Livraria El Ateneo, outro achado de Buenos Aires

Olá pessoal! Já ouviram falar na livraria El Ateneo? Ela é considerada uma das livrarias mais lindas do mundo, e está localizada bem no coração de Buenos Aires, no bairro da Recoleta. Em 2008 o jornal The Guardian a elegeu como a segunda livraria mais bonita do mundo, só atrás de uma outra loja na Holanda.

20160912_115615

Antes de continuar a falar especificamente do El Ateneo, fica registrado que Buenos Aires é uma cidade cheia de livrarias, reflexo cultural de seu povo altamente interessado em leitura. Para uma fanática por leitura como eu, visitar o El Ateneo foi uma ótima escolha.

Enfim, essa livraria tem um charme diferente por estar localizada num antigo teatro desativado. Por causa disso, o lugar ainda conserva características inerentes de teatros como o palco, camarotes, afrescos pintados no teto, a forma curvada, dentre outros.

20160912_115747

Esse teatro se chamava Grand Splendid, e ele foi construído em 1919 por um empresário de artes e mídias de Buenos Aires. Pintado e decorado por artistas italianos, o Grand Splendid tinha capacidade para mais de 1000 pessoas, e vários artistas se apresentaram lá, incluindo o lendário Carlos Gardel.

Afresco

Afresco

Muito tempo depois, já no ano 2000, a rede de livrarias El Ateneo (uma das maiores da Argentina) arrendou o edifício e converteu a parte do teatro em uma loja – assim nasceu a El Ateneo Grand Splendid como conhecemos hoje em dia.

A livraria é belíssima, e também é super completa! Ali existem alguns andares de livros de diversos tipos e estilos, e se você quiser, dá para ficar algum tempo descobrindo o lugar sem pressa. Vale ressaltar que a grande maioria dos livros são em espanhol, mas é possível encontrar um ou outro em português ou inglês.

20160912_120258

A localização é excelente, bem na Avenida Santa Fe, no bairro da Recoleta. Caso você esteja fazendo uma caminhada pela região, considere seriamente fazer um pit stop lá. No meu caso, comprei os ingressos para visitar o Teatro Colón e acabei indo a pé para o El Ateneo – uns 20 minutos de caminhada na ida e outros 20 na volta.

Dá para ir de metrô também (Linha D – descer na estação Callao), só que tem que andar 3 quadras e meia até chegar no destino.

el-ateneo

Dica: na Av. Santa Fe existe uma série de lojas e restaurantes, e caso esteja pensando em comprar algumas coisas, vale a pena explorar a região a pé. Considere almoçar por perto também.

Então é isso: fica a dica para os bibliófilos em plantão – visitar a livraria El Ateneo Grand Splendid é um ótimo passatempo em Buenos Aires.

Endereço: Av. Santa Fe 1860 – Buenos Aires.

 

Anúncios

Aos domingos, tem Feira de San Telmo!

Quando você for a Buenos Aires, reserve seu domingo para conhecer a Feira de San Telmo. Criada em 1970, essa feira já virou tradição e ponto turístico indispensável para quem procura fazer uma programação diferente e divertida! Nesse post vou contar tudo que vi e o que vale a pena lá em San Telmo.

20160911_124626

Pessoas

O que é?

A feira de San Telmo é um mercado de pulgas especializado numa variedade enorme de coisas: antiguidades, artesanatos produtos de couro, pinturas, decoração, lustres souvenirs, pulseiras e qualquer outro tipo de quinquilharia interessante que chame a atenção dos compradores.

Como falei logo no início, a feira acontece somente aos domingos, e lá, 270 feirantes montam suas barraquinhas por grande parte da extensão da calle Defensa, a partir da praça Dorrego (localizada na calle Humberto). A feira atrai cerca de 10 mil pessoas, sendo turistas a grande maioria.

Hoje em dia, a Feira de San Telmo se estende por mais de 1 km, mas ela começou pequenininha, lá em 1970, com somente 30 barracas. Aos poucos, ela foi ganhando corpo e tradição, e hoje ela já é a principal feira de rua de Buenos Aires.

20160911_124730

Qual o melhor horário para visitar?

Quando eu fiz minhas pesquisas para definir o horário certo de ida até San Telmo, quase todos os sites indicavam o período da manhã. A feira inicia às 10h, então chegar cedo parecia ser primordial.

No meu caso, cheguei aproximadamente ao meio dia e a feira já estava bem cheia! Caminhar não estava impossível, mas tinha muita gente ao redor. Mesmo assim, conseguimos aproveitar e conhecer toda a extensão dali.

Mafalda

Um dos lugares mais fofos de Buenos Aires pode ser visitado enquanto você conhece a Feira de San Telmo. Na esquina da calle Defensa (rua da feira) com a av. Chile se localiza o banco da Mafalda, ótimo e indispensável lugar para tirar fotos!

A Mafalda nasceu em tirinhas feitas pelo cartunista argentino Quino. Diferentemente de muitos personagens de quadrinhos, a Mafalda traz um humor inteligente, que te faz refletir. Ela ganhou muito destaque na América Latina e acabou virando também um símbolo argentino.

Prova disso é que você consegue encontrar uma série de coisas da Mafalda à venda por toda Buenos Aires! Você pode ver por aí todo tipo de objeto e souvenir com estampas da Mafalda como almofadas, estojos, cadernos, pelúcias, nécessaires e outros. Quis muito comprar umas nécessaires da Mafalda que achei lindas, mas BsAs me deixou sem dinheiro antes disso, haha.

Para sentar no banco da Mafalda (e tirar fotos, né?), fiquei numa fila por aproximadamente 15 minutos. Valeu a pena! Gentilmente o casal de brasileiros que estava na minha frente se ofereceu para tirar nossas fotos, o que foi muito agradável!

Cuidados em San Telmo

Bem, como a Feira de San Telmo é muito cheia, especialmente em certos horários do dia, é indispensável ter cuidado com suas coisas! Com certeza alguns batedores de carteira se espreitam pela multidão, então o cuidado tem que ser redobrado!

Para tanto, naquele dia preferi não levar minha câmera. Seria muito incômodo tirar e colocar minha câmera na bolsa toda hora, (abrindo, fechando e expondo as coisas lá dentro) e também seria muito perigoso ficar com ela pendurada no peito pela extensão da feira. Estava com medo de ser visada, e todo cuidado é pouco dentro da multidão.

Apesar de ali ser bem cheio, não achei San Telmo um local tão inconveniente quanto a Calle Florida, que é um lugar que particularmente não voltarei mais.

20160911_131209

Acompanhe também: Não me encantei pela Calle Florida

Meio que também por causa disso, tirei pouquíssimas fotos desse dia, e a todas foram do meu celular. (Deixa para pedir desculpas pela não abundância de fotos nesse post!)

Então eu recomendaria andar com uma bolsa bem segura, e sempre próxima ao corpo.

Além da feira, quais são outros highlights?

A Feira de San Telmo já meio que possui hoje um background bem cultural, então existe uma série de manifestações artísticas nas ruas. Já imagine desde agora que você escuta Tango toda hora!

Fora isso, existem algumas igrejas localizadas próximas à feira, no Bairro de San Telmo: Iglesia de Santo Domingo e Iglesia de San Pedro Telmo. Mas acho que tão ou mais interessantes que as igrejas, existe uma série de galerias de arte no entorno da feira.

Vale a pena a visita?

Para quem tem interesse em fazer um passeio diferente num domingo, a Feira de San Telmo é um excelente lugar! Dá para se imergir um pouco na cultura argentina ao perceber as nuances culturais da feirinha.

A ressalva é a quantidade de pessoas que passeiam ali na feira, o que exige um pouco de atenção para quem frequenta o lugar. A foto no banco da Mafalda é indispensável, mas tem que ficar um pouquinho na fila.

Enfim, aproveite a ida à San Telmo e se deleite com todas as manifestações culturais que esse pedacinho de Buenos Aires pode trazer! :)

A flor genérica de aço

Olá a todos! Preciso dizer que eu fiquei apaixonada pelo bairro da Recoleta, em Buenos Aires! Parecia que cada rua me lembrava um pouco de Paris: bistrôs nas calçadas, gente bonita, pessoas passeando com seus cachorros e uma arquitetura exuberante!

Acompanhe também: Visitando o cemitério da Recoleta

O bairro em si já possui muitos pontos altos, lojas diversas, shoppings e atrações turísticas importantes, tipo o Cemitério da Recoleta. (Inclusive eu já fiz um post sobre este lugar por aqui!) Um dos pontos turísticos mais conhecidos da cidade é a Floralis Genérica, estrutura de aço localizada na Plaza de las Naciones Unidas.

Strike a pose!

Strike a pose!

O que é

A Floralis Genérica é uma grande flor de aço inoxidável que fica na Plaza de las Naciones Unidas, uma área verde de quatro hectares no bairro da Recoleta. Essa escultura foi dada (diz que) de presente pelo arquiteto Eduardo Catalano e ficou pronta no ano de 2002.

Segundo o próprio Catalano, essa escultura “é uma síntese de todas as flores e também é uma esperança que se abre a cada dia”. O nome também tem um sentido prático: Floralis é referente às flores, e Genérica, uma forma de representar todas as flores que existem.

Essa grandiosa escultura é cercada por um espelho d’água, que possui duas funções: estética e proteção.

Foto conceitual: ombro. haha

Foto conceitual: braço. haha

Detalhe e manutenção

Talvez a característica mais marcante da Floralis Genérica é que a escultura é planejada para abrir e fechar de acordo com a incidência da luz solar, como uma flor de verdade! Durante o dia a flor permanece aberta, e quando a noite chega, sem luz do sol, a escultura fecha, emitindo uma luz vermelha.

Em 2010 esse mecanismo de abre e fecha parou de funcionar devido a uma preocupação de possível dano à escultura devido a uma instalação incorreta. Em 2015 o problema foi resolvido e até o presente momento a Floralis Genérica continua abrindo e fechando de acordo com a iluminação natural do dia.

Informativo sobre a Plaza de las Naciones Unidas

Informativo sobre a Plaza de las Naciones Unidas

Como chegar até lá?

A Floralis Genérica fica bem próxima ao Cemitério da Recoleta, inclusive podendo fazer parte do mesmo dia de visitas. Saindo do cemitério:

  • dobre à esquerda em direção à av. del Libertador;
  • ali você atravessa uma espécie de parque, que possui uma feirinha alguns dias;
  • siga até uma ponte pedestre que atravessa a av. del Libertador (já dá para ver a Floralis Genérica dali!);
  • assim que você desce desta ponte, a faculdade de Direito com uma imensa escadaria estará a sua direita;
  • siga em frente até a entrada do parque!

Vale a pena ir até lá?

Como o nosso hotel era muito próximo da Floralis Genérica, deixamos para fazer esse passeio bem no fim da tarde e foi ótimo! O dia não estava muito quente, o céu estava lindo, super azul, e adorei o clima do lugar.

Aquele lugar lembrou um pouco dos meus domingos em Budapeste fazendo piquenique nos parques com meus amigos. Bateu uma saudades sem tamanho! Estiquei meu casaco na grama e fiquei lá deitada aproveitando o momento!

Acompanhe também: Tardes em Margitsziget

A Floralis Genérica também fica bem próximo ao Aeroporto Jorge Newbery (o Aeroparque – AEP), e sempre algum avião passava ali ao lado após sua decolagem.

Decolagem do Aeroparque <3

Decolagem do Aeroparque <3

Mas claro que a flor é linda e imensa! Com 23 metros de altura e 32 de diâmetro quando aberta, não dá para parar de admirar essa belíssima escultura! Entrada é gratuita e vale a pena a visita.

Atravessando o Río de la Plata

Olá a todos!

Hoje vou falar como foi o trajeto entre Colonia del Sacramento e Buenos Aires no ferry boat. Esse post será uma mistura entre relato pessoal e dicas, espero que gostem! :)

Se você olhar no mapa, as duas cidades são muito próximas, porém o magnífico Río de la Plata faz as vias de fronteira natural. Por causa disso, a única maneira de transitar entre as duas cidades é por água, através de empresas de ferry boats que especializadas nessa travessia.

Acompanhe também: O relato sobre a minha visita à Colonia del Sacramento

Entre especificamente essas duas cidades, três empresas fazem esse trajeto: Buquebús, Seacat e Colonia Express. Eu escolhi a Buquebús, por ser a mais tradicional e conhecida, e vou contar como tudo foi agora.

Vista dos barcos no porto

Vista dos barcos no porto

Comprando a passagem

Existem duas formas de comprar passagens: pelo site do Buquebús e diretamente no guichê da empresa no porto de Colonia. Como sempre gosto de sair com todas as minhas passagens devidamente compradas, fiz questão de comprar as passagens diretamente pelo site.

Antes de comprar, vai uma dica: no canto direito superior da tela, veja se o site é o uruguaio. Se for o argentino, existe uma possibilidade dos preço da passagem ser maior. Para mudar, é só clicar neste ícone e escolher o site do Uruguai. :)

Comprar passagens no site do Buquebús é bem tranquilo. Ele só pede algumas informações com o intuito de filtrar a melhor passagem, como por exemplo: porto de partida, número de passageiros, se vai levar carro e data da viagem.

Depois de selecionar todas as suas preferências de datas e afins, o site vai oferecer uma série de horários disponíveis daquele determinado dia, assim como seus respectivos preços.

Escolhendo o horário, ele só pede os dados do cartão de crédito e os nomes dos passageiros, assim como suas nacionalidades. Depois disso, recebi o cartão de confirmação no meu email e só imprimi.

Eu disse acima que é possível comprar a passagem no guichê da empresa no dia da partida, só que é grande a probabilidade do preço ser um pouquinho mais caro que a compra antecipada no site. É muito difícil de um certo horário lotar, então é alta a chance de sobrarem lugares.

Eu acabei pagando aproximadamente R$100 por pessoa, mas já comprei as passagens na véspera da viagem, com um valor um pouco maior do que as primeiras pesquisas me indicavam.

O porto de Colonia

O porto da cidade de Colonia del Sacramento é bem bonito e inclusive parece muito novo. Acho que por causa disso, não existem muitas coisas instaladas ali: uma casa de câmbio, uma lanchonete e vários espaços vazios.

Mas obviamente por ser novo, tudo é muito calmo, claro e organizado. Pegamos nossas passagens que recebemos no email e fizemos check in no guichê do Buquebús. Lá despachamos as malas e recebemos o cartão de embarque.

Aguardando na sala de embarque

Aguardando na sala de embarque

Fora o check in, não há muito o que fazer no porto. Tem wi-fi grátis, mas a qualidade não é das melhores. Menos mal que o centro histórico de Colonia fica a alguns minutos de caminhada dali.

Acompanhe também: 8 fotos imperdíveis para tirar na Colonia del Sacramento

A imigração e o embarque

Após o check in, fomos direcionadas à imigração do porto. Como qualquer lugar de embarque de passageiros intenacionais do mundo, uma vez que você ganha o carimbo no passaporte, não se pode voltar atrás.

Na imigração do Porto de Colonia, você já faz duas coisas: primeiro, a saída do Uruguai; no guichê seguinte, ganha o carimbo de entrada na Argentina. O oficial da imigração argentina só me perguntou qual seria o país que eu visitaria depois. Prontamente disse que voltaria para casa, aqui no Brasil.

Todo o procedimento foi bem rápido, e o mais chato seria esperar até a hora do embarque de fato no Buquebús. Meia hora depois, entramos no ferry e só aguardamos a chegada a Buenos Aires.

Uruguai + Argentina

Uruguai + Argentina

Dentro do Buquebús

O Buque é um ferry bem grande que faz a travessia de não só pessoas, mas também de carros e outros veículos para o outro lado do Río de la Plata. Por ser muito grande, o barco possui muitos lugares e vários serviços.

Como falei um pouco acima, é muito improvável que um buque fique lotado, então não faltarão lugares para os passageiros. Os lugares são bem confortáveis, então não tive muito o que reclamar da travessia.

Segundo andar

Segundo andar

O buque possui free shop, que abre uns 10 minutos após a partida. Quando a poeira baixou um pouquinho, fui até lá e comprei algumas coisas – especialmente chocolates e outros doces. Fora isso, neste free shop são vendidas bebidas, brinquedos, roupas, óculos de sol, cosméticos e outros acessórios.

O free shop em si não é tão grande, mas oferece uma boa quantidade de coisas. Gostei dos preços em geral, e para quem não perde uma comprinha em duty free, comprar ali é ótimo!

Melhor parte: doces

Melhor parte: doces

Como fiquei no free shop por um bom tempo, mal percebi e já estava vendo os prédios de Puerto Madero. O desembarque foi bem tranquilo: as malas saíram rápido, e depois pegamos um táxi pro hotel.

Conclusão: vale a pena a travessia com o Buquebús?

A resposta é sim! Gostei da travessia com o Buquebús, e recomendaria para qualquer pessoa que me perguntasse. Como não conheci o trabalho das outras empresas (que suponho que são boas também), ainda não posso recomendar.

Ainda assim, faço um resuminho de dicas para quem tem o interesse de fazer essa mesma travessia que fiz:

  • compre passagens pela internet: de preferência com antecedência e no site uruguaio;
  • é bom fazer o check in cedo, mas a imigração não precisa ser com muuuita antecedência;
  • não deixe para comer no porto;
  • as principais atrações da Colonia del Sacramento ficam poucos minutos a pé do porto;
  • se gosta de fazer compras no free shop, guarde dinheiro para fazer compras.

No mais, é isso! Espero ter ajudado.

Río de la Plata

Río de la Plata

Camilla no Caminito

Perdão pelo trocadilho, mas tive que escolher esse título para o post, haha. Vou compartilhar com vocês como foi minha ida ao Caminito, ponto turístico de Buenos Aires, e que levanta polêmicas pela internet.

Galeria

Galeria

A maioria dos blogs e sites que visitei sobre o assunto parece ter uma opinião negativa sobre o Caminito. Muitos falam que o lugar é superestimado, que é inseguro, que é muito artificial e que a pessoa não perde nada se não o visitar.

Pois bem, eu discordo deles em muitas partes. Achei o Caminito muito interessante, e vou explicar tudo sobre aqui em baixo.

Origens

O Caminito fica no bairro de La Boca, que no início do século XX era reduto de imigrantes, em sua maioria italianos. O bairro ficava numa região muito pobre de Buenos Aires, e a conservação das ruas não era das mais adequadas.

A rua que deu origem ao Caminito era originalmente um pequeno canal, que acabou secando. Com isso, o local passou a ser um depósito de lixo da área, mas alguns moradores se incomodavam com o fato.

Em 1950, o pintor Benito Quinquela Martín, morador de La Boca, montou uma iniciativa junto com outros vizinhos para revitalizar o local. Para tanto, uma das iniciativas seria de pintar as casinhas de madeira dali em cores vibrantes.

A rua abandonada passaria a ser uma rua alegre, e até o final da década de 50, ela possuiria museus, artesanatos e muita cultura. Para concluir, o nome “Caminito” veio de um famoso tango dos anos 1920, e consolidou o local como importante centro cultural da cidade.

Mais Cores

Mais Cores

Como chegar ao Caminito? E a inseguridade?

Particularmente cheguei e saí de táxi. Estava hospedada na Recoleta, e mesmo assim o valor do transporte não foi muito alto. Na verdade, andar de táxi em Buenos Aires é bem barato, o que é uma ótima conveniência para quem não quer ir a pé para alguns lugares.

Também não existe metrô próximo ao Caminito, mas é possível andar a pé até lá. Dependendo de onde você esteja, é uma boa pernada para chegar até lá, mas não é muito aconselhável devido à insegurança do bairro.

Falei mais em cima sobre a segurança e venho reforçar que eu achei o Caminito bem seguro, pois é uma rua turística e movimentada, mas o mesmo não se aplica para as demais ruas do bairro de La Boca. Fora dos locais turísticos, o bairro não é aconselhável para que turistas (especialmente ostentando objetos de valor) transitem livremente.

De qualquer maneira, é sempre bom ficar atento aos pickpocketers, mas todo viajante bem prevenido (vide guardar dinheiro em locais seguros, utilizar bolsas que são mais complicadas de abrir, etc) geralmente não sofre com as ações dessas pessoas.

Tango

Tango

Atrações do Caminito

O que mais chama a atenção no Caminito são suas galerias e cores. Cada prédio merece uma foto só dele, e cada cantinho é cheio de arte e vida.

Atente que existem vários restaurantes ali, inclusive com algumas apresentações de tango. Só que o preço não é tão bom, e as apresentações são só pra tira gosto. Eu não pararia para almoçar ali, mas se você se empolgou e quer sentar lá, fica por sua conta. :)

Estátuas nas "janelas"

Estátuas nas “janelas”

Lá existem alguns sósias (tipo do Maradona e do Papa) e dançarinos de tango que cobram para tirar foto. Geralmente eu tento evitar esse tipo de gente, mas quando menos percebi, o dançarino de tango ficou colocando os acessórios na minha mãe para tirar foto com ela.

Acabou que nós duas acabamos tirando foto com o dançarino, e ficamos com 200 pesos a menos. Sim, o preço foi salgadinho e ficamos chateadas na hora, mas depois de ver como ficaram as fotos, eu ADOREI o resultado! Como eu adoro fotografias, esse foi um excelente investimento, então, no regrets. Os likes no Instagram não mentem, hehe.

(Gente, até pensei em postar uma dessas fotos aqui, mas não vou. Não gosto muito de postar fotos minhas aqui – até já fiz alguns uploads, mas são pouquíssimos!)

Mas o que eu mais gostei mesmo foram das galerias e seu interior. Muitas delas também são coloridas e enfeitadas, e ainda vendem artesanatos, artigos de couro, lembrancinhas, e os maravilhosos alfajores e doce de leite.

Flores dentro de uma galeria de artesanatos

Flores dentro de uma galeria de artesanatos

 

Sobre lembrancinhas e souvenirs: dentre todos os lugares (inclusive San Telmo), eu encontrei os melhores preços no Caminito. Compramos uma série de coisas como ímãs de geladeira, descanso para copos, miniaturas, camisetas e pacotões de alfajores e alguns quilos (sim, plural) de doce de leite.

O interessante é que muitas lojas oferecem uma prova do doce de leite e do alfajor que eles vendem, então já é uma gostosa ajuda, haha.

Muitos stands também vendem artigos de couro e pele em geral, como casacos, chapéus e afins. Os preços eram meio salgados numa primeira vista, mas comparando em outros lugares, chegamos a conclusão que o Caminito possui as melhores opções.

Conclusão

Achei o Caminito um lugar bem atrativo e chamativo, e não achei superestimado nem enjoativo. A rua possui somente 150 metros de comprimento, e por ser pequena, o passeio pode ser concluído tranquilamente em uma hora ou duas, de preferência pela manhã.

O passeio pode render fotos lindas, mas lembre-se que você terá que pagar para tirar foto com os sósias. Eu paguei e gostei do resultado, mas provavelmente não tiraria uma segunda vez.

Cores

Cores

A extensão do Caminito me pareceu muito segura, mas cuidado ao andar pelas demais ruas do bairro. Antes de conhecer pessoalmente a atração, eu acreditava que ali era um local muito perigoso, e conversando com locais, eles acreditam que a Calle Florida é muito mais incômoda e perigosa que o Caminito e La Boca, e que os assaltos aconteciam quando turistas ostentam coisas caras em ruas desertas do bairro – cuidado que deve ser estendido para toda a cidade de Buenos Aires, assim como em qualquer cidade grande no mundo. Bem, nesse ponto concordo com eles.

Acompanhe também: Não me encantei pela Calle Florida

Enfim, eu adorei o Caminito! Foi uma atração diferente e gostosa do dia, e recomendo a visita. Mas lembre-se de ter cuidado, mas entenda que o mesmo cuidado que você terá em Buenos Aires é o mesmíssimo que você terá em qualquer outra cidade do mundo que você esteja visitando.

 

 

 

Por dentro do Teatro Colón

Um dos principais passeios para quem vai a Buenos Aires é a visita guiada ao Teatro Colón. Este local é um dos ícones da cidade: sua localização central, importância histórica e cultural, e a combinação da arquitetura com opulência só confirmam que a visita ao teatro é imprescindível e marcante. Certamente um must go!

Tapete Vermelho

Tapete Vermelho

Antes de continuar, quero deixar claro um detalhe! A Argentina está sofrendo com uma grande inflação nos últimos tempos, então o preço de tudo subiu! Quando visitei o Teatro Colón (setembro de 2016), o ingresso custava 250 pesos. Por enquanto o preço continua o mesmo, só que não se assuste ao chegar lá e ver um valor maior ainda, numa data futura.

Para começar, este teatro demorou quase 20 anos para ser construído (1889-1908), em substituição a outro Teatro Colón bem menor, e que se localizava em outro lugar. Com a inauguração do prédio novo muitas companhias passaram a se apresentar lá, fazendo com que aos poucos o teatro se consolidasse como principal complexo artístico da cidade de Buenos Aires.

Figurinos de apresentações anteriores

Figurinos de apresentações anteriores

Figurinos de apresentações anteriores

Figurinos de apresentações anteriores

Em 2014, o National Geographic listou as 10 principais Opera Houses no mundo inteiro. De acordo com a lista, o Teatro Colón ocupa a terceira posição, e alguns dos requisitos para tanto foram a incorporação de diversos estilos arquitetônicos, a quantidade de artistas renomados que já se apresentaram ali, e a presença de um próprio departamento cênico em suas dependências.

Por motivos de curiosidade, as outras 9 Opera Houses da lista são o Teatro alla Scala em Milão, Teatro di San Carlo em Nápoles, a Royal Opera House em Londres, o Teatro Bolshoi em Moscou, a Opera House de Sydney, a Ópera de Paris, a Ópera Royal do palácio de Versailles, a Staatsoper de Viena e o Lincoln Center em New York.

Voltando a falar do Teatro Colón, a minha visita guiada foi toda em espanhol, mas foi muito tranquilo de entender e de acompanhar a guia. O Teatro é rico em detalhes e não dá para ficar nenhum momento sem prestar atenção em alguma coisa.

Atenção para o vitral

Atenção para o vitral

Os detalhes de ouro e os vitrais do teatro são belíssimos, não dá para parar de reparar.

Artigo de decoração

Artigo de decoração

Palco

Palco

O salão do teatro é gigantesco. Muitos dizem que a acústica do local é perfeita, e de fato, não podemos falar muito alto, senão era capaz de todos ali dentro nos escutarem.

Interior do teatro

Interior do teatro

Uma coisa que achei curiosa (e bem cruel) era o local que era destinado às viúvas. Elas não poderiam aparecer em público desacompanhadas, mas o direito delas visitarem o teatro era mantido. Isso era possível pois reservaram uns locais escondidos com grades onde elas ficariam ocultas, mas também não poderiam acompanhar as óperas direito.

Peça feita em um só bloco de mármore. Detalhes em relevo perfeitos.

Peça feita em um só bloco de mármore. Detalhes em relevo perfeitos.

Antigamente, os melhores lugares do teatro.

Antigamente, os melhores lugares do teatro.

O lustre também é magnífico! Sou fã dessas estruturas, e assim como em muitos teatros, existe uma sistemática que faz com que um cabo de aço leve o lustre até o chão com o objetivo de limpá-lo e de fazer sua manutenção devida.

Teto e lustre

Teto e lustre

Mais uma vez, visita recomendadíssima!
Valor: 250 pesos argentinos (valores do fim de 2016)
Horário: das 9h às 17h, com saídas a cada 15 minutos. (Sujeito à disponibilidade)
Localização: Tucumán 1171 (Estações de metrô: Tribunales ou 9 de Julio)

Museu da Casa Rosada, em Buenos Aires

Anteriormente conhecido como Museo del Bicentenario, este museu foi construído em 2011 durante o governo da então presidente Cristina Kirchner, e este local foca em apresentar o passo a passo da construção da nação argentina desde seu início através de objetos, vídeos e outros artefatos (por isso o nome Bicentenario, pois o país completara 200 anos de existência em 2011). Com o novo governo Macri, o nome foi trocado e passou a se chamar Museu da Casa Rosada, como forma de desvincular a imagem do governo anterior, mas a essência é a mesmíssima.

Bandeira da Argentina, localizada na Plaza de Mayo (em frente à Casa Rosada)

Bandeira da Argentina, localizada na Plaza de Mayo (em frente à Casa Rosada)

Antes de continuar a comentar, eu fiquei muito chateada, pois eu não visitei a Casa Rosada (a Casa Rosada e o Museu da Casa Rosada são lugares distintos), e eu tenho um pouco de parcela de culpa nisso. Contratei um serviço de assessoria turística em Buenos Aires com o intuito de ficar despreocupada em relação a roteiro. No dia recomendado fomos até à Casa Rosada, mas era necessário agendar a visita por e-mail, coisa que a assessoria não avisou. Se eu tivesse feito tudo de maneira própria como sempre, provavelmente teria visto essa informação.

Enfim, não visitamos o prédio da sede do governo argentino, porém tiramos fotos do exterior, que foi o que deu (que triste) e continuamos o planejado do dia visitando o Museu Casa Rosada (o tema do post, mesmo). Ele se localiza nos fundos da Casa Rosada, na av. Hipolito Yrigoyen: a entrada é uma estrutura de vidro.

A visita começa numa sala que possui um vídeo explicativo e alguns objetos e imagens sobre o local onde o museu se encontra: as ruínas da antiga aduana Taylor. Segundo o que foi explicado, a Casa Rosada foi construída às margens do Rio da Prata e as galerias da aduana ficavam obviamente debaixo d’água. Ou seja, todo o espaço daquele museu originalmente era todo afogado, e se você olhar no mapa, as margens do Rio da Prata se encontram muito mais longe que seu curso original – depois do novo bairro de Puerto Madero.

Dentro do Museu Casa Rosada

Dentro do Museu Casa Rosada

A visita continua com uma espécie de linha do tempo: desde a Revolução de 1810 até os dias de hoje. Cada “era”, digamos assim, é dividida entre os arcos das galerias, com cada espaço representando sua época devida, através de um rico acervo composto de objetos importantes, quadros, documentos, fotos e vídeos explicativos que ajudam a entender o contexto da história argentina para leigos.

20160911_110635

20160911_110539

20160911_111244

Essa linha do tempo que citei acima é dividida em 14 partes que são denominadas em:
– De la Revolución;
– La anarquía. Rosas, el restaurador de las leyes. Unitarios y Federales;
– Organización del Estado Nacional;
– Gran inmigración y el orden conservador;
– Del sufragio popular, el Radicalismo y las luchas sociales;
– De la década Infame al ascenso de Perón;
– El Peronismo;
– La Libertadora: La proscripción de las mayorías;
– La resistencia Peronista. Organizaciones políticas y sociales;
– La dictadura militar: El Proceso;
– La recuperación democrática y sus límites;
– El Neoliberalismo;
– La recuperación política, económica y social. El Bicentenario.

20160911_112406

20160911_112354

20160911_110923

Uma coisa que me chamou a atenção foram os vídeos. Eles me fizeram compreender de uma maneira simples, como que a história da Argentina se desenvolveu. Também adoro ficar admirando objetos antigos, o que enriquece muito este museu.

Para concluir, existe uma exposição permanente no local. A obra “Ejercicio Plástico” do artista mexicano David Siqueiros está conservada no local e uma guia fica explicando o contexto da obra, datada dos anos 1930. O que é mais interessante sobre essa obra é que ela é um sótão, literalmente.

20160911_120623

Este artista, o Siqueiros, pintou essa obra no sótão de uma casa em Buenos Aires, e o processo de recuperação (iniciado em 1990) exigiu que todo o cômodo fosse retirado, num processo pioneiro no mundo. Achei a obra meio obscura, até angustiante, mas é admirável e cheias de nuances para observar.

Estilo de "Ejercicio Plástico"

Estilo de “Ejercicio Plástico”

O Museu Casa Rosada (ou Bicentenario, para àqueles que ainda não se adaptaram à nova nomenclatura) é bem tranquilo e interessante. Ele não consome muito tempo de visita e se encaixa em diversas programações, por estar tão próximo de outras coisas que merecem visita em Buenos Aires. Vale muito a pena conhecer.

Airport review: Ministro Pistarini – Ezeiza (EZE)

O aeroporto de Ezeiza em Buenos Aires recebe a maioria dos voos internacionais da cidade, e é bem possível que o seu voo chegue na capital argentina ali. Tanto a Gol como a Latam operam voos diários para Ezeiza, e aqui irei apresentar alguns pontos relevantes e importantes que você tem que saber sobre o primeiro lugar que você entrará em contato em Buenos Aires!

Terminal de Ezeiza

Terminal de Ezeiza

Companhias aéreas que voam para o Brasil:
Ezeiza é um dos aeroportos internacionais que possuem maior número de voos diretos para o Brasil. Não fiz nenhuma pesquisa estatística mais profunda, mas não estranharia se este fosse o aeroporto estrangeiro com o maior número de voos de e para o Brasil.Atualmente, 9 companhias aéreas atuam em voos diretos para o nosso país.

Obviamente, algumas delas já vem automaticamente na cabeça, por serem empresas argentinas e brasileiras, como as Aerolíneas Argentinas, e as nossas Gol e Latam Brasil. Outras empresas argentinas como a Austral e a Latam Argentina (que é irmã da Latam daqui) também operam voos para o Brasil.

A Latam do Paraguai termina a lista de empresas latinoamericanas que operam voos de Ezeiza para o Brasil, e também vale ressaltar as três empresas do Oriente Médio que utilizam os nossos aeroportos como escalas para seus destinos finais. A Emirates opera o trecho Buenos Aires – Dubai com escala no Rio de Janeiro (Galeão) e a Turkish Airlines e a Qatar Airways operam seus respectivos trechos Istambul (Atatürk) – Buenos Aires e Doha – Buenos Aires através de uma escala em São Paulo (Guarulhos).

Só lembrando que pelo fato de serem escalas, os passageiros das três companhias que citei acima tem a opção de irem tanto para o Oriente Médio, assim como para Buenos Aires! De vez em quando eles fazem promoções, é só ficar de olho.

Quais cidades brasileiras tem voos para Ezeiza?
Felizmente EZE possui conexões com várias cidades brasileiras. São Paulo (Guarulhos) possui o maior número de voos e empresas que operam até lá, seguido do Rio de Janeiro (Galeão).

Outras cidades como Brasília, Florianópolis, Salvador, Natal, Fortaleza e Recife também possuem voos diretos para Ezeiza, fazendo com que muitos brasileiros tenham uma maneira mais fácil de visitar nossos irmãos austrais.

Ontem mesmo uma notícia foi divulgada nos meios de comunicação daqui dizendo que a Anac liberou um voo semanal entre Manaus e Buenos Aires (!!) (Updated: temos um voo semanal – ida aos sábados e volta aos domingos) para começar a partir do mês que vem já. Espero que os procedimentos sejam rápidos e que em breve a nossa cidade possa conquistar mais um trecho internacional, para facilitar a vida dos nossos viajantes!

Como se locomover até o Centro?
No aeroporto se localizam alguns guichês de vans e outros tipos de transfer, assim como os táxis usuais. Dependendo do número de passageiros e destinos, você pode escolher como ir até o centro da cidade. Vale ressaltar que não existe metrô ou outro tipo de trem, então o viajante já deverá buscar informações prévias sobre o melhor tipo de transporte que lhe convém.

Vale lembrar que Ezeiza não se localiza em Buenos Aires. Ela é como se fosse uma cidade um pouco afastada da capital argentina, e para chegar lá é preciso saber organizar seu tempo. Eu só utilizei esse aeroporto na volta para o Brasil, e o meu voo saía de madrugada. Saí do meu hotel na Recoleta às 3h da madrugada e o trajeto até o aeroporto levou 40 minutos, sem nenhum trânsito. Durante o dia, podem existir congestionamentos, então o ideal é sair preparado com muito tempo de antecedência!

Para complementar, o transporte que escolhi foi o táxi (indicado pelo hotel) e ele custa 480 pesos, o que é um preço único para saída de qualquer ponto de Buenos Aires até Ezeiza.

Bandeira da Argentina em Lego

Bandeira da Argentina em Lego

Como é a imigração?
Como falei nos parágrafos acima, eu só passei pela imigração de Ezeiza na saída de Buenos Aires. Como previsto, foi tudo tranquilo, sem perguntas nem observações. Apenas um bom dia, colocar o passaporte no scanner e um carimbo de saída de brinde.

Mas para complementar, quando saí do Uruguai em direção à Argentina, a única questão que o agente da imigração me fez foi qual seria o meu destino depois de Buenos Aires, e prontamente respondi que o Brasil, pois iria voltar para casa.

Passaporte ou identidade?
Pensei em fazer um post especial e mais profundo sobre isso (e irei fazê-lo!), mas desde já adianto que mesmo com o Mercosul e o livre trânsito de pessoas, o passaporte é o documento mais indicado para você levar. Mesmo que sua identidade esteja em bom estado e com data de emissão de até 10 anos, leve o passaporte.

Free shop vale a pena?
É uma pena, mas dessa vez não comprei nada no Duty Free. Mesmo assim, caminhei pelo local e verifiquei produtos e preços, e te garanto que com certeza o Free Shop de Ezeiza é bem completo e tem alguns preços interessantes. O que eu compraria ali é óbvio: seriam os doces de leite argentinos maravilhosos!

Free shop na Argentina

Free shop na Argentina

Tem wifi?
Tem sim, e ilimitado! Como venho falado nesse tipo de post, hoje é muito difícil ver um aeroporto internacional de grande porte sem que tenha wifi grátis, mesmo com período de tempo.

Qual a disponibilidade de cadeiras?
Não faltam cadeiras em Ezeiza, só que elas parecem ser meio desconfortáveis para dormir.

E os banheiros?
Honestamente, achei que ali possuem poucos banheiros na área de embarque, e longe dos portões. O banheiro mais próximo que encontrei ficava próximo à área de imigração.

Tem lugar pra comer?
Tem sim, mas não com a grande variedade de outros aeroportos (especialmente os da Europa). Mas o importante é que não dá pra ficar sem fome em Ezeiza.

Para concluir, queria dizer que o meu voo saindo de Buenos Aires foi muito especial. Já falei aqui em outros posts que eu morro de medo de voar, apesar de saber de cor e salteado que os aviões são seguros, e blá blá blá (medo não se escolhe, se sente, haha). Dessa vez, enquanto estava no free shop eu vi a tripulação passando de relance e vi algo que me deixou muito feliz: um dos pilotos era uma mulher!

Sempre presto atenção e era a primeira vez que via uma mulher Comandante, o que me deixou muito tranquila. Se uma mulher era piloto de um voo, e internacional ainda, era por que ela era muito boa! Por um momento eu me perguntei se ela era uma aeromoça, mas ela estava com o quepe de piloto na cabeça e não a vi no avião durante o serviço de bordo. Quando estava no finger, prestes a entrar no avião, estiquei meu pescoço e vi no lado esquerdo da cabine (normalmente onde o piloto fica) uma mão feminina, fazendo umas anotações. Infelizmente, quem falou no rádio alguns minutos depois (aqui é o Comandante fulano, tenham um bom voo, blá blá blá) foi um homem. Para completar a desconfiança, no desembarque a cabine do piloto estava com as portas fechadas. Se eu a encontrasse lá, juro que a agradeceria pelo voo, e como a presença dela tinha sido inspiradora para mim. Enfim, no fundo, acredito que fomos conduzidos por uma mulher e tenho que acrescentar que o voo foi tranquilo – decolagem e pouso suave – e claro, acalmou uma medrosa.

Acompanhe também:

Airport Review: Orlando Int’l Airport (MCO)
Airport Review: Aeroporto di Milano – Malpensa (MXP)
Airport Review: Flughafen München (MUC)
Airport Review: Flughafen Frankfurt am Main (FRA)
Airport Review: Paris Charles de Gaulle – Roissy (CDG)
Airport Review: Miami Int’l Airport (MIA)
Airport Review: San Francisco Int’l Airport (SFO)
Airport Review: Aeropuerto Internacional de Tocumen (PTY)
Airport Review: Chhtrapati Shivaji Int’l Airport (BOM)
Airport Review: Flughafen Wien (VIE)
Airport Review: Aeroport Sheremetyevo (SVO)
Airport Review: Budapest Liszt Ferenc – Ferihegy (BUD)

Airport Review: Istanbul Atatürk (IST)
Airport Review: Aeroporto da Portela (LIS)

Airport Review: Chicago O’Hare Int’l Airport (ORD)

Visitando o cemitério da Recoleta

Nessa viagem à Buenos Aires fiquei hospedada na Recoleta, local nobre da cidade que possui vários parques, lojas, bares e restaurantes. Somente por isso, o bairro em si já tem muitos atrativos que chamam a atenção dos turistas, mas existe outro lugar onde a visita é imprescindível a quem visita a cidade: o cemitério da Recoleta.

Ali estão enterradas diversas personalidades do país, como ex-presidentes, políticos, ganhadores de prêmios Nobel e pessoas da alta sociedade portenha.

Pode parecer mórbido, mas o passeio no cemitério foi muito agradável e interessante. Ali, muitas famílias da alta sociedade Argentina possuem seus grandes – e muito bem cuidados – mausoléus, onde descansam em paz para a eternidade. Também achei um excelente lugar para tirar fotos!

p1140416

p1140428

p1140439

20160910_153927

Como todo cemitério, existem algumas histórias curiosas e inclusive relatos de fantasmas de andam por ali. Posso citar rapidamente algumas das mais famosas:

  • A dama de branco: Rufina Cambaceres era uma jovem que viveu na virada do século XIX que dizem que “morreu duas vezes”. Existem várias versões de sua história, sendo a mais famosa, a descoberta de um caso da sua mãe com seu namorado, o que a fez desmaiar e nunca mais acordar. Outros dizem que a mãe, ao chamar a filha para uma festa, descobriu seu corpo morto no chão.
    Dizem que ela morreu duas vezes pelo fato de que ela possivelmente foi enterrada viva (modo de dizer pois neste cemitério, as pessoas não são enterradas, e sim só colocadas). Isso se dá pelo fato de que, dias após o sepultamento, funcionários do cemitério achavam que o mausoléu estava estranho. Ao abrirem o caixão, arranhões  foram encontrados do lado de dentro, e o corpo estava fora do lugar.
  • A noiva: Eliza Brown era uma moça que estava noiva de um rapaz chamado Francis Drummond. Este foi lutar na Guerra da Cisplatina, e acabou morrendo durante uma batalha. Ao receber a notícia da morte do amado, ela se jogou no Rio da Prata usando seu vestido de noiva, o que deu fim trágico a essa história.
    Seus restos mortais estão em destaque, numa caixa verde feita de bronze.
  • A avalanche: Liliana Crociati faleceu em Innsbruck, na Áustria, em 1970. Ela estava em lua de mel com seu marido quando uma avalanche soterrou o hotel onde estavam dormindo. O marido acabou sobrevivendo, e o mais curioso é que seu cachorro Sabú morreu na mesma hora da avalanche, em Buenos Aires. Até hoje o túmulo é frequentemente ordenado com flores.
  • O funcionário: David Alleno trabalhava como cuidador no cemitério da Recoleta. Ele economizou o dinheiro de uma vida de trabalho quase inteira para comprar um túmulo ali, e diz que ele se matou para poder estrear o túmulo. Oi?
  • Evita: Talvez a personalidade mais famosa para olhos brasileiros, a ex-primeira dama argentina Eva Perón está sepultada ali, porém nem sempre foi assim. Após sua morte decorrente de um câncer de útero agressivo em 1952, seu corpo ficou exposto por cerca de três anos para que os argentinos pudessem homenageá-la.
    Em 1955 com a queda de Perón, seu corpo sofreu uma espécie de peregrinação, com a missão de ser sepultado anonimamente. Ela acabou sendo enterrada na Itália sob uma outra identidade, mas seu corpo retornou à Argentina em 1976, onde finalmente foi sepultada no túmulo da família Duarte, e lá permanece até hoje.

Seguem mais fotos abaixo!

p1140443

p1140438

p1140432

p1140437

p1140414

p1140430

p1140449

A entrada é gratuita, assim como as visitas guiadas que acontecem à tarde. O cemitério localiza-se na Av. Junín, 1760.

Não me encantei pela Calle Florida

Não gosto de fazer posts assim, e na verdade, esse é o segundo post onde destaco mais os pontos negativos que os positivos de determinado lugar. O outro post foi sobre New York, que é uma cidade que infelizmente não gostei e não pretendo voltar.

No meu último post, eu adiantei brevemente no texto que eu eliminaria o “dia de compras” em Buenos Aires, e adicionaria um dia a mais na Colonia del Sacramento, pelo fato de que eu não tinha gostado da programação do dia que envolvia a Calle Florida e as Galerias Pacífico. Questão de gosto, e já explico.

Primeiro, ultimamente não está muito bom de viajar para Buenos Aires com o propósito de fazer compras. Conversando com alguns locais, todos reclamaram que os preços das coisas subiram muito, e pude comparar também com outros amigos que já visitaram a cidade e até outras páginas que informavam coisas sobre Buenos Aires.

Por exemplo, fiz uma pesquisa de preços sobre a visita guiada ao Teatro Colón. Acessei dois blogs conhecidos sobre o assunto: um afirmava que o ingresso para essa visita era de 110 pesos, e outro, 180 pesos. A verdade é que o ingresso hoje (setembro de 2016) já custa 250 pesos, e o valor atualizado está na página do Teatro. Prova muito clara e simples de que a inflação se tornou um problema para nossos hermanos recentemente.

Voltando sobre as compras, os preços não estão competitivos, e tem muitos produtos semelhantes que podemos comprar no Brasil. As exceções são os produtos de couro e os chapéus de pele, que possuem ótima qualidade e que não são tão fáceis de se encontrar em muitas regiões no Brasil. Esses sim valem a pena, caso possua interesse (e claro, dinheiro ^^).

20160913_112308

Segundo, não achei a Calle Florida muito segura e agradável. Confesso pra vocês que não gosto de ser abordada na rua por pessoas oferecendo serviços, o que pode parecer com outros olhos um pouco de prepotência. Lá, possuem muitas pessoas oferecendo serviços desde shows de tango, city tour e câmbio aos montes! Toda hora você fica escutando “câmbio, câmbio, câmbio”, sempre com pessoas paradas estrategicamente em entradas de galerias, lojas, bancos, etc.

Eu entendo que é o trabalho das pessoas ali, e que provavelmente elas devem ganhar por serviço vendido, o que as obriga a fazer esse tipo de abordagem. Mas a partir do momento em que eu educadamente digo “não, obrigada”, as pessoas devem entender que eu não vou comprar aquele serviço, não importa o que eles digam.

Nessa hora eu me lembrei de uma foto que eu vi na internet que era de um rapaz sentado trabalhando com um papel nas costas dizendo mais ou menos assim: “estou muito ocupado, e só me chame se você estiver morrendo ou pegando fogo”. Na hora eu pensei que cairia bem uma plaquinha dizendo “Bom dia! Já fiz câmbio, já fiz os passeios, já assisti ao Tango, não tenho mais dinheiro e vou embora da cidade hoje, por isso não tenho interesse em ser abordada, a não ser que você esteja morrendo ou pegando fogo. Obrigada!”. Um pouquinho de humor às vezes faz bem hehehe.

Sobre segurança, sempre é bom ter cuidado em ruas com muitas pessoas. Fazendo minhas pesquisas habituais eu descobri um tal de “truque da mostarda” que é comum em BsAs. Ele consiste numa pessoa que suja seu pé ou alguma outra parte do corpo com mostarda. Enquanto você fica distraído limpando a sujeira, uma pessoa vai e rouba alguma coisa sua. Vale também lembrar do truque do dinheiro, que acontece mais no Leste Europeu. Uma pessoa te aborda dizendo que achou uma nota de dinheiro no chão e que acha que é sua. Assim que você aceita a nota, verificando no lugar onde você guarda dinheiro, o ladrão vai lá e te rouba. Todo cuidado é pouco, realmente.

Também devo comentar que alguns blogs falam da Zara e também da Falabella, que é uma loja de departamentos presente na Calle Florida. Eu entrei nas duas só pra conhecer, mas não me surpreendi. A Zara tinha roupas lindas (adoro essa loja, sério), mas muitas vezes as mesmas roupas que vendem lá são vendidas aqui no Brasil também. Então (na minha opinião né) acho que não vale a pena gastar seu precioso dinheiro lá fora com algo que você pode comprar por aqui.

Confesso que não conhecia a Falabella, mas minha mãe já. Ela se lembrava de algumas roupas que ela adorava que ela havia comprado nessa loja só que em outro país, então por isso entramos e verificamos. Não gostei das roupas e achei tudo muito caro! Uma blusinha de manga num tecido simples custando mais de 600 pesos! Acho que esse foi o valor do jantar mais caro que tive na cidade, pelo que me lembro.

calle-fl

Para concluir, preciso falar do ponto alto da rua, que são as Galerias Pacífico. Localizada na esquina entre a Calle Florida e Av. Córdoba, esse é um ótimo shopping, porém pequeno em comparação ao que vemos no Brasil e nos Estados Unidos, considerado como paraíso de compras por muitos viajantes.

O lugar em si é bem bonito e agradável, com lojas de ótimas marcas e grande variedade de produtos, como maquiagens, sapatos, eletrônicos e obviamente, muuuitas lojas de roupa. Ali também possui uma boa praça de alimentação para os interessados. Demos uma volta, porém nada nos interessou muito.

20160913_111646

Então, na minha opinião, eu não recomendo a Calle Florida para compras. Mas é aquela coisa, cada um tem seu gosto e é isso que importa no fim das contas. :))

Mas vale a pena conhecer? Sim! Claro que vale. A Calle Florida ainda é um dos principais pontos turísticos da cidade, e mesmo com os defeitos que vi, preferi ter ido e visto tudo que eu comentei com vocês do que não ir e ter ficado na dúvida se eu iria gostar ou não de lá. A única coisa que eu recomendo é que se você for, vá sem expectativas! Quem sabe a sua visita não será bem melhor do que foi a minha? :)