compra num supermercado normal, com 20 euros, eu compraria alguns biscoitos, pães, algumas bebidas, chocolates, snacks e alguns condimentos utilizados para cozinhar. Porém comprar comida para uma pessoa comer um mês inteiro por apenas 20 euros é balela, e das boas.
Primeiro que as carnes em geral tem um preço alto na Europa, com exceção da carne de porco. Segundo que alguns produtos como frutas e verduras podem variar muito seu preço especialmente durante as épocas mais frias. Outra, as contas de supermercado que eu fazia sempre davam acima de 20 euros, também sabendo que nunca me privei de nada, mas ao mesmo tempo, sem ostentar muito.

1 espetinho de morango com chocolate = 95 coroas (ou 11,30 BRL ou 3,50 EUR).

1 espetinho de morango com chocolate = 95 coroas (ou 11,30 BRL ou 3,50 EUR).

8. “Estrangeiros só conhecem o Brasil por causa do futebol.”

Nesse caso não é o “não só”, e sim o “mas também”. A verdade é que o futebol é um dos temas mais lembrados por estrangeiros quando falam do Brasil. Mas isso não quer dizer que os estrangeiros saibam ~só~ sobre futebol no Brasil. Mesmo quando citam futebol, eles lembram de jogadores que fizeram sucesso há um certo tempo, como o Ronaldo, o Kaká e até o Roberto Carlos.
Para complementar, muitos estrangeiros conhecem o carnaval (pq né?), novelas, modelos famosas, havaianas, música (sendo muitas vezes algum hit “do momento”, como o Michel Teló quando eu estava na Rússia), artistas em geral (não só artistas da Globo, mas pintores, escritores e indivíduos mais eruditos), e também figuras históricas. :)

Apresentação da Rússia para os brasileiros!

Apresentação da Rússia para os brasileiros!

9. “Os países do leste europeu são atrasados.”

Não é por que os países do Leste Europeu saíram de uma economia planificada para uma de mercado há somente 25 anos que eles possam se diminuir à vários países com esta economia corrente há mais tempo. Honestamente, muitos países dali tem uma infraestrutura bem melhor que a do próprio Brasil, o “país do futuro”.

Mapa dos transportes urbanos de Praga

Mapa dos transportes urbanos de Praga

10. “Nova York é uma das cidades mais organizadas do mundo.”

Eu já fiz um post aqui listando alguns motivos para não visitar NY. E infelizmente eu continuo achando isso, mesmo tendo adorado alguns setores da cidade, especialmente o que ronda o Central Park. Tirando ali, o resto da cidade é uma muvuca, inclusive em algumas áreas bem turísticas, como a Times Square, a Broadway e a Fifth Avenue.
Quantidades enormes de lixo nas ruas, trânsito caótico, pessoas que não param de surgir de qualquer canto… esperava muito mais dali.

Times Square

Times Square

Abrindo a janela para o mundo!

Acho que viajar é o principal sonho de consumo da maioria das pessoas. E sou, descaradamente uma delas!

Desde a primeira vez que entrei num avião, em dezembro de 1999, um antigo e confortável Varig, sempre senti aquele friozinho na barriga, não por ter medo de altura, turbulência, ou coisas parecidas. Era a vontade de ir no aeroporto, e passar algumas horas dentro de um avião! Lembrando que naquela época viajar era uma coisa diferente, menos cotidiana que o usual. É fácil de ter amigos e conhecidos que passam o fim de semana em um lugar longe só por estar, como se fosse a coisa mais comum do mundo! Ainda sou daquelas clássicas que conta os dias para entrar no avião, planeja cada passo a ser dado, lugares a visitar e afins.

E diferentemente da maioria das pessoas que conheço, sou fascinada por conhecer lugares distantes, e que são diferentes da minha realidade. Sou do Norte, só tinha visto calor e chuva por boa parte da minha vida, e até agora, a viagem mais fora da minha realidade aconteceu em janeiro de 2012, onde decidi passar dois meses no meio do inverno russo.

Claro, existem muitas histórias pra se contar desta, e outras aventuras. Mas posso dizer que tive um dos principais momentos de reflexão da minha vida ali, no meio do nada, dentro de um trem com destino a Saratov, na região do Volga.

Após dormir por muitas horas no meu vagão compartilhado, resolvi olhar a paisagem do lado de fora. Só tinha neve e mais neve! Árvores mortas cobertas de neve, e grandes espaços vazios com simplesmente nada. A primeira coisa que pensei foi: “nossa, que lindo!”. Fiquei alguns segundos sem pensar nada, e depois refleti algo que me marca até agora. Percebi que só via árvores e neve, e achava lindo! Quando eu ouvia os meus amigos estrangeiros falando que, a região que eu morava era linda e única, eu meio que menosprezava. Nascida e crescida no meio da cultura amazônica, eu achava a floresta ao meu redor banal, simples, e que os animais que nela vivem, comuns. Afinal, cresci, de alguma maneira conectada, acostumada a isso. E quando eu também ouvia que a terra deles era “sem graça”, não podia acreditar! Eu pensava impossível que alguém, na América do Norte ou Europa achasse o lugar que viviam sem graça. Olhando para aquelas árvores mortas, eu entendi o porquê. Ninguém tem a beleza da minha região. Lembrei também de um amigo que uma vez me disse: “Pra quer supervalorizar aquilo que nos é externo? Pegue um barco e passe algumas horas longe da civilização. Temos tanta beleza pra oferecer!” Naquele momento, descobri que moro no paraíso.

A partir de então, viajo por cultura! Prefiro ir passar o dia em museus, do que fazer compras. Uma vez, uma amiga me chamou para ir a Orlando fazer compras no Black Friday. Daí falei que queria me focar em uma viagem desejada para o Oriente Médio ou Índia no ano que vem, e que compras em New York ou Chicago poderiam ser melhores. Ela começou a rir, e me deu uma indireta, me chamando de “estranha” por querer viajar pro Oriente Médio e Índia, e não querer ir até Orlando, cidade que ela já foi umas duas vezes só nesse ano, dizendo que eu ia me arrepender de não ir nos parques da Disney. Bem, gosto é gosto! ;)