Como é estudar Arquitetura em universidade Federal?

Olá, internet! Então, voltando aos posts sobre Arquitetura, hoje vou falar um pouco sobre um tema que é corriqueiro em várias áreas do conhecimento: como é estudar numa faculdade pública? No meu caso, estudo em Federal, mas no passado já frequentei a Estadual, então meio que conheço ambos os mundos.

Adiantando um pouco, esse post terá um pouco mais de opinião que o normal (obviamente sempre sendo respeitosa).

Uma das minhas maquetes favoritas de Forma: a Adição em Malha

Então, lendo muitos depoimentos e artigos, vejo pessoas equivocadamente subestimando as faculdades federais (em favorecimento das particulares), especialmente mais ao sul do país. Os argumentos são sempre os mesmos: greves, grade desatualizada, infraestrutura, e afins. A impressão que eu tenho é que muitas vezes falta muito conhecimento de causa e esses mesmos argumentos utilizados pelos críticos às faculdades federais são facilmente batidos por quem realmente conhece o dia a dia de uma universidade assim.

Antes de falar das terríveis greves, posso dizer com certeza que estudar Arquitetura em faculdade federal é muito bom, e não trocaria meu país UFAM por nenhuma particular. Tecnicamente ainda sou caloura, mas vivo essa rotina de federal há muito tempo, e apesar de estar no início da minha caminhada, consigo ver que há um grande esforço por parte dos alunos e professores pela melhor execução possível das aulas.

O curso de Arquitetura na UFAM é novo (até hoje só duas turmas pegaram o canudo), então a grade é bem atual, o que não é um grande problema no nosso caso. Outro lado bom é que algumas matérias-chave não são exclusivas do nosso curso, e caso ocorra algum problema (tipo uma reprovação em Física, Topografia e afins), a mesma matéria com o mesmo código é disponibilizada em outro curso da faculdade, o que diminui as questões burocráticas.

O fato de você não pagar mensalidade é outra coisa que é muito boa, pois Arquitetura é um curso onde precisamos gastar muito com materiais (socorro). Assim, os alunos ficam despreocupados com financiamento, boletos, contas e outras coisas.

Apesar de termos problemas de estrutura que são clássicos das faculdades federais (não nego, mas são problemas que dão pra levar), por enquanto ainda não tivemos questões muito graves em relação à falta de materiais. O que me vem à cabeça imediatamente é que só existem dois teodolitos para uma turma de 50 alunos de topografia, mas com apenas uma aula prática por semana, e em equipes, a carga não fica tão ruim (pelo menos por enquanto).

Os ateliês do curso no momento estão passando por reforma. Ainda não sei exatamente qual é a extensão desta, mas acredito que os locais vão ficar muito bons. Antigamente (até mês passado) existiam pranchas adequadas para Arquitetura, e alguns laboratórios. Confesso que como a minha vivência neste curso ainda é pouca, não sei dizer se esses laboratórios estavam com falta de materiais (eu imagino que sim, com uma ou outra coisa), mas como citei no parágrafo acima, nossa turma não sofreu tanto com a falta de materiais.

Outra coisa que acho positiva sobre a UFAM é a carga horária. O curso é vespertino e noturno, e por causa disso, temos uma quantidade de disciplinas maior do que as particulares da minha cidade. Existem pessoas que já acreditam que isso é um lado negativo, já que uma faculdade tão puxada quanto a nossa pode comprometer a flexibilidade do aluno.

Mas na minha opinião, muita flexibilidade pode comprometer a formação acadêmica do aluno, já que os estudos, em cursos dessa maneira, costumam ser deixados de lado perante trabalho e outras obrigações da pessoa. Arquitetura, assim como as engenharias, é um curso que requere muita atenção, técnica e trabalho, portanto ele não deve ser feito de qualquer jeito.

Mas claro que existem problemas, mas nenhum deles é uma dor de cabeça tão grande a ponto de desmerecer a minha faculdade perante a outras. O que chama mais a atenção são obviamente as greves. Elas são frustrantes sim, mas não a ponto de me desestimular e trancar o curso. Conheço colegas que fizeram isso na faculdade de Economia, mas honestamente, a greve foi só uma desculpa para desistir de um curso que essas pessoas nem gostavam.

Sendo bem sincera, a greve só é ruim se você não sabe aproveitá-la. Claro, é frustrante ter que adiar sua formatura em dois, três meses por causa de desentendimentos de alguns setores da universidade, mas em todo problema existe uma oportunidade.

Antes que comecem a me criticar, passei por duas greves na minha vida acadêmica em Economia (três e quatro meses respectivamente). Na primeira greve, descansei, viajei e passei três meses me preocupando exclusivamente com trabalho e auto escola. Da segunda vez eu aproveitei o tempo para avançar a minha monografia.

Sim, peguei greve no último período da faculdade. Greve esquisita, onde quase todos os cursos continuaram as aulas, mas nós de Economia (aff) e cursos de humanas como letras e licenciaturas (pra variar) tivemos que parar. Fiz todas as minhas pesquisas, escrevi muito, fiz todos os gráficos, revisões de português, tudo nesse espaço de 4 meses. Na reta final (propriamente dita), estava bem despreocupada, enquanto outros colegas estavam com tudo atrasado.

Enfim, por enquanto volto a enfatizar o quanto eu estou gostando de estudar Arquitetura, e ainda mais na faculdade onde estudo. :) Em breve, volto com mais posts, e muito obrigada se você leu até aqui! :)

Anúncios

Como foi o 1° período de Arquitetura? – Disciplinas (parte 2)

Olá novamente! Esse texto é a continuação deste aqui, onde comecei a falar sobre a grade do primeiro período do curso de Arquitetura e Urbanismo. O primeiro texto focou nas 4 matérias mais gerais desse semestre, e agora vou falar das outras 4 disciplinas que tivemos. Também vou falar o que é, o que eu achei, e se é difícil ou não.

(spoiler: o próximo post vai ser sobre viagens!)

5. Introdução à Profissão do Arquiteto

Acho que é comum que a maioria dos cursos possuam uma matéria introdutória, seja de algum conteúdo importante, ou da carreira, como é o caso dessa disciplina. Quando eu estudei Economia, eu tive Introdução à Economia: Micro e também a Introdução à Economia: Macro. Nesses dois casos, essa introdução focava nas duas grandes casas da economia, que derivam muitas outras áreas do estudo. Agora no caso de IPA, não foi uma introdução ao estudo da arquitetura, e sim, das áreas de atuação e outras reflexões sobre a carreira do arquiteto.

Essa matéria foi bem curtinha, com apenas uma aula por semana. A maior parte das aulas se direcionaram ao trabalho prático, que foi a idealização de um objeto escultórico. Eu até gostei do meu, mas houveram uma série de erros de interpretação que comprometeram o resultado final (minha culpa, mas fica a lição).

Nessa disciplina, tivemos uma ideia de como o arquiteto lida com as situações da vida prática, e aprendi algumas coisinhas logo de cara, como por exemplo, o que é um lugar e um não lugar (das pequenas coisas óbvias que não conseguíamos explicar com os termos corretos).

6. Expressão 1 – Desenho de Observação

Snapgram de hoje! Ainda estava finalizando o desenho do passarinho, ele ficou bem mais bonito!

O período termina na terça feira e essa é a única matéria que falta terminar. Infelizmente houve um problema de falta de professor no início do semestre, e por causa disso, demoramos a começar as aulas. Então estamos tendo reposição de aulas todos os dias e sempre desenhando como loucos!

Como o nome da matéria já diz, é desenho de observação, ou seja, o professor normalmente passa um desenho e temos que copiá-lo. Ele dá as técnicas necessárias para preparar o desenho e nós as reproduzimos da nossa maneira. A princípio trabalhamos só com grafite, mas nessa última semana, estamos utilizando lápis de cor aquarelável.

Acontece que eu nunca me achei boa desenhista. Eu tento ser esforçada e dar o melhor em todos os meus trabalhos, e o fato de ser detalhista me ajuda a por mais carinho nos desenhos. Pois todo esse cuidado trouxe resultados incríveis! Nem parece que fui eu que desenhei aquilo, haha.

Eu desenhei um pássaro com uma expressão tão real (ele parecia bem raivoso), que me orgulhei imensamente! Isso provou que eu posso desenhar sim! Então se você achar que para fazer Arquitetura é necessário desenhar bem, fique tranquilo que essa habilidade você vai desenvolver aos poucos!

Os materiais necessários para essa disciplina foram papel A3 para desenho (gramatura de preferência de 180 a 200g), lápis B (comprei do HB até o 6B), borracha para desenho, portfólio A3, pasta A3 com alça e lápis de cor aquarelável.

7. Expressão 2 – Desenho na Arquitetura

Detalhes de algumas árvores que desenhamos para Expressão 2

Na verdade, essa é uma matéria do segundo período, mas que foi adiantada para este semestre. No lugar dela teríamos aula de Fotografia, mas esta vai ficar para o 2017/2.

Essa aula de desenho é diferente da anterior. Esses desenhos são mais técnicos, com o objetivo de desenharmos plantas baixas no final do semestre. Nessa matéria muitos materiais foram pedidos e utilizados, como o papel A2 milimetrado, tubo ou pasta para guardar papel (comprei o tubo), grafites 0.5 e 0.9, canetinhas de ponta fina e de ponta grossa, escalímetro, e canetas nanquim pretas de espessuras variadas (utilizei as canetas nanquim descartáveis 0.05, 0.2, 0.5, 0.8 e 1.0, fora uma coleção de Stabilos coloridas 0.4 – e também ganhei um conjunto de colecionador de nanquins recarregáveis, mas que nunca utilizei)

A princípio começamos escrevendo linhas e letras, daí treinamos a mão livre e criamos o nosso padrão de alfabeto. Aos poucos o professor ia explicando a notação de paredes de concreto, tijolo, madeira, etc. Também aprendemos a desenhar árvores e outros tipos de vegetação para planta baixa. Depois aprendemos a fazer uma planta baixa de uma casa e de um prédio.

Nessas plantas baixas temos que indicar tudo: paredes, piso, iluminação, portas, janelas altas e baixas, tomadas, interruptores, telhado. Foi uma matéria trabalhosa, mas que no fim, gostei de fazer.

8. Estudo da Forma 1

Uma das minhas maquetes favoritas de Forma: a Adição em Malha (Não é igual à malha da segunda maquete)

Essa disciplina, de longe, foi a mais trabalhosa de todas! Não achei ela ruim nem chata, mas tiveram altos momentos de tensão durante o semestre.

Em Forma, aprendemos os princípios das maquetes, sendo que nesse semestre o foco seria o volume. Toda semana teríamos que entregar no mínimo uma maquete inspirada nos assuntos que o professor passava, inspirados em Ching.

Forma acabou se tornando difícil para muitos alunos pelo fato de que as maquetes consomem muito tempo e atenção das pessoas. Às vezes as pessoas tinham dificuldade na gestão de tempo e acabavam virando a noite cortando e colando papeis. Felizmente isso nunca aconteceu comigo e sempre entreguei minhas maquetes a tempo, e sem perder muito sono.

Acabamos utilizando muitos materiais que muitos (eu inclusa) ainda não haviam utilizado. Durante todo o semestre, cada um teve que comprar MUITOS papeis coloridos, MUITO papel triplex ou cartolina de gramatura alta, MUITO papel paraná, MUITAS seringas, cola de contato, cola de silicone (gostava de usar as duas), espátula, tábua de corte, estilete, régua de metal, lixas, esquadros, e ainda tivemos que arrumar um caderno A3 para que pudéssemos anotar nossos projetos de maquete.

Como utilizamos estilete, teve muita gente que se cortou. Felizmente acidentes ainda não aconteceram comigo, mas não fiquei isenta dos machucados. Nas duas primeiras maquetes eu ainda estava me adaptando a como cortar direito com o estilete e criei um calo no meu dedo indicador direito. Um belo dia esse calo abriu e ardeu bastante, e essa parte do meu dedo já ficou com a pele mais grossa que o normal. *eyeroll*

Sobre a minha evolução na disciplina: comecei mal, já que algumas peças da minha primeira maquete não estavam perfeitas. Ainda inventei de lixar algumas arestas e o professor reclamou muito disso, pois elas pareciam que tinham sido cortadas com lâmina cega, e acabei levando 7. A segunda maquete ele pensou que estava incompleta, pois o assunto era malhas, e a minha intenção era evidenciar um desenho que seria feito com as sombras dos módulos. Ele achou vazia e me deu nota 7.

Sempre busquei ouvir os conselhos dele e sempre comparei meu trabalho com os outros, e sempre quis melhorar para conseguir os elogios! A partir da terceira ele começou a elogiar mais o meu trabalho e mantive boas notas por bastante tempo! Nunca tirei 10, mas tirei algumas notas 8.5, 9 e 9.5.

Sempre pedia feedbacks e sentia que eu evoluía a cada semana. Eu queria muito que ele fizesse duas coisas comigo: os bons trabalhos ele tirava foto, e estas serão mostradas para os nossos calouros se inspirarem, e às vezes (mais raramente), ele chamava a atenção da sala para mostrar uma maquete que ele considerasse boa. Ele tirou foto de todas as minhas maquetes, com exceção das duas primeiras e da última, e ele mostrou uma maquete minha para a sala uma vez. Isso te faz sentir bem, sério, haha.

A última maquete eram 3 em 1. Eu gostei muito de uma e foi a que eu tive melhor nota. As outras duas eu não gostei e também não tive inspiração para melhorar. Minhas notas nessas duas foram menores do que eu já estava me acostumando a receber, mas também não foi uma tragédia.

Ainda existe a parte 2 dessa matéria, que vai acontecer agora em 2017/2. Já estou curiosa para o que vai acontecer.

Enfim, felizmente não reprovei em nada!! Agora é torcer para continuar assim! Provavelmente em dezembro (quando termina o próximo período da faculdade), vou dizer como foram as disciplinas, e espero também ter passado em tudo.

Como foi o 1° período de Arquitetura? – Disciplinas (parte 1)

Olá, internet! Esse é o segundo post da categoria Arquitetura e Urbanismo, e eu tenho muuuito o que falar sobre o assunto! Se já estou assim no primeiro período, imagina nos outros 9? Haha. Já que é assim, vamos por partes!

Hoje eu vou explicar como foi a grade do meu primeiro semestre da faculdade, falando o que é, o que gostei, o que não gostei, quais foram as dificuldades e as facilidades. Vamos lembrar que a grade acadêmica difere entre faculdades, mas muitas matérias possuem características semelhantes, que podem ser comuns a muitos estudantes de Arq e Urb.

O nosso curso é vespertino e noturno, então acabamos passando muito tempo na faculdade, especialmente por que nesse semestre tivemos 8 matérias, a maior quantidade num único período. Hoje eu vou falar só de 4 matérias, mais generalistas. Amanhã eu vou focar nas outras 4 mais focadas para o curso de Arquitetura.

Você pode gostar também: Como foi o 1° período de Arquitetura? – Disciplinas (parte 2)

1. Cálculo 1

Vamos começar pela matéria que bota mais medo nos calouros! Quando as pessoas falam em cálculo, normalmente já pensam em coisas impossíveis, muitas horas de sono perdidas, suor, sangue e lágrimas (eu daria essas características para Forma, mas enfim…).

O que se aprende em Cálculo 1? Os três grandes núcleos da disciplina são limites, derivadas e integrais, e se você aprender como é o princípio geral de cada um, você tem boas chances de passar. Sério mesmo! Matemática não tem segredo, são práticas e exercícios!

Durante todo o semestre, nos foram passadas várias listas de exercícios, cada uma com seu assunto específico, e as questões das provas seriam escolhidas dali. Dava pra tirar dúvidas em sala, e alguns aplicativos (como o Symbolab e o Malmath) mostram o passo a passo da resolução das questões. Nada que algumas horinhas resolvendo exercício não funcionem. :)

Mas assim, eu meio que não terminei Cálculo. Como eu já tinha feito uma matéria semelhante em Economia, eu consegui aproveitar a disciplina (só o nome era diferente, mas o conteúdo era igual)! Mas até sair o resultado, eu frequentei as aulas, resolvi as listas e fiz as provas. Se eu tivesse terminado junto com os outros colegas eu teria passado. Outra coisa, essa disciplina é igual a todas as engenharias.

2. Metodologia do Trabalho Científico

Acredito que quase todas os cursos da universidade possuem essa matéria em sua grade. Às vezes não exatamente com esse nome, mas o conteúdo é holístico, serve para qualquer curso. Essa disciplina, dentre outras coisas, nos ensina e auxilia a montar trabalhos científicos, sejam eles artigos, monografias ou TCCs.

O professou que ministrou esse curso também fez atividades que evidenciavam tipos de pesquisa, maneiras de estudar e outras coisas relacionadas à educação. Como se pode imaginar, existe muita leitura e discussão sobre coisas sobre o ensino.

Assim como Cálculo 1, eu consegui aproveitar MTC! Também frequentei as aulas até sair o resultado do processo, e não fiz o trabalho final, que segundo minhas amigas, foi bem difícil de realizar.

3. Estética e Filosofia da Arte

As duas primeiras disciplinas da lista eram mais genéricas e foram as que eu consegui aproveitar. Daqui até o final do curso não poderei mais fazer isso, então só me resta estudar e fazer os trabalhos da melhor maneira possível.

Mas por exemplo, essa disciplina chamada Estética e Filosofia da Arte era mais teórica que prática. O professor dessa matéria vinha do departamento de Artes, mas aparentemente ele é filósofo. Então já imagina que existe muita reflexão e discussão sobre assuntos sobre arte.

No início do curso, ele passou muitas aulas refletindo o texto do livro de Ernst Fischer – A necessidade da arte. Esse livro tem um cunho marxista e não esconde sua tendência, o que não me agradou muito. Além das aulas sobre reflexão e discussão sobre o conteúdo do livro, ele passou um seminário sobre trechos de um dos capítulos, que deveríamos fazer em grupo.

Ele também fez uma prova sobre esse livro e um outro texto. Felizmente foi a única prova dele. Além disso, ele passou um trabalhinho onde nós devíamos fazer uma reflexão sobre o gradil de um cemitério daqui, e um seminário sobre alguns tipos de arte. O tema do nosso grupo foi Pintura.

4. Geometria Descritiva

Antes de começar essa matéria, me falaram que ela era igual a Desenho Técnico, mas não se enganem: essas matérias não são tão parecidas assim. Também tive a impressão antes de ler a ementa de que essa disciplina seria parecida com o que aprendemos de geometria no ensino médio. Também estava enganada.

Minha impressão sobre Geometria Descritiva é que ela analisa as relações dos pontos, retas e planos no espaço, e como as características inerentes a cada um destes reflete na construção de formas geométricas (pessoal especializado nessa matéria, me perdoem se escrevi alguma besteira, mas acho que entendi assim).

Assim que as aulas começaram, eu fiquei muito confusa pela quantidade de informações novas! Afastamento, épura, cota, rebatimento, bissetriz, aaaaaaa. Demorei um pouco para não trocar mais os nomes das coisas (não conseguia diferenciar a cota do afastamento logo no início), e imaginei que se eu fosse reprovar alguma matéria no semestre, essa seria uma forte candidata.

Felizmente eu estava enganada também (olha quantos enganos, haha). Tirei 10 na primeira prova, fui bem na segunda (só não tirei 10 por que não lembrava como chegar num determinado ponto pedido), e tirei quase 10 numa atividade prática de construção de coberturas.

A disciplina ainda não terminou – a atividade final é amanhã e também envolve a planificação e a construção de uma cobertura.

 

Então, amanhã eu vou continuar com a parte 2 deste post. Se você leu até aqui, obrigada :)

O mais novo desafio (que já tem alguns meses)

Olá, internet! Faz um pouco mais de 4 meses que não posto nada aqui, e o motivo para isso é tempo. Pautas sempre são muitas, mas estava com pouco tempo livre para postar e para acompanhar a maioria dos blogs que sigo. O motivo disso é muito simples: realizei um sonho antigo e comecei a fazer o curso que sempre desejei, mas que os caminhos da vida sempre me desviaram. Estou estudando Arquitetura e Urbanismo! :)

Vou escrever esse post com muito carinho, espero que gostem, mesmo não sendo sobre viagens! Criei uma categoria chamada “Arquitetura e Urbanismo”, vou escrever algumas coisinhas sobre o tema, mas o blog vai continuar se chamando Camilla pelo Mundo! :)

Então, há exatamente 1 ano e 3 dias eu me tornei economista, e tenho muito orgulho disso! Adoro estudar economia, e esse é um dos cursos que abrem a sua mente e te ajudam a compreender o mundo. Sempre existe uma resposta pra tudo, o campo de atuação é bem amplo, mas eu vivia com uma sensação de que eu estava fazendo algo errado: mas eu sentia isso desde os 17 anos, então para mim, parecia ser um sentimento normal.

Um breve resumo da minha vida acadêmica: no segundo ano do ensino médio, eu queria muito estudar Arquitetura, mas esse curso só existia em faculdades particulares aqui na cidade. Minha família foi sempre bem preconceituosa (não vejo palavra mais semelhante para demonstrar esse sentimento) em relação a faculdades particulares, então a minha opção era estudar na pública e pronto. Como não havia escolha, eu decidi que iria prestar faculdade para Engenharia Civil. Até então eu amava matemática e achava que não teria maiores problemas.

No terceiro ano do ensino médio o professor de matemática era ruim, e do nada eu deixei de ser uma aluna nota 10 e passei a ser mediana, mesmo que esforçada. Fiquei apavorada com a minha queda de rendimento e desisti dessa vontade de fazer Engenharia. No meio do ano iria acontecer o vestibular na Estadual e eu escolhi o curso por eliminação, e foi dessa maneira que eu me inscrevi para Odontologia. Acabei passando e fiz avanço de série (a pior semana da minha vida), fui aprovada, e comecei a faculdade enquanto meus amigos ainda estavam no colégio. Esse é um dos maiores arrependimentos da minha vida.

No final desse mesmo ano, eu também passei para Odonto, só que na Federal. Hoje também considero um erro, pois eu já estava cursando a mesma faculdade na Estadual, então perdi meus pontos de graça. Nunca me vi sendo dentista, e me sentia muito triste na faculdade. Tomei coragem e acabei desistindo do curso, e voltei a estudar.

O novo ano começou e era o primeiro onde o Enem iria servir para selecionar os alunos para entrar na faculdade, e outra notícia me deixou bem animada: o curso de Arquitetura iria começar na Federal ainda naquele ano!! Fiz o Enem, sinto que não estudei o bastante, mas mesmo assim consegui uma boa nota.

Antes o Sisu era diferente, já que todas as chamadas tinham sua própria seleção, e me inscrevi. Como era o primeiro ano tanto do Sisu quanto da Arquitetura, ninguém estava acostumado com o sistema. O site era difícil de acessar, as pessoas não sabiam o que esperar, mas me inscrevi pra Arquitetura! No primeiro dia, estava em terceiro lugar. No segundo, eu caí bastante mas ainda estava dentro do número de vagas. No terceiro (o último), eu já não estava na lista.

Fiquei arrasada, mas ainda tinham duas outras chamadas do Sisu! Será que eu colocaria Arquitetura de novo? E se eu não passasse? Iria deixar meus pais desapontados por não estudar na Federal?

Nesse meio tempo entre primeira e segunda chamada do Sisu, o meu pai foi numa faculdade particular que até então tinha o melhor curso de Arquitetura e Urbanismo da cidade (hoje, infelizmente, essa faculdade está prestes a fechar), ele pegou umas informações e ficou decidido que eu me matricularia lá caso eu não passasse.

Então, na segunda chamada do Sisu, me bateu medo. Eu não acreditava em mim, sempre pensava que os outros eram muito melhores, e decidi optar por um curso que me agradava, e que eu teria condições de passar. Foi aí que escolhi Economia, pelos motivos que citei acima. Eu sabia que iria passar, e acabei passando mesmo. O primeiro ano foi de empolgação, e mesmo gostando de estudar sobre o assunto, eu sentia que estava carregando um fardo. A alegria diminuiu e terminei a faculdade como se fosse uma obrigação, tanto que o meu sentimento não era de alegria por ter concluído um curso tão importante, e sim de alívio.

Vários pontos de interrogação surgiram na minha cabeça, pois os planos que existiam no início do curso foram destruídos. Eu achava que queria realizar certas coisas, e depois descobri que não, eu tinha desprezo por estes planos. Essas ideias se resumem em duas palavras: concurso público.

Cresci com a minha mãe me falando sobre os concursos, a estabilidade e blá blá blá. Eu juro que tentei dar uma chance para esses estudos, mas não deu. Não gosto de estudar os assuntos sobre Direito e não suporto a ideia de trabalhar para qualquer ente federado. Quando tive certeza disso, já estava com o diploma na mão, com a videoaula ligada e todas as minhas perspectivas para o futuro no chão.

Eu juro que tentei! Passei 6 meses trancafiada num quarto estudando noite e dia, e mesmo assim não fui bem para o concurso que estava estudando com tanto afinco. Eu me sentia um lixo, pois eu não conversava com ninguém, não conhecia ninguém, não estava tendo resultados e estava vendo que eu estava deixando de viver minha vida pra ficar estudando para alguma coisa de um assunto que eu odiava para ganhar um salário que para mim, não compensava esse esforço. Mesmo sabendo que esse é um esforço de longo prazo, sabe-se lá quando eu iria passar! Se em 6 meses eu não aguentei, imagina dois, três anos de estudo!

Antes disso, me inscrevi pro Enem de novo. A justificativa era passar pra Direito, pois isso me auxiliaria nos estudos para concursos, mas eu sentia que se eu passasse, eu já chegaria derrotada, pois eu não suportava a ideia de fazer faculdade de Direito. A minha mãe me pressionou tanto a seguir a carreira dela que ela conseguiu fazer o contrário.

Me surpreendi com a minha nota! Acho que inclusive foi melhor que a tentativa anterior, e de novo, sem estudar para isso. Por sorte minha (não a da minha mãe), a nota de corte para Direito estava mais alta do que a minha melhor nota, e deixei o destino cuidar disso, pois escolhi Arquitetura como primeira opção no Sisu!

Novamente o destino seguiu o ritmo: nos primeiros dias eu estava dentro… no final, eu estava fora! Fiquei triste de novo e deixei Design como a segunda opção. Eu era a segunda colocada em Design (ou seja, estava quase passada) e iria tentar a sorte na lista de espera pra Arquitetura. Nota: antes eu nem sabia da existência da lista de espera, talvez se eu fosse um pouco mais paciente, eu teria passado para Arquitetura ao invés de Economia.

Aí que veio a melhor notícia do ano até agora! Numa segunda feira de manhã saiu o resultado do Sisu. Eu já estava direcionando o meu olhar para a opção de Design, para confirmar minha aprovação, mas aí eu li a seguinte frase: Parabéns! Você foi aprovada na primeira opção!!

A nota de Design havia sido descartada e eu estava finalmente realizando o meu sonho! Eu fiquei tão feliz que chorei muito! A pessoa que ficou mais feliz com isso foi a minha avó, que teve a melhor reação!

O fardo que eu sentia quando eu estudava Odonto e Economia não existia mais! Nunca me senti tão leve e tão feliz na minha vida! Agora a minha única preocupação é a idade, pois eu vou me formar muito mais velha que meus colegas. Mas a idade é só um número, certo?!

Pois é, desde o início do ano, estou ocupadíssima fazendo as maquetes, plantas baixas e outras coisinhas da faculdade! Voltando ao início do texto, é esse o motivo de estar tão sem tempo! A faculdade de Arquitetura é uma das que consomem mais tempo e dinheiro, por causa dos trabalhos manuais, mas isso é outro tema.

E também esse é o primeiro texto de muitos a serem lançados até o fim do mês. As minhas férias da faculdade estão começando (infelizmente sem viajar né?) e terei um tempinho para escrever algumas coisas que meus dedos estão implorando!

Espero que esse seja o primeiro post de muitos da categoria “Arquitetura e Urbanismo”, e se você leu esse texto até agora, espero que tenha gostado! Aguarde que em breve escreverei mais coisas! :)