Airport Review: Aeropuerto Internacional de Carrasco (MVD)

O Aeroporto Internacional de Carrasco é o principal local de entrada e saída do Uruguai. Apesar de ser o aeroporto da capital do país, ele não é tão movimentado quanto outros da América Latina como Lima, Ezeiza ou Bogotá. Mesmo assim, esse aeroporto dá uma boa primeira impressão para os turistas que visitam Montevidéu, e isso inclui um grande percentual de brasileiros.

Aeroporto de Montevidéu

Voos de/para o Brasil:

Atualmente, as três maiores companhias aéreas do Brasil (obviamente Latam, Gol e Azul) possuem alguns voos diretos até Montevidéu, mas apenas 4 cidades do nosso país possuem voos diretos para a capital uruguaia.

A companhia com mais voos diretos é a Gol, que possui saídas de Recife, Rio de Janeiro e São Paulo. A Latam possui saídas de São Paulo e do Rio, enquanto a Azul opera voos diretos a partir de Porto Alegre.

Eu fui para Montevidéu de Latam, e saí do Rio de Janeiro. As olimpíadas haviam acabado há pouco e o aeroporto estava perfeito, mas esse é assunto para outro post. :)

Você pode gostar também: Airport review: Aeroporto di Milano – Malpensa (MXP)

Como sair do aeroporto em direção à Montevidéu?

Primeiramente, é necessário saber que o Aeroporto de Carrasco fica a 20 km do centro de Montevidéu, ou seja, não é tão pertinho assim. Sabendo disso, já imaginamos que o preço de um táxi sairia um pouco salgado, mas existem outras opções de vários preços.

Como já disse, temos os tradicionais táxis. Eles são bem tranquilos para se usar na cidade, e não são tão caros quanto em outras capitais. Confesso que quase só usei táxi durante os dias que passei em MVD, mas não o utilizei na saída do aeroporto. Vale ressaltar que o preço do táxi é tabelado e varia de acordo com o local onde você vai descer.

Uma opção mais barata são as vans compartilhadas, e esse foi o modo que escolhi para ir até o hotel. Se paga 350 pesos por pessoa, mas a desvantagem é ter que esperar por um certo número de pessoas para encher a van. No meu caso, saímos num grupo de 7 pessoas, todos brasileiros, e aguardamos cerca de 20 minutos para conseguir esse número.

Caso ainda exista alguma dúvida, o site do táxi pode ajudar a calcular o valor da corrida do aeroporto.

Outra opção popular é a Uber, mas não a utilizei por receio. Até então, nunca tinha utilizado o serviço e não queria fazê-lo em outro país de primeira vez.

Você pode gostar também: Airport review: Aeroporto Humberto Delgado – Portela (LIS)

Câmbio no aeroporto

Tradicionalmente já sabemos que as casas de câmbio em aeroportos costumam ter uma taxa não tão favorável aos turistas, mas eu troquei um valor muito pequeno apenas por emergência, já que era noite e não teríamos a oportunidade de ir naquele mesmo dia ao centro para poder trocar nosso dinheiro.

Caso a dúvida seja para pagar o táxi ou a van compartilhada, fique tranquilo, pois o guichê destes aceita cartão de crédito.

Outra opção de câmbio é usar a Western Union ou o Transferwise, dois tópicos de posts futuros por aqui. (Spoiler: nunca usei nenhum dos dois sistemas, mas tenho interesse).

Você pode gostar também: Airport review: Ministro Pistarini – Ezeiza (EZE)

Duty Free

Antes de chegar lá, li em vários sites e blogs que o Free Shop de Montevidéu é considerado um dos melhores da América Latina. O duty free parece ser bom (bons preços especialmente para os perfumes), mas ele é pequeno comparado a outros, como Ezeiza. Mas seu tamanho diminuto é ideal para o porte do aeroporto, que como citei antes, é pequeno.

O duty free fica logo antes da imigração, então se você quiser fazer compras, só tem essa chance. Falando nisso…

Você pode gostar também: Airport review: Aeropuerto Internacional de Tocumen (PTY)

Imigração

O Uruguai é um país bem amigo do Brasil. Ambos fazem parte do Mercosul (inclusive a sede do Mercosul fica em Montevidéu!), e a tradição de amizade e cooperação data de muitos e muitos anos. Lembram da Colônia del Sacramento?

Então meio que por causa disso, a imigração é bem tranquila. Só me perguntaram a data prevista de saída do Uruguai e carimbaram meu passaporte.

Falando em passaporte, ele é opcional ao visitar o Uruguai. Você pode entrar no país com uma identidade de bom estado e com menos de 10 anos de emissão (err… a minha já tem um pouco mais de 10 anos). Mas lembre-se, levar passaporte é sempre melhor.

Você pode gostar também: Airport review: Miami Int’l Airport (MIA)

Wifi no aeroporto

Temos aqui mais um aeroporto com internet livre (*celebra*). Hoje em dia é difícil encontrar um aeroporto internacional sem algum tipo de conexão de dados, mesmo que por um período determinado de tempo. Parece que os aeroportos estão entendendo que esse é um detalhe que faz toda a diferença no conforto do passageiro, mesmo que seja em conexão.

Você pode gostar também: Airport review: Budapest Liszt Ferenc – Ferihegy (BUD)

Anúncios

Pequeno escape: Praia do Açutuba

Olá pessoal! Faz um tempinho que não coloco meus pés dentro de um avião, então não tenho tantas novidades para trazer. Apesar de ainda ter muitas coisas para contar, falta coragem para começar a escrever alguns posts (tipo a visita na Bombonera e no Palácio de Versailles), mas um dia eles sairão, eu prometo! *sigh*

Como a crise tá braba a diversão fica por aqui mesmo, mas isso não é nada ruim, pelo contrário, eu morro de vergonha por não conhecer tantos lugares ao redor de Manaus. Pelo menos intenções não faltam de sair e explorar o que temos no nosso quintal.

Por exemplo, semana passada foi uma bela exceção. Na segunda feira de carnaval, meu pai me chamou para ir até a Praia do Açutuba, que fica aproximadamente 50 km de Manaus (contando o trajeto desde a saída da minha casa). A intenção era comer um peixinho na beira do rio e depois relaxar dentro d’água.

Como chegar?

Para chegar até Açutuba é necessário atravessar o rio. Para isso, hoje temos a bela Ponte Rio Negro que vai de Manaus até o município de Iranduba, localizado na outra margem (na verdade a cidade de Iranduba não se localiza exatamente nas margens do rio Negro, mas ali já é tecnicamente área do município).

O nome da estrada que leva até o destino é a AM-070, e depois da travessia, continue por 28 km e dobre numa bifurcação à direita – existem alguns quiosques e movimento, o que ajuda na localização. Até esse ponto, grande parte da estrada é duplicada e se encontra em perfeitas condições, com exceção de um pequeno trecho que ainda não está liberado para obras devido ao fato de terem sido encontrados artefatos pré-históricos ali.

Essa bifurcação dá acesso a um ramal, que é asfaltado mas possui muitos buracos – existem placas na entrada e durante o trajeto. Siga por mais 11km e então chegamos ao destino final. Existe estacionamento dentro, mas o espaço é mínimo, então acho que é melhor deixar o carro do lado de fora.

Pedacinho da praia

A praia

Como eu citei acima, fui no carnaval, agora em Fevereiro. Esta época é chuvosa no Amazonas, então já espere que as praias não estarão nas melhores condições. Naquele dia havia chovido mais cedo, então a areia estava com uma cor amarelada devido à umidade das chuvas.

(FYI: o ápice da cheia se dá entre maio e junho, enquanto o da seca acontece normalmente em novembro, ou seja, a faixa de areia é maior na época de seca, e ela é menor durante a cheia)

Açutuba é uma praia banhada pelo rio Negro, de águas escuras, e durante essa época do ano com o rio mais cheio que o normal, algumas árvores ficam embaixo d’água. Ali também tem um banana boat e similares, onde você contrata por alguns minutos e fica rondando o rio.

Não tive coragem de ir! haha

A estrutura

A estrutura do local é super simples, existem alguns restaurantes que oferecem comidinhas como peixe assado e acompanhamentos. Existem também mesas e cadeiras de plástico na beira da praia – simples, porém eficiente. Vale dizer que é interessante levar dinheiro vivo, pois não passa cartão lá (assim como em outros lugares pela estrada).

Mesmo sendo um feriado o local não estava cheio, e não houve nenhum problema em conseguirmos mesa e até que a comida chegou rápido. Tudo estava maravilhoso, com exceção do vinagrete, já que havia PEPINO picotado lá. Eu odeio pepino, e isso é uma das poucas coisas que me causa náusea só de sentir o cheiro. Infelizmente não havia como tirar esse ingrediente, então acabei comendo peixe sem vinagrete (o que para mim é muito triste).

Mas enfim, a praia aparenta ter um certo conforto, mas é tudo muito simples. Existem banheiros e chuveiros para tirar o excesso de areia.

Já era finalzinho da tarde, e o movimento estava bem tranquilo

A visita vale a pena?

Mesmo não tendo ido na melhor época, achei muito agradável a ida até Açutuba. O objetivo do dia – comer um peixinho assado e relaxar na água – foi alcançado. Também posso dizer que esse é o tipo do lugar que me traz bons sentimentos, já que este tipo de praia, com água de rio e muitas árvores ao redor, só se encontra em um lugar no mundo, e é bem aqui.

Apesar dali não ser a melhor praia que já visitei, ela é única e possui um charmezinho, porém acredito que pequenas coisas possam ser melhoradas, principalmente a estrutura física do local. Mas sim, vale a pena visitar Açutuba.

O desejado tambaqui assado

O relato sobre a minha visita à Colonia del Sacramento

Olá pessoal! Quem me acompanha por aqui já sabe que eu estou fazendo relatos sobre os destinos da minha última viagem, onde conheci Montevidéu, Colonia del Sacramento e Buenos Aires. Não é segredo para ninguém que me encantei especificamente com o Uruguai, e realizei um pequeno sonho da minha vida ao conhecer a Colonia del Sacramento.

Para deixar o relato bem completo, dividi o post em algumas partes. Para concluir o raciocínio sobre Colonia del Sacramento, hoje vou contar pra vocês o relato da visita. Espero que gostem! :)

Acompanhe também: De Montevidéu a Colonia del Sacramento de ônibus

Detalhes das casas

Detalhes das casas

Então, saímos de Tres Cruces no ônibus das 9:30, e apesar do mapa indicar que a viagem entre Montevidéu e Colonia dura um pouco mais de 2h, a viagem chegou próximo de 3h devido as paradas que o ônibus faz no caminho. Até então tudo bem, pois tínhamos um pouco de folga, mas não queríamos abusar.

Chegamos em Colonia aproximadamente 12:30 e a nossa intenção era procurar um lugar para guardar as malas. Não existem muitos guarda-volumes disponíveis na região, e acabamos encontrando um bem em frente à rodoviária e a estação hidroviária, numa loja especializada em artigos para viagens. Pagamos 10 reais por duas malas e sem limite de tempo. Menos mal que eles aceitavam real, daí não gastaríamos mais nossos preciosos pesos só para guardar as malas!

Lá nessa loja onde deixamos as nossas malas, perguntei se eles tinham algum mapa de Colonia. O que eu tinha era o Google Maps: já tinha marcado com estrela os principais lugares da cidade, mas não queria ficar gastando a bateria do meu celular à toa. Gentilmente ele me deu um mapa e me explicou onde ficavam algumas das principais atrações da cidade. Agradeci e fui conhecer Colonia!

Farol da Colonia del Sacramento

Farol da Colonia del Sacramento

Acompanhe também: 8 fotos imperdíveis para tirar na Colonia del Sacramento

Saímos dali e fomos em direção à Av. General Flores, que é a principal da cidade. Pela maior parte de sua extensão, tinha muitas lojas, restaurantes, pessoas vestidas como gauchos tomando mate sentados nos bancos espalhados pela rua.

Tinham tantos restaurantes pelo caminho, e a maioria vendia adivinha o quê: carne! O cheirinho era bem gostoso, e ao mesmo tempo que a cidade aparenta ser (e é) turística, o clima era muito de cidade de interior.

Caminhamos, caminhamos e caminhamos, sempre em linha reta, até chegarmos na “fronteira” entre as partes nova e velha de Colonia. Confesso que não sabia nem pra onde olhar, já que estava muito feliz e emocionada de estar ali!

Fronteira

Fronteira

Saímos da Gen. Flores e entramos na rua Vasconcellos, em direção à Basílica del Santíssimo Sacramento. Igrejinha linda no centro de uma cidadezinha de aparência colonial é bem linda, já imaginem! Na frente da igreja tem uma pracinha e ficamos lá um pouco.

Depois nos dirigimos até o Farol: até hoje existem ruínas do que um dia foi um antigo convento português que foi demolido pelos espanhois. Dá para subir no topo do farol, mas devido ao nosso tempo reduzido, ficamos no chão.

Após o Farol, fomos em direção à orla de Colonia, onde tirei algumas fotos clichês com o rio como background, haha. Terminamos de andar pela orla, sempre apreciando a bela paisagem do río de la Plata e voltamos até o centro histórico de Colonia, que é bem pequeno.

Mapa da Colonia del Sacramento nos azulejos

Mapa da Colonia del Sacramento nos azulejos

Caminhamos pelas ruas que ainda não tínhamos entrado e achamos tudo lindo! Ruas de paralelepípedos, azulejos portugueses, e uma sensação de volta ao passado, tudo fantástico!

Para terminar o dia, nos sentamos no Pier de Colonia, sentindo o vento fresco no rosto e aproveitando a linda vista do río de la Plata. Alguns minutos depois, começamos a caminhada em direção ao guarda volumes e em seguida, ao terminal hidroviário, onde iríamos diretamente para Buenos Aires.

Acompanhe também: Atravessando o Río de la Plata

Esse trajeto durou aproximadamente duas horas, mas com certeza vale a pena pernoitar em Colonia. Fizemos assim com a intenção de ganhar um dia a mais em Buenos Aires, mas no final acabou não valendo a pena.

Deveria ter sido ótimo passar a tarde inteira aproveitando o centro histórico de Colonia, e ficamos com aquela sensação de que fizemos tudo correndo. Nem comer direito nós conseguimos!

A experiência faz o homem, então seria interessante aproveitar um dia inteiro em Colonia sem sombra de dúvida. A cidade é linda e encantadora, além fazer parte de um período importante na história do nosso Brasil. Já pensou se Colonia tivesse ficado definitivamente do lado português?

p1140326

 

Airport review: Orlando Int’l Airport (MCO)

Olá todo mundo! Tem mais de um mês que não escrevo algum post Airport Review, o que significa que tenho que conhecer mais destinos o mais rápido possível para poder produzir material para vocês, haha.

Enfim, hoje vou trazer um resumo/análise do Aeroporto de Orlando, ponto de entrada de muitos brasileiros nos Estados Unidos. Já fiz essa parada obrigatória em MCO algumas vezes, e seguindo o padrão de postagens da categoria Airport Review, vou compartilhar o mais importante para vocês.

20140512_064214

Conexão direta com o Brasil

Atualmente, 3 companhias aéreas operam voos diretos para Orlando, saindo de três destinos diferentes. A Azul possui voos saindo de Campinas e Recife, já a LATAM e a Delta tem voos diretos saindo de São Paulo-Guarulhos.

Pelo o que vem sendo noticiado na mídia, é provável que a Azul passe a ter operações para Orlando em mais aeroportos pelo Brasil, mas isso é algo que só o tempo dirá.

Voos domésticos X Voos internacionais

Eu já tive a experiência de fazer tanto voos domésticos quanto internacionais através do aeroporto de Orlando. Os trechos domésticos foram em direção a Chicago O’Hare e voltando de Las Vegas, já os internacionais foram através da Cidade do Panamá, que para mim, é a maneira mais fácil de chegar a Orlando.

Para mim, não existe muita diferença entre os dois terminais: você desembarca, passa pela imigração (se voo internacional), pega o monotrilho, e chega ao átrio principal do aeroporto, que às vezes lembra um shopping.

Imigração

Já cheguei a fazer um post sobre imigração nos Estados Unidos, mas apaguei por achar que não ficou da maneira que queria. Ainda vou encontrar uma maneira clara de explicar todos os nuances da imigração nos Estados Unidos e outros lugares, mas já adianto que acho a imigração de Orlando muito tranquila, muito melhor que de outros lugares, tipo Miami.

Os oficiais estão acostumados a receber turistas brasileiros em Orlando, e outra coisa que ajuda é que a grande maioria deles fala espanhol, idioma bem mais parecido com o nosso português do que o inglês.

Mas assim, de forma bem genérica, os oficiais da imigração seguem alguns passos:

  • pedem o passaporte;
  • perguntam a data da última ida aos Estados Unidos (caso não seja a primeira visita)
  • começa aí uma série de perguntas: qual o motivo da ida aos Estados Unidos, qual o tempo de duração da viagem, qual o hotel que vai ficar, e uma vez em Miami chegaram até a perguntar minha profissão e minhas atribuições no trabalho;
  • pedem para posar para uma foto tirada ali na hora;
  • pedem as digitais;
  • carimbam o passaporte;
  • e pronto, só aproveitar a viagem!

20140512_063436

Alimentação

Escrevi um pouco acima que o Aeroporto de Orlando parece um shopping, então já imagine que existe uma grande quantidade de restaurantes, lanches e afins. No átrio central do aeroporto existe uma praça de alimentação bem grande, com coisas que vão de cafés a fast food.

Wifi, tomadas e cadeiras

O Wifi em Orlando é grátis e ilimitado! Fico feliz em perceber que hoje em dia a maioria dos grandes aeroportos já disponibilizam gratuitamente algo tão simples como um sinal de wifi.

Tomadas e cadeiras também não são um grande problema em Orlando. Na área do embarque existe lugar para todos.

20150312_120217

Transporte para o centro

Normalmente eu escrevo esse tópico em posts do Airport Review, mas Orlando é um pouquinho diferente. Não tem jeito, é necessário alugar carro ali, e se possível, faça a reserva com antecedência, ainda aqui no Brasil.

Mas é muito fácil alugar e dirigir em Orlando: com a reserva em mãos, se dirija ao balcão da locadora (as placas indicam o lugar, mas elas ficam próximas ao check in), e o atendente vai confirmar sua reserva, você assina alguns papeis e logo já temos o número do nosso carro na mão!

Como assim? A pessoa te dá um certo número, tipo 271. Logo em frente às locadoras se encontra um grande edifício garagem, cheio de carros. Lá, você vai para o andar da sua locadora, e procura a vaga 271. Existem placas que não deixam dúvida de nada e lá dentro se encontra a chave do carro, e é só ir embora.

20150319_145915

E o free shop, vale a pena?

No caso de Orlando, eu não daria atenção somente para o free shop. Existem várias lojinhas pelo saguão do aeroporto, incluindo lojas oficiais da Disney e da Universal, os dois principais parques da cidade.

Fora isso, existem lojas de souvenirs e outras coisas especiais para viajantes como malas e afins. Também existem lojas de roupas e outros acessórios.

Enfim, espero que tenham gostado do post! De maneira geral, o aeroporto de Orlando é muito auto explicativo e simples de circular. Um ótimo local para começar uma viagem que tem tudo para ser bem divertida! :)

Acompanhe também:

Airport Review: Ministro Pistarini – Ezeiza (EZE)
Airport Review: Aeroporto di Milano – Malpensa (MXP)
Airport Review: Flughafen München (MUC)
Airport Review: Flughafen Frankfurt am Main (FRA)
Airport Review: Paris Charles de Gaulle – Roissy (CDG)
Airport Review: Miami Int’l Airport (MIA)
Airport Review: San Francisco Int’l Airport (SFO)
Airport Review: Aeropuerto Internacional de Tocumen (PTY)Airport Review: Chhtrapati Shivaji Int’l Airport (BOM)
Airport Review: Flughafen Wien (VIE)
Airport Review: Aeroport Sheremetyevo (SVO)
Airport Review: Budapest Liszt Ferenc – Ferihegy (BUD)

Airport Review: Istanbul Atatürk (IST)
Airport Review: Aeroporto da Portela (LIS)

Airport Review: Chicago O’Hare Int’l Airport (ORD)

 

Vida na Irlanda: Phoenix Park em Dublin

Escrito por Larissa Pinheiro

Olá, gente! É preciso dizer antes de mais nada que é um prazer iniciar essa coluna aqui no blog da minha amiga Camilla Sandoval. Muito obrigada por me ceder esse espaço. Vamos às introduções: meu nome é Larissa, tenho 25 anos e atualmente moro na Irlanda, numa pequena cidade chamada Strokestown localizada no condado de Roscommon. Sou natural da cidade de Manaus no Estado do Amazonas, onde morei maior parte da minha vida. E pra falar de Irlanda não tem maneira melhor de começar essa categoria falando sobre um dos meus lugares favoritos daqui que é o Phoenix Park.

O Phoenix Park é considerado o maior parque da Europa. Ele possui 700 hectares (7 milhões de metros quadrados). Se você achava que o Central Park em Nova Iorque era grande, o Phoenix Park é muito maior!

img_8518

Um pouco sobre

O Parque foi inaugurado no ano de 1662 pelo mais ilustre vice rei da Irlanda, James Butler, duque de Ormond, em nome do rei Charles II. Sua área já foi muito maior no passado, hoje em dia ele se estende até quase Kilmainham, lado sul do Rio Liffey.

Natureza

Muita gente conhece o lugar pelos cervos (veados) que lá habitam. Sim, existem muitos morando lá e muitas pessoas vão para conhecê-los, alimentá-los (eles amam cenouras, vá preparado!) e, claro, tirar muitas selfies com os amiguinhos. O parque possui uma natureza incrível e 30% de sua área é coberta por árvores.

img_8264

Atrações

Afinal, o que tem pra fazer no tal Phoenix Park? Vamos lá a lista de lugares para conhecer dentro do parque.

  • Dublin Zoo
  • Pope’s cross
  • A casa do Presidente da Irlanda
  • Wellington Monument (maior obelisco da Europa)
  • Magazine Fort
  • People’s garden
  • Farmleigh
  • Ashtown Castle

screenshot_2016-12-07-16-33-52

Como chegar?

O parque fica localizado em Dublin 8 próximo a estação de trem e LUAS (metrô de superfície da cidade) Heuston. Meu conselho, caso você queira aproveitar bem sua ida ao parque e conhecer todas ou a maioria das atrações, poupe suas perninhas e pegue o ônibus (25, 26, 37, 38, 39, 70 ou 46A) ou se preferir pegue o LUAS linha vermelha até a estação Heuston.

Vale muito a pena uma tarde no Phoenix Park em qualquer época do ano. Mas o verão, em especial, é ideal! Mesmo que você não veja todas as atrações é bom ir lá pra relaxar, tomar um sol, encontrar os amigos, ler um livro ou, caso você tenha bicicleta a sua ida ao parque se  torna muito mais interessante, lá tem uma ciclovia bem grande por todo o parque.

Obelisco

Obelisco

Bom, esse foi o meu texto falando sobre o Phoenix Park e também o meu convite para todo mundo que deseja vir à Irlanda e explorar esse lindo país. Eu posso escrever mais sobre a minha querida ilha esmeralda. É só pedir que eu volto.

Para mais informações sobre o parque, acesse o site oficial do Phoenix Park!

img_8512

fullsizerender

A flor genérica de aço

Olá a todos! Preciso dizer que eu fiquei apaixonada pelo bairro da Recoleta, em Buenos Aires! Parecia que cada rua me lembrava um pouco de Paris: bistrôs nas calçadas, gente bonita, pessoas passeando com seus cachorros e uma arquitetura exuberante!

Acompanhe também: Visitando o cemitério da Recoleta

O bairro em si já possui muitos pontos altos, lojas diversas, shoppings e atrações turísticas importantes, tipo o Cemitério da Recoleta. (Inclusive eu já fiz um post sobre este lugar por aqui!) Um dos pontos turísticos mais conhecidos da cidade é a Floralis Genérica, estrutura de aço localizada na Plaza de las Naciones Unidas.

Strike a pose!

Strike a pose!

O que é

A Floralis Genérica é uma grande flor de aço inoxidável que fica na Plaza de las Naciones Unidas, uma área verde de quatro hectares no bairro da Recoleta. Essa escultura foi dada (diz que) de presente pelo arquiteto Eduardo Catalano e ficou pronta no ano de 2002.

Segundo o próprio Catalano, essa escultura “é uma síntese de todas as flores e também é uma esperança que se abre a cada dia”. O nome também tem um sentido prático: Floralis é referente às flores, e Genérica, uma forma de representar todas as flores que existem.

Essa grandiosa escultura é cercada por um espelho d’água, que possui duas funções: estética e proteção.

Foto conceitual: ombro. haha

Foto conceitual: braço. haha

Detalhe e manutenção

Talvez a característica mais marcante da Floralis Genérica é que a escultura é planejada para abrir e fechar de acordo com a incidência da luz solar, como uma flor de verdade! Durante o dia a flor permanece aberta, e quando a noite chega, sem luz do sol, a escultura fecha, emitindo uma luz vermelha.

Em 2010 esse mecanismo de abre e fecha parou de funcionar devido a uma preocupação de possível dano à escultura devido a uma instalação incorreta. Em 2015 o problema foi resolvido e até o presente momento a Floralis Genérica continua abrindo e fechando de acordo com a iluminação natural do dia.

Informativo sobre a Plaza de las Naciones Unidas

Informativo sobre a Plaza de las Naciones Unidas

Como chegar até lá?

A Floralis Genérica fica bem próxima ao Cemitério da Recoleta, inclusive podendo fazer parte do mesmo dia de visitas. Saindo do cemitério:

  • dobre à esquerda em direção à av. del Libertador;
  • ali você atravessa uma espécie de parque, que possui uma feirinha alguns dias;
  • siga até uma ponte pedestre que atravessa a av. del Libertador (já dá para ver a Floralis Genérica dali!);
  • assim que você desce desta ponte, a faculdade de Direito com uma imensa escadaria estará a sua direita;
  • siga em frente até a entrada do parque!

Vale a pena ir até lá?

Como o nosso hotel era muito próximo da Floralis Genérica, deixamos para fazer esse passeio bem no fim da tarde e foi ótimo! O dia não estava muito quente, o céu estava lindo, super azul, e adorei o clima do lugar.

Aquele lugar lembrou um pouco dos meus domingos em Budapeste fazendo piquenique nos parques com meus amigos. Bateu uma saudades sem tamanho! Estiquei meu casaco na grama e fiquei lá deitada aproveitando o momento!

Acompanhe também: Tardes em Margitsziget

A Floralis Genérica também fica bem próximo ao Aeroporto Jorge Newbery (o Aeroparque – AEP), e sempre algum avião passava ali ao lado após sua decolagem.

Decolagem do Aeroparque <3

Decolagem do Aeroparque <3

Mas claro que a flor é linda e imensa! Com 23 metros de altura e 32 de diâmetro quando aberta, não dá para parar de admirar essa belíssima escultura! Entrada é gratuita e vale a pena a visita.

Por dentro do Teatro Colón

Um dos principais passeios para quem vai a Buenos Aires é a visita guiada ao Teatro Colón. Este local é um dos ícones da cidade: sua localização central, importância histórica e cultural, e a combinação da arquitetura com opulência só confirmam que a visita ao teatro é imprescindível e marcante. Certamente um must go!

Tapete Vermelho

Tapete Vermelho

Antes de continuar, quero deixar claro um detalhe! A Argentina está sofrendo com uma grande inflação nos últimos tempos, então o preço de tudo subiu! Quando visitei o Teatro Colón (setembro de 2016), o ingresso custava 250 pesos. Por enquanto o preço continua o mesmo, só que não se assuste ao chegar lá e ver um valor maior ainda, numa data futura.

Para começar, este teatro demorou quase 20 anos para ser construído (1889-1908), em substituição a outro Teatro Colón bem menor, e que se localizava em outro lugar. Com a inauguração do prédio novo muitas companhias passaram a se apresentar lá, fazendo com que aos poucos o teatro se consolidasse como principal complexo artístico da cidade de Buenos Aires.

Figurinos de apresentações anteriores

Figurinos de apresentações anteriores

Figurinos de apresentações anteriores

Figurinos de apresentações anteriores

Em 2014, o National Geographic listou as 10 principais Opera Houses no mundo inteiro. De acordo com a lista, o Teatro Colón ocupa a terceira posição, e alguns dos requisitos para tanto foram a incorporação de diversos estilos arquitetônicos, a quantidade de artistas renomados que já se apresentaram ali, e a presença de um próprio departamento cênico em suas dependências.

Por motivos de curiosidade, as outras 9 Opera Houses da lista são o Teatro alla Scala em Milão, Teatro di San Carlo em Nápoles, a Royal Opera House em Londres, o Teatro Bolshoi em Moscou, a Opera House de Sydney, a Ópera de Paris, a Ópera Royal do palácio de Versailles, a Staatsoper de Viena e o Lincoln Center em New York.

Voltando a falar do Teatro Colón, a minha visita guiada foi toda em espanhol, mas foi muito tranquilo de entender e de acompanhar a guia. O Teatro é rico em detalhes e não dá para ficar nenhum momento sem prestar atenção em alguma coisa.

Atenção para o vitral

Atenção para o vitral

Os detalhes de ouro e os vitrais do teatro são belíssimos, não dá para parar de reparar.

Artigo de decoração

Artigo de decoração

Palco

Palco

O salão do teatro é gigantesco. Muitos dizem que a acústica do local é perfeita, e de fato, não podemos falar muito alto, senão era capaz de todos ali dentro nos escutarem.

Interior do teatro

Interior do teatro

Uma coisa que achei curiosa (e bem cruel) era o local que era destinado às viúvas. Elas não poderiam aparecer em público desacompanhadas, mas o direito delas visitarem o teatro era mantido. Isso era possível pois reservaram uns locais escondidos com grades onde elas ficariam ocultas, mas também não poderiam acompanhar as óperas direito.

Peça feita em um só bloco de mármore. Detalhes em relevo perfeitos.

Peça feita em um só bloco de mármore. Detalhes em relevo perfeitos.

Antigamente, os melhores lugares do teatro.

Antigamente, os melhores lugares do teatro.

O lustre também é magnífico! Sou fã dessas estruturas, e assim como em muitos teatros, existe uma sistemática que faz com que um cabo de aço leve o lustre até o chão com o objetivo de limpá-lo e de fazer sua manutenção devida.

Teto e lustre

Teto e lustre

Mais uma vez, visita recomendadíssima!
Valor: 250 pesos argentinos (valores do fim de 2016)
Horário: das 9h às 17h, com saídas a cada 15 minutos. (Sujeito à disponibilidade)
Localização: Tucumán 1171 (Estações de metrô: Tribunales ou 9 de Julio)

Roteiro da minha primeira viagem à Europa – Parte 3

Olá! Esse é o post final sobre o roteiro da minha primeira viagem à Europa. Já descrevi bem detalhadamente o que aconteceu na primeira parte da viagem na parte 1 e na parte 2 do post, onde passamos por França, Luxemburgo, Alemanha, Áustria e Eslovênia. Hoje, terminarei de contar como foi a nossa experiência pela Itália, Vaticano, Suíça e a volta para a França.

Lembrando mais uma vez que essa é uma sugestão de roteiro para a Europa: como contratamos uma agência de turismo, todo o transporte e passeios eram por conta da empresa. Mas obviamente, é possível de recriar este trajeto por conta própria.

Acompanhe também:
Roteiro da minha primeira viagem à Europa – Parte 1
Roteiro da minha primeira viagem à Europa – Parte 2

Dia 10 – Veneza e Florença

Veneza - Florença (Google Maps)

Veneza – Florença (Google Maps)

Esse dia iria começar de uma bela maneira. Nós ficamos hospedados em Mestre, que é uma cidade italiana que se encontra no continente, mas é bem pertinho de Veneza. Provavelmente a agência escolheu esse hotel em Mestre por causa do preço, pois se hospedar em Veneza é possível, mas tudo na cidade é muito caro.

Acho que todos aqui devem lembrar que Veneza é uma cidade que foi construída num arquipélago, e que a melhor maneira de se locomover lá é por via aquática. Pois bem, para chegar até esse arquipélago, o ônibus parou num terminal fluvial: teríamos todos que descer para poder embarcar num barquinho, que nos levaria até Veneza, propriamente dita.

Campanário de São Marcos

Veneza

Era verão e o dia estava muito quente! O contraste do céu sem nuvens junto com as águas azuis ao redor de Veneza formavam um ambiente que trazia uma paz maravilhosa. O conjunto ficou completo quando começamos a avistar as construções centenárias da cidade.

O barquinho atracou e logo desembarcamos. O trajeto com guia seria relativamente curto: passeamos pelas margens de Veneza, conhecemos a Ponte dos Suspiros e fomos caminhando lentamente até a Piazza San Marco, coração da cidade. Um dos pontos interessantes dali é o Campanário, que permite ter uma bela vista de quase toda a cidade.

Tenho que dizer que a Piazza San Marco estava muito cheia! Nunca vi tantos turistas num só lugar, e tenho que dizer que Veneza ganha no quesito “lugares lotados”, mesmo em comparação com o Palácio de Versailles ou o Museu do Louvre. Também tenho que falar que nunca vi um lugar com tantas pombas! Elas já estão tão acostumadas com o convívio humano que elas até sobem nos braços das pessoas, quando possuem algo para beliscar tipo uma pipoca ou um pedacinho de pão.

@San Marco

@San Marco

Depois fomos caminhando até o “wow moment” de toda a viagem. A agência já havia reservado o passeio de gôndola pra gente, e assim fomos! Não gosto muito de andar de barcos, mas me senti muito segura e tranquila numa gôndola! Na verdade estava tão feliz nesse passeio que estava só apreciando o momento!

Todos os gondoleiros com as pessoas da nossa excursão seguiram o mesmo caminho, que era do ponto de partida até o Gran Canal. Lá, ficamos todos parados enquanto ficávamos ouvindo música: um tenor acompanhado de um sanfoneiro (é isso mesmo?) ficaram performando músicas italianas. Sensação de sonho!

Depois do passeio de gôndola, estávamos livres até o horário da partida, que deveria ser às 16h. Conseguimos almoçar e ainda visitamos algumas lojas na cidade. Sobre o almoço, tenho que dizer que nunca comi uma massa italiana tão gostosa e tão rápida na minha vida! O restaurante que escolhemos conseguiu conciliar rapidez e sabor de uma maneira tão incrível que nem acreditei. E os preços das coisas? Tudo muito caro! Veneza é linda, mas deixe pra fazer suas compras em outro lugar.

Depois de um dia maravilhoso em Veneza, seguimos nosso caminho e fomos em direção à Florença, capital da arte. Depois de uma gostosa viagem na estrada pela Toscana, chegamos em Firenze (o nome da cidade em italiano) próximo ao pôr-do-sol. Lá, iríamos nos preparar para o dia seguinte, mas estava com uma sensação muito estranha nos meus pés.

Durante o passeio de gôndola

Durante o passeio de gôndola

Dia 11 – Florença e Roma

Florença - Roma (Google Maps)

Florença – Roma (Google Maps)

Ah, Florença! Dentre todas as cidades italianas que passamos, essa foi a que mais me surpreendeu. Linda, cheia de arte e história em todas as esquinas, estávamos preparados para conhecer e explorá-la. Vale ressaltar que, de todos os dias de toda essa viagem, esse foi o dia que mais estive mal vestida. Só de olhar para a roupa que estava usando, não consigo imaginar o que tinha dado na minha cabeça para desfilar nessa cidade fina, com pessoas interessantes, vestida igual a um trapo. Enfim…

Continuando o “enfim” ali de cima, a primeira parada foi num mirante que permite ver toda a cidade. Esse mirante possui uma réplica da estátua de David, um dos clássicos da arte. A vista também é maravilhosa: nem imagino o quão incrível seja estar ali num pôr-do-sol.

Florença

Florença

Em seguida fomos ao centro da cidade. O detalhe é que o centro não permite a entrada de ônibus, então fomos deixados num ponto às margens do rio Arno, e fomos andando com a guia até à estátua de Netuno, bem no centro. Eu adorei essa guia, já que ela contou muitas coisas sobre a história antiga da Itália e até da França, passando pelos mecenas, da Vinci e outros assuntos interessantes sobre história da arte. Até fui conversar com ela depois para tirar outras dúvidas.

Como disse, na noite anterior estava sentindo uma sensação estranha e o fato de andar muito até o centro de Florença me fez olhar pra baixo, para os meus pés (juro que ainda não tinha feito isso), e me assustei. Nunca havia visto meus pés tão inchados na minha vida! Por isso que achei aquela caminhada horrível, e para completar, ainda estava de havaianas.

Minha família inteira ficou preocupada com os meus pés, e o fato deles estarem tão inchados meio que prejudicou o andamento do dia. Mesmo assim, conhecemos a Ponte Vecchio, a Cattedrale de Santa Maria de Fiore, os arredores da Piazza della Reppublica e ainda fizemos muitas comprinhas!

Réplica da estátua de David, em frente ao museu Uffizi

Réplica da estátua de David, em frente ao museu Uffizi

Tudo que não compramos na Eslovênia, compramos em Florença. Entramos numa loja e compramos tanta coisa que nem lembro mais. Até a carteira que uso hoje ainda vem daquele dia e continua linda! Comprei um bonito (tá, e caro também) óculos de sol de armação branca do jeito que queria, mas a satisfação maior foi, ao chegar em São Paulo, ver esse mesmo óculos sendo vendido por R$1600. Saí ganhando nessa.

Mesmo com meus pés ruins (obviamente estava sentindo muita dor), conseguimos fazer boas caminhadas pelas ruelas do centro de Florença. A parte ruim foi voltar ao ponto de encontro, que era longe. Nunca estive tão cansada em toda a minha vida, e sentar no meu lugar foi o maior alívio que tinha. Agora iríamos em direção a Roma: só chegaríamos lá depois das 22h.

Dia 12 – Roma

Roma (Google Maps)

Roma (Google Maps)

Esse dia seria exclusivo em Roma, e confesso que não estava mais sentindo a empolgação habitual do início da viagem. Pra mim, esses passeios já haviam virado rotina! O primeiro lugar a ser visitado foi o Coliseu, mas teríamos que ser rápidos: os ônibus de turismo só podiam ficar estacionados por 15 minutos, o que nos obrigou apenas a tirar fotos rápidas do lado de fora.

Depois do Coliseu, o ônibus passou por locais onde haviam muitas ruínas romanas. Passamos pelo Fórum Romano, pelo Circus Maximus, por banhos romanos e outras ruínas e escadarias antigas por toda a cidade.

Imponente!

Imponente!

Mas o foco principal do dia seria o Vaticano. Nós visitamos o Museu Vaticano (Musei Vaticani), o que dá direito de ver várias obras de arte, esculturas, assim como relíquias medievais, todas propriedade da Igreja. Achei todo o acervo lindo, e a arquitetura do Vaticano é espetacular! Amava cada jardim, cada salão que entrava. Algo que me chamou muito a atenção foi a sala com os mapas – adoro cartografia e admirava todas as nuances dos mapas dali.

Caminhamos bastante, apreciando todas as obras de arte dali. Eventualmente chegamos num dos pontos fortes da visita, que era a Capela Sistina. Michelangelo passou 5 anos de sua vida pintando todas as paredes e teto da capela, resultando num trabalho maravilhoso e memorável, com seu ápice na tela que retrata o encontro da mão do homem com a mão de Deus.

@Vaticano

@Vaticano

Todas as minhas fotos da Capela Sistina ficaram horrorosas (minha câmera era péssima, gente), e todas as horas, os seguranças dali pediam para não utilizarem o Flash. Eu segui o pedido, mas muitas pessoas faziam uma de “João sem braço” e tiravam com flash mesmo assim. Existem ordem de confisco das câmeras com os desobedientes, por isso nem tentei.

Capela Sistina

Capela Sistina (mais uma vez, perdão pela foto desfocada! hehe)

Ainda visitamos a tumba dos Papas, onde a maioria estão enterrados. A morte do Papa João Paulo II ainda era recente, então muita gente se aglomerava para observá-lo.

Para concluir, havia um passeio dentro da Basílica de São Pedro. Essa visita ao Vaticano fora bem densa e demorada, e confesso que a guia não estava ajudando. Diferentemente da guia de Florença e da guia do Quartier Latin, não sentia interesse algum pela forma que ela explicava os fatos. O curioso era que estávamos num domingo, e excepcionalmente ali, não haveria missa.

@São Pedro

@São Pedro

Ainda passeamos bastante pelo centro de Roma, até que pegamos um táxi para voltar ao hotel, bem mais tarde. E o meu pé? Ainda dava para caminhar, mas não estava mais aguentando.

Dia 13 – Roma

Roma (Google Maps)

Roma (Google Maps)

Esse foi um péssimo dia. Meu pé estava numa condição que eu não conseguia mais pisar no chão! Nesse dia, estava programada uma visita extra à Nápoles, Capri, Pompeia e Herculano, com o custo de 200 euros, mas devido à minha condição excepcional, não valeria a pena, pois não aguentava caminhar.

Por causa disso, fiquei no hotel o dia inteiro com o meu avô – fiquei assistindo TV e dormindo. Essa seria uma decisão que não faria hoje, mesmo se meu pé estivesse dilacerado, continuaria a caminhar.

Olha o parênteses aberto aqui (De fato, continuei uma viagem com meu pé esquerdo dilacerado na Alemanha, onde sofri um acidente. Foi difícil, mas consegui!)

Neste dia, a minha família poderia ter ido pra Capri et al, mas não foram para não me chatear, pois era o passeio que mais queria fazer. No lugar, conheceram lugares de Roma que não tínhamos conhecido no dia anterior, como a Fontana de Trevi, a Catedral de ossos, a Piazza Venezia e outros.

Fontana de Trevi

Fontana de Trevi

Dia 14 – Pisa e Turim

Roma - Pisa - Turim

Roma – Pisa – Turim

Esse dia estava com um gostinho de saudades. Nesse ponto, não faríamos tantas paradas e passeios como nos outros dias, então nos restaria aproveitar longas viagens de estrada no ônibus, observando a paisagem.

Saímos de Roma cedo, e viajamos por uma estrada que ficava bem na margem do Mediterrâneo. Já estava com saudades, e aquele mar azul com aquele mesmo céu sem nuvens de Veneza já me trazia outra sensação: tristeza. Eu não queria voltar para casa.

Durante o caminho, passamos por algumas cidadezinhas bem antigas e pitorescas. Paisagens iam e vinham, até que vimos uma cidade de um porte um pouco maior: era Pisa.

A Torre Torta

A Torre Torta

Para descer em Pisa, lembrava um pouco Florença. O ônibus parava num determinado ponto, e teríamos que ir caminhando para o local onde fica a torre. Obviamente, o centro de Pisa possui bem mais que isso, mas o nosso foco seria a torre torta.

Não imaginava que a Torre de Pisa era tão torta assim! Pessoas podem subir lá, mas devido à nossa falta de tempo, nem tentamos. O que nos restou? Fazer aquela fotinho clichê, tentando segurar a torre (zzzz). Ok, eu reclamo, mas o processo foi engraçado.

Ao lado da Torre de Pisa, fica o Batistério, o Duomo, e a Lupa Capitolina, numa espécie de parque gramado. Obviamente, é possível de visitar todos: existem muitos turistas lá!

Almoçamos rápido no Mc Donald’s – sim, cometemos essa heresia na Itália -, mas confesso que o sanduíche que pedi (um único da Itália) estava bem gostoso! Um dos melhores que já comi. Ainda deu tempo de comprar uns poucos souvenirs baratinhos (coisa de 1 euro cada, na época), e voltamos para os ônibus.

Passando por Genoa

Passando por Genoa

Vale ressaltar que nessa área onde os ônibus estacionam, uma série de imigrantes (aparentemente africanos) ficam vendendo uma série de produtos piratas, como bolsas, óculos de sol e afins. Reza a lenda que se te pegam comprando esses produtos, você pode ir preso, pelo fato de que esse tipo de falsificações é fortemente combatido na Itália.

Depois de Pisa, seguimos até Turim, nosso destino final. No caminho, passamos por uma série de cidades na costa noroeste da Itália que pareciam a coisa mais linda! Construídas em vales entre duas montanhas e o mar, parecia que ali as pessoas viviam em outro tempo, realidade totalmente diferente da nossa.

Enfim chegamos em Turim, quase no início da noite. Jantamos ali perto, meio com a sensação de dever cumprido. Nossa viagem estava chegando ao fim.

Dia 15 – Genebra e Paris

Turim - Genebra - Paris

Turim – Genebra – Paris

Considero Turim como apenas uma breve parada. Não deu tempo de conhecer nada da cidade, devido à hora que chegamos, e a hora que sairíamos no dia seguinte. Na verdade, saímos bem cedo desta cidade italiana, e o nosso destino seria Genebra, na Suíça.

No caminho, passaríamos pelos Alpes, e vimos algumas paisagens lindas (as usual). Na região do Vale do Aosta, várias casinhas lembravam as da Alemanha. Essa região durante o inverno é muito requisitada para esqui e outros esportes praticados durante essa época.

Falando em inverno, foi nos Alpes italianos que eu vi neve pela primeira vez. Lá no topo das montanhas, beeeem de longe! A princípio foi só um alarme falso, já que ao ver as primeiras montanhas com topo branco, já achei que fosse neve, mas não – eram montanhas onde eram extraídos mármore Carrara. Depois de algum tempo, a nossa guia nos confirmou que o que víamos era de fato, neve.

Depois dos Alpes italianos, atravessamos a fronteira com a França – país onde iniciamos nossa jornada. Oficialmente, atravessamos a fronteira em baixo de um túnel, que se localiza abaixo do Mont Blanc/Monte Bianco/Monte Branco. Essa montanha é a mais alta da Europa e é disputada por França e Itália, e o túnel que passamos, é o mais comprido do mundo.

Cidadezinha italiana próxima à fronteira com a França

Cidadezinha italiana próxima à fronteira com a França

Algum tempo depois, chegamos a Genebra. Apenas passamos num checkpoint rápido na fronteira com a Suíça, e em breve, nos deixaram na beira do Lago Genebra.

Estávamos na capital mundial dos relógios, então decidimos comprar alguns. Ali perto, compramos chocolates suíços maravilhosos que fiquei degustando por semanas a fio, de volta pra casa.

Para variar, nosso tempo em Genebra seria curtíssimo, então pedimos um Mc Donald’s (risos) e voltamos ao ponto de encontro. Foi só isso que conhecemos da Suíça – duas quadras.

Rua em Genebra

Rua em Genebra

Se você olhar no mapa, a distância de Turim até Paris é muito grande (era a maior de todos os dias da nossa viagem), então não tínhamos tempo a perder. Prontamente seguimos até à capital francesa, e quanto mais nos aproximávamos de Paris, mais sentíamos falta de todos esses dias que passamos na Europa.

A Lua estava enorme naquela noite, deixando o céu lindo! Era a Europa nos dando adeus e obrigada. No dia seguinte, pegamos o voo direto para casa.

Linderhof: castelo ou palácio?

Linderhof é um dos lugares inesquecíveis a se visitar na Baviera, e escrevi (só um pouquinho) sobre neste post aqui. Mas o que é Linderhof? Castelo? Palácio? Quem construiu? Onde fica? Vale a pena visitar?

Primeiramente vou confessar que não conhecia Linderhof até o dia que fui até lá. Comprei no concierge do hotel um passeio para Linderhof, Oberhammagau e o castelo de Neuschwanstein, que incluía todo o translado e ingressos.

Eu no castelo de Linderhof (desconsiderar essa cara, hahaha.)

Eu no castelo de Linderhof (desconsiderar essa cara, hahaha.)

Dessa vez não vou contar pra vocês em detalhes o que aconteceu, mas acabei não visitando Neuschwanstein por causa de uma emergência médica, o que me deixou arrasada. Pelo menos tive um belo prêmio de consolação, que foi conhecer a linda Linderhof enquanto ainda estava tudo bem.

Enfim, a maioria dos sites e blogs em português classifica Linderhof como castelo, fato que discordo, pois ela não tem nenhuma característica de castelos que nós conhecemos. Para tirar a dúvida, vamos à raiz da palavra: Linderhof é classificada em alemão como Schloss, ou seja, palácio. E vou classificar mais ainda: diria que Linderhof é um palacete, que lembra muito uma casinha de boneca.

Quem construiu Linderhof foi o rei bávaro Luís II (ou Ludwig II em alemão), que foi conhecido como der Märchenkönig, ou seja, o rei “conto de fada”. Isso por que ele tinha um projeto de construir uma série de palácios na Baviera que remontavam a contos de fada. Dentre esses palácios se encontram Neuschwanstein, Herrenchiemsee e claro, Linderhof.

Linderhof

Linderhof

Ludwig também foi envolvido em muitas polêmicas, e até hoje ele ostenta a fama de louco: tanto pelas ideias de grandeza e opulência refletidas nos palácios, gastos de uma grande quantidade de dinheiro, o casamento que nunca saiu do papel com a prima Sisi, e o forte envolvimento (possivelmente amoroso) com o famoso compositor Richard Wagner.

Ludwig mandou construir Linderhof como se fosse uma residência particular para ele, por isso o tamanho diminuto do palacete. Os cômodos dali foram projetados para só uma pessoa, e a localização isolada reforça a ideia de paz e tranquilidade que Ludwig pretendia manter longe de Munique e outras cidades da Baviera.

Linderhof recebeu muitas influências de Versailles, levando em conta a adimiração que Ludwig sentia pelo Rei Sol Lous XIV. A decoração estilo rococó com muitos detalhes em ouro é um reflexo da ostentação que o rei bávaro gostava de mostrar, fato que preocupava os responsáveis pelas finanças do reino.

Infelizmente não é possível tirar fotos de dentro do palacete. Então fica aí a inspiração e a imaginação. :)

dscf0963

Isolamento: no meio da natureza

Isolamento: no meio da natureza

Duas outras grandes influências de Versailles são sentidas em dois lugares. A galeria dos espelhos é provavelmente uma cópia menor do famoso salão dos espelhos do palácio de Louis XIV. Não que isso seja algo ruim, pois ambos os cômodos são bonitos do seu jeito.

Um outro lugar que também merece destaque são os jardins, que Ludwig chamava de Jardins dos Prazeres. Muitos também dizem que a influência de Versailles é óbvia, considerando as formas retas e detalhes com água. A gruta de Vênus também é um destaque de Linderhof, atraindo muitos visitantes.

Infelizmente não pude apreciar nem o jardim quanto a gruta. Era fim de dezembro: a gruta estava fechada, e os jardins cobertos de neve.

Mesmo muito frio, achei Linderhof encantadora! As visitas ocorrem com grupos fechados em horários específicos, então não é bom perder a hora da entrada, quando o guia chama. Existe também uma loja de lembrancinhas com um preço meio salgado, para os que se interessarem.

Entrada de Linderhof (lojinha e restaurante ao fundo)

Entrada de Linderhof (lojinha e restaurante ao fundo)

Enfim, visita recomendadíssima e interessante! Visite Linderhof! :)

Airport review: Ministro Pistarini – Ezeiza (EZE)

O aeroporto de Ezeiza em Buenos Aires recebe a maioria dos voos internacionais da cidade, e é bem possível que o seu voo chegue na capital argentina ali. Tanto a Gol como a Latam operam voos diários para Ezeiza, e aqui irei apresentar alguns pontos relevantes e importantes que você tem que saber sobre o primeiro lugar que você entrará em contato em Buenos Aires!

Terminal de Ezeiza

Terminal de Ezeiza

Companhias aéreas que voam para o Brasil:
Ezeiza é um dos aeroportos internacionais que possuem maior número de voos diretos para o Brasil. Não fiz nenhuma pesquisa estatística mais profunda, mas não estranharia se este fosse o aeroporto estrangeiro com o maior número de voos de e para o Brasil.Atualmente, 9 companhias aéreas atuam em voos diretos para o nosso país.

Obviamente, algumas delas já vem automaticamente na cabeça, por serem empresas argentinas e brasileiras, como as Aerolíneas Argentinas, e as nossas Gol e Latam Brasil. Outras empresas argentinas como a Austral e a Latam Argentina (que é irmã da Latam daqui) também operam voos para o Brasil.

A Latam do Paraguai termina a lista de empresas latinoamericanas que operam voos de Ezeiza para o Brasil, e também vale ressaltar as três empresas do Oriente Médio que utilizam os nossos aeroportos como escalas para seus destinos finais. A Emirates opera o trecho Buenos Aires – Dubai com escala no Rio de Janeiro (Galeão) e a Turkish Airlines e a Qatar Airways operam seus respectivos trechos Istambul (Atatürk) – Buenos Aires e Doha – Buenos Aires através de uma escala em São Paulo (Guarulhos).

Só lembrando que pelo fato de serem escalas, os passageiros das três companhias que citei acima tem a opção de irem tanto para o Oriente Médio, assim como para Buenos Aires! De vez em quando eles fazem promoções, é só ficar de olho.

Quais cidades brasileiras tem voos para Ezeiza?
Felizmente EZE possui conexões com várias cidades brasileiras. São Paulo (Guarulhos) possui o maior número de voos e empresas que operam até lá, seguido do Rio de Janeiro (Galeão).

Outras cidades como Brasília, Florianópolis, Salvador, Natal, Fortaleza e Recife também possuem voos diretos para Ezeiza, fazendo com que muitos brasileiros tenham uma maneira mais fácil de visitar nossos irmãos austrais.

Ontem mesmo uma notícia foi divulgada nos meios de comunicação daqui dizendo que a Anac liberou um voo semanal entre Manaus e Buenos Aires (!!) (Updated: temos um voo semanal – ida aos sábados e volta aos domingos) para começar a partir do mês que vem já. Espero que os procedimentos sejam rápidos e que em breve a nossa cidade possa conquistar mais um trecho internacional, para facilitar a vida dos nossos viajantes!

Como se locomover até o Centro?
No aeroporto se localizam alguns guichês de vans e outros tipos de transfer, assim como os táxis usuais. Dependendo do número de passageiros e destinos, você pode escolher como ir até o centro da cidade. Vale ressaltar que não existe metrô ou outro tipo de trem, então o viajante já deverá buscar informações prévias sobre o melhor tipo de transporte que lhe convém.

Vale lembrar que Ezeiza não se localiza em Buenos Aires. Ela é como se fosse uma cidade um pouco afastada da capital argentina, e para chegar lá é preciso saber organizar seu tempo. Eu só utilizei esse aeroporto na volta para o Brasil, e o meu voo saía de madrugada. Saí do meu hotel na Recoleta às 3h da madrugada e o trajeto até o aeroporto levou 40 minutos, sem nenhum trânsito. Durante o dia, podem existir congestionamentos, então o ideal é sair preparado com muito tempo de antecedência!

Para complementar, o transporte que escolhi foi o táxi (indicado pelo hotel) e ele custa 480 pesos, o que é um preço único para saída de qualquer ponto de Buenos Aires até Ezeiza.

Bandeira da Argentina em Lego

Bandeira da Argentina em Lego

Como é a imigração?
Como falei nos parágrafos acima, eu só passei pela imigração de Ezeiza na saída de Buenos Aires. Como previsto, foi tudo tranquilo, sem perguntas nem observações. Apenas um bom dia, colocar o passaporte no scanner e um carimbo de saída de brinde.

Mas para complementar, quando saí do Uruguai em direção à Argentina, a única questão que o agente da imigração me fez foi qual seria o meu destino depois de Buenos Aires, e prontamente respondi que o Brasil, pois iria voltar para casa.

Passaporte ou identidade?
Pensei em fazer um post especial e mais profundo sobre isso (e irei fazê-lo!), mas desde já adianto que mesmo com o Mercosul e o livre trânsito de pessoas, o passaporte é o documento mais indicado para você levar. Mesmo que sua identidade esteja em bom estado e com data de emissão de até 10 anos, leve o passaporte.

Free shop vale a pena?
É uma pena, mas dessa vez não comprei nada no Duty Free. Mesmo assim, caminhei pelo local e verifiquei produtos e preços, e te garanto que com certeza o Free Shop de Ezeiza é bem completo e tem alguns preços interessantes. O que eu compraria ali é óbvio: seriam os doces de leite argentinos maravilhosos!

Free shop na Argentina

Free shop na Argentina

Tem wifi?
Tem sim, e ilimitado! Como venho falado nesse tipo de post, hoje é muito difícil ver um aeroporto internacional de grande porte sem que tenha wifi grátis, mesmo com período de tempo.

Qual a disponibilidade de cadeiras?
Não faltam cadeiras em Ezeiza, só que elas parecem ser meio desconfortáveis para dormir.

E os banheiros?
Honestamente, achei que ali possuem poucos banheiros na área de embarque, e longe dos portões. O banheiro mais próximo que encontrei ficava próximo à área de imigração.

Tem lugar pra comer?
Tem sim, mas não com a grande variedade de outros aeroportos (especialmente os da Europa). Mas o importante é que não dá pra ficar sem fome em Ezeiza.

Para concluir, queria dizer que o meu voo saindo de Buenos Aires foi muito especial. Já falei aqui em outros posts que eu morro de medo de voar, apesar de saber de cor e salteado que os aviões são seguros, e blá blá blá (medo não se escolhe, se sente, haha). Dessa vez, enquanto estava no free shop eu vi a tripulação passando de relance e vi algo que me deixou muito feliz: um dos pilotos era uma mulher!

Sempre presto atenção e era a primeira vez que via uma mulher Comandante, o que me deixou muito tranquila. Se uma mulher era piloto de um voo, e internacional ainda, era por que ela era muito boa! Por um momento eu me perguntei se ela era uma aeromoça, mas ela estava com o quepe de piloto na cabeça e não a vi no avião durante o serviço de bordo. Quando estava no finger, prestes a entrar no avião, estiquei meu pescoço e vi no lado esquerdo da cabine (normalmente onde o piloto fica) uma mão feminina, fazendo umas anotações. Infelizmente, quem falou no rádio alguns minutos depois (aqui é o Comandante fulano, tenham um bom voo, blá blá blá) foi um homem. Para completar a desconfiança, no desembarque a cabine do piloto estava com as portas fechadas. Se eu a encontrasse lá, juro que a agradeceria pelo voo, e como a presença dela tinha sido inspiradora para mim. Enfim, no fundo, acredito que fomos conduzidos por uma mulher e tenho que acrescentar que o voo foi tranquilo – decolagem e pouso suave – e claro, acalmou uma medrosa.

Acompanhe também:

Airport Review: Orlando Int’l Airport (MCO)
Airport Review: Aeroporto di Milano – Malpensa (MXP)
Airport Review: Flughafen München (MUC)
Airport Review: Flughafen Frankfurt am Main (FRA)
Airport Review: Paris Charles de Gaulle – Roissy (CDG)
Airport Review: Miami Int’l Airport (MIA)
Airport Review: San Francisco Int’l Airport (SFO)
Airport Review: Aeropuerto Internacional de Tocumen (PTY)
Airport Review: Chhtrapati Shivaji Int’l Airport (BOM)
Airport Review: Flughafen Wien (VIE)
Airport Review: Aeroport Sheremetyevo (SVO)
Airport Review: Budapest Liszt Ferenc – Ferihegy (BUD)

Airport Review: Istanbul Atatürk (IST)
Airport Review: Aeroporto da Portela (LIS)

Airport Review: Chicago O’Hare Int’l Airport (ORD)